Microsporum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaMicrosporum
Microsporum gypseum

Microsporum gypseum
Classificação científica
Reino: Fungo
Divisão: Ascomycota
Classe: Eurotiomycetes
Ordem: Onygenales
Família: Arthrodermataceae
Género: Microsporum

Microsporum é um gênero de fungos que causam tinea capitis e tinea corpus, além de outras dermatofitoses (micoses de pele). Microsporum forma tanto macroconídios (estruturas de reprodução sexuada grandes) quanto microconidíos (estruturas de reprodução assexuadas menores) em conidióforos curtos . Os macroconídios são hialinos, multiseptados, em geral fusiformes com tamanho de 7–20 por 30–160 micrômetros de tamanho. Seu formato, tamanho e características da parede são relevantes para a identificação de espécies. Os microconídios, por sua vez, são hialinos, unicelulares, de formato piriforme a clavado, com paredes lisas e tamanho de 2.5–3.5 por 4–7 micrômetros, não sendo usados para identificação das espécies.[1]

Espécies[editar | editar código-fonte]

  • Microsporum amazonicum
  • Microsporum audouinii
  • Microsporum boullardii
  • Microsporum canis
  • Microsporum canis var. distortum
  • Microsporum cookei
  • Microsporum distortum
  • Microsporum duboisii
  • Microsporum equinum
  • Microsporum ferrugineum
  • Microsporum fulvum
  • Microsporum gallinae
  • Microsporum gypseum
  • Microsporum langeronii
  • Microsporum nanum
  • Microsporum persicolor
  • Microsporum praecox
  • Microsporum ripariae
  • Microsporum rivalieri

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Lakshmipathy, D. T. & Kannabiran, K. Review on dermatomycosis: pathogenesis and treatment. Nat. Sci. 02, 726–731 (2010)