Miguel Gonçalves Mendes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Miguel Gonçalves Mendes
Nascimento 2 de setembro de 1978 (38 anos)
Covilhã, Portugal
Nacionalidade  Portugal
Residência Lisboa, Portugal
Ocupação Cineasta
IMDb: (inglês)

Miguel Gonçalves Mendes (Covilhã, 2 de Setembro de 1978) é um realizador, argumentista e produtor de cinema português.

É o autor de José e Pilar (2010), um documentário sobre prémio o Nobel da Literatura português, José Saramago, coproduzido por Pedro e Augustín Almodóvar (Fale com Ela, A Pele Onde eu Vivo) e Fernando Meirelles (Cidade de Deus e O Fiel Jardineiro)[1]. Em 2011, já depois de um circuito internacional de festivais bem sucedido, o filme deu mote a um movimento popular singular e inédito no país, que fez estalar um debate incomum sobre o cinema português[2][3]e impulsionou uma campanha de corrida aos Óscares, em Los Angeles e Nova Iorque. Atualmente, Miguel encontra-se a filmar o seu novo documentário, O Sentido da Vida, produzido por Fernando Meirelles, que  retrata distintas personalidades mundiais. 

Biografia[editar | editar código-fonte]

Miguel frequentou Relações Internacionais (ISCSP - Universidade Técnica de Lisboa) e História, variante Arqueologia (Universidade Nova de Lisboa), antes de se licenciar em Cinema pela Escola Superior de Teatro e Cinema onde se especializou em montagem. Em 2002 fundou a JumpCut, através da qual produziu todos os seus projetos até 2014.

Os Primeiros Anos[editar | editar código-fonte]

D. Nieves (2002)

Documentário que explora a proximidade cultural entre Portugal e a Galiza, as suas raízes históricas, as suas razões mais profundas e as suas consequências. Valeu ao realizador os primeiros prémios da carreira, como o o Prémio Europeu "Massimo Troisi", em Itália.

Autografia (2004)

Documentário que retrata a vida, o percurso e a individualidade do poeta e pintor português Mário Cesariny. Vencedor do prémio para o Melhor Documentário Português, no DocLisboa 2004.

A Batalha dos Três Reis (2005)

A primeira longa-metragem de ficção de Miguel Mendes, rodado em Marrocos, um insano e fatal jogo de ciúmes.

Floripes (2007)

De regresso ao documentário, explorou a lenda de Floripes, uma moura encantada que deambula, todas as noites, triste e sem destino, pela vila de Olhão, inebriando os pescadores num feitiço que os guiava, mar a dentro, até à morte.

Curso de Silêncio (2007)

Filme experimental, baseado no universo imagético de Maria Gabriela Llansol que, ao seguir o seu processo de construção narrativa, explora a chamada “cena fulgor”.

José e Pilar (2010)[editar | editar código-fonte]

José e Pilar olha para a a vida de um dos maiores escritores do século XX,  e encontra um Saramago desconhecido, provando que génio e simplicidade são compatíveis.

A Viagem do Elefante, o livro que narra as aventuras e desventuras de um paquiderme transportado desde a corte de D. João III à do austríaco Arquiduque Maximiliano, é o ponto de partida para um filme que retrata a relação entre o Prémio Nobel da Literatura, José Saramago, e a sua companheira, Pilar del Río. Percorrendo o dia-a-dia do casal em Lanzarote e Lisboa, em casa e em viagens de trabalho por todo o mundo, revela-se um retrato surpreendente de um autor, durante o processo de criação, e da relação de um casal empenhado em mudar o mundo – ou, pelo menos, em torná-lo melhor.

Depois de se tornar a obra mais popular de Miguel Mendes, com estreia comercial em Portugal, Espanha, Brasil, México e Itália e vários prémios e nomeações, o filme teve destaque pelo apoio que recebeu do púplico e pelo debate e agitação que gerou em torno do cinema português, cronicamente divorciado dos portugueses. O Split Screen, referência da blogosfera cinéfila nacional, lançou uma petição que recolheu o apoio dos portugueses para que o filme fosse escolhido pelo ICA (Instituto do Cinema e Audiovisual) como o candidato de Portugal na corrida à nomeação para Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. A par de uma campanha de screenings nos Estados Unidos, que incluiu a exibição do filme no MOMA[4][5] e granjeou o aplauso de publicações como a Variety[6] e o The New York Times[7], José e Pilar foi o candidato português aos Óscares de 2012[8]. Falhou a nomeação nesta categoria e chegou à shortlist de pré-nomeados para Melhor Canção (com o tema Já Não Estar, composta por José Mario Branco e interpretada pelo fadista Camané)

Nada Tenho de Meu (2012)[editar | editar código-fonte]

Miguel e os escritores brasileiros Tatiana Salem Levy e João Paulo Cuenca viajaram até ao Extremo Oriente para uma troca de experiências com artistas e pensadores de Macau, Hong Kong, Vietname, Cambodja e Tailândia[9]. Desse contato, nasceu o projeto “Nada tenho de meu”, descrito pelos seus autores como “uma mistura de caderno de viagens e ficção”, distribuído digitalmente sob o formato de web series. Contudo, a pretensa veracidade do diário transfigura-se rapidamente, dando origem uma narrativa ficcional, que não permitirá ao espectador saber qual a verdade da realidade que lhe é apresentada. Uma espécie de poema visual que fará questionar a identidade cultural portuguesa, ao confrontar-se com uma outra cultura - mas que, no caso concreto de Macau, já é previamente contaminada pela cultura com a qual se contrapõe. É um exemplo de um encontro cultural e de uma posterior reconstrução identitária, num mundo onde todas as civilizações se construíram sobre a ruína de outras. Conhecido também pelas suas iniciativas de distribuição alternativa, Miguel disponibilizou, online e gratuitamente, todos os episódios da série.

O Sentido da Vida (TBA)[editar | editar código-fonte]

O próximo projecto de Miguel, produzido pela O2 filmes, já começou a ser filmado em torno do mundo e é “um projeto complexo tanto pela sua escala como pelo número de personagens envolvidos.”.  O realizador tem a intenção de “levar ao extremo o trabalho de construção narrativa desenvolvido em José e Pilar, isto é, captar a realidade e trabalhá-la com premissas de narrativa clássica”[10].

O protagonista é Giovane Brisotto, um jovem brasileiro portador de uma doença rara e incurável, de origem portuguesa, espalhada pelo globo há 500 anos durante a época das grandes navegações.

Na iminência de um transplante, o Giovane decide embarcar numa viagem ao redor do mundo, traçando a mesma rota que a primeira navegação realizada pelos portugueses que deu origem à disseminação da sua doença.

Durante a viagem, o protagonista toma contacto, apenas através dos media (televisão, cinema, publicidade), com sete figuras públicas, sete arqueticos, dados como alguns dos novos heróis da contemporaneidade. Mas é o espectador que, em narrativas paralelas, ganha acesso privilegiado ao universo privado e quotidiano de todos eles, descobrindo quem está por trás destas personas, seguidas e idolatradas por multidões, em busca de uma referência para as suas vidas.

A descoberta, explica Miguel, passa por uma “composição importante: a relação entre a morte, a criação, o poder, o movimento e a universalidade (totalidade) dos fenômenos.”

O Evangelho Segundo Jesus Cristo (TBA)[editar | editar código-fonte]

Miguel já anunciou que já tem em linha um outro projeto, que será a adaptação cinematográfica da controversa mas mundialmente aclamada obra de José Saramago, O Evangelho Segundo Jesus Cristo. Quando lançado, o livro foi publicamente condenado e criticado pelo Governo Português do então Primeiro Ministro Cavaco Silva, levando o escritor a deixar o país para ilha de Lanzarote, em Espanha, de onde não regressou[11].

O livro satiriza a vida e morte de Jesus Cristo ao rejeitar o tratamento dos personagens conforme ao dogma e ao mito, retratando-os antes como pessoas  normais, com conflitos e emoções de um ser humano genuíno.

Monografia e Publicações[editar | editar código-fonte]

O trabalho de Miguel Gonçalves Mendes é sempre de uma delicadeza invulgar. Delicadeza como o movimento que tem o ritmo certo (tudo o que não é delicadeza é ou demasiado lento ou acelerado). Assim, diante do que não se precipita nem se atrasa, o retratado tem tempo para pousar, como se caísse, no seu solo mais tranquilo. E, por isso, vemos o que nunca vimos antes - gestos íntimos; e breves, mas decisivas, expressões. Tudo se revela no outro quando quem quer ver é paciente. Uma paciência que olha para os pormenores, eis a arte que muito admiro de Miguel Gonçalves Mendes.
Gonçalo M. Tavares[12]

Verso de Autografia / Mário Cesariny (2007)
Editado pela Assírio & Alvim. Complemento ao documentário Autografia, com entrevistas não incluídas no filme[13].

José e Pilar – Conversas Inéditas (2012)
Editado pela Quetzal[14] e pela Companhia das Letras[15]. Complemento ao documentário José e Pilar, com material inédito não incluído no filme. Com prefácio/posfácio de Valter Hugo Mãe. Publicado em Portugal, México, Argentina, Uruguai e Espanha.

Os Filmes de Miguel Gonçalves Mendes (2012)
Composto por textos de José Padilha, João Moreira Sales, Valter Hugo Mãe, Luís Sepúlveda, Gonçalo M. Tavares, Maria João Seixas, Baltasar Garzón, entre outros[16].

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]