Saltar para o conteúdo

Miguel Pais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Miguel Pais
Miguel Pais
Nascimento Miguel Carlos Correia Pais
1825
Lisboa
Morte 17 de março de 1888
Cidadania Reino de Portugal
Ocupação engenheiro civil, oficial
Prêmios
  • Cavaleiro da Ordem de Avis

Miguel Carlos Correia Pais CvA (Lisboa, 1825 — Lisboa, 17 de março de 1888) foi um engenheiro e militar português. Foi o primeiro engenheiro a planear uma ponte sobre o Rio Tejo em Lisboa.[1][2]

Nasceu em 1825, em Lisboa.[3]

Carreira profissional e militar

[editar | editar código-fonte]

Assentou praça em Caçadores em 1842, aos 17 anos de idade, tendo sido promovido a alferes em 1851, tenente em 1857, capitão em 1868, a major em 1880 e a tenente coronel em 1881.[3]

Miguel Pais exerceu principalmente como engenheiro, tendo-se esforçado principalmente no desenvolvimento da cidade de Lisboa, principalmente através de infraestruturas de transporte.[3] A sua maior aspiração era a construção de uma ponte sobre o Tejo, obra que não conseguiu iniciar devido à falta de apoio financeiro por parte do governo.[4] Escreveu duas obras sobre os melhoramentos da cidade de Lisboa e do seu porto, que foram publicadas em folhetins do Diário de Notícias.[5]

Miguel Pais realizou melhoramentos na rua que tem o seu nome (Rua Engenheiro Miguel Pais) e no Porto de Lisboa.[6]

Durante muitos anos, trabalhou como director na divisão estatal dos Caminhos de Ferro do Sul e Sueste, onde se destacou pela organização dos serviços oficinais, e pela construção da Estação Ferroviária do Barreiro, num local onde se considerava impossível fazer aquela obra.[3] Também foi responsável pelo desenvolvimento do material circulante.[5]

Também se dedicou à música, tendo sido o autor de algumas composições que se tornaram famosas nos salões portugueses.[5]

Miguel Pais faleceu em 17 de Março de 1888, estando casado nessa altura.[3]

Miguel Pais tinha o grau de Cavaleiro da Real Ordem Militar de São Bento de Avis.[5]

Após o seu falecimento, foi homenageado pela imprensa, nomeadamente no Diário Ilustrado,[4] Ilustração Portuguesa,[5] O Ocidente[3] e Pontos nos ii.[7]

Obras publicadas

[editar | editar código-fonte]
  • Melhoramentos de Lisboa: 1880-1885 (1887)

Referências

  1. REIS, 2006:24
  2. CIUHCT: Pais, Miguel Carlos Correia.
  3. a b c d e f «Resenha Noticiosa». Diario Illustrado. Ano 11 (333). Lisboa. 21 de Março de 1888. p. 71-72. Consultado em 29 de Maio de 2019 
  4. a b «Miguel Paes» (PDF). Diario Illustrado. Ano 17 (5366). Lisboa. 18 de Março de 1888. p. 3. Consultado em 29 de Maio de 2019 
  5. a b c d e «As nossas gravuras: Mortos illustres». A Illustração Portugueza. Ano 4 (37). Lisboa. 26 de Março de 1888. p. 7. Consultado em 29 de Maio de 2019 
  6. http://marcasdasciencias.fc.ul.pt/pagina/fichas/sujeitos/dominio?id=349[ligação inativa]
  7. «Miguel Carlos Correia Paes». Pontos nos ii. Ano IV (150). Lisboa. 22 de Março de 1888. p. 505. Consultado em 29 de Maio de 2019 
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Miguel Pais