Milton Buzetto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Milton Buzetto
Milton Buzetto.jpg
Informações pessoais
Nome completo Milton Buzetto
Data de nasc. 14 de novembro de 1937
Local de nasc. Flag piracicaba.gif Piracicaba (SP),  Brasil
Nacionalidade Brasil Itália Ítalo-brasileiro
Falecido em 17 de setembro de 2018 (80 anos)
Local da morte Flag piracicaba.gif Piracicaba (SP),  Brasil
Apelido Buzetto, Rei da Retranca.
Informações profissionais
Posição ex-Zagueiro e ex-Treinador
Clubes de juventude
1955-1956 São PauloBrasil Palmeiras
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1956-1958
1958-1959
1959-1960
1960-1968
São PauloBrasil Palmeiras
São PauloBrasil Noroeste (empréstimo)
São PauloBrasil Bragantino
São PauloBrasil Juventus
41 ()
Times/Equipas que treinou
1971 - 1975
1975 - 1976
1976 - 1977
1978 - 1979
1979 - 1980
1980 - 1981
1981 - 1982
1982 - 1983
1983 - 1984
1984 - 1985
1985 - 1987
1987 - 1988




1993 - 1994


2001 -
São PauloBrasil Juventus
São PauloBrasil Corinthians
São PauloBrasil Guarani
GoiásBrasil Goiás
Mato GrossoBrasil Mixto (Cuiabá)
São PauloBrasil Inter de Limeira
ParanáBrasil Atlético Paranaense
ParanáBrasil Maringá
Minas GeraisBrasil Uberaba
São PauloBrasil Juventus
Mato Grosso do SulBrasil Comercial (Campo Grande)
São PauloBrasil Francana
São PauloBrasil XV de Piracicaba
São PauloBrasilUnião Barbarense
São PauloBrasil Taquaritinga
Mato GrossoBrasil União (Rondonópolis MT)
São PauloBrasil Paulista (Jundiaí)
São PauloBrasil Vocem
Santa CatarinaBrasil Marcílio Dias
São PauloBrasil Jabaquara (Santos)[1]

62

Milton Buzetto (Piracicaba, 14 de novembro de 1937 - Piracicaba, 17 de setembro de 2018) foi um treinador e futebolista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

De ascendência italiana, filho do Sr. Francisco Buzetto e da Sra. Elídia Bovi Buzetto, Milton Buzetto nasceu na cidade de Piracicaba, interior paulista, e antes de ingressar no futebol trabalhou junto ao seu pai, dono de uma lenhadora próxima ao Centro da cidade, conhecida popularmente como “Lenhadora do Francisco”. [2] Era casado com Maria Bárbara de Aguiar Buzetto e tinha um único filho, Milton Alek de Aguiar Buzetto.

Jogador[editar | editar código-fonte]

Milton Buzetto apareceu no futebol como Zagueiro Central. Após atuar em equipes do futebol amador de Piracicaba, no interior Paulista, Buzetto foi para para a capital atuar no juvenil do Palmeiras-SP, após um convite do Sr. Idílio Gianetti (Que também levou José João Altafini, o famoso "Mazzola", para atuar na equipe alviverde). No total foram 41 jogos, sendo 13 vitórias, 13 empates e 15 derrotas.[3]

De técnica razoável, boa impulsão e marcação forte, Buzetto atuou como zagueiro no: Palmeiras-SP, Noroeste, Bragantino-SP e Juventus-SP (equipe onde permaneceu por mais tempo).

Contratado pelo Juventus-SP em 1960, Milton Buzetto jogou no time da Rua Javari até o final do ano de 1969, quando deixou os gramados e passou a trabalhar como membro da comissão técnica. Assumiu o comando técnico do time grená em 1971. Sua estréia como técnico foi com vitória, 1 a 0 contra o Corinthians, de Roberto Rivellino.

Treinador[editar | editar código-fonte]

Após encerar sua carreira como futebolista, Buzetto, passou a treinar a equipe do Juventus-SP, onde atuava como zagueiro até o final do ano de 1969. Como treinador, Buzetto, se tornou ainda mais ídolo do clube. Conquistou a torcida grená graças aos longos anos de dedicação ao clube da Mooca. No total foram 17 anos de Juventus-SP: 10 anos como Zagueiro (nos anos 60) e 07 anos como treinador (nos anos 70).

O Juventus-SP treinado pelo Buzetto era conhecido pela "irritante" retranca, e por roubar pontos dos times considerados grandes do Futebol Paulista (Corinthians, Palmeiras, Santos FC e São Paulo FC).

O "Rei da retranca" (como era chamado pela imprensa paulista) começou a sua carreira de treinador aos 34 anos (no Juventus-SP) e permaneceu no comando juventino até 1975, quando o então presidente do Corinthians, Vicente Matheus, demonstrou interesse pelo seu trabalho, e lhe propôs uma reunião em sua casa no bairro do Tatuapé, em São Paulo.

O trabalho desenvolvido por Buzetto e Roberto Brida no Corinthians atravessou altos e baixos. Respeitado pela maioria dos jogadores, Buzetto chegou a brigar por salários melhores quando a situação beirava o crítico (Justamente na época em que o Corinthians vivia uma grande crise, graças aos longos anos sem conquistar títulos).

Ao todo, o Buzetto esteve frente do clube alvinegro em 62 oportunidades no Campeonato Brasileiro e Campeonato Paulista, conquistando 30 vitórias, 17 empates e 15 derrotas, com um aproveitamento de 62% dos pontos disputados.[4] Mesmo assim, Vicente Matheus não demonstrava entusiasmo com os resultados. Em 1976, após uma derrota de 1×0 para o São Bento, de Sorocaba, pelo Paulistão, Milton Buzetto foi demitido do Corinthians, e foi substituído pelo treinador argentino Filpo Núñez (ex treinador do São Bento).

Morte[editar | editar código-fonte]

Já enfrentava problemas de saúde nos últimos anos, devido às complicações vasculares. Havia amputado uma das pernas. Morreu em Piracicaba no dia 17 de setembro de 2018, aos 80 anos.[5]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Juventus-SP

  • Torneio Paulistinha - Troféu Paulo Machado de Carvalho (1971)
  • Torneio do Japão - Asahi International Soccer Tournament (1974)

Mixto-MT

Comercial-MS

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]