Milton Ribeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Milton Ribeiro
Nascimento 21 de agosto de 1921
Passos, Brasil
Morte 16 de março de 1972 (50 anos)
São Paulo, Brasil
Ocupação Ator

Milton Ribeiro (Passos, 21 de agosto de 1921São Paulo, 16 de março de 1972) foi um ator brasileiro.

Tornou-se conhecido por suas interpretações de homem mau do cinema brasileiro, principalmente nos filmes que representam o ciclo dedicado ao cangaço. Sua estréia foi em 1951 no filme Ângela, uma produção da Companhia Vera Cruz.

O sucesso chegou dois anos depois, em 1953, com O Cangaceiro, de Lima Barreto. Nesse que foi o primeiro filme brasileiro premiado no exterior, no Festival de Cannes como melhor filme de aventura[1], viveu o cangaceiro Galdino[2], inspirado em Lampião. O herói desse filme, era o gaúcho Alberto Ruschel. Os principais papéis femininos foram interpretados por Marisa Prado (a professora sequestrada por Galdino) e por Vanja Orico, que vivia a companheira de Galdino.

O filme era bastante influenciado pelos filmes de faroeste[1][2].

Seus filmes de maior sucesso, além de O Cangaceiro foram Arara Vermelha, A Morte Comanda o Cangaço, O Cabeleira, Lampião, o Rei do Cangaço, O Diabo de Vila Velha, Corisco, o Diabo Loiro e Meu Nome É Lampião.

Morreu de ataque cardíaco.

Histórias em Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Inspirado no filme de Lima Barreto, o quadrinista Gedeone Malagola transformou Milton Ribeiro em personagem de histórias em quadrinhos (algo muito semelhante ao que acontecia com os atores americanos de filme de faroeste)[3] publicadas pela Editora Jupiter (fundada pelo próprio Gedeone), surge então Milton Ribeiro, O Cangaceiro, diferente do personagem do filme de 1953, Milton era o herói[4]

Referências

  1. a b Luiz Zanin Oricchio (16 de outubro de 2010). «O cangaço está em toda parte». O Estado de S. Paulo 
  2. a b AnnaLice Dell Vecchio (20 de dezembro de 2010). «Um faroeste à moda do cangaço». Gazeta do Povo 
  3. Marcus Ramone (8 de setembro de 2004). «Raios e trovões! Os bons e velhos quadrinhos de western». Universo HQ 
  4. Franco de Rosa. (Outubro 2008). "Wizmania (2ª versão) #6 - Homenagem a Gedeone Malagola, uma lenda dos gibis brasileiros" (em português): 56 a 59. São Paulo: Panini Comics. ISSN 16795598.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.