Mission: Impossible (jogo eletrônico de 1998)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Missão: Impossível é um jogo de ação-aventura desenvolvido pela Infogrames e vagamente baseado no filme de 1996 de mesmo nome. Foi lançado originalmente para o Nintendo 64 em 1998. No jogo, o jogador assume o papel de Ethan Hunt, um agente da Impossible Missions Force (IMF) que deve limpar seu nome depois que um agente infiltrado entrou na IMF. O jogo tem 20 níveis , onde o jogador deve completar vários objetivos da missão com o uso de inúmeros aparelhos de alta tecnologia.

Originalmente concebido como um ambicioso jogo de PC pela inglesa Ocean Software, Mission: Impossible estava em desenvolvimento há três anos e sofreu um incômodo do ciclo de desenvolvimento, em parte devido a uma superestimação do que um Nintendo 64 poderia fazer. Em 1997, após a Infogrames comprou a Ocean, e optou por colocar uma nova equipe com sede em Lyon, em para sua conclusão. Embora o jogo possua a mesma premissa do filme, ele não pretende ser uma tradução direta e tem a sua própria história.

Mission: Impossible, foi um sucesso comercial e vendeu mais de um milhão de cópias até fevereiro de 1999. O jogo recebeu críticas mistas e foi muitas vezes comparado com GoldenEye 007 feito pela Rare e lançado em 1997. O jogo foi geralmente criticado por sua inconsistente jogabilidade e controles lentos. O jogo portado foi portado para PlayStation em 1999, com efeitos de iluminação, dublagem, e outras pequenas melhorias.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Mission: Impossible é um jogo para um jogador de ação-aventura baseado no filme de 1996 com o mesmo nome, onde o jogador controla Ethan Hunt em perspectiva de terceira pessoa, através de 20 níveis. Em cada nível, o jogador deve completar uma série de objetivos que incluem a coleta de itens, interagindo com computadores, instalação de explosivos e neutralizar inimigos específicos. O jogo geralmente requer que o jogador tenha cuidado e contenção na realização destes objetivos..O uso da violência é geralmente desencorajado e é fácil falhar em uma missão acidentalmente atirando num personagem do jogo.

Muitos níveis podem ser concluídos de forma não linear e exigem que os jogadores utilizem inúmeros aparelhos de alta tecnologia. Por exemplo, o dispositívo Facemaker que disfarça Ethan com o rosto de outro personagem, permitindo que o jogador se infiltre em áreas restritas. Outros dispositívos notáveis sãoo óculos de visão noturna, geradores de fumaça, e um scanner de impressões digitais, entre os destáques. Para neutralizar os inimigos, o jogador pode usar uma variedade de armas, incluindo uma pistola com silenciador, uma submetralhadora Uzi, uma zarabatana, uma arma de eletrochoque, e um mini-lança-foguetes. O combate acontece em tempo real e a mira é manual, sobre o ombro.

Três níveis do jogo são jogados de maneira especial. Em um nível, Ethan Hunt é preso num cabo, e o jogador deve ajudá-lo a ir para baixo, evitando os alarmes; em outro nível, o jogador assume o papel de um membro da equipe que deve cobrir Ehan com um fuzil de precisão de uma posição mais elevada; e na última, o jogador deve controlar um canhão e destruir os edifícios, enquanto Hunt pilota uma canhoneira. Hunt tem uma certa quantidade de saúde que diminui quando atacado por inimigos. Se a saúde é totalmente descarregada, o jogador tem de reiniciar o correspondente nível desde o início. O jogo pode ser jogado em dois modos de dificuldade: é Possível (fácil) e Impossível (difícil). No difícil, Hunt é mais vulnerável a danos inimigo, os inimigos são mais resistentes, e há mais de objetivos em cada nível. O jogo suporta Rumble Pak.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Jim Phelps, líder da Impossible Missions Force (FMI), recebe uma mensagem sobre uma conspiração terrorista em uma base de submarinos abandonados da II Guerra Mundial no paralelo 70 norte, onde eles planejam enviar mísseis para umpaís rival. Phelps implanta Ethan Hunt, John Clutter e Andrew Dowey para destruir o submarino com os mísseis. Enquanto isso está acontecendo, Alexander Golystine, um funcionário da Embaixada da Rússia em Praga, seqüestra a agente Candice Parker e rouba metade da lista da CIA chamada NOC, essa lista contém o nome real e falso de todos agentes da IMF. Embora seja inútil sem a outra metade, a embaixada possui um poderoso super-computador que pode ser capaz de quebrar o código para abrir o documento.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Mission: Impossible, foi anunciado em Maio de 1996, como um dos primeiros jogos para Nintendo 64. Ele foi originalmente desenvolvidopela equipe do Ocean, que era baseada em San Jose, Califórnia. Ocean, era famosa por criar inúmeros jogos licenciados, incluindo títulos de sucesso, como Batman e Jurassic Park. Decidiram criar um jogo de espionagem que seria digno do filme Missão: Impossível. O Nintendo 64 era relativamente desconhecido quando a produção começou. O Desenvolvedor David Dixon, que anteriormente trabalhou na versão de sucesso de RoboCop para Amiga de 1989, criando o motor do jogo. Uma primeira versão do jogo contou com modelos de personagens que foram montadas usando até 350 polígonos. Uma nova inteligência artificial também foi criada, permitindo que os personagens controlados pelo computador recebesse um conjunto complexo de instruções.

Referências[editar | editar código-fonte]

[1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24] [25] [26] [27] [28] [29] [30] [31] [32] [33] [34] [35] [36] [37] [38] [39] [40] [41] [42] [43] [44] [45]

  1. Infogrames, ed. (1998). «Game Difficulty». Mission: Impossible Instruction Booklet. [S.l.]: Ocean Software. p. 21 
  2. Infogrames, ed. (1998). «Game Controls». Mission: Impossible Instruction Booklet. [S.l.]: Ocean Software. pp. 10–17 
  3. Infogrames, ed. (1998). «IMF Technology». Mission: Impossible Instruction Booklet. [S.l.]: Ocean Software. pp. 26–29 
  4. «Nintendo 64 Late in Japan!». GamePro (92). International Data Group. Maio de 1996. p. 20 
  5. «Mission: Impossible». Electronic Gaming Monthly (107). EGM Media. Junho de 1998. p. 40 
  6. «Mission: Impossible». Nintendo Magazine (53). EMAP. Agosto de 1997. pp. 22–23 
  7. «Mission: Impossible». N64 Magazine (1). Future Publishing. Abril de 1997. p. 27 
  8. «Mission: Impossible». N64 Magazine (15). Future Publishing. Maio de 1998. pp. 36–41 
  9. Tim Weaver (setembro de 1998). «Mission: Impossible». N64 Magazine (19). Future Publishing. pp. 40–45 
  10. «Ocean». Edge (32). Future Publishing. Maio de 1996. pp. 58–65 
  11. «Mission: Impossible». Computer and Video Games (189). EMAP. Agosto de 1997. pp. 24–26 
  12. «Mission: Impossible». Computer and Video Games (199). EMAP. Junho de 1998. pp. 24–25 
  13. «Mission: Impossible». Computer and Video Games (203). EMAP. Outubro de 1998. p. 21 
  14. «Mission: Impossible». Edge (58). Future Publishing. Maio de 1998. pp. 38–39 
  15. «Mission: Impossible». Nintendo Power (110). Nintendo of America. Julho de 1998. p. 94 
  16. Shawn Smith; John Davison; Crispin Boyer; Kraig Kujawa (agosto de 1998). «Mission: Impossible». Electronic Gaming Monthly (109). EGM Media. p. 134 
  17. Ed Lomas (setembro de 1998). «Mission: Impossible». Computer and Video Games (202). EMAP. pp. 60–62 
  18. «Mission: Impossible». Computer and Video Games (215). EMAP. Outubro de 1999. p. 42 
  19. «Mission: Impossible». Next Generation (44). Imagine Media. Agosto de 1998. p. 86 
  20. Scary Larry (agosto de 1998). «Mission: Impossible». GamePro (119). International Data Group. pp. 96–97. Consultado em 18 de março de 2005. Arquivado do original em 18 de março de 2005 
  21. Andy McNamara; Paul Anderson; Andrew Reiner (julho de 1998). «Mission: Impossible». Game Informer (63). FuncoLand. Consultado em 26 de abril de 2016. Arquivado do original em 9 de setembro de 1999 
  22. «Mission: Impossible». Consoles + (em French) (81). M.E.R.7. Outubro de 1998. pp. 88–90 
  23. «Mission: Impossible». Nintendo, le Magazine Officiel (em French) (7). M.E.R.7. Setembro de 1998. pp. 16–21 
  24. «Mission: Impossible». Player One (em French) (90). Média Système Édition. Setembro de 1998. pp. 86–88 
  25. Florian Viel (setembro de 1998). «Mission: Impossible». X64 (em French) (10). Future Publishing. pp. 66–71 
  26. «Mission Impossible». GamePlay 64 (em French) (8). FJM Publications. Setembro de 1998. pp. 92–101 
  27. «Mission Receives 64DD Treatment». IGN. 12 de dezembro de 1996. Consultado em 5 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2017 
  28. «Completing the Mission». IGN. 15 de julho de 1998. Consultado em 6 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2017 
  29. «Men on a Mission». IGN. 17 de março de 1998. Consultado em 7 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2017 
  30. «Mission Stalled Until August». IGN. 7 de maio de 1997. Consultado em 9 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2017 
  31. «E3: Mission:Impossible Disappoints and Disappears». IGN. 19 de junho de 1997. Consultado em 9 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2017 
  32. «Mission: Impossible Possibly in June». IGN. 19 de fevereiro de 1998. Consultado em 10 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2017 
  33. «Mission: Impossible». IGN. Consultado em 13 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2017 
  34. «Mission: Impossible». GameRankings. Consultado em 4 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 1 de junho de 2017 
  35. «Mission: Impossible». Metacritic. Consultado em 4 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 10 de maio de 2017 
  36. Ryan Mac Donald (15 de julho de 1998). «Mission: Impossible Review». GameSpot. Consultado em 17 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 12 de março de 2015 
  37. Peer Schneider (20 de julho de 1998). «Mission: Impossible». IGN. Consultado em 21 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2017 
  38. Scott McCall. «Mission: Impossible». AllGame. Consultado em 15 de novembro de 2014. Arquivado do original em 15 de novembro de 2014 
  39. Tim Hsu (1 de setembro de 1998). «Mission: Impossible Review». Game Revolution. Consultado em 8 de setembro de 2015. Arquivado do original em 8 de setembro de 2015 
  40. «Mission Impossible a Winner for Infogrames». IGN. 8 de fevereiro de 1999. Consultado em 2 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2015 
  41. «Mission: Impossible». IGN. 9 de novembro de 1999. Consultado em 7 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 7 de janeiro de 2018 
  42. «Mission: Impossible Ships». IGN. 22 de novembro de 1999. Consultado em 7 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 30 de junho de 2017 
  43. Ryan Mac Donald (1 de dezembro de 1999). «Mission: Impossible Review». GameSpot. Consultado em 8 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2018 
  44. David Zdyrko (30 de novembro de 1999). «Mission: Impossible». IGN. Consultado em 8 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2018 
  45. Matt Helgeson (1 de março de 2000). «Mission: Impossible - PlayStation». Game Informer. Consultado em 8 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2000