Miss Brasil Gay

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Miss Brasil Gay
Tipo Concurso de Beleza
Fundação 1977
Sede Juiz de Fora, Brasil
Idealização Francisco Mota

Miss Brasil Gay é um concurso de beleza para transformistas realizado no Brasil desde 1977 [1] por Chiquinho Mota. [2] O certame visa eleger, entre as candidatas de cada unidade da federação, uma que represente a beleza gay do país. A disputa é realizada anualmente em Juiz de Fora, no estado de Minas Gerais, e faz parte do calendário oficial de eventos da cidade.

A participação das candidatas é limitada às condições de que estas sejam do sexo masculino, não tenham passado por intervenções cirúrgicas estéticas (silicone e mudança de sexo), que enviem material promocional e jornalístico do concurso que a elegeu como candidata em seu estado, entre outras condições. Travestis, por exemplo, não podem se inscrever. Politicamente correto, o concurso não permite pirofagia nem performances que incluam animais vivos.

Histórico[editar | editar código-fonte]

O concurso teve início em 1977, a partir de uma brincadeira parodiando o concurso Miss Brasil para mulheres. Na época, a Escola de Samba Juventude Imperial passava por dificuldades financeiras e, para ajudar a agremiação, decidiu-se fazer uma festa ao estilo concurso de Miss. Foi a partir daí que o evento tornou-se oficial e passou a acontecer todos os anos, no mês de agosto e em Juiz de Fora.

Em suas três primeiras edições, tinha uma conotação carnavalesca misturada ao transformismo. O objetivo inicial não era torcer por uma representante de um determinado estado, visto que as concorrentes eram todas de Juiz de Fora, mas sim trazer destaque para a escola de samba, fosse ela Juventude Imperial, Real Grandeza ou outra. A partir da década de 80, entretanto, foram criadas regras para o concurso nos moldes do Miss Brasil, tendo o cabeleireiro Chiquinho Mota como organizador e idealizador do concurso.

Presenças de destaque nacional já estiveram no evento, como a ex-primeira-dama do país, Iolanda Costa e Silva, a modelo Luiza Brunet, as atrizes Ísis de Oliveira, Elke Maravilha, entre outros. Curiosamente, o Miss Brasil Gay elegeu em sua maioria candidatas do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país, diferentemente do que acontece no concurso Miss Brasil (em que há predominância de eleitas do Sul e Sudeste).

Objetivo[editar | editar código-fonte]

Além de ter a presença de artistas reconhecidos nacionalmente, o concurso tem o objetivo de se tornar um instrumento de luta pelos direitos dos homossexuais no Brasil, além de marcar Juiz de Fora como rota do turismo para o público LGBTTI nacional e internacional. Atualmente o evento ocorre em meio às atividades do Rainbow Fest, organizado pelo Movimento Gay de Minas (MGM), que movimenta diversos setores na cidade com palestras, debates e eventos culturais durante a semana. Em 2019 a cantora Pabllo Vittar fará sua estreia no concurso.

Vencedoras[editar | editar código-fonte]

Ano Edição Estado Vencedora
2020 O concurso foi cancelado devido a pandemia do Covid-19 em todo o País.
2019 39ª Pernambuco Pernambuco Antonia Gutierrez
2018 38ª Ceará Ceará Yakira Queiroz
2017 37ª Minas Gerais Minas Gerais Guiga Barbieri
2016 O concurso não foi realizado em 2014, 2015 e 2016 devido a
ausência de recursos financeiros por parte da Prefeitura de Juiz de Fora.
2015
2014
2013 36ª Espírito Santo (estado) Espírito Santo Sheila Veríssimo
2012 O concurso não foi realizado no ano de 2012.
2011 35ª Piauí Piauí Raika Bitencourt
2010 34ª São Paulo São Paulo Carol Zwick
2009 33ª Espírito Santo (estado) Espírito Santo Ava Simões
2008 32ª Pernambuco Pernambuco Lizandra Brunelly
2007 31ª Espírito Santo (estado) Espírito Santo Ianka Ashylen
2006 30ª Bahia Bahia Layla Kenn
2005 29ª Rio de Janeiro Rio de Janeiro Mirella Aciolly
2004 28ª Pernambuco Pernambuco Renata Finsk
2003 27ª São Paulo São Paulo Mylena Schieffer
2002 26ª Tocantins Tocantins Taíssa Nogueira
2001 25ª Goiás Goiás Alessandra Vargas
2000 24ª São Paulo São Paulo Michelly X
1999 23ª Alagoas Alagoas Carolina Shelida
1998 22ª Espírito Santo (estado) Espírito Santo Louise Balmain
1997 21ª Rio de Janeiro Rio de Janeiro Andressa Piovani
1996 20ª Maranhão Maranhão Larissa Divineli
1995 19ª Rio de Janeiro Rio de Janeiro Débora Duchese
1994 18ª Tocantins Tocantins Yoko
1993 17ª Rio de Janeiro Rio de Janeiro Luiza Ferret
1992 16ª Ceará Ceará Carla Faial
1991 15ª Minas Gerais Minas Gerais Vânia Bambirra
1990 14ª Ceará Ceará Marília Lutia
1989 13ª Bahia Bahia Érika Egito
1988 12ª Goiás Goiás Bárbara
1987 11ª Espírito Santo (estado) Espírito Santo Sumara Gunar
1986 10ª São Paulo São Paulo Kazuê
1985 Espírito Santo (estado) Espírito Santo Gabi
1984 Acre Acre Marina
1983 Amazonas Amazonas Kelly Jansen
1982 Distrito Federal (Brasil) Distrito Federal Kika Piancassela
1981 Bahia Bahia Nenete de Windsor
1980 Espírito Santo (estado) Espírito Santo Paula Blue Man Chenquel
1979 Santa Catarina Santa Catarina Baby Mancini
1978 Espírito Santo (estado) Espírito Santo Maria Fernanda
1977 Ceará Ceará Soraya Jordão

Conquistas[editar | editar código-fonte]

Por Estado[editar | editar código-fonte]

Estado Títulos Vitórias
Espírito Santo (estado) Espírito Santo 8 1978, 1980, 1985, 1987, 1998, 2007, 2009, 2013
Ceará Ceará 4 1977, 1990, 1992, 2018
São Paulo São Paulo 1986, 2000, 2003, 2010
Rio de Janeiro Rio de Janeiro 1993, 1995, 1997, 2005
Pernambuco Pernambuco 3 2004, 2008, 2019
Bahia Bahia 1981, 1989, 2006
Minas Gerais Minas Gerais 2 1991, 2017
Tocantins Tocantins 1994, 2002
Goiás Goiás 1988, 2001
Piauí Piauí 1 2011
Alagoas Alagoas 1999
Maranhão Maranhão 1996
Acre Acre 1984
Amazonas Amazonas 1983
Distrito Federal (Brasil) Distrito Federal 1982
Santa Catarina Santa Catarina 1979

Referências

  1. ANTUNES, Rafael (18 de agosto de 2017). «Miss Brasil Gay chega a 37ª edição em Juiz de Fora!». G1 - Portal da Globo 
  2. MORAIS, Mauro (5 de agosto de 2018). «Chiquinho Mota, o cabeleireiro que criou o concurso Miss Brasil Gay!». Tribuna de Minas