Miranda (Mato Grosso do Sul)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Miranda
"Portal do Pantanal"
Rio Miranda, que banha a cidade de mesmo nome

Rio Miranda, que banha a cidade de mesmo nome
Bandeira de Miranda
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 16 de julho
Fundação 16 de julho de 1778 (239 anos)
Emancipação 7 de outubro de 1871 (145 anos)
- de Corumbá
Gentílico mirandense
Padroeiro(a) Nossa Senhora do Carmo
Prefeito(a) Marlene Bossay (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Miranda
Localização de Miranda no Mato Grosso do Sul
Miranda está localizado em: Brasil
Miranda
Localização de Miranda no Brasil
20° 14' 27" S 56° 22' 40" O20° 14' 27" S 56° 22' 40" O
Unidade federativa  Mato Grosso do Sul
Mesorregião Pantanais Sul-Mato-Grossenses IBGE/2008 [1]
Microrregião Aquidauana IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Bodoquena, Aquidauana, Anastácio, Corumbá e Bonito
Distância até a capital federal: 1 228 km
estadual: 202 km[2]
Características geográficas
Área 5 478,627 km² (MS: 15º)[3]
Área urbana 3,268 km² (MS: 28º) – est. Embrapa[4]
Distritos Miranda (sede), Agachi, Duque Estrada e Salobra
População 25 794 hab. (MS: 16º) –  est. IBGE 2011[5]
Densidade 4 708 hab/km² hab,/km²
Altitude 125 m[6]
Clima tropical Aw
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,724 (MS: 51º) – alto PNUD/2000 [7]
Gini 0,450 (MS: 58º) – est. IBGE 2003[8]
PIB R$ 206 377,354 mil (MS: 30º) – IBGE/2008[9]
PIB per capita R$ 8 359,76 IBGE/2008[9]
Página oficial

Miranda é um município brasileiro da região Centro-Oeste, situado no Estado de Mato Grosso do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

Fundada em 1778 a partir da construção do Presídio Nossa Senhora do Carmo do Rio Mondego, reduto construído pelo governador-general Caetano Pinto de Miranda a mando do Capitão das Conquistas João Lemes do Prado e seu objetivo era defender a região contra possíveis ataques de bandoleiros (Castelhanos de Assunção). Seu nome inicial era Mondego, que depois formou-se o povoado, este mais seguro.

Em 1835, o local passou a se chamar Nossa Senhora do Carmo de Miranda e sua comarca abrangeu todo o Planalto do Amambaí. Em 1857, Francisco Rodrigues do Prado (irmão do fundador do presídio) consegue por meio de lei provincial transformar a localidade em vila com o nome de Miranda, sendo uma homenagem ao ex-governador que iniciou a construção do presídio. Em 1865 o local é destruído pelos paraguaios durante a Guerra do Paraguai. Com o progresso a cidade é reconstruída novamente.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Miranda portal do pantanal é a décima sexta cidade mais populosa do Mato Grosso do Sul com 25.794 mil Habitantes. É uma das cidades mais antigas do estado juntamente com Corumbá e Ladário e junto com 6 municípios faz parte do Pantanal Sul.

Localização[editar | editar código-fonte]

O município de Miranda está situado no sul da região Centro-Oeste do Brasil, no Pantanal Sul-Mato-Grossense (Microrregião de Aquidauana). Localiza-se a uma latitude 20º14'26" sul e a uma longitude 56º22'42" oeste. Distâncias:

Geografia física[editar | editar código-fonte]

Solo

Na região compreendida pela Serra da Bodoquena, verifica-se a ocorrência de Argissolos, solos argilosos com elevada fertilidade natural, como o Chernossolo, a porção da depressão pantaneira, há dominância de vertissolos, de caráter argiloso e, à margem dessa depressão, expressiva mancha de Argissolos de elevada fertilidade natural pode ser encontrada. Ocorrem ainda em menores proporções: Plintossolo, Planossolos, Neossolos e Gleissolos.

Relevo e altitude

Está a uma altitude de 125 m. Praticamente toda a porção sudoeste do município tem uma topografia bastante movimentada, com cristas, escarpas, pontões e topos aguçados, o restante do município é composto de áreas plana e suave onduladas. A geomorfologia de Miranda se divide em três Regiões:

  • Região da Depressão do Alto Paraguai, com as Unidades: Planícies Coluviais Pré-Pantanal, Depressão de Bonito, Depressão de Miranda.
  • Região da Bodoquena e Morrarias do Urucum-Amolar, com a Unidade Serra da Bodoquena.
  • Região do Pantanal Matogrossense, com as Unidades: Pantanal do Aquidauana-Miranda e Pantanal do Negro-Miranda.

Apresenta relevo plano, geralmente elaborado por várias fases de retomada erosiva, com relevos elaborados pela ação fluvial e áreas planas resultantes de acumulação fluvial sujeita a inundações periódicas e área plana ou embaciada, zonal, argilosa e arenosa, sujeita a inundações periódicas, ligadas ou não à rede de drenagem atual.

Clima, temperatura e pluviosidade

Na região de Miranda predomina o clima tropical (AW). O período da seca dura de três meses a quatro meses, com precipitações que variam entre 1200 e 1700 mm anuais. As temperaturas médias ficam entre 20 e 24 °C, e variam conforme as estações do ano, podendo atingir a mínima de 10 °C e a máxima de 35 °C no verão em média. Na porção norte do município, o período seco é de quatro a cinco meses, as precipitações anuais oscilam entre 900 e 1.100mm, as temperaturas médias oscilam entre 23 °C e 25 °C.

Hidrografia

Está sob influência da Bacia do Rio da Prata.sub bacia do Rio Paraguai Principais rios:

  • Rio Miranda -É o rio mais importante e que abastece a cidade de Miranda, é um dos maiores afluentes do rio Paraguai. Nasce na serra de Maracaju entre Jardim e Ponta Porã, é afluente pela margem esquerda do rio Paraguai possuindo 700 km de extensão, sendo 200 km navegáveis, percorre o Cerrado e o Pantanal e passa pela cidade de Miranda (onde recebe o nome),onde é navegável até a sua foz no rio Paraguai no município de Corumbá.
  • Rio Aquidauana – Maior afluente do rio Miranda com 620 km de extensão.É Navegável a partir da cidade de Aquidauana até a sua foz,no município de Miranda. Nasce na serra de Maracaju, acima e ao oeste de São Gabriel do Oeste e percorre o vale entre as serras da Boa Sentença e Maracaju. Faz divisa do município de Miranda com Aquidauana. Parte significativa do rio encontra-se no Pantanal.
  • Rio Salobra – Afluente pela margem esquerda do rio Miranda; Faz divisa do município de Miranda com Bodoquena. Nasce na serra da Bodoquena.
Vegetação

A vegetação predominante é a natural, formada por fisionomias Cerrado, Cerrado Estépico (complexo do Pantanal) e Floresta Estacional. A pastagem plantada também é expressiva.

Geografia política[editar | editar código-fonte]

Fuso horário

Está a -1 hora com relação a Brasília e -4 com relação ao Meridiano de Greenwich (Tempo Universal Coordenado).

Área

Ocupa uma superfície de de 5 478,627 km².

Além da sede do município ainda conta com as seguintes Subdivisões:

  • Distrito: Agachi.
  • Povoado: Salobra
  • Lugarejos: Estância Bodoquena, Coronel Juvêncio, Guaicuru e Porto Carrero;
  • Areas indígenas: Cachoeirinha, Lalima, Moreira, Passarinho, Babaçu,Carrapatinho,etc;
  • Assentamentos: Tupãmbae e Bandeirantes;
  • Localidades: Paxixi, Duque Estrada, Vereda, Bocãina, Poeira, Baiazinha do gravi.

Arredores: Aquidauana, Anastácio, Bodoquena, Bonito e Corumbá.

Economia[editar | editar código-fonte]

As suas principais atividades econômicas são a agropecuária, comércio, indústrias de cerâmica, turismo de pesca e histórico e ecoturismo.

Centro de zona B[editar | editar código-fonte]

Miranda, com mais de 25 mil habitantes e 1 relacionamento direto, é um Centro de Zona B. Nível formado por cidades de menor porte e com atuação restrita à sua área imediata; exercem funções de gestão elementares. Miranda é uma das 364 cidades no Brasil com a classificação Centro de Zona B[10]. A cidade exerce influência sobre a cidade de Bodoquena (Centro Local).

Infra-estrutura[editar | editar código-fonte]

Os Mirandenses contam com hospitais, bancos, escolas públicas e particulares, postos de saúde, hotéis urbanos e rurais, pousadas, motéis, mercados, restaurantes, bares, lanchonetes, trasporte rodoviário e urbano, delegacia, fórum, parque de exposição, parque do clube do laço, dentre outas coisas.

Finanças[editar | editar código-fonte]

A cidade possui 5 agências bancárias: Banco do Brasil, Bradesco, HSBC, Caixa econômica e Sicredi.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Interurbano Rodoviário: Miranda é atendida pela rodovia BR-262 e outras Estradas estaduais, Possui um terminal rodoviário de passageiros, que faz a ligação da cidade com o resto do estado, da região e do resto do país. É Atendida principalmente pelas empresas Andorinha, Expresso Mato Grosso e Cruzeiro do Sul, interliga às seguintes cidades:

  • Campo Grande
  • Aquidauana
  • Anastácio
  • Bodoquena
  • Bonito
  • Ladário
  • Corumbá

Transporte urbano

  • Ônibus circular urbano : Os Mirandenses contam com ônibus circular que atende pessoas, sendo a a maioria alunos, que moram em bairros distantes do centro da cidade.
  • Moto-táxi: essa modalidade de transporte faz um estrondoso sucesso na cidade, sendo muito requisitado pela população que usa dentro e fora do limite urbano.
  • Táxi: trata-se de uma opção de transporte mais exclusiva disponível à população, pois possui um preço mais elevado.

Segurança[editar | editar código-fonte]

Ordem Pública

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Comando do Exército
Organização Sigla
Campo de Instrução de Betione C I Betione

Turismo[editar | editar código-fonte]

É famosa no Brasil pelo Pantanal e pelo trem da ALL (antiga Estrada de Ferro da Novoeste e Estrada de Ferro Noroeste do Brasil - N.O.B.). Em Miranda o visitante encontra o roteiro terrestre em direção a Corumbá pela estrada parque Pantanal Sul. Na cidade (perímetro urbano) vale a pena conhecer as edificações históricas como a : Igreja Matriz Nossa Senhora do Carmo (com inspiração no Ecletismo - Neobarroco de 1931); A Casa Paroquial e o prédio atual da prefeitura '(antiga residência dos padres) 'todas construídas em 1931 pelos Redentoristas; A antiga Estação da estrada de ferro (uma das primeiras estações construída no estado,hoje toda revitalizada integra o Trem do Pantanal, uma das atuais atrações turísticas do Estado); O prédio da antiga Prefeitura ; A antiga usina açucareira: Usina Santo Antônio; E outras edificações centenárias na bi-centenária rua: Nossa Senhora do Carmo ( Rua do Carmo). Atualmente conta com as seguintes construções recentes como: A Casa da cultura terena que fica na entrada da cidade contendo as principais atrações indígenas da cidade, e o Parque de Exposições, tendo a sua maior festividade: o aniversário da cidade. Na área Rural destaca se a Ponte Metalizada da estrada de ferro que passa em Salobra, em direção a Corumbá, e as outras estações da estrada de ferro rural como a de Agachi, de Duque estrada,da Fazenda Bodoquena,etc.

E também vale a pena conhecer as fazendas do Pantanal sul, com grandes variedades como, focagem noturna, safari ecológico,etc. Dentre as principais Fazendas Turísticas de Miranda Temos: Pantanal Ranch Meia Lua; Fazenda São Francisco; Fazenda Caimam; Fazenda Cacimba de Pedra; Fazenda Refúgio da Ilha, entre outras.

Educação[editar | editar código-fonte]

O município possui um internato da Fundação Bradesco,única unidade no estado de Mato Grosso do Sul, no qual os alunos tem acesso a um laboratório de informática e um de ciências, tendo a oportunidade de estudar num curso profissionalizante de agropecuária. Localiza-se na Fazenda Bodoquena (área rural de Miranda).

Nomes ilustres[editar | editar código-fonte]

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

Uma importante página da história foi escrita na região quando, em 1885 (três anos antes da declaração da Princesa Izabel pela Abolição da Escravatura), o Clube Emancipador de Miranda, com o apoio da Câmara Municipal, alforriou seus escravos.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. «Mapas e rotas». Guia 4 Rodas. Consultado em 3 de novembro de 2011 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  4. «Urbanização das cidades brasileiras». Embrapa Monitoramento por Satélite. Consultado em 30 de Julho de 2008 
  5. «Estimativa Populacional 2011» (PDF). Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2011. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  6. «Mato Grosso do Sul». Embrapa. Consultado em 19 de julho de 2011 
  7. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  8. «Indice GINI». Cidade Sat. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2000. Consultado em 06 de agosto de 2011  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  9. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  10. http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1246&id_pagina=1

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Mato Grosso do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.