Mirim Doce

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Mirim Doce
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Fundação 26 de setembro de 1991 (27 anos)
Gentílico mirindocense
Prefeito(a) Sergio Luiz Paisan (PMDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Mirim Doce
Localização de Mirim Doce em Santa Catarina
Mirim Doce está localizado em: Brasil
Mirim Doce
Localização de Mirim Doce no Brasil
27° 11' 45" S 50° 04' 37" O27° 11' 45" S 50° 04' 37" O
Unidade federativa Santa Catarina
Mesorregião Vale do Itajaí IBGE/2008 [1]
Microrregião Rio do Sul IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Ponte Alta, Ponte Alta do Norte, Pouso Redondo, Santa Cecília, São Cristóvão do Sul e Taió
Distância até a capital 290 km
Características geográficas
Área 336,313 km² [2]
População 2 513 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 7,47 hab./km²
Altitude 397 m
Clima Mesotérmico úmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,79 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 30 609,232 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 11 768,26 IBGE/2008[5]

Mirim Doce é um município brasileiro do estado de Santa Catarina. Fica na região do Vale do Itajaí e é um grande produtor de arroz.

Sua população é de aproximadamente 2.800 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Embora uma corrente majoritária tente afirmar que a origem do nome se dê à presença de uma abelha pequenina, chamada “mirim” e conhecida por produzir mel azedo - na qual chamou a atenção dos colonizadores porque ali produzia mel doce -, o historiador e professor universitário Lino João Dell'Antônio afirma que se trata de uma indução ao erro. O atual nome tem origem na expressão Tupi-Guarani "Mirim-Ocê", e não Mirim Doce, como foi aportuguesado. A explicação fundamenta que o mesmo fenômeno se repete em Goio-Erê, no Paraná e na cidade catarinense de "Campo Erê", que deve ser grifada como "Campô-Erê", e não conforme foi injustamente aportuguesada. Vem daí o nome do município, Mirim Doce, que se emancipou de Taió em 26 de setembro de 1991, por intermédio da Lei 8356 (Publicada no DO 14.293 de 04/10/91), sancionada pelo então Governador do Estado, Vilson Pedro Kleinübing.

A região onde se localiza Mirim Doce foi uma das mais castigadas pelos conflitos da Guerra do Contestado. Antes, no final do século XIX, foi passagem de tropeiros que levavam couro, gado e carne-seca do Rio Grande do Sul para São Paulo. No início do século XX, a localidade chamava-se Depósito, por armazenar toras de madeira utilizadas por militares na guerra, que durou de 1912 a 1916, mas não existe nenhum registro deste fato.

O processo de criação do novo município desmembrado de Taió aconteceu com grande tranquilidade, com reuniões em diversas comunidades do interior, até a realização de um plebiscito que foi coordenado pela Justiça Eleitoral TRE/SC, ocorrido no território interessado, que resultou num expressivo voto favorável.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 27º11'47" sul e a uma longitude 50º04'36" oeste, estando a uma altitude de 397 metros. Sua população, hoje, conta com menos de 3.000 habitantes.Destaca-se também o Morro do Funil, que é um ponto de referência da história da América do Sul .

Política[editar | editar código-fonte]

Histórico de prefeitos
  • 1° prefeito: Wilson Vanelli (PMDB) e Heinz Hermann Martin Haake (PMDB)
  • 2° prefeito: Heinz Hermann Martin Haake (PMDB, e posteriormente filiou-se ao PFL) e Gregorio Augusto Borghezan (PMDB)
  • 3° prefeito: Henrique Peron (PP) e Gilmar Piva (PP)
  • 4° prefeito: Henrique Peron (filiou-se ao PFL e hoje esta no PR) e Gregorio Augusto Borghezan (estava filiado ao PSDB, mas faleceu antes de assumir a prefeitura em 2004)
  • 5º prefeito: Maria Luiza Kestring Liebsch (PMDB) e Sergio Luiz Paisan (PMDB)
  • 6º prefeito: Maria Luiza Kestring Liebsch (PMDB) e
  • 7º prefeito: Sergio Luiz Paisan (PMDB)
Vereadores da 5ª legislatura
  • Presidente: Paulo Moacir Kestring (PSDB)
  • Vice-presidente: Euclides Xavier (PMDB, líder da bancada)
  • 1° secretário: Ervin Rodrigues de Oliveira (PMDB)
  • 2° secretário: Valdir Mengarda (PT, líder do governo)
  • Andre Luiz Alves de Jesus (PSDB)
  • Irineu Felizari (PMDB)
  • Nerci Maciel dos Santos (PR)
  • Valdir Pereira (PMDB)
  • Gilmar Piva (PP)
Vereadores da 6ª legislatura
Oposição
  • André Luiz Alves de Jesus (PSDB, presidente)
  • Bernardo Peron (PSD)
  • Emerita Borghezan (PSDB)
  • Nerci Maciel dos Santos (PR)
  • Marco Antonio Seman (PSD)
Situação
  • Bernadete Novaes dos Santos (PMDB)
  • Euclides Xavier (PMDB)
  • Irineu Felizari (PMDB)
  • Valdir Mengarda (PT)

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Santa Catarina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.