Minúsculo 699

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manuscritos do Novo Testamento
PapirosUnciaisMinúsculosLecionários
Minúsculo 699
Verso do Folio 41, no começo da Epístola a Tito

Verso do Folio 41, no começo da Epístola a Tito
Texto Novo Testamento
Data século XI
Escrito grego
Agora está Biblioteca Britânica
Tamanho 29,3 cm por 20,6 cm
Tipo texto-tipo bizantino
Categoria V

Minúsculo 699 (numeração de Gregory-Aland), δ104 (von Soden[1] ) é um manuscrito minúsculo grego do Novo Testamento, em folhas de pergaminho, datado paleograficamente como sendo do século XI. Algumas folhas se perderam. Scrivener numerou-o como 603e[2] .

O manuscrito está atualmente na Biblioteca Britânica, em duas coleções. 302 folhas estão nos "Manuscritos adicionais" (28815) e outras 67, na coleção Egerton (3145)[3] [4] .

Descrição[editar | editar código-fonte]

O códice contem o texto do Novo Testamento em 369 folhas de pergaminho (tamanho 29,3 cm por 20,6 cm)[3] , com algumas lacunas[3] [4] (Romanos 16:19-27; I Coríntios 1:1-11; II Coríntios 10:9-13; Gálatas 1:1-12). Quatro folhas estão em papel não-laminado[5] . A ordem dos livros é a usual para os manuscritos gregos: Evangelhos, Atos, epístolas católicas, epístolas paulinas (com Hebreus antes de 1 Timóteo) e o Apocalipse de João[6] .

O texto está escrito em uma coluna de 30 linhas por página. O texto de Mateus 23:1-20 foi acrescentado por um escriba posterior [6] . Os cabeçalhos são coloridos com detalhes dourados, assim como as grandes letras iniciais no início de cada um dos livros. As iniciais menores são em vermelho e dourado[5] .

O texto está dividido em κεφαλαια ("capítulos") cujos números estão na margem esquerda. Os τιτλοι ("títulos") estão no topo ou no final de cada uma das páginas. O texto também está dividido de acordo com as seções amonianas, mas não há referências aos cânones de Eusébio[7] . No final de três das folhas está um trecho incompleta do tratado de Pseudo-Doroteu, bispo de Tiro, sobre os Setenta Discípulos e os doze apóstolos[8] , assim como também nos minúsculos 82, 93, 177, 459, 613 e 617)[6] .

Texto[editar | editar código-fonte]

Reto do Folio 18, o começo de 1 Tessalonicenses, com a cabeçalho decorado.

O texto grego do códice é representativo do texto-tipo bizantino. Hermann von Soden o classificou como parte da família textual Family K1[9] . De acordo com Soden, este grupo representa a forma mais antiga do texto-tipo bizantino, que descende do século IV e é resultado da recensão de Luciano[10] .


Kurt Aland colocou-o na Categoria V[11] .

Este manuscrito não contém o Mateus 16:2b-3 ("sinal dos tempos")[2] .

História[editar | editar código-fonte]

Scrivener datou o manuscrito como sendo do século X ou XI, enquanto que Gregory o colocou no século XI[2] [6] . Atualmente ele está datado pelo INTF no século XI[4] . Ele foi provavelmente escrito em Constantinopla[5] .

Em 1864, o manuscrito estava nas mãos de um comerciante em Janina, em Epeiros. Ele foi comprado por um representante da baronesa de Burdett-Coutts (1814 - 1906), uma filantropa[12] , juntamente com outros manuscritos gregos do Novo Testamento[6] . Eles foram levados para a Inglaterra em 1871[13] . Parte do manuscrito (Egerton 3145) foi adquirido pelo Museu Britânico em 8 de outubro de 1938[5] .

O manuscrito foi presenteado à Escola Sir Roger Cholmely por Burdett-Coutts e permaneceu em Highgate (Burdett-Coutts II. 4), em Londres[14] . Scrivener o examinou e coligiu o texto. Sua colação foi editada postumamente em 1893[15] .

Ele foi adicionado à lista de manuscritos do Novo Testamento por Scrivener (603) e Gregory (699)[2] .

Ele foi examinado e descrito por S. T. Bloomfield, Dean Burgon e Edward A. Guy. Gregory viu o manuscrito em 1883[6] . Herman C. Hoskier coligiu o texto do Apocalipse[16] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Minúsculo 699

Referências

  1. Hermann von Soden (1902). Die Schriften des neuen Testaments, in ihrer ältesten erreichbaren Textgestalt / hergestellt auf Grund ihrer Textgeschichte (em alemão) 1 (Berlin [s.n.]). p. 105. 
  2. a b c d Scrivener, Frederick Henry Ambrose; Edward Miller (1894). A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament (em alemão) 1 4 ed. (London: George Bell & Sons). p. 260-261. 
  3. a b c ALAND, Kurt & coautor = M. Welte, B. Köster, K. Junack (1994). Kurzgefasste Liste der griechischen Handschriften des Neues Testaments (em alemão) (Berlin, New York: Walter de Gruyter). p. 88. ISBN 3110119862. 
  4. a b c Handschriftenliste at the Münster Institute
  5. a b c d «Egerton 3145» (em inglês). British Library. Consultado em 27/05/2011. 
  6. a b c d e f Gregory, Caspar René (1900). Textkritik des Neuen Testaments 1 (Leipzig [s.n.]). p. 213. 
  7. Scrivener, F. H. A. (1893). Adversaria critica sacra (Cambridge [s.n.]). p. LXXXV. Consultado em 27/05/2011. 
  8. Scrivener, F. H. A. (1893). Adversaria critica sacra (Cambridge [s.n.]). p. LXXXVI. Consultado em 27/05/2011. 
  9. Wisse, Frederik (1982). The profile method for the classification and evaluation of manuscript evidence, as Applied to the Continuous Greek Text of the Gospel of Luke (em inglês) (Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing). p. 64. 
  10. von Soden, H. Die Schriften des Neuen Testaments (em alemão) I/2 [S.l.: s.n.] p. 718. 
  11. ALAND, Kurt (1995). Erroll F. Rhodes (trad.), : . The Text of the New Testament: An Introduction to the Critical Editions and to the Theory and Practice of Modern Textual Criticism (em inglês) (Grand Rapids, Michigan: William B. Eerdmans Publishing Company). p. 139. ISBN 978-0-8028-4098-1. 
  12. Parker, Franklin (1995). George Peabody, a biography (em inglês) Vanderbilt University Press [S.l.] p. 107. ISBN 0826512569. 
  13. Robert Mathiesen,. (janeiro de 1983). "An Important Greek Manuscript Rediscovered and Redated (Codex Burdett-Coutts III.42)" (em inglês). The Harvard Theological Review 76 (1): 131–133.
  14. Scrivener, F. H. A. (1893). Adversaria critica sacra (Cambridge [s.n.]). p. LXXXIV. Consultado em 27/05/2011. 
  15. Scrivener, F. H. A. (1893). Adversaria critica sacra (Cambridge [s.n.]). p. 1-59. 
  16. Hoskier, Herman C. (1929). Concerning the Text of the Apocalypse (em inglês) 1 (London [s.n.]). p. 281. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]