Mix FM Rio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mix FM Rio
{{{alt}}}
Rádio Imprensa S/A
País Brasil
Frequência(s) FM 102,1 MHz
Sede Rio de Janeiro, RJ
Slogan Juntos no melhor Mix!
Fundação 1 de fevereiro de 2007 (12 anos)
Fundador Luiz André Calainho
Alexandre Accioly
Luciano Huck
Meyer Cohen
Pertence a Grupo Dial Brasil
Proprietário(s) Luiz André Calainho[1]
Fernando di Gênio[1]
Pepira Empreendimentos[1]
Formato Comercial
Afiliações anteriores Jovem Pan FM (2000-2007)
Idioma Português
Prefixo ZYD 468
Nome(s) anterior(es) Jovem Pan 2 Rio de Janeiro (2000-2007)
Emissoras irmãs SulAmérica Paradiso
Cobertura Rio, Grande Rio e áreas próximas (Baixada Fluminense e Regiões dos Lagos, Serrana e Sul)
Dados técnicos Potência: 35 kW
Classe: E2
Página oficial mixriofm.com.br

Mix FM Rio é uma emissora de rádio brasileira com sede no Rio de Janeiro, capital do estado homônimo. Opera no dial FM, na frequência 102,1 MHz, e é afiliada à Mix FM. É de propriedade do Grupo Dial Brasil, empresa controlada por Luiz André Calainho, Pepira Empreendimentos e Fernando di Gênio — este último presidente do Grupo Mix de Comunicação —, em frequência pertencente a Simon Michel Khoury, Eunice Khoury Pacelli e Elisabeth Khoury Raposo, herdeiros de Anna Khoury (fundadora da Rádio Imprensa, sua antecessora).

O Grupo Dial Brasil também administra a rádio SulAmérica Paradiso. Tanto a SulAmérica Paradiso e a Mix FM Rio estão sediadas no FM Hall Terraço, espaço localizado no Bossa Nova Mall (shopping integrado ao Aeroporto Santos Dumont) também de propriedade do grupo. A emissora assumiu a frequência em 31 de dezembro de 2000, inicialmente operando como afiliada à Jovem Pan 2 e desde 2007 operando como afiliada à Mix FM.

História

A Rádio Imprensa do Rio de Janeiro foi a primeira emissora de rádio em frequência modulada instalada na América Latina, fundada por Anna Khoury em janeiro de 1955. Operava somente em circuito fechado (frequência codificada), vendendo serviço de música ambiente por assinatura até a década de 1970, quando assume uma frequência aberta, a 102,1 MHz. Sem tanta preocupação em investir em produção de massa, a emissora só começa ter locução a partir do arrendamento de horários para diversos locatários entre as décadas de 1980 e 1990.[2][3][4]

Em 31 de dezembro de 2000, a frequência é arrendada para o Grupo Dial Brasil, de propriedade dos empresários Luiz André Calainho, Alexandre Accioly, Luciano Huck e Meyer Cohen. Neste dia, o grupo lançava a segunda passagem da Jovem Pan 2 no Rio de Janeiro, que até então operava na frequência da Fluminense FM.[4][5][6] A programação local entrou no ar oficialmente no dia 7 de janeiro de 2001.[7]

Durante toda a sua trajetória, a emissora foi líder no segmento jovem.[8] No entanto, a boa parceria foi abalada em 2006 quando a diretoria paulista iniciou um plano de tentar transformar a Jovem Pan 2 do Rio em emissora da Classic Pan, projeto adulto-contemporâneo da Jovem Pan.[4] Isso bateria de frente com a Paradiso FM (hoje SulAmérica Paradiso), emissora de mesma segmentação da Classic Pan e de propriedade do Grupo Dial Brasil.[9] Com a relação desgastada e na iminência de um rompimento de contrato, a Mix FM (principal concorrente da Jovem Pan) se ofereceu pra comprar ações no Grupo Dial e se afiliar com a rádio carioca. Após dois adiamentos, a Jovem Pan 2 deixou a frequência oficialmente no dia 31 de janeiro de 2007.[10] A Mix FM Rio entrou no ar às 0h de 1.º de fevereiro de 2007, transmitindo a rede no programa No Break.[11] A partir de então, o Grupo Dial Brasil passou a contar com Fernando di Gênio entre seus sócios.

Equipe

  • Rosangela Nunes
  • Léo Mello
  • Sergio Bitenka
  • Rutiano Bawer
  • Carlos Cassino Molla

Referências

  1. a b c Alessandra Saraiva (12 de abril de 2016). «Empresa de Luiz Calainho lança projeto de R$ 6 milhões no Rio». Valor Econômico. Consultado em 8 de julho de 2019 
  2. Edoardo Pacelli (2000). «Anna Khoury: O sonho dourado - 45 anos de Rádio FM no Brasil». Italiamiga. Consultado em 8 de julho de 2019 
  3. Ricardo Leal (22 de março de 2011). «O pioneirismo das 'músicas de elevador'». Etcetera. Painel Notícias. Consultado em 8 de julho de 2019 
  4. a b c «MIX FM - 102,1 MHz». Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro. 19 de maio de 2007. Consultado em 8 de julho de 2019 
  5. Alexandre Figueiredo (4 de outubro de 2004). «OS 10 ANOS DA TRANSFORMAÇÃO DA FLUMINENSE FM EM JOVEM PAN». Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro. Consultado em 8 de julho de 2019 
  6. «A HISTÓRIA DA FLUMINENSE FM ATÉ 2 DE AGOSTO DE 2002». Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro. 2 de agosto de 2002. Consultado em 8 de julho de 2019 
  7. Magaly Prado (23 de dezembro de 2000). «Nova Jovem Pan Rio volta dia 28». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de julho de 2019 
  8. «OS NOVOS BARÕES DO RÁDIO». IstoÉ Dinheiro. 17 de dezembro de 2003. Consultado em 8 de julho de 2019 
  9. Daniel Starck (30 de novembro de 2006). «Bomba: Jovem Pan 2 deixa o Rio de Janeiro. Mix aproveita». Tudo Rádio. Consultado em 8 de julho de 2019 
  10. «A AUTÓPSIA DA JOVEM PAN E O INÍCIO DA "JOVEM MIX"». Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro. 3 de fevereiro de 2007. Consultado em 8 de julho de 2019 
  11. Daniel Starck (1 de fevereiro de 2007). «Mix estréia no Rio de Janeiro». Tudo Rádio. Consultado em 8 de julho de 2019 

Ligações externas