Minha Mãe É Uma Peça 2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Minha Mãe é Uma Peça 2)
Ir para: navegação, pesquisa
Minha Mãe É Uma Peça 2
 Brasil
2016 •  cor •  96 min 
Direção César Rodrigues
Produção Iafa Britz
Roteiro Paulo Gustavo
Fil Braz
Elenco Paulo Gustavo
Mariana Xavier
Rodrigo Pandolfo
Herson Capri
Alexandra Richter
Samantha Schmütz
Suely Franco
Patrícya Travassos
Gênero Comédia
Companhia(s) produtora(s) Migdal Filmes
Paramount Pictures
Universal Pictures
Globo Filmes
Distribuição Paris Filmes
Downtown Filmes
Lançamento Brasil 22 de Dezembro de 2016
Idioma Português
Orçamento R$ 8 milhões
Receita R$ 124 milhões[1]
Cronologia
Minha Mãe é uma Peça - O Filme

Minha Mãe É Uma Peça 2 é um filme de comédia brasileiro de 2016, dirigido por César Rodrigues, roteirizado por Paulo Gustavo e Fil Braz, produzido por Iafa Britz. É uma sequência do filme Minha Mãe é uma Peça - O Filme de 2013, que por sua vez é uma adaptação cinematográfica da peça de teatro homônima. Traz no elenco Paulo Gustavo, Mariana Xavier, Rodrigo Pandolfo, Herson Capri, Alexandra Richter, Samantha Schmütz, Suely Franco e Patrícya Travassos.

Foi produzido em parceria com Midgal Filmes, Universal Pictures, Paramount Pictures e Globo Filmes e com distribuição da Paris Filmes e Downtown Filmes.

Lançado em 22 de Dezembro de 2016, o filme foi um sucesso de bilheteria arrecadando aproximadamente R$ 124 milhões em solo nacional, tendo custado apenas R$ 8 milhões, além de alcançar 1 milhão de telespectadores em seu final de semana de estreia. Atualmente, é o terceiro filme mais assistido da história do cinema brasileiro com 8 milhões de telespectadores, ficando atrás apenas de Tropa de Elite 2 e Os Dez Mandamentos, e retém a maior bilheteria de um filme brasileiro de todos os tempos.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Dona Hermínia (Paulo Gustavo) está de volta, desta vez rica, pois passou a apresentar um bem-sucedido programa de TV. Porém, a personagem super protetora vai ter que lidar com o ninho vazio, afinal Juliano (Rodrigo Pandolfo) e Marcelina (Mariana Xavier) resolvem criar asas e sair de casa. Para balancear, Garib (Bruno Bebianno), o primogênito, chega com o neto. E ela também vai receber uma longa visitinha da irmã Lucia Helena (Patricya Travassos), a ovelha negra da família, que mora há anos em Nova York.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Personagem Ator/Atriz
Dona Hermínia Paulo Gustavo
Marcelina Mariana Xavier
Juliano Rodrigo Pandolfo
Carlos Alberto Herson Capri
A nova namorada de Carlos Alberto Luana Piovani
Lúcia Helena Patrícya Travassos
Iesa Amaral Leite Alexandra Richter
Tia Zélia Suely Franco
Valdéia Samantha Schmütz
Cecília Rhaisa Batista
Dona Lourdes Malu Valle
Dona Zezé Ilva Niño
Garib Bruno Bebianno
Sindico Sérgio Stern
Médico Jorge Lucas
Neto Pedrinho Davi Goulart

Participações Especiais[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Fátima Bernardes Ela mesma
Carla Prata Garota de programa

Produção[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após o sucesso do primeiro filme, que superou a marca de quatro milhões de espectadores, Dona Hermínia (Paulo Gustavo) e companhia voltam aos cinemas de todo o Brasil em pouco mais de um ano.[2] Em 4 de janeiro de 2016, Paulo Gustavo postou em suas redes sociais "Ano que vem tem 'Minha mãe é uma peça- O filme 2' hein gente ! Rodamos em abril !!".

Filmagens[editar | editar código-fonte]

Com as filmagens começadas em 3 de abril de 2016 no Rio de Janeiro,[3] a continução é dirigida por César Rodrigues, e conta com o retorno dos atores do primeiro filme como Herson Capri, Rodrigo Pandolfo e Mariana Xavier. Uma das novidades da produção será a participação da atriz Luana Piovani, como a nova namorada de Carlos Alberto (Capri).[4]Também terá uma nova personagem da trama que é Lúcia Helena (Patrícya Travassos), irmã de dona Hermínia que foi morar nos Estados Unidos e volta para visitar a família.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Escrevendo sua crítica de cinema para o Cinepop, Pablo R. Bazarello disse que "o que surpreende na sequência é a atenção dada na medida certa ao tom dramático que cerca a subtrama da tia Zélia, cada vez mais senil e exigindo cuidados especiais. Em tais trechos, o diretor César Rodrigues (...) acerta o sentimento, sem ser piegas ou sentimentalista..."[5]

Do Ccine10, Juca Claudino: "'Minha Mãe É uma Peça 2' acaba sendo um tanto entediante em alguns momentos de mais sentimentalidade (...). Tais fatos acabam por afastar nosso interesse pelo longa, efeito que é reduzido graças aos momentos de traquinagem de Dona Hermínia."[5]

Preview, Suzana Uchôa Itiberê: "A dinâmica de gritarias, esculachos e piadas (muito) politicamente incorretas volta a funcionar, embora 'Minha Mãe 2' não passe de uma sequência de vinhetas."[5]

Do Observatório do Cinema, Giovanni Rizzo foi menos elogioso em seu comentário: "Assim como seu antecessor, o filme é extremamente televisivo, numa direção que consiste em planos próximos, com poucos movimentos aliado a uma edição que parece um eterno ping pong entre campo e contracampo, entre a fala e sua resposta."[5]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme alcançou 1 milhão de espectadores, apenas em seu primeiro final de semana de estreia. Segundo o ator, Paulo Gustavo, cerca de 500 mil pessoas assistiram ao filme só na segunda-feira, dia 26.[6] Já na segunda semana em cartaz, o filme bateu 3,27 milhões de espectadores nos cinemas.[7] (O primeiro filme alcançou 4,5 milhões de espectadores, durante toda a exibição nos cinemas). Em 17 de janeiro de 2017, o próprio Paulo Gustavo divulgou em sua rede social que o filme já chegava a 6 milhões de espectadores.[8] No dia 30 de janeiro de 2017 foi divulgado dados da comScore que já indicava que o filme bateu a marca de 8 milhões de espectadores, alcançando a terceira posição no ranking de filmes mais assistidos da história do cinema brasileiro, perdendo apenas para "Tropa de Elite 2" (2010) e "Os Dez Mandamentos" (2016).[9]Atualmente "Minha Mãe é Uma Peça 2" já levou aos cinemas mais de 9 milhões de espectadores.[10]É o filme brasileiro de maior renda na bilheteria, com 118 milhões reais contra um orçamento de 8 milhões.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências