Mike Teavee

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mike Teavee é um personagem da obra de Roald Dahl e suas adaptações, A Fantástica Fábrica de Chocolate (1971) e A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005). Ele é, como implica seu sobrenome, um ávido fã da televisão e, no filme de 2005, um jogador compulsivo de videogame. Os pais de Mike, Sr. e Sra. Teavee, acham que a televisão é uma ótima maneira de educar a criança.

Mike no livro[editar | editar código-fonte]

No livro, publicado em 1964, Mike é particularmente obcecado com filmes violentos de gangsters. Ele usa roupas com pistolas gravadas nelas. Ele também gosta de agir como membro de uma gang. No livro, ele tem 9 anos de idade.

Mike no filme de 1971[editar | editar código-fonte]

Ele apareceu no filme A Fantástica Fábrica de Chocolate, de 1971, vestindo uma roupa de cowboy e imitando as estrelas de seu programa favorito de bang-bang. Não é citado, mas, no filme de 1971, Mike tem treze anos.

Mike no filme de 2005[editar | editar código-fonte]

Na adaptação de 2005, Mike se veste como um adolescente estadunidense moderno. Ele é atualmente um garoto brilhante que joga videogames violentos obsessivamente. E é icone de Vaidade intelectual, muito arrogante e considera todos inferiores a ele, inclusive ou principalmente Willy Wonka. Mike ganhou o Convite Dourado invadindo o sistema da fábrica, calculando os atrasos, e derivando do índice MK e, no fim, só precisou comprar uma Barra Wonka para ganhar o Convite Dourado. No filme de 2005, Mike tem treze anos de idade. Não se sabe o porquê de querer visitar a fábrica, já que detesta chocolate.

Semelhanças entre Mikes[editar | editar código-fonte]

Apesar das diferenças, cada versão de Mike Teavee possui similaridades. Em todas as versões, ele adora violência e presta pouca atenção no que acontece à sua volta enquanto a televisão está ligada. Ironicamente, em todas as versões ele mostra questionamento e incredulidade sobre os diversos elementos bizarros da fábrica de Willy Wonka. Ele também mostra completo desinteresse pelos outros quatro ganhadores do Convite Dourado. Mike também tem um complexo de superioridade, ele acha que todos, inclusive (e principalmente) Willy Wonka, são inferiores.

A queda de Mike[editar | editar código-fonte]

Na história e nos filmes, ele desobedece Willy Wonka na altura da Sala de Televisão. O Sr. Wonka mostra a seus convidados sua nova invenção: a Televisão Chocolate. Ele mostra a todos que, se a televisão consegue transformar uma imagem em milhões de impulsos eletricos e mandá-los reagrupados a vários locais, por que ele não poderia fazer isso com chocolate? Wonka mostra a todos como ele manda a barra e ela chega encolhida do outro lado.
Mike, em sua ânsia de mostrar que o invento tem possibilidades superiores as que Willy Wonka concerne, manda a si mesmo pela câmera e acaba chegando encolhido do outro lado. Mas como não foi projetada para ser teleportador a maquina tem dois problemas, só transmite num sentido e "encolhe" o corpo transmitido.

No fim, Mike é esticado como caramelo e aparece extremamente alto, porém extremamente fino.

Ator[editar | editar código-fonte]

1971: Paris Themmen
2005: Jordan Fry

A música de Mike Teavee[editar | editar código-fonte]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Esta é a última música dos Oompa-Loompas. Aconteceu na Sala de Televisão da Fábrica de Willy Wonka, depois de Mike ter sido sugado pela televisão. No filme de 2005, aconteceu porque Mike queria provar que Willy Wonka é um idiota.

Do que fala[editar | editar código-fonte]

No filme de 1971, mostra como a televisão torna as crianças idiotas, e incentiva a leitura de um livro no lugar da televisão. No livro, mostra como a televisão é prejudicial para o cérebro das crianças. No filme de 2005, mostra todas as formas de dano que a televisão pode causar num "aprendiz".Em todas as versões a canção demoniza a televisão como se ela fosse a pior invenção da humanidade que já existiu sem levar em conta o lado bom da mesma.

As letras[editar | editar código-fonte]

Livro[editar | editar código-fonte]

A coisa principal que nós aprendemos
Tanto quanto as crianças
É nunca, nunca, NUNCA permitir
Só ver televisão
Ou melhor, nem instale
Esse objeto idiota na sua casa

Filme de 1971[editar | editar código-fonte]

Quem passa o dia assistindo TV
Muita bobagem só tem que aprender
Muito mais sábio é aquele que lê
Para enriquecer seu saber
E não vê
E não vê
E não vê
E não vê
E não vê COMERCIAIS

Filme de 2005[editar | editar código-fonte]

A coisa principal temos que dizer
A coisa principal que diz respeito a todo aprendiz é:
Nunca, NUNCA permitir
Só ver televisão
Evite mesmo instalar a idiotice no seu lar

Nunca, nunca deixe
Nunca, nunca deixe
Nunca, nunca deixe
Nunca, nunca deixe
A mente faz apodrecer
E as idéias perecer
E ela vai te transformar
Num paspalhão bobão demais
Bobão demais! Bobão demais!
Se não consegue entender e as fábulas compreender...
As fábulas! As fábulas!
E a memória supor e ser
Travada e enferrujada até
Não quer pensar, somente ver!
E quanto ao Mikezinho Teavee, nós lamentamos lhes dizer
Que lástima!
Só vamos nos sentar e ver!
Nós lamentamos lhes dizer, só vamos esperar e ver
Se ao seu tamanho vai voltar, mas se não der
Bem-feito está!