Militância em Ambientes Virtuais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Este artigo foi proposto para eliminação por consenso. Você é encorajado a melhorar o artigo, mas não remova este aviso, o que seria considerado vandalismo.

Dê a sua opinião e caso ela seja transformada numa votação após uma semana, vote (se tiver direito ao voto) na discussão.

Se aprovada, a eliminação ocorrerá a partir de 15 de agosto.

MAV (plural "MAVs") é a sigla para Militância em Ambientes Virtuais ou Militantes de Ambientes Virtuais. Criada em 4 de maio de 2011, em uma reunião na sede estadual do PT-SP, o objetivo é "organizar militantes petistas do Estado de São Paulo que já

atuam de forma mais ou menos sistemática na internet e nas redes sociais (...) a partir de iniciativas de militantes que atuam nessa área"[1]. Nesta reunião, de forma clara e direta foi oficializada a criação do MAVPTSP, onde foi eleito como Coordenador Adolfo Fernandez e como Secretária do Núcleo Márcia Brasil. Participaram deste processo o Secretário de Comunicação, Aparecido Luiz da Silva, o Cidão, O Secretário de Nucleação, Thiago Nogueira e Julian Rodrigues, coordenador nacional do setorial LGBT do PT.[2]

Pensadores coletivos[editar | editar código-fonte]

Os militantes fabricam correntes volumosas de opinião articuladas em torno dos assuntos do momento. Um centro político define pautas, escolhe alvos e escreve uma coleção de frases básicas. Os militantes as difundem, com variações pequenas, multiplicando suas vozes pela produção em massa de pseudônimos. Um pensador coletivo fala a mesma coisa em todos os lugares, parecendo ser multidões de indivíduos anônimos. Quando se depara com fórmulas genéricas exibidas como refutações de argumentos específicos, o uso dos termos “elitista”, “preconceituoso”, “privatizante”, e outros mais, é um forte indício de que seu interlocutor não é um indivíduo, mas sim um MAV.[3]

Nas redes[editar | editar código-fonte]

Um MAV no Twitter, provavelmente não terá sua foto de perfil e nomes reais, e dependendo do tema que está em alta, sempre tentará levar o discurso para o mais progressista possível. Quando o tema não é-lhe interessante, apenas posta uma ofensa ao adversário e (provável) um gif, se o alvo for um aliado, a ofensa muda para um elogio.[4][5]

Já no Facebook, o militante usa seu nome e foto reais e no YouTube sobram os militantes mais experientes, que produzem vídeos defendendo o partido no contexto do momento.[6][7]

Referências

  1. «LINHA DIRETA PT». 18 de novembro de 2011. Consultado em 6 de agosto de 2018. 
  2. «Quem somos». 14 de junho de 2012. Consultado em 6 de agosto de 2018. 
  3. «Demetrio Magnoli: O Pensador Coletivo». Folha de S.Paulo 
  4. «Folha de S.Paulo - PT treina 'patrulha virtual' para atuar em redes sociais - 18/10/2011». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 7 de agosto de 2018. 
  5. «A guerra virtual do PT - Opinião - Estadão». Estadão 
  6. «PT treina militantes virtuais para postar, propagandear, difamar e criticar adversários». www.folhapolitica.org. Consultado em 7 de agosto de 2018. 
  7. «Nas redes, campanhas testam o poder de fogo de ataques». O Globo. 18 de outubro de 2014