Milão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Milão
Milano collage.jpg
Bandeira de Milão
Bandeira
Brasão de armas de Milão
Brasão de armas
Localização de Milão
País  Itália
Região Flag of Lombardy.svg Lombardia
Província Milão
Área
 - Total 182 km²
Altitude 120 m (394 pés)
População
 - Total 1 308 735
    • Densidade 7 190/km2 
Código Postal 20100
Código ISTAT 015146
Comunas limítrofes Arese, Assago, Baranzate, Bollate, Corsico, Peschiera Borromeo, Rho, Sesto San Giovanni, Cormano, Cologno Monzese, Bresso, Novate Milanese, Vimodrone, Pero, Segrate, Settimo Milanese, Cusago, Cesano Boscone, Trezzano sul Naviglio, San Donato Milanese, Buccinasco, Rozzano, Opera
Prefixo telefônico 02
Fiscal F205
Orago padroeiro Sant'Ambrogio
Sítio www.comune.milano.it

Milão (em italiano: Milano; no milanês: Milan) é uma comuna italiana, capital da região da Lombardia, província de Milão, com cerca de 1 308 735 habitantes. A área urbana de Milão é a quinta maior da União Europeia, com uma população estimada em 4 300 000 habitantes.[1] A Região metropolitana de Milão é a maior e mais populosa da Itália, com uma população estimada em 7 400 000 habitantes de acordo com as estimativas da OCDE.[2]

Em termos europeus, a área metropolitana de Milão cobre uma área territorial equivalente à de Paris com uma população de mais de sete milhões de habitantes. Esta área encontra-se com os critérios das áreas estatísticas combinadas (CSAs) dos Estados Unidos. Pela população, Milão é a segunda maior cidade italiana e a terceira maior área metropolitana da União Europeia.

A cidade foi fundada sob o nome de Mediolano pelos ínsubres, um povo celta. Posteriormente, foi capturado pelos romanos em 222 a.C., tornando-se assim muito bem sucedida sob o Império Romano. Mais tarde, Milão foi governada por Visconti, Sforza, os espanhóis em 1500 e os austríacos em 1700. Em 1796, Milão foi conquistada por Napoleão I, que fez dela a capital do seu Reino de Itália em 1805.[3] Durante o período romântico, Milão foi um importante centro cultural na Europa, atraindo vários artistas, compositores e importantes figuras literárias. Mais tarde, durante a Segunda Guerra Mundial, a cidade foi gravemente afetada pelos bombardeios dos Aliados, e após a ocupação alemã em 1943, Milão tornou-se o principal centro da resistência italiana.[3] Apesar disso, Milão viu um pós-guerra, o crescimento econômico, atraindo milhares de imigrantes do sul da Itália e do exterior.[3]

Uma cidade internacional e cosmopolita, 13,9% da população de Milão é de origem estrangeira.[4] A cidade continua sendo um dos principais centros transportacionais e industriais da Europa e é um dos mais importantes centros da União Europeia para negócios e finanças,[5] com a sua economia sendo uma das mais ricas do mundo, tendo um PIB de US$ 115 bilhões. A área metropolitana de Milão tem o PIB mais elevado da Europa: US$ 241.2 bilhões (estimativas de 2004). Milão também tem um dos maiores PIBs da Itália (per capita), cerca de € 35.137, que representa 161,6% da média do PIB per capita da União Européia.[6] Além disso, Milão é a 11ª cidade mais cara do mundo para funcionários expatriados.[7] A cidade também tem sido classificada como sendo uma das mais poderosas e influentes do mundo.[8]

Milão é conhecida mundialmente como a capital do design, com maior influência global no comércio, na indústria, música, desporto, literatura, arte e mídia, tornando-se uma das cidades principais do mundo.[9] A metrópole é especialmente famosa por suas casas e lojas de moda (como a Via Montenapoleone) e a Galleria Vittorio Emanuele na Piazza Duomo (o shopping mais antigo do mundo). A cidade tem um rico patrimônio cultural e possui uma culinária riquíssima em pratos variados (é o lar de inúmeros pratos famosos, como o bolo de Natal e o Panetone). A cidade tem um musical particularmente famoso, principalmente operística, por tradição, é a casa de vários compositores importantes (como Giuseppe Verdi) e teatros (como o Teatro alla Scala). Milão é também conhecida por conter vários museus importantes, universidades, academias, palácios, igrejas e bibliotecas (tais como a Academia de Brera e o Castello Sforzesco) e dois clubes de futebol mundialmente conhecidos: Associazione Calcio Milan e Football Club Internazionale Milano. Isso faz de Milão um dos mais populares destinos turísticos da Europa, com mais de 1,914 milhão de turistas estrangeiros na cidade em 2008.[10] A cidade sediou a Exposição Universal de 1906 e será a sede da Exposição Universal de 2015.[11]

Os habitantes de Milão são referidos como "milanesi" (italiano: milanesi ou informalmente meneghini ou ambrosiani).

Milão no século XVII.

História[editar | editar código-fonte]

Época dos celtas e romanos[editar | editar código-fonte]

Ruínas do palácio do imperador em Milão. Aqui Constantino e Licínio publicaram o Édito de Milão.

Por volta de 400 a.C., os celtas insubres habitavam Milão e seus arredores. Em 222 a.C., os romanos conquistaram este assentamento, e impuseram o nome Mediolano, ainda que o nome utilizado pela população local era Milàn, do celta Medhlan.[12] Depois de vários séculos de domínio romano, Milão foi declarada capital do Império Romano do Ocidente pelo imperador Diocleciano em 293 d.C. Diocleciano preferiu ficar no Império Romano do Oriente (capital Nicomédia), e seu colega Maximiano ficou no Império Romano do Ocidente. Imediatamente Maximiano construiu diversos monumentos gigantescos, como um grande circo de 470 m x 85 m, a termas Erculee (Thermae Erculee), um grande complexo de palácios imperiais e vários outros edifícios.

No Édito de Milão de 313, o imperador Constantino I garantiu a liberdade religiosa para os cristãos.[13] A cidade foi sitiada pelos visigodos em 402 d.C., e a residência imperial foi transferida para Ravena. Cinquenta anos mais tarde (em 452 d.C.), os hunos invadiram a cidade. Em 539, os ostrogodos conquistaram e destruiram Milão, no transcorrer da chamada Guerra Gótica contra o imperador bizantino Justiniano I. No verão de 569, os lombardos (donde deriva o nome da região italiana da Lombardia) conquistaram Milão, dominando o pequeno exército bizantino que estava em sua defesa. Algumas estruturas romanas permaneceram em uso em Milão sob o domínio lombardo.[14] Milão se rendeu aos francos em 774, quando Carlos Magno, em uma decisão totalmente incomum na época, assumiu também o título de "rei dos lombardos" (até então os reinos germânicos frequentemente conquistavam uns aos outros, mas nenhum havia adotado o título de rei de outro povo). A Coroa de Ferro da Lombardia data desse período. Posteriormente Milão faria parte do Sacro Império Romano-Germânico.

Idade Média[editar | editar código-fonte]

O Biscione: o brasão de armas da Casa de Visconti, do palácio dos arcebispos na Piazza del Duomo. As iniciais IO<HANNES> representam o nome (em latim) do arcebispo Giovanni Visconti (1342-1354).

Durante a Idade Média, Milão prosperou como um centro de comércio devido ao seu domínio da rica planície do e das rotas da Itália através dos Alpes. A guerra da conquista por Frederico Barbarossa contra as cidades lombardas trouxe a destruição de grande parte de Milão em 1162. Após a fundação da Liga Lombarda em 1167, Milão assumiu o papel de liderança nesta aliança. Como consequência da independência que as cidades lombardas ganharam na Paz de Constança, em 1183, Milão se tornou um ducado. Em 1208, Rambertino Buvalelli exerceu por um tempo o cargo de Podestà da cidade, em 1242 Luca Grimaldi, e em 1282 Luchetto Gattilusio. Esta posição podia ser cheia de perigos pessoais na vida política violenta da comuna medieval: em 1252, hereges milaneses assassinaram o inquisidor da Igreja, mais tarde conhecido como Martir São Pedro. Em 1256, o arcebispo e os nobres influentes foram expulsos da cidade. Em 1259, Martino della Torre foi eleito Capitano del Popolo por membros das guildas; ele tomou a cidade a força, expulsou seus inimigos, e governou com poderes ditatoriais, pavimentando de ruas, escavando canais, taxando com sucesso as propriedades rurais, etc. Sua política, entretanto, levou o tesouro milanês ao colapso, a utilização frequente de unidades mercenárias imprudentes irritou demais a população, conferindo um apoio crescente aos inimigos tradicionais de Della Torre, os Viscontis.

Em 22 de julho de 1262, Ottone Visconti foi nomeado arcebispo de Milão pelo Papa Urbano IV, em oposição ao candidato dos Della Torre, Raimondo della Torre, bispo de Como. Este último então passou a divulgar alegações da proximidade dos Viscontis com os cátaros hereges, acusando-os de alta traição: os Viscontis, que acusaram os Della Torre dos mesmos crimes, foram então banidos de Milão e suas propriedades confiscadas. A guerra civil que se seguiu causou mais danos à população e economia de Milão, durando por mais de uma década.

Ottone Visconti liderou sem sucesso um grupo de exilados contra a cidade em 1263, mas depois de anos de violência crescente de todos os lados, finalmente, após a vitória na batalha de Desio (1277), ele conquistou a cidade para sua família. Os Viscontis conseguiram expulsar os Della Torre para sempre, governando a cidade até o século XV.

Grande parte da história anterior de Milão reflete a luta entre duas facções políticas, os Guelfos e Gibelinos. Na maioria das vezes os Guelfos foram bem sucedidos na cidade de Milão. No entanto, a família Visconti foi capaz de tomar o poder (signoria) em Milão, baseada em sua amizade "guibelina" com os imperadores alemães.[15] Em 1395, um desses imperadores, Wenceslas (1378-1400), elevou os milaneses à condição de ducado.[16] Ainda em 1395, Gian Galeazzo Visconti tornou-se duque de Milão. A família guibelina dos Viscontis manteve-se no poder em Milão por um século e meio do início do século XIV até meados do século XV.[17]

O Renascimento e a Casa de Sforza[editar | editar código-fonte]

O Castelo Sforzesco, símbolo do poder da Casa de Sforza.

Em 1447, Filippo Maria Visconti, duque de Milão, morreu sem um herdeiro do sexo masculino; com o fim da linhagem dos Visconti, a República Ambrosiana foi promulgada. O nome da República Ambrosiana provém de Santo Ambrósio, santo padroeiro popular da cidade de Milão.[18] As facções Guelfos e Gibelinos trabalharam juntas para criar a República Ambrosiana em Milão. No entanto, a república desmoronou quando, em 1450, Milão foi conquistada por Francesco Sforza, da Casa de Sforza, que fez de Milão uma das cidades mais importantes do Renascimento italiano.[12] [18]

Períodos de domínio francês, espanhol e austríaco[editar | editar código-fonte]

O rei francês Luís XII reividicou pela primeira vez o ducado em 1492. Naquela época, Milão era defendida por mercenários suíços. Após a vitória do sucessor de Luís, Francisco I, sobre os suíços na batalha de Marignano, o ducado foi prometido ao rei francês Francisco I. Quando o Habsburgo rei Carlos V de Espanha derrotou Francisco I na batalha de Pavia, em 1525, o norte da Itália, incluindo Milão, passou para os domínios habsbúrgicos.[19]

Em 1556, Carlos V abdicou em favor de seu filho Filipe II e seu irmão Fernando I. As possessões italianas de Carlos V, incluindo Milão, passaram para Filipe II e para a linhagem espanhola dos Habsburgos, enquanto que a linhagem austríaca dos Habsburgos de Fernando I governou o Sacro Império Romano. A grande peste de Milão em 1629-31 matou um número estimado de 60.000 pessoas de uma população total de 130.000. Este episódio é considerado um dos últimos surtos da longa pandemia de peste que começou com a peste negra.[20]

Em 1700, a linhagem espanhola dos Habsburgo foi extinta com a morte de Carlos II. Após sua morte, a Guerra da Sucessão Espanhola começou em 1701 com a ocupação de todas as possessões espanholas pelas tropas francesas que apoiavam a reivindicação do nobre francês Filipe de Anjou ao trono espanhol. Em 1706, os franceses foram derrotados nas batalhas de Ramillies e Turim e foram forçados a ceder o norte da Itália aos Habsburgos austríacos. Em 1713, o tratado de Utrecht confirmou formalmente a soberania da Casa de Habsburgo sobre a maioria das possessões da Espanha na Itália, incluindo a Lombardia e sua capital, Milão.

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Napoleão conquistou a Lombardia em 1796 e Milão foi declarada capital da República Cisalpina. Mais tarde, Napoleão declarou Milão capital do Reino de Itália e foi coroado na Catedral de Milão (Duomo). Após o término da ocupação de Napoleão, o Congresso de Viena devolveu, em 1815, a Lombardia e Milão, junto com o Vêneto, para o controle austríaco em 1815.[21] Durante este período, Milão tornou-se um centro de ópera lírica. Na década de 1770, Mozart estreou três óperas no Teatro Regio Ducal. Mais tarde, o Teatro alla Scala tornou-se um teatro de referência no mundo, com suas premieres de Bellini, Donizetti, Rossini e Verdi. O próprio Verdi está enterrado na "Casa di riposo per Musicisti", um presente seu para Milão. No século XIX, outros teatros importantes foram La Cannobiana e o Teatro Carcano.

Patriotas milaneses lutam contra as tropas austríacas durante os Cinco Dias de Milão.

Em 18 de março de 1848, os milaneses se rebelaram contra o Império Austríaco durante os chamados "Cinco Dias" (em italiano: Le Cinque Giornate), e o marechal de campo Radetzky foi forçado a retirar-se temporariamente da cidade. No entanto, depois de derrotar as forças italianas em Custoza, em 24 de julho, Radetzky pode retomar o controle da Áustria sobre Milão e o norte da Itália. No entanto, os nacionalistas italiano, interessados na unificação italiana e apoiados pelo Reino da Sardenha, exigiram a retirada da Áustria. Sardenha e França formaram uma aliança e derrotaram a Áustria na Batalha de Solferino em 1859.[22] Após esta batalha, Milão e o resto da Lombardia foram incorporados ao Reino da Sardenha, que logo ganhou o controle da maior parte da Itália e, em 1861, foi rebatizado como Reino da Itália.

A unificação política da Itália consolidou o domínio comercial de Milão sobre o norte da Itália. Isto também levou a uma enxurrada de construção de ferrovias que fez de Milão a central ferroviária do norte da Itália. A rápida industrialização colocou Milão no centro da principal região industrial da Itália, embora, na década de 1890, a cidade tenha sido abalada pelo massacre de Bava Beccaris, um tumulto relacionado a elevada taxa de inflação. Entretanto, como os bancos milaneses dominavam a esfera financeira da Itália, a cidade tornou-se o principal centro financeiro do país. O crescimento econômico de Milão trouxe uma rápida expansão da área e população da cidade entre o final do século XIX e início do século XX.[23]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Vista do salão principal durante a Exposição Mundial de 1906, realizada em Milão.

Em 1919, Benito Mussolini organizou em Milão os camisas negras, que formavam o núcleo do movimento fascista da Itália, e, em 1922, a Marcha sobre Roma começou a partir da cidade.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Milão sofreu graves danos devido aos bombardeios britânicos e americanos. Apesar da Itália ter saído, assinando um armistício com os aliados, a guerra ainda continuou até 1945, com as forças armadas alemãs ocupando a maior parte do norte do país.. Em 1943, a resistência antialemã na Itália ocupada aumentou e houve muitas lutas em Milão. Alguns dos piores bombardeios dos aliados em Milão ocorreram em 1944, e grande parte deles estavam focados em torno da principal estação ferroviária de Milão.

Destruição da Basílica de Santo Ambrósio após bombardeamento anglo-americano na Segunda Guerra Mundial em agosto de 1943.

Enquanto a guerra seguia para o fim, a 1.ª Divisão Blindada Americana avançou sobre Milão como parte da campanha do vale do rio Pó. Mas mesmo antes dela chegar, membros da resistência italiana levantaram-se em revolta aberta em Milão, e liberaram a cidade. Perto dali, Benito Mussolini e vários membros de sua República Social Italiana (Repubblica Sociale Italiana, ou RSI) foram capturados pela resistência em Dongo e executados. Em 29 de abril de 1945, os corpos dos fascistas foram levados para Milão e pendurado de cabeça para baixo sem a menor cerimônia na Piazzale Loreto, a maior praça pública.

Vista da Piazza del Duomo no começo do século XX.

Após a guerra, a cidade foi o local de um campo de refugiados para judeus que fugiam da Áustria. Durante o milagre econômico dos anos 1950 e 1960, uma grande onda de imigração interna, principalmente do sul da Itália, se dirigiu para Milão e a população chegou a 1 723 000 em 1971. A população de Milão começou a diminuir no final da década de 1970, assim nos últimos 30 anos, quase um terço da população total da cidade mudou-se para o cinturão externo de novos subúrbios e pequenas cidades que cresceram em torno de Milão.[24] Ao mesmo tempo, a cidade começou a atrair também fluxos crescentes de imigração estrangeira. Um símbolo deste fenômeno foi o rápido e grande crescimento da Chinatown Milanesa, um distrito localizado na área em torno da "Via Paolo Sarpi", "Via Bramante", "Via Messina" e "Via Rosmini", povoado por imigrantes chineses de Zhejiang, atualmente um dos bairros mais pitorescos da cidade. Milão é também o lar de um terço de todos os filipinos na Itália, abrigando uma considerável e crescente população que ultrapassa os 33.000,[25] com uma taxa de natalidade média de 1.000 nascimentos por ano.[26] No geral, a população de Milão parece ter se estabilizado nos últimos anos, ocorrendo apenas um ligeiro aumento da população da cidade desde 2001.[24]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Milão durante o Natal de 2008. Em destaque, a Duomo di Milano.

A cidade ocupa uma zona na parte ocidental da região de Lombardia, na planície Padana. Geograficamente é limitada pelos rios Ticino, Adda e a oeste, este e sul, respectivamente, e pelo lago de Como e a fronteira suíça, a norte.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Milão é temperado subcontinental. A temperatura média diária no inverno em Milão é de cerca de 5 °C, ocasionalmente alcançando -5/-10 °C, e recebe aproximadamente 40 cm de neve todos os anos. Durante o verão, a temperatura máxima ronda os 28 °C e pode alcançar os 35/37 °C. A umidade é bastante elevada durante o ano inteiro e as médias anuais da chuva são de aproximadamente 1000 milímetros.

Dados climatológicos para Milão
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 20 23 25 27 30 35 37 35 34 28 22 21 37
Temperatura máxima média (°C) 6 7 13 17 21 25 28 28 24 18 11 7 17
Temperatura mínima média (°C) -4 -3 1 4 9 13 16 16 12 7 1 -3 6
Temperatura mínima registrada (°C) -18 -16 -11 -5 -4 0 7 4 0 -4 -13 -15 -18
Precipitação (mm) 50,8 61 88,9 124,5 124,5 88,9 63,5 88,9 68,6 83,8 106,7 50,8 972,8
Fonte: weatherbase.com[27] 8 de março de 2010

Divisões administrativas[editar | editar código-fonte]

As 9 zone de Milão.

A cidade de Milão está subdividida em nove zone (plural de zona). Até 1999 contavam-se 21 zone; nesse ano foi decidida a redução do número de divisões administrativas para nove. Cada zone está ainda dividida em quartiere; esta última divisão não é oficial, servindo apenas de referência para os habitantes

  • Zona 1: Centro histórico (Centro storico) (coincide com os limites da cidade durante o domínio espanhol)
  • Zona 2: Stazione Centrale, Gorla, Turro, Precotto, Greco, Crescenzago
  • Zona 3: Città Studi, Lambrate, Venezia
  • Zona 4: Vittoria, Forlanini
  • Zona 5: Vigentino, Chiaravalle, Gratosoglio
  • Zona 6: Barona, Lorenteggio
  • Zona 7: Baggio, De Angeli, San Siro
  • Zona 8: Fiera, Gallaratese, Quarto Oggiaro
  • Zona 9: Stazione Garibaldi, Niguarda

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional da Comuna de Milão
ano população  %
1861 267.618 -
1871 290.514 8,6
1881 354.041 21,9
1901 538.478 52,1
1911 701.401 30,3
1921 818.148 16,6
1931 960.660 17,4
1936 1.115.768 16,1
1951 1.274.154 14,2
1961 1.582.421 24,2
1971 1.732.000 9,5
1981 1.604.773 -7,3
1991 1.369.231 -14,7
2001 1.256.211 -8,3
2009 1.306.071 3,6
Fonte: ISTAT 2001
2009: estimativa em 30 de setembro
[28]

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro financeiro de Porta Nuova

Milão é um dos principais centros financeiros e de negócios da Europa. A cidade é a sede da Bolsa de Valores Italiana (o Piazza Affari) e sua área metropolitana é uma zona industrial de vanguarda. A Fiera Milano é um centro de exposições e feira de comércio notável. Este complexo moderno, no subúrbio noroeste de Milão é o maior projeto de construção aberto da Europa, fazendo da Fiera Milano o maior complexo de feiras e exposições do mundo. Milão, em conjunto com Paris, é uma das capitais mundiais da moda. A cidade é também uma das cidades mais ricas na união europeia.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Aeroportos[editar | editar código-fonte]

Milão está ligada a três aeroportos para trânsito civil: Malpensa, Linate e Orio al Serio (este se encontra na província de Bérgamo).

Metropolitano[editar | editar código-fonte]

O metrô de Milão possui quatro linhas com 94,5 km de extensão e 103 estações (em abril de 2014).[29]

Arquitetura e pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

A fachada românica para a antiga Basílica de San Simpliciano.

Há poucos vestígios da antiga colônia romana, que mais tarde se tornou a capital do Império Romano do Ocidente. Durante a segunda metade do século IV, Ambrósio, como bispo de Milão, teve uma forte influência sobre a disposição da cidade, redesenhando a cidade e construindo grandes basílicas, às portas da cidade: "Santo Ambrósio", em San Nazaro Brolos, "San Simpliciano" e "Sant'Eustorgio", ainda estão em bom estado, remodelados ao longo dos séculos, como algumas das igrejas mais importantes em Milão.

O maior e mais importante exemplo da arquitetura gótica da Itália, a Catedral de Milão, é a quarta maior catedral do mundo [30] depois da Basílica de São Pedro, em Roma, a Catedral de Sevilha e de uma nova catedral na Costa do Marfim. Construído entre 1386 e 1577, abriga a maior coleção do mundo de estátuas de mármore com a estátua de ouro amplamente visível no topo da torre, apelidado pelo povo de Milão como Madunina (Madonna), tornando-se assim um dos símbolos da cidade.

Desenho arquitetônico do período de Leonardo Da Vinci em Milão.

Durante o domínio da família Sforza, entre os séculos XIV e XV, a fortaleza Visconti foi ampliada e embelezada para se tornar o Castello Sforzesco: a sede de uma corte renascentista elegante rodeada por um parque de caça murado abastecido com jogo capturado em torno do Seprio e lago de Como. Notáveis arquitetos envolvidos no projeto incluiu a Filarete florentino, que foi contratada para construir a torre de entrada central elevada, e os militares especializados Bartolomeo Gadio. A aliança política entre Francesco Sforza e Cosme de Médici deu frutos de arquitetura, como a construção de prédios arquitetônicos sob a influência de modelos brunelleschiano da arquitetura renascentista. Os primeiros edifícios notáveis para mostrar essa influência toscana foi um palácio construído para abrigar o Banco Medici (dos quais apenas a entrada principal foi mantida até os dias atuais), e a Capela Portinari, anexa ao San Lorenzo e construída para o primeiro gerente da filial do banco Milão. Filarete também foi o responsável pelo grande hospital público conhecido como o Ospedale Maggiore. Leonardo da Vinci, que estava em Milão a partir de cerca de 1482 até a queda da cidade para o francês em 1499, ficou responsável, em 1487, de projetar um Tiburio, ou passagem para a torre da catedral, embora não tenha sido escolhido para construí-lo. No entanto, o entusiasmo que ele dividia com Filarete para a construção de planeamento central deu origem a este período a vários desenhos arquitetônicos, que tiveram grande influência na obra de Donato Bramante e outros. Bramante realizou trabalhos na cidade, sendo o mais conhecido Santa Maria presso San Satiro (uma reconstrução de uma igreja do século IX), da bela tribuna luminosa de Santa Maria delle Grazie e três claustros de Santo Ambrósio.

Catedral de Milão: A capela dell'Albero Madonna, por Ricchino (1614).

A Contra-Reforma foi também o período do Império Espanhol e foi marcado por duas figuras poderosas: Charles Borromeo e seu primo, o cardeal Federico Borromeo. Não só eles se impõem como guia moral para o povo de Milão, mas também deram um grande impulso à cultura, com a criação da Biblioteca Ambrosiana, em um prédio projetado por Francesco Maria Ricchino e a vizinha Pinacoteca Ambrosiana. Muitas belas igrejas e casas em estilo barroco foram construídas na cidade durante este período pelos arquitetos, Pellegrino Tibaldi, Galeazzo Alessi e Ricchino.

Maria Teresa da Áustria foi a responsável pela renovação significativa realizada em Milão, durante o século XVIII. Ela promoveu profundas reformas sociais e civis, bem como a construção de muitos dos edifícios que ainda hoje constituem o orgulho da cidade, como o Teatro alla Scala, inaugurado no dia 3 de agosto de 1778 e hoje uma das casas de ópera do mundo mais famosas. O anexo Museo Teatrale alla Scala contém uma coleção de pinturas, rascunhos, estátuas, trajes, e outros documentos sobre a história da ópera e do La Scala. La Scala também abriga a Escola de Bailado do Teatro alla Scala. A cultura austríaca soberana também promoveu, em Milão, através de projetos como a transformação do antigo Colégio dos Jesuítas, no bairro de Brera, em um centro científico e cultural com uma biblioteca, um observatório astronômico e os jardins botânicos, em que a Galeria de Arte da Academia de Belas Artes estão hoje, situados lado a lado.

Milão também foi bastante afetada pelo movimento neoclássico no final dos século XVII e início do século XIX, transformando seu estilo arquitetônico. A estadia de Napoleão Bonaparte na cidade, no início dos anos 1800, produziu vários edifícios neoclássicos e palácios, incluindo a Villa Reale, ou muitas vezes chamado de Villa del Belgiojoso (não relacionados com o Begiojoso Palazzo). Ele está situado na Via Palestro, perto do Giardini Pubblici e foi construído por Leopoldo Pollak em 1790. Abrigou a família Bonaparte, principalmente Josefina Bonaparte, mas também de vários outros, como o conde Josef Wenzel Radetzky von Radetz e Eugênio de Beauharnais. É frequentemente considerado como um dos melhores tipos de arquitetura neoclássica em Milão e na Lombardia, e está rodeado por um jardim de paisagem inglesa. Hoje, abriga a Galleria d'Arte Contemporanea (em português: Galeria de Arte Contemporânea), e é ricamente decorado em seu interior ornamentado com colunas clássicas, vastos salões, estátuas de mármore e lustres de cristal. O Belgiojoso Palazzo também foi uma grande residência napoleônica e um dos melhores exemplos da arquitetura neoclássica milanesa. Há também vários outros importantes monumentos neoclássicos da cidade, como o Arco della Pace (em português: "'Arco da Paz", às vezes chamado de Sempione Arco) e está situado na Piazza Sempione no final do Parco Sempione. É muitas vezes comparado a uma versão em miniatura do Arco do Triunfo em Paris. O trabalho sobre o arco começou em 1806 sob Napoleão I e foi desenhado por Luigi Cagnola.

Parques[editar | editar código-fonte]

O Parque Sempione, principal parque público da cidade.
Os Giardini Pubblici foram construídos em 1780 e compõem um dos parques públicos mais antigos do mundo.

Apesar do fato de Milão ter uma quantidade muito pequena de áreas verdes, em comparação com outras cidades de seu porte, a cidade possui uma grande variedade de parques e jardins. Os primeiros parques públicos foram criados entre 1857 e 1862, e foram projetados por Giuseppe Balzaretto. Eles estavam situados em um bairro central, encontrada nas áreas de Piazzale Oberdan (Porta Venezia), Corso Venezia, Palestro Via e Via Manin. A maioria deles foi ajardinado em um estilo neoclássico, muitas vezes cheia de riqueza botânica. Os parques mais importantes de Milão são: Parco Sempione (perto do Castello Sforzesco), Parco Forlani, Giardini Pubblici, Giardino della Villa Comunale, Giardini della Guastalla e Parco Lambro. Parco Sempione é um grande parque público, situado entre o Castello Sforzesco e o Arco da Paz. Foi construído por Emilio Alemagna, e contém uma arena napoleônica, o Civico Acquario di Milano ("Aquário Cívico de Milão"), uma torre, um centro de exposições de arte, algumas lagoas e uma biblioteca. Depois, há o Parco Forlani, que, com um tamanho de 235 hectares é o maior parque de Milão e contém um monte e uma lagoa. Os Giardini Pubblici estão entre os mais antigos parques de Milão, fundado em 29 de novembro de 1783 e concluído por volta de 1790.

Cultura e sociedade[editar | editar código-fonte]

Arte figurativa[editar | editar código-fonte]

Milão foi um grande centro artístico ao longo dos séculos. Vários institutos de arte, academias e galerias (como a Pinacoteca de Brera e a Biblioteca Ambrosiana) existem na cidade.

A arte de Milão floresceu na Idade Média, e com a Casa de Visconti a ser grandes patronos das artes, a cidade se tornou um importante centro de arte gótica e Arquitetura (sendo a Catedral de Milão o trabalho mais formidável da cidade de arquitetura gótica). Além disso, a família Sforza, entre os século XIV e XV, foi outro período em que floresceu a arte e a arquitetura. O Castelo Sforza tornou-se sede de uma corte renascentista elegante, enquanto grandes obras, como o Ospedale Maggiore, o hospital público projetado por Filarete foram construídos, e os artistas do calibre de Leonardo da Vinci vieram para trabalhar em Milão, deixando obras de valor inestimável , como o afresco da Última Ceia e o Codex Atlanticus. Bramante também chegou a Milão para trabalhar na construção de algumas das mais belas igrejas da cidade, em Santa Maria delle Grazie a bela tribuna luminada foi feita por Bramante, como a igreja de Santa Maria presso San Satiro.

A cidade foi afetada pela Barroco nos séculos XVII e XVIII, e apresentou inúmeros grandes artistas, arquitetos e pintores desse período, como Caravaggio. A obra-prima barroca de Caravaggio "Canestra di frutta" está em Milão, na Biblioteca Ambrosiana e sua "Ceia de Emaús" se encontra na Brera. Milão se tornou um grande centro artístico europeu durante o período romântico, quando o romantismo milanês foi influenciado pelos austríacos, que governavam Milão no momento. Provavelmente a mais notável de todas as obras de arte romântica realizada em Milão, é "O beijo", de Francesco Hayez, que se encontra em Pinacoteca de Brera.

Milão e toda a Itália, foi mais tarde, no século XX, influenciada pelo Futurismo. Filippo Marinetti, fundador do futurismo italiano, escreveu em seu "Manifesto Futurista" (em italiano, Manifesto del futurismo) de 1909, que Milão foi " Grande … tradizionale e futurista" ("grande … tradicional e futurística", em português). Umberto Boccioni foi também um artista futurista importante da cidade. Hoje, Milão é um importante sede internacional de arte moderna e contemporânea, com inúmeras exposições modernas.

Design[editar | editar código-fonte]

Milão é uma das capitais internacionais de design moderno e industrial, e é considerada uma das cidades mais influentes do mundo nesta área. A cidade é particularmente bem conhecida por seu mobiliário antigo e moderno de alta qualidade e bens industriais. Milão organiza a FieraMilano, a maior da Europa, e um dos mais conceituados design mobiliário do mundo. Milão acolhe também os mais conceituados eventos relacionados a arquitetura e design, tais como o "Fuori Salone" e o "Salone del Mobile".

Na década de 1950 e 60, sendo o principal centro industrial de Itália e uma das cidades mais progressistas e dinâmicas da Europa continental, Milão tornou-se, juntamente com Turim, capital italiana de design e arquitetura no pós-guerra. Arranha-céus, como o Pirellone e a Torre Velasca foram construídas, e arquitetos como Bruno Munari, Lucio Fontana, Enrico Castellani e Piero Manzoni, para citar alguns, viviam ou trabalhavam na cidade.

Literatura[editar | editar código-fonte]

No final do século XVIII, e durante todo o século XIX, Milão foi um importante centro de discussão intelectual e criatividade literária. O Iluminismo encontrou aqui um terreno fértil. Cesare Beccaria, com sua famosa Dei delitti e delle pene, Pietro Verri, com o jornal Il Caffè eram capazes de exercer um influência considerável sobre cultura na nova classe média, graças também a uma mente aberta da administração austríaca. Nos primeiros anos do século XIX, os ideais do Romantismo fez o seu impacto na vida cultural da cidade e seus principais escritores debateram a poesia do Clássico contra a poesia do Romantismo. Aqui, também, Giuseppe Parini e Ugo Foscolo publicaram suas obras mais importantes, e fotam admirados por jovens poetas como mestres da ética, bem como da habilidade literária. O poema Dei sepolcri de Foscolo foi inspirado por uma lei napoleônica que contra a vontade de muitos de seus habitantes, foi sendo estendida para a cidade.

Na terceira década do século XIX, Alessandro Manzoni escreveu seu romance I Promessi Sposi, considerado o manifesto do romantismo italiano, que encontrou em seu centro de Milão . A revista Il conciliatore publicou artigos de Silvio Pellico, Giovanni Berchet, Ludovico di Breme, que estavam todos românticos na poesia e patrióticos na política.

Após o Unificação da Itália em 1861, Milão perdeu sua importância política, apesar disso, manteve uma espécie de posição central nos debates culturais. Novas idéias e movimentos de outros países da Europa foram aceites e discutidas: assim Realismo e Naturalismo deu à luz um movimento italiano, Verismo . O maior verista romancista, Giovanni Verga, nasceu na Sicília, mas escreveu seus livros mais importantes em Milão.

Música e Artes[editar | editar código-fonte]

O interior do prestigiado teatro La Scala.

Milão é mais importante centro das artes do espectáculo do país e um dos maiores do mundo, principalmente Ópera. O teatro La Scala de Milão, considerado um dos teatros de ópera de maior prestígio no mundo, e ao longo da história tem acolhido as estreias de várias óperas, tais como Nabucco de Giuseppe Verdi em 1842, La Gioconda por Amilcare Ponchielli, Madama Butterfly por Giacomo Puccini em 1904, Turandot por Giacomo Puccini em 1926 e, mais recentementeTeneke, de Fabio Vacchi em 2007, para citar apenas algumas. Outros principais teatros de Milão incluem o Teatro degli Arcimboldi, Teatro Dal Verme, Teatro Lirico (Milão) e o Teatro Regio Ducal. A cidade também tem uma renomada orquestra sinfônica e um conservatório musical, e tem sido, ao longo da história, um importante centro para a composição musical: vários compositores e músicos famosos, como Gioseppe Caimo, Simon Boyleau, Hoste da Reggio, Verdi, Giulio Gatti-Casazza, Paolo Cherici e Alice Edun são ou foram de, ou chamaram de Milão a sua casa. A cidade também formou inúmeros conjuntos modernos e bandas, como o Dynamis Ensemble, Stormy Six e o Camerata Mediolanense.

Moda[editar | editar código-fonte]

Corso Venezia, umas das principais ruas do "Quadrilátero Fashion de Milão".

Milão é considerada uma das capitais da moda do mundo, junto com Nova Iorque, Paris, Roma e Londres. A maioria das grandes marcas italianas de moda, tais como Fiorucci, Gucci, Versace, Prada, Armani e Dolce & Gabbana, atualmente com sede na cidade. Numerosas marcas de moda internacionais também operam lojas em Milão, incluindo a Abercrombie & Fitch uma emblemática loja que se tornou uma atração principal ao consumidor. Milão acolhe também uma semana de moda duas vezes por ano, assim como outros centros internacionais, como Paris, Londres, Tóquio e Nova Iorque. O principal bairro da moda de Milão é a principal upscale "Quadrilatero della moda" (literalmente, "quadrilátero da moda"), onde as ruas comerciais da cidade de maior prestígio (Via Montenapoleone, Via della Spiga, Via Sant'Andrea, Via Manzoni e Corso Venezia) estão ali. A Galleria Vittorio Emanuele II, a Piazza del Duomo, Via Dante e Corso Buenos Aires são outras ruas e praças comerciais importantes. Mario Prada, fundador da Prada nasceu em Milão, ajudando a cidade a cultivar a sua posição como capital da moda mundial.

Feriados[editar | editar código-fonte]

  • 25 de abril: a libertação de Milão, da ocupação alemã durante a Segunda Guerra Mundial.
  • 7 de dezembro: Festa de Santo Ambrósio (Festa di Sant'Ambrogio).

Língua[editar | editar código-fonte]

Além do italiano, cerca de um terço da população do oeste da Lombardia pode falar o dialeto lombardo ocidental, também conhecido como insúbrico. Em Milão, alguns nativos da cidade podem falar a tradicional variedade milanesa, variante urbana do lombardo ocidental, que não deve ser confundida com a variedade regional da língua italiana influenciada pelo milanês.

Religião[editar | editar código-fonte]

A população de Milão, como o da Itália como um todo, é predominantemente católica. É a sede da Arquidiocese de Milão. Outras religiões praticadas são: Igrejas Ortodoxas, budismo, judaísmo, Islão e Protestantismo.

Milão tem o seu próprio rito católico histórico conhecido como o Rito Ambrosiano. Ele varia ligeiramente do rito católico típico (o romano, usado em todas as outras regiões ocidentais), com algumas diferenças na liturgia e celebrações em massa, e no calendário (por exemplo, a data para a início da Quaresma é comemorada alguns dias após a data comum, assim que o Carnaval tem datas diferentes). O rito Ambrosiano também é praticado em outros locais em torno de Lombardia e no cantão suíço de Lugano.

Outra importante diferença diz respeito a música litúrgica. O canto gregoriano foi totalmente utilizado em Milão e em áreas adjacentes, porque o oficial era o seu próprio canto ambrosiano, definitivamente estabelecido pelo Concílio de Trento (1545-1563) e mais cedo do que o gregoriano. Para preservar esta música em Milão, foi desenvolvida a schola cantorum, uma faculdade, e um "Instituto em parceria com a Pontifíce Instituto Ambrosiano de Música Sacra (PIAMS)" em Roma.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Vários filmes (especialmente italianos) foram gravados em Milão, incluindo Calmi Cuori Appassionati, The International, The Other Man, La mala ordina, Milano calibro 9, Milagre em Milão, La notte e Rocco e Seus Irmãos.

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

Panetone, tradicional no Natal.

Como a maioria das cidades da Itália, Milão e sua área adjacente tem sua própria culinária regional, que, como é típico das cozinhas lombardas, utiliza com mais freqüência arroz do que massa, e quase não há tomate. A cozinha milanesa inclui a "cotoletta alla milanese", um bovino à milanesa (carne de porco e de peru pode ser usada) chuleta frita na manteiga (que alguns afirmam ser de origem austríaca, que é semelhante à vienense "Wienerschnitzel", enquanto outros afirmam que a " Wienerschnitzel" é derivada da "cotoletta alla milanese").

Bolos e doces servidos no renomado Caffè Cova de Milão, uma pasticceria no Quadrilátero da moda.

Outros pratos típicos são cassoeula(costela de porco e linguiça com Couve), Ossobuco (pernil bovino cozido com um molho chamadoGremolata), risotto alla milanese (com açafrão e carne de medula), busecca (dobradinha com feijão), e Brasato (carne bovina ou de porco estufado com vinho e batatas). Comidas de temporadas relacionadas com pastelaria incluem chiacchiere (fritos e polvilhado scom açúcar) e tortelli (bolinhos fritos esféricos) de carnaval, colomba (bolo em forma de pomba) para Páscoa,pane dei morti ("pão do dia dos mortos", biscoitos aromatizados com canela) para o Dia de Finados e o panetone para o Natal.

O salame milano, um salame com um grão muito fino, é difundido em toda a Itália. O queijo milanês mais conhecido é o gorgonzola da cidade homônima nas proximidades, embora hoje os principais produtores de gorgonzola operam no Piemonte.

Em adição a uma cozinha única, Milão tem váriosrestaurante s e cafés renomados pelo mundo. A maioria dos restaurantes mais finos e de alta-classe são encontradas no centro histórico, enquanto os mais populares e tradicionais estão localizados principalmente nos distritos de Brera e Navigli. Hoje, há também um restaurante Nobu japonês em Milão, que está localizado no Armani World em Via Manzoni e é considerado como sendo um dos mais elegantes restaurantes da cidade. Um dos cafés ou pasticcerie mais chiques da cidade é o Cova Caffé, um café milanês antigo fundad em 1817 perto do Teatro alla Scala, que também abriu franquias em Hong Kong. O Caffè Biffi e o Zucca no Galleria são também famosos e históricos caffè, que estão situados em Milão. Outros restaurantes de Milão incluem o Hotel Four Seasons restaurante, "La Briciola", o Marino alla Scala e o Chandelier. Hoje, há também um restaurante fast-food da McDonald's na Galleria Vittorio Emanuele II, e alguns novos boutique cafés, como o Just Cavalli Café em Via della Spiga, de propriedade da marca de artigos de moda de luxo Roberto Cavalli.

Ciência e tecnologia[editar | editar código-fonte]

O histórico Observatório Astronómico de Brera, fundado em 1764.

Milão foi durante muito tempo um importante centro científico nacional e europeu. Como uma das primeiras cidades industrializadas italianas, a ciência moderna em Milão desenvolvida no final dos anos 1800 e início dos anos 1900, quando a cidade se tornou uma das chamadas "cidades" laboratório, juntamente com Bruxelas, Londres, Paris e outros grandes centros económicos e industriais no continente. Após uma concorrência séria com o vizinho Ateneu científico de de Pavia (onde Albert Einstein passou alguns de seus anos de estudo), Milão começou a desenvolver um sector de tecnologia e ciência de ponta e começou a fundar diversas academias e instituições. Acontecimentos relacionados à ciência, que também ocorreram em Milão foi o Concurso Europeu para Jovens Cientistas, realizada na cidade em 13 de Setembro de 1997, na Feira de Ciências na Stelline Fondazione. Provavelmente o observatório mais importante e antigo de Milão é o Observatório Astronómico de Brera, que foi fundado pelos Jesuítas em 1764, e gerido pelo governo desde 1773.

Esportes[editar | editar código-fonte]

A cidade sediou, entre outros eventos, a Copa do Mundo da FIFA em 1938 e 1990 e a a final do Campeonato Europeu da UEFA em 1980(atual Liga dos Campeões).

Milão possui duas grandes equipes de futebol e ambas jogam no Estádio Giuseppe Meazza, popularmente conhecido como estádio San Siro, por estar localizado na zona urbana de mesmo nome. São elas:

Muitos jogadores de futebol italiano famosos nasceram em Milão e em sua região metropolitana, alguns deles são: Valentino Mazzola, Paolo Maldini, Giuseppe Meazza, Giacinto Facchetti, Luigi Riva, Gaetano Scirea, Giuseppe Bergomi, Walter Zenga, Antonio Cabrini, Roberto Donadoni, Gianluca Vialli, Silvio Piola, Gabriele Oriali e Giovanni Trapattoni.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Milão é geminada com as seguintes cidades:[31]

África
América
Ásia
Europa
Oceania
  • Milão tem ou teve acordos bilaterais e projetos de cooperação com:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Milão

Referências

  1. Demografia:Grandes áreas urbanas. OCDE.
  2. Cidades no cenário global econômico. OCDE.
  3. a b c [1]
  4. [2]
  5. [3]
  6. [4]
  7. [5]
  8. [6]
  9. [7]
  10. [8]
  11. [9]
  12. a b The History of Milan - Relazioni Internazionali - Università Cattolica del Sacro Cuore. internationalrelations.unicatt.it. Página visitada em 14/1/2010.
  13. 313 The Edict of Milan. www.christianitytoday.com. Página visitada em 12/1/2010.
  14. Ver o Versum de Mediolano civitate.
  15. Henry S. Lucas, The Renaissance and the Reformation (Harper & Bros.: New York, 1960) p. 37.
  16. Ibid., p. 38.
  17. Robert S. Hoyt & Stanley Chodorow Europe in the Middle Ages (Harcourt, Brace & Jovanovich: New York, 1976) p. 614.
  18. a b Henry S. Lucas, The Renaissance and the Reformation p. 268.
  19. John Lothrop Motley, The Rise of the Dutch Republic Vol. II (Harper Bros.: New York, 1855) p. 2.
  20. Cipolla, Carlo M. Fighting the Plague in Seventeenth Century Italy. Madison: University of Wisconsin Press, 1981.
  21. Marjie Bloy (30 de abril de 2002). The Congress of Vienna, 1 November 1814 — 8 June 1815. The Victorian Web. Página visitada em 9/6/2009.
  22. Graham J. Morris. Solferino. Página visitada em 9/6/2009.
  23. Milan Travel Guide. www.worldtravelguide.net. Página visitada em 4/1/2010.
  24. a b Italian Population Life Tables by province and region of residence. demo.istat.it. Página visitada em 14/1/2010.
  25. Backgrounder: Profile of Filipinos in Northern Italy. Republic of the Philippines Office of the Press Secretary (2009). Página visitada em 21/6/2009.
  26. Veronica Uy (29 de abril de 2008). Filipinos populating Milan, as 3 are born there daily--exec. INQUIRER.net. Página visitada em 21/6/2009.
  27. Estatística do Clima Milan, Italy (em inglês). weatherbase.com.
  28. Bilancio demografico Anno 2009 - Comune: Milano (em italiano). demo.stat.it. Página visitada em 12 de março de 2010.
  29. http://www.atm.it/it/ViaggiaConNoi/Pagine/SchemaRete.aspx
  30. [10]
  31. Città Gemellate - Milano è gemellata con 15 città (em italiano). Comune di Milano. Página visitada em 8 de março de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]