Mixer (website)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mixer
Interface do site em agosto de 2019
Nomes anteriores Beam
Tipo de sítio Streaming de jogos eletrônicos
Proprietário(s) Microsoft
Criador(es) Matthew Salsamendi
James Boehm
Cadastro Opcional
País de origem  Estados Unidos
Idioma(s) 21[1]
  • Alemão
  • Chinês simplificado
  • Chinês tradicional
  • Coreano
  • Dinamarquês
  • Espanhol (América Latina)
  • Espanhol (Espanha)
  • Finlandês
  • Francês
  • Holandês
  • Inglês (EUA)
  • Inglês (Reino Unido)
  • Italiano
  • Japonês
  • Norueguês
  • Polonês
  • Português (Brasil)
  • Português (Portugal)
  • Russo
  • Sueco
  • Turco
Lançamento 5 de janeiro de 2016; há 3 anos
Posição no Alexa Aumento Mundo - 1,724 (Agosto de 2019)[2]
Endereço eletrónico mixer.com
Estado atual Ativo

Mixer é uma plataforma de streaming ao vivo de jogos eletrônicos baseada em Seattle de propriedade da Microsoft. O serviço foi lançado oficialmente em 5 de janeiro de 2016, como Beam, mas foi renomeado como Mixer em maio de 2017.

O serviço dá ênfase à interatividade, com baixa latência de transmissão e uma plataforma para permitir que os espectadores realizem ações que possam influenciar a stream.

Características[editar | editar código-fonte]

Mixer distingue-se de outras plataformas de streaming, enfatizando a interatividade entre streamers e seus espectadores; o serviço anunciava que haveria latência de menos de um segundo entre a transmissão original e quando é recebida pelos usuários, em vez de 10 a 20 segundos. Esse recurso é aproveitado por uma plataforma de interatividade, onde os espectadores podem usar botões exibidos ao lado de uma stream para influenciar a stream (como votar ou influenciar a jogabilidade). Os usuários podem gastar "Sparks" (ganhos por assistir e participar de streams) para ativar esses recursos de interatividade, e o suporte ao Mixer pode ser integrado aos jogos por meio de um SDK.[3][4]

Em novembro de 2018, o site revelou uma grande atualização com a marca "Season 2", incluindo recursos lançados imediatamente e planos para os próximos recursos. A atualização adicionou o ajuste automático de qualidade para o player, "Habilidades" - um recurso que pode ser usado para acionar animações e efeitos especiais no bate-papo. Algumas habilidades premium são adquiridas usando a moeda paga "Embers"; os canais podem receber receita das Embers gastas pelos espectadores. Os streamers parceiros também podem receber bônus de pagamento com base no volume de Sparks gasto em seus canais.[5] Em abril de 2019, o Mixer adicionou "Progressão de Canal" - um sistema de nível para rastrear o engajamento dos usuários com um determinado canal ao longo do tempo. Os usuários podem receber benefícios para recompensar sua participação de longo prazo.[6][7]

História[editar | editar código-fonte]

O Beam foi lançado em 5 de janeiro de 2016.[8] Em maio de 2016, o Beam venceu a competição Startup Battlefield na conferência TechCrunch Disrupt, recebendo US$ 50.000 em financiamento livre de patrimônio.[9][10]

Em 11 de agosto de 2016, o Beam foi adquirido pela Microsoft por um valor não revelado. A equipe do serviço foi integrada à divisão Xbox.[11][12][8] Em 26 de outubro de 2016, a Microsoft anunciou que o Beam seria integrado ao Windows 10.[13] O broadcast do Beam também foi integrado ao Xbox One na atualização de software de março de 2017.[14]

Em 25 de maio de 2017, a Microsoft anunciou que o Beam seria renomeado como Mixer, pois o nome anterior não pôde ser usado globalmente.[15] A nova marca veio junto com a introdução de vários novos recursos, como a capacidade de um usuário co-hospedar até três outras streams em seu canal de uma só vez, bem como o aplicativo móvel complementar Mixer Create. Também foi anunciado que o Mixer receberia integração de alto nível no Dashboard do Xbox One, com uma nova guia de curadoria de streams do Mixer.[3]

Em 1º de agosto de 2019, o streamer de videogame Ninja anunciou que se mudaria do concorrente da Amazon, o Twitch exclusivamente para o Mixer, a partir de 2 de agosto. O acordo foi considerado uma grande jogada do Mixer, já que Ninja estava entre as principais personalidades do Twitch, com mais de 14 milhões de seguidores.[16][17][18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. xadmin (25 de outubro de 2017). «New Language Support for Mixer.com». From the Myxer (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019 
  2. «Alexa - Mixer Competitive Analysis, Marketing Mix and Traffic». www.alexa.com. Consultado em 14 de agosto de 2019 
  3. a b Sarkar, Samit (25 de maio de 2017). «Microsoft's Beam renamed to Mixer, adds co-op streaming (update)». Polygon (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  4. Machkovech, Sam (11 de agosto de 2016). «Microsoft acquires game-streaming site, will integrate features into its games». Ars Technica (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  5. Kaser, Rachel (5 de dezembro de 2018). «Mixer may have found the secret sauce for paying streamers full-time». The Next Web (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  6. Watts, Steve (1 de novembro de 2018). «Microsoft's Mixer "Season 2" Update Adds New Features, Promises More To Come». GameSpot (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  7. Perez, Sarah. «Microsoft's Mixer now lets streamers reward fans for participation, not just subscriptions». TechCrunch (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019 
  8. a b Etherington, Darrell. «Microsoft acquires Beam interactive game live streaming service». TechCrunch (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019 
  9. Matney, Lucas. «Beam wants to turn gaming streams wildly dynamic». TechCrunch (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019 
  10. Dillet, Romain. «And the winner of TechCrunch Disrupt NY 2016 is… Beam». TechCrunch (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019 
  11. Goldman, Joshua (11 de agosto de 2016). «Xbox Live gets more social with Microsoft's Beam buy». CNET (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  12. O'Brien, Sara Ashley (12 de agosto de 2016). «Microsoft acquires gaming startup run by 18-year-old». CNNMoney. Consultado em 14 de agosto de 2019 
  13. Machkovech, Sam (26 de outubro de 2016). «Game streaming coming to Windows 10, and bitstream coming to Xbox One». Ars Technica (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  14. Gartenberg, Chaim (29 de março de 2017). «The Xbox One gets Microsoft's Beam streaming and a faster interface today». The Verge (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  15. Matthew Salsamendi [MattSalsamendi] (25 de maio de 2017). «Transparency: We had to change the name because we couldn't use the Beam name globally.» [Transparência: tivemos que alterar o nome porque não poderíamos usar o nome Beam globalmente.] (Tweet) (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 – via Twitter 
  16. Webster, Andrew (1 de agosto de 2019). «Ninja, the biggest name in Fortnite, is leaving Twitch». The Verge (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  17. Alexander, Julia (1 de agosto de 2019). «What is Mixer, Ninja's new exclusive streaming home?». The Verge (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  18. Roettgers, Janko (1 de agosto de 2019). «Ninja Is Ditching Amazon's Twitch for Microsoft's Mixer». Variety (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mixer (Website)