Miliário Dourado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Miliário Dourado
Suposta base do Miliário Dourado
Tipo Miliário
Construção 20 a.C.
Promotor / construtor Augusto
Geografia
País Itália
Cidade Roma
Localidade VIII Região - Fórum Romano
Coordenadas 41° 53' 33.32" N 12° 29' 4.13" E
Miliário Dourado está localizado em: Roma
Miliário Dourado
Miliário Dourado

Miliário Dourado ou Miliário Áureo (em latim: Milliarium Aureum) era um monumento (um miliário), provavelmente de mármore ou bronze dourado, construído pelo imperador Augusto perto do Templo de Saturno, no centro do Fórum Romano. A partir daí, passou-se a considerar que todas as estradas romanas começavam neste monumento e todas as distâncias no Império Romano eram medidas em relação a ele[1][2][3][4][5]. É provável que no monumento em si estivessem listadas todas as grandes cidades do império e as distâncias até elas[nota 1], apesar de a localização precisa e a inscrição do monumento serem, ainda hoje, tema de discussão entre os historiadores.

Segundo Philip Schaff,[8], a frase "todas as estradas levam a Roma" é uma referência ao Miliário Dourado. Uma estrutura de mármore que, especula-se, seria a base do miliário está presente no Fórum Romano.

História[editar | editar código-fonte]

Augusto, como curator viarum, erigiu o miliário em 20 a.C.[1], que, provavelmente, recebeu o nome de Milliarium Aureum logo depois da inauguração.

Estilo[editar | editar código-fonte]

A planta deste monumento está entre aquelas que se perderam no fragmentário Plano de Mármore ("Forma Urbis"). As informações nas fontes antigas também são muito escassas, o que provocou uma série de problemas de interpretação sobre a natureza exata deste monumento.

Localização[editar | editar código-fonte]

Sabe-se com certeza que ele ficava perto do Templo de Saturno, no Fórum Romano, mas sua localização exata ainda é desconhecida. Por conta das escavações arqueológicas realizadas por Kähler em 1959, que parecem ter confirmado os dados das escavações realizadas por Bunsen em 1833, muitos estudiosos atualmente acreditam que ele ficava no canto sudeste do pódio da Rostra Augustana, num eixo simétrico com o Umbilicus Urbis Romae[9][10].

Estilo, estrutura e dimensões[editar | editar código-fonte]

O Miliário Dourado parece ter sido uma coluna de mármore revestida de bronze dourado. Segundo C. Hülsen, um gigantesco cilindro de mármore foi encontrado em 1835 perto do Templo de Saturno e ele ainda apresentava ganchos de bronze. O monumento como um todo provavelmente tinha a forma padrão de um miliário romano. Alguns estudiosos acreditam que o Miliário Dourado era feito inteiramente de bronze dourado[10] enquanto outros acreditam que apenas as letras da inscrição eram de bronze dourado[11]. As dimensões prováveis da estrutura eram de 3,70 metros de altura, 1,15 metros de diâmetro (apenas a coluna) ou 3 metros se a suposta base for incluída (o fragmento de mármore identificado no Fórum Romano).

Inscrição[editar | editar código-fonte]

As fontes antigas jamais citaram diretamente o texto inscrito no Miliário Dourado e, por conta disto, todas as hipóteses sobre o que estava de fato inscrito devem ser consideradas como uma inferência moderna com base na forma, estrutura e função típicas de um miliário romano. Entre as principais hipóteses estão:

Fragmento atualmente identificado como Miliário Dourado[editar | editar código-fonte]

O fragmento de mármore decorado com um friso de palmetas com cerca de 3 metros de diâmetro atualmente identificado como "Milliarium Aureum" tem sido identificado há bastante tempo como sendo parte do antigo monumento. Porém, não há evidências diretas disto. Segundo Richardson, ele só poderia ser considerado como parte do Miliário se ele fosse entendido como um monumento colossal, com quase 3 metros de diâmetro e não 1,15[15].

Planimetria[editar | editar código-fonte]

Planimetria do Fórum Romano
Planta do Fórum romano republicano.
Planta do Fórum romano imperial.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Não há evidências diretas que suportem essa tese[6][7].

Referências

  1. a b Dião Cássio, História Romana LIV.8.4
  2. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Galba XXIV.4
  3. Plínio, o Velho, História Natural III.66
  4. Tácito, Histórias I.27
  5. Suetônio, Vidas dos Doze Césares, Vida de Otão VI.2.
  6. Z. Mari, 'Miliarium Aureum', in E. M. Steinby (ed.) Lexicon Topographicum Urbis Romae (1996) vol. 3, pp. 250-251 (italiano). ISBN 88-7140-096-8
  7. 'Miliarium Aureum,' in L. Haselberger (ed.) Mapping Augustan Rome p. 167.
  8. Schaff, P. (1867/1886). Ante-nicene fathers: The Apostolic fathers, Justin Martyr, Irenaeus [Roberts, A. & Donaldson, J, Eds]. [Electronic reprint] Grand Rapids, MI, USA: CCEL. 1886, v.1 p. 1
  9. H. Kähler, Das Funfsäulendenkmal für die Tetrarchen auf dem Forum Romanum [Cologne 1964], 23, 58-59
  10. a b B. Frischer, D. Favro and D. Abernathy, University of California Los Angeles, 2005
  11. R.A. Staccioli, La Roma di Augusto, Novara 1985
  12. C. Hülsen, Bretschneider and Regenberg, 1904
  13. Plínio, História Natural III.66
  14. L. Richardson, 1992
  15. L. Richardson, jr., 'Milliarium Aureum', A New Topographical Dictionary of Ancient Rome (1992) p. 254.ISBN 0-8018-4300-6

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]