Misoteísmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2015)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Misoteísmo (do grego μισόθεος, "odiar aos deuses", união de μίσος(misos) "odiar" e θεός(theos) "deus") é o ódio a Deus ou aos deuses. Em algumas variedades do politeísmo, era considerado possível aplicar sanções sobre deuses ao deixar de adorá-los.

No monoteísmo, o sentimento surge no contexto da teodiceia (o problema da existência do mal). Uma expressão literária que expressa sentimentos misoteístas é atribuída por Goethe ao seu Prometheus, composta em 1770, um contemporâneo dos primeiros movimentos do ateísmo moderno.

É um conceito relacionado ao malteísmo (disteísmo), a crença de que Deus existe, mas não é totalmente bom e que é, possivelmente, mau. Muitas divindades politeístas, desde os tempos pré-históricos foram classificadas como sendo nem boas ou nem más, ou possuindo ambas as características.

No entanto, o disteísmo tem sido usado em referência a Deus, a divindade onipotente de crenças monoteístas.

História[editar | editar código-fonte]

O termo foi utilizado pela primeira vez em 1907. A palavra inglesa parece ser um termo cunhado por Thomas de Quincey, em 1846.

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • O personagem Ikki de Fênix pode ser considerado um misoteísta em relação a deusa Athena no começo da série;

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em espanhol, cujo título é «Misoteísmo».

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Blumenthal, David R. (1993). Facing the Abusing God: A Theology of Protest. Louisville, KY: Westminster John Knox Press, 1993. 348 páginas. ISBN 0-664-25464-0 
  • Ehrman, Bart D. (2008). El dilema de Dios: Como la biblia falla en contestar las mas importantes preguntas -Por que sufrimos. New York, NY: HarperOne, 2008. 304 páginas. ISBN 0-061-17397-5 
  • Mirabello, Mark, The Crimes of Jehovah (1997), ISBN 1-884365-13-2.
  • Naylor, Janet; Caroline Julian, Susan Pinsonneault (1994). GURPS Religion. Austin, TX: Steve Jackson Games, 1994. 176 páginas. ISBN 1-55634-202-0 
  • Russell, Bertrand (1957). Por que no soy cristiano. New York, NY: Simon & Schuster, 1957. 266 páginas. ASIN B000JX1TIK 
  • Sutherland, Robert (2006). Putting God on Trial: The Biblical Book of Job. Victoria, BC: Trafford Publishing, 2006. 226 páginas. ISBN 1-4120-1847-1 
  • Schweizer, Bernard (2002). Rebecca West: Heroismo, Rebelion y la Epica Femenina. Westport, CT: Greenwood Press, 2002. 184 páginas. ISBN 0-313-32360-7 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]