Mieloma múltiplo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mieloma múltiplo
Plasmócitos neoplásicos ao microscópio (H&E).
Classificação e recursos externos
CID-10 C90.0
CID-9 203.0
OMIM 254500
DiseasesDB 8628
MedlinePlus 000583
eMedicine med/1521
MeSH D009101
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Mieloma múltiplo é uma neoplasia maligna dos plasmócitos, os glóbulos brancos que produzem anticorpos. Afetam 6 em cada 100.000 habitantes, sendo mais comum em homens, negros, obesos e maiores de 60 anos. Corresponde a cerca de 10% do total dos cânceres de sangue.[1]

Causas[editar | editar código-fonte]

Esta doença em geral desenvolve-se a partir de uma condição pré-maligna assintomática chamada gamopatia monoclonal de significado indeterminado (GMSI). A GMSI é identificável em cerca de 3% da população acima dos 50 anos. Esta condição evolui para mieloma múltiplo na taxa de cerca de 1% ao ano.[2]

Em alguns pacientes, é identificável uma condição intermediária, também assintomática, porém num estágio pré-maligno mais avançado, denominada mieloma múltiplo smoldering.[3]

Sinais e Sintomas[editar | editar código-fonte]

Alterações Ósseas[editar | editar código-fonte]

A destruição óssea acentuada ocasionada pelos plasmócitos neoplásicos leva, com freqüência, a dores ósseas, fraturas patológicas, hipercalcemia e anemia.

Infecções[editar | editar código-fonte]

Podem ocorrer infecções recorrentes, em parte devido à produção diminuída de imunoglobulinas normais, contrastando com o excesso do componente monoclonal anormal.

Insuficiência Renal[editar | editar código-fonte]

As imunoglobulinas monoclonais e proteínas de cadeia leve causam dano aos túbulos renais causando proteinúria e hematúria.

Anemia[editar | editar código-fonte]

A anemia pode ser ocasionada tanto pela infiltração neoplásica da medula óssea quanto pela diminuição dos níveis de eritropoetina em decorrência da insuficiência renal.

Sintomas neurológicos[editar | editar código-fonte]

Radiculopatia, visão borrosa e dor de cabeça são as complicações neurológicas mais comuns, causadas pelo aumento da viscosidade sanguínea. Outros sintomas incluem confusão mental, perda de controle da bexiga, paralisia das penas e dor na mãos (síndrome do túnel do carpo). A neuropatia também pode ser um efeito adverso da quimioterapia.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Eletroforese de proteínas indicando gamapatia monoclonal, ou seja, superprodução de um único tipo de imunoglobulinas.

Deve-se suspeitar mieloma em pacientes com anemia normocítica, insuficiência renal, dor óssea e calcemia elevada. Exames de imagem pode detectar complicações como deformação óssea. A aspiração da medula óssea com agulha longa para biópsia tem valor prognóstico. Electroforese indica um grande aumento nas imunoglobulinas (gamapatia monoclonal) geralmente IgG ou com menos frequência IgA e IgM. A confirmação diagnóstica é feita buscando as proteínas M ou beta-2-microglobulina, ambas produzidas pelas células do mieloma, e que informam sobre a agressividade do mieloma.[4]

Outros exames de sangue úteis incluem[4]:

  • Função renal (síndrome nefrítico),
  • Contagem de células sanguíneas (está elevado),
  • Níveis de cálcio sérico (está elevado),
  • Níveis de ácido úrico (está elevado),
  • Proteínas de Bence Jones (proteína M na urina).

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento consiste em quimioterapia, esteroides, imunoterapia, transplante de células-tronco hematopoiéticas e radioterapia. A bioterapia com talidomida, lenalidomida ou pomalidomida tem se tornado muito eficiente na remissão deste tipo de neoplasia. Raramente há cura, sendo o prognóstico frequentemente desfavorável, com sobrevivência de apenas 35% em 5 anos após o começo dos sintomas.[5]

Referências

  1. Kyle RA, Rajkumar SV (2004). «Multiple myeloma». N Eng J Med. 351: 1860-1873 
  2. Kyle RA, Therneau TM, Rajkumar SV; et al. (2002). «A long-term study of prognosis of monoclonal gammopathy of undetermined significance». N Eng J Med. 346: 564-569 
  3. Kyle RA, Remstein ED, Therneau TM; et al. (2007). «Clinical course and prognosis of smoldering (asymptomatic) multiple myeloma». N Eng J Med. 346: 564-569 
  4. a b Mayo Clinic Staff. Multiple myeloma - Diagnosis. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/multiple-myeloma/basics/tests-diagnosis/con-20026607
  5. Seiter, K; Shah, D; Chansky, HA; Gellman, H; Grethlein, SJ; Krishnan, K; Rizvi, SS; Schmitz, MA; Talavera, F; Thomas, LM (23 December 2013). Besa, EC, ed. "Multiple Myeloma Treatment & Management". Medscape Reference.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]