Misoteísmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Misoteísmo (do grego μισόθεος, "odiar aos deuses", união de μίσος(misos) "odiar" e θεός(theos) "deus") é o ódio a Deus ou aos deuses. Em algumas variedades do politeísmo, era considerado possível aplicar sanções sobre deuses ao deixar de adorá-los.

No monoteísmo, o sentimento surge no contexto da teodiceia (o problema da existência do mal). Uma expressão literária que expressa sentimentos misoteístas é atribuída por Goethe ao seu Prometheus, composta em 1770, um contemporâneo dos primeiros movimentos do ateísmo moderno.

É um conceito relacionado ao malteísmo (disteísmo), a crença de que Deus existe, mas não é totalmente bom e que é, possivelmente, mau. Muitas divindades politeístas, desde os tempos pré-históricos foram classificadas como sendo nem boas ou nem más, ou possuindo ambas as características.

No entanto, o disteísmo tem sido usado em referência a Deus, a divindade onipotente de crenças monoteístas.

História[editar | editar código-fonte]

O termo foi utilizado pela primeira vez em 1907. A palavra inglesa parece ser um termo cunhado por Thomas de Quincey, em 1846.

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • O personagem Ikki de Fênix pode ser considerado um misoteísta em relação a deusa Athena no começo da série;

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em espanhol, cujo título é «Misoteísmo».

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Blumenthal, David R. (1993). Facing the Abusing God: A Theology of Protest. Louisville, KY: Westminster John Knox Press, 1993. 348 páginas. ISBN 0-664-25464-0 
  • Ehrman, Bart D. (2008). El dilema de Dios: Como la biblia falla en contestar las mas importantes preguntas -Por que sufrimos. New York, NY: HarperOne, 2008. 304 páginas. ISBN 0-061-17397-5 
  • Mirabello, Mark, The Crimes of Jehovah (1997), ISBN 1-884365-13-2.
  • Naylor, Janet; Caroline Julian, Susan Pinsonneault (1994). GURPS Religion. Austin, TX: Steve Jackson Games, 1994. 176 páginas. ISBN 1-55634-202-0 
  • Russell, Bertrand (1957). Por que no soy cristiano. New York, NY: Simon & Schuster, 1957. 266 páginas. ASIN B000JX1TIK 
  • Sutherland, Robert (2006). Putting God on Trial: The Biblical Book of Job. Victoria, BC: Trafford Publishing, 2006. 226 páginas. ISBN 1-4120-1847-1 
  • Schweizer, Bernard (2002). Rebecca West: Heroismo, Rebelion y la Epica Femenina. Westport, CT: Greenwood Press, 2002. 184 páginas. ISBN 0-313-32360-7 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]