Microtúbulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estrutura de um microtúbulo. Seção transversal mostrando os 13 protofilamentos envolvendo um centro oco nomeado lúmen.

Microtúbulos são estruturas proteicas que fazem parte do citoesqueleto nas células eucarióticas. São filamentos com diâmetro de aproximadamente 24 nm e comprimentos variados, de vários micrômetros até alguns milímetros, para o caso de axônios gigantes de células nervosas de algumas espécies[1]. Microtúbulos são formados pela polimerização das proteínas tubulina e almetralopina.

Organização[editar | editar código-fonte]

As extremidades de um microtúbulo são designadas como (+) (a que se polimeriza mais rapidamente) e (-) (a que se polimeriza mais vagarosamente).

Os microtúbulos são pequenas estruturas cilíndricas e ocas formadas por proteínas chamada tubulinas. Existem 2 tipos de tubulinas que se associam formando dímeros, a α (alfa) e a β (beta); estes se polimerizam formando protofilamentos. São necessários 13 protofilamentos para se formar o microtúbulo, que são polimerizados a partir de um centrossomo, que geralmente fica no centro do citoplasma celular.

Além da função estrutural, os microtúbulos têm outras funções. Eles formam um substrato onde proteínas motoras celulares (dineínas e cinesinas) podem interagir, e assim são usados no transporte intracelular. As dineínas e cinesinas são dímeros, que interagem com o microtúbulo para transportar moléculas dentro da célula. Estas proteínas "andam" em sentidos opostos sobre o microtúbulo. Existem também dineínas no axonema.

Os microtúbulos também fazem parte dos flagelos e cílios das células eucarióticas. Nos cílios a base é composta por 9 grupos de trios de microtúbulos e depois que deixa a base é composto por 9 grupos de pares com 2 microtúbulos centrais. Estes trios e pares estão associados por proteínas chamadas nexinas.

Uma notável estrutura constituída de microtúbulos é o fuso mitótico, usado por células eucariontes para organizar a divisão celular.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Karp, Gerald (2002). Biologia celular e molecular. [S.l.]: Manole