Mighty Joe Young

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mighty Joe Young
O Grande Joe Young (PT)
Poderoso Joe (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
1998 •  cor •  114 min 
Direção Ron Underwood
Produção Ted Hartley
Tom Jacobson
Roteiro Merian C. Cooper
Ruth Rose
Mark Rosenthal
Lawrence Konner
Elenco Bill Paxton
Charlize Theron
Rade Serbedzija
Peter Firth
Regina King
David Paymer
Gênero Aventura
Drama
Fantasia
Música James Horner
Cinematografia Donald Peterman
Oliver Wood
Edição Paul Hirsch
Companhia(s) produtora(s) Walt Disney Pictures
RKO Pictures
Distribuição Buena Vista Pictures
Lançamento Estados Unidos 25 de dezembro de 1998
Brasil 22 de janeiro de 1999
Portugal 19 de março de 1999
Idioma Inglês
Orçamento US$90 milhões
Receita US$ 50 632 037 (Estados Unidos)
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Mighty Joe Young (Poderoso Joe (título no Brasil) ou O Grande Joe Young (título em Portugal)) é um filme norte-americano da Disney do gênero aventura de 1998 dirigido por Ron Underwood e estrelado por Bill Paxton e Charlize Theron. O roteiro é baseado em filme do mesmo nome, de 1949. Nesta versão, o macaco é muito maior do que no original.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Um gorila brincalhão e inteligente e sua melhor amiga, Jill Young, cresceram juntos nas montanhas da África central. Quando a pacífica existência de Joe é abalada por caçadores ilegais, Jill e um zoólogo resgatam seu inocente amigo e o transferem para uma área de preservação na Califórnia. Mas a segurança de Joe dura pouco: um implacável caçador faz de tudo para capturá-lo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Um modelo do trailer usado em uma cena do filme. O modelo é usado agora em uma atração em Disney's Hollywood Studios

No dia 2 de julho de 1997, durante as filmagens no Vale de São Fernando, Califórnia, o diretor de fotografia Donald Peterman e o cameraman Ray De La Motte se acidentaram após o guindaste em que eles estavam quebrar.[1] Os dois cairam de uma altura de mais de 7 metros. A produção do filme foi interrompida por dois dias e Peterman foi substituido por Oliver Wood na função. Em 2000 Peterman processou a empresa Panther Pegasus, fabricante do guindaste, e ganhou $5 milhões de dólares de indenização.[2]

Música[editar | editar código-fonte]

A música para o filme foi composta e regida por James Horner. A trilha sonora foi lançada em dezembro de 1998.

Mighty Joe Young: Original Score
Trilha sonora de James Horner
Lançamento 8 de dezembro de 1998
Gravação 1998
Duração 73:01
Gravadora(s) Hollywood
Cronologia de James Horner
Back to Titanic
Bicentennial Man

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração
1. "Sacred Guardian of the Mountain"   3:57
2. "Poachers"   7:52
3. "Attempted Capture"   6:00
4. "The Trees"   6:04
5. "Our Last Chance – A New World"   3:48
6. "A Broken Promise"   4:31
7. "Leaving by Night"   5:14
8. "Hollywood Boulevard"   7:45
9. "Freeway Crossing"   4:08
10. "The Carnival"   6:22
11. "The Burning Ferris Wheel"   7:36
12. "Dedication and Windsong"   9:44

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme arrecadou $50,632,037 com um orçamento de produção de $90 milhões, tornando-se assim uma bomba nas bilheterias, devido à concorrência com The Prince of Egypt, The Rugrats Movie, Babe: Pig in the City, A Bug's Life, e Patch Adams.

Criticamente, o Mighty Joe Young teve uma recepção melhor do que outro remake do grande monstro do ano, Godzilla de Roland Emmerich; no entanto, em última análise, recebeu críticas mistas, alguns críticos criticando-o como sendo tipicamente 'Disney' no enredo e desfecho. O filme tem uma classificação de 52% do Rotten Tomatoes.[3]

Roger Ebert do Chicago Sun-Times deu ao filme 3 estrelas de 4, dizendo: "Mighty Joe Young é um enérgico, robusto conto de aventura: não muito cínico, violento ou fragmentada para as crianças, não muito manso para adultos. Afinal o cálculo por trás de "Godzilla" e "Armageddon", que tem uma espécie de inocência. Não se trata de um monstro, mas de um muito grande, bem-intencionado gorila que só quer ser deixado em paz". Apesar de dar as críticas positivas do filme, ele também apontou que as cenas de romance e vilões foram apenas média e de nenhuma maneira excepcional.[4]

Reelviews Movie Reviews deu ao filme três estrelas de quatro e críticas positivas: "Embora o tamanho do Joe faz dele um monstro, sua disposição faz ele fofinho. Apesar de não ser ousado no estilo ou história, o Mighty Joe Young é, contudo, uma aventura encantadora e divertida, e um remake raro que é melhor do que o original. Pode não ter o soco bilheteria exceder a marca de $100 milhões, mas é bom o suficiente para entreter o público".[5]

Entre os que criticaram o filme incluiu Maitland McDonagh do TV Guide, que deu ao filme 2,5 estrelas de 4 e disse: "Este é espetáculo impulsionado pela tecnologia: É muito superficial para realmente trabalhar para adultos, mas tão lento e implacavelmente grave que as crianças são obrigadas a ficarem inquietas. Próprio Joe é uma criação incrível, menos apresentável, com certeza, que o original apaixonado King Kong, mas um personagem muito mais plenamente realizado do que qualquer carne e sangue humanos pelo qual ele está cercado".[6]

Dustin Putman deu duas estrelas de 4 e comentários negativos, dizendo "Mighty Joe Young é uma perda de tempo agradável para as crianças mais velhas (que é muito violento para os telespectadores mais jovens) e, talvez, alguns adultos, mas em uma época em que as crianças também podem optar por ver o maravilhoso "The Prince of Egypt", e adultos podem escolher qualquer número de filmes muito superiores, "Mighty Joe Young" simplesmente empalidece em comparação. Embora você certamente poderia fazer muito pior, só há uma qualidade muito distinta sobre o filme, e isso é o desempenho carismático de Charlize Theron".

Mighty Joe Young também recebeu uma nomeação do Oscar para Melhor Efeitos Visuais, perdendo para What Dreams May Come.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]