Saltar para o conteúdo

Mocidade Independente de Padre Miguel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: ""Mocidade Independente"" redireciona para este artigo. Para outras agremiações, veja Mocidade Independente (desambiguação).
Mocidade Independente
Fundação 10 de novembro de 1955 (68 anos) [1][2]
Escola-madrinha Beija-Flor de Nilópolis[3][4]
Cores
Símbolo Estrela de cinco pontas[2][5]
Castor (mascote)
Bairro Padre Miguel[1][2]
Presidente Flávio Santos[6]
Presidente de honra Rogério Andrade[6]
Desfile de 2025
Enredo Voltando para o futuro – Não há limites pra sonhar

Grêmio Recreativo Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel (ou simplesmente Mocidade Independente de Padre Miguel) é uma escola de samba da cidade do Rio de Janeiro. Atualmente se localiza na Avenida Brasil, no bairro Padre Miguel.[7] Dona de seis conquistas (1979[8], 1985[9], 1990[10], 1991[11], 1996[12], 2017[13]), a escola ocupa o posto de sétima maior vencedora do Carnaval das Campeãs do Carnaval do Rio de Janeiro.

Foi fundada em 10 de novembro de 1955 por Sílvio Trindade, Renato da Silva, Djalma Rosa, Olímpio Bonifácio (Bronquinha), Ary de Lima, Jorge Avelino da Silva , Orozimbo de Oliveira (Seu Orozimbo), Garibaldi F. Lima, Felipe de Souza (Pavão), José Pereira da Silva (Mestre André) e Alfredo Briggs, a partir de um time de futebol amador da época, o Independente Futebol Clube.[14] No entanto seu crescimento maior foi após os anos 1970, quando passou a ser patrocinada pelo bicheiro Castor de Andrade, seu grande torcedor.

Com um apelido nada sutil “Maracanã do samba”, a Mocidade Independente de Padre Miguel inaugurou oficialmente sua nova quadra à beira da Avenida Brasil. Conquistada no dia 1 de setembro de 2012, a nova quadra da Mocidade é moderna e tem 33 mil metros quadrados, e capacidade para receber cerca de 12 mil pessoas. São quase 1.700 metros quadrados só de térreo, além de 28 camarotes no segundo andar, o maior deles com 32 metros quadrados e com capacidade para até 50 pessoas. Fora as duas mil vagas de estacionamento e das vagas exclusivas para convidados Vips (com acesso direto aos camarotes). Sendo assim, a Mocidade fica com o título de maior quadra entre todas as escolas de samba do Rio de Janeiro.[15][16] Por esse motivo ganhou o apelido entre os torcedores de "Maracanã do Samba".[17]

Lugar de origem[editar | editar código-fonte]

Padre Miguel, na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, é o lugar de origem da Mocidade Independente, que tem o bairro gravado em seu nome.[18][19] As terras correspondentes ao bairro faziam parte da Fazenda Água Branca, pertencente à família Barata, que obteve vastas sesmarias que chegavam até a base do Maciço de Gericinó.[19][20] Com o passar do tempo, a fazenda de Água Branca foi desmembrada, dando origem a vários loteamentos, atravessados pela Avenida Brasil.[20]

A agremiação também tem forte ligação com a favela de Vila Vintém, localizada entre os bairros de Realengo e Padre Miguel.[19][21] São recorrentes nos sambas da Mocidade, citações ao bairro de Padre Miguel e à favela de Vila Vintém, como nos sambas de 1990 ("Sou Independente / Sou raiz também / Sou Padre Miguel / Sou Vila Vintém"); de 2010 ("Luz independente, me leva pro céu / Sou Mocidade, sou Padre Miguel"); de 2017 ("Vem pro Marrocos, meu bem / Vem minha Vila Vintém / Sonha Mocidade"); entre outros.[2]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Independente Futebol Clube[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de março de 1952, um grupo de amigos fundou o time de futebol de várzea Independente Futebol Clube (IFC).[5] Parte de seus jogadores residia no Conjunto Residencial Cardeal Dom Jaime Câmara (Na época, chamado IAPI de Padre Miguel).[3] Por conta de suas cores - verde e branco - o time foi apelidado de "arroz com couve", apelido herdado, mais tarde, pela escola de samba.[3][5] Em pouco tempo, o clube já disputava diversos campeonatos pela cidade.[22] Cresceu a ponto de ter três categorias: primeiro quadro, segundo quadro e juvenil.[5] Após as partidas, era comum os jogadores se reunirem numa roda de samba improvisada.[3] O lugar preferido para a confraternização era no Ponto Chic, local que abriga bares e lojas de comércio em geral, além de palco para festas e manifestações culturais.[18] Técnico do Independente, José Pereira da Silva (mais tarde conhecido como Mestre André), compôs o grito de guerra do time ("Oh, minha gente, acaba de chegar / O Independente saudando o povo do lugar / Não é marra não, nem é bafo de boca / O Independente chegou / Deixando a moçada com água na boca").[5][21]

Mocidade do Independente[editar | editar código-fonte]

Um ano após a fundação do time, os integrantes decidiram criar um bloco de carnaval. Em 1953, foi fundado o Bloco Carnavalesco Mocidade do Independente.[5] No mesmo ano, realizou o seu primeiro desfile, com um enredo em homenagem ao bairro de Padre Miguel e samba composto por Tião Marino, goleiro do Independente.[21] O primeiro mestre de bateria do bloco foi Ivan Bojudo, irmão de Ivo Lavadeira, um dos fundadores do time de futebol.[5] Mestre André era o mestre-sala (na época, chamava-se baliza) do bloco.[5] No carnaval de 1954, um dos sambas cantados foi "Perdi meu amor", também de Tião Marino.[21] Em 1955, um fato culminou na fundação da escola de samba. Os blocos Mocidade do Independente e Unidos de Padre Miguel (mais tarde também escola de samba) disputavam o título de melhor bloco da região.[21] De cores vermelho e branco, o Unidos de Padre Miguel era conhecido como Boi Vermelho, e tinha grande rivalidade com a Mocidade.[5] No momento de anunciar o bloco vencedor, o político Waldemar Vianna de Carvalho, ciente da popularidade dos dois blocos e tentando agradar a todos os foliões, anunciou o Unidos de Padre Miguel como melhor bloco e a Mocidade do Independentes como melhor escola de samba da região.[5][23] Naquele ano, a Mocidade desfilou com um enredo sobre Getúlio Vargas, e mais um samba composto por Tião Marino.[21]

Fundação[editar | editar código-fonte]

A Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel foi oficialmente fundada em 10 de novembro de 1955.[1][24] Entre seus fundadores estão Silvio Trindade (Tio Vivinho), Ivo Lavadeira, José Pereira da Silva (Mestre André), Tião Marino, Renato da Silva, Djalma Rosa, Alfredo Briggs Filho, Olímpio Bonifácio (Bronquinha), Orozimbo de Oliveira (Seu Orozimbo), Altamiro Menezes (Cambalhota), Geraldo de Souza (Prego), Garibaldi Faria Lima, entre outros.[1][24] Sílvio Trindade, conhecido como Tio Vivinho foi eleito o primeiro presidente da agremiação. Também foram escolhidos: Renato Ferreira da Silva como vice-presidente; Djalma Rosa Pereira como secretário geral; e Olímpio Bonifácio como tesoureiro.[1][5]

Nome, cores, símbolo e apadrinhamento[editar | editar código-fonte]

O nome da escola foi adaptado do Bloco Mocidade do Independente. Foram mantidas as cores verde e branco do Bloco. O símbolo da Mocidade é uma estrela de cinco pontas. Por isso, a escola é apelidada de "estrela-guia da Zona Oeste".[5] Não se sabe o motivo ou quem escolheu o símbolo. Diversos sambas da escola fazem referência ao símbolo e às cores da agremiação, como, por exemplo, os sambas de 1990 ("Meu ziriguidum fez brilhar no céu / A estrela guia de Padre Miguel"); 1997 ("Nos teus olhos vejo minha estrela brilhar"); 2006 ("Sou a onda que te leva nesta folia / Um verde e branco mar de energia"); 2007 ("Da emoção eu faço a arte / Em verde e branco, com a Mocidade"); entre outros.[2]

A escola-madrinha da Mocidade é a Beija-Flor de Nilópolis.[3] A festa de batizado foi realizada em 20 de janeiro de 1957, na quadra da Mocidade. No livro de atas da escola, consta um relato sobre o apadrinhamento ("A Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel se sente honrada em receber a Beija-Flor, a quem mui amigavelmente convidamos para ser nossa madrinha [...] Seja, pois, esta data um forte elo, o que nos envaidece". A ligação entre as duas escolas foi intermediada pelo compositor Ari de Lima. Frequentador da Beija-Flor, Ari foi levado, por Tio Vivinho, para a Mocidade, onde escreveu os primeiros enredos da escola.[4]

Bandeira[editar | editar código-fonte]

A bandeira da Mocidade em 2010

A bandeira, ou pavilhão, da escola possui dezesseis raios intercalados (oito verdes e oito brancos), partindo de duas circunferências concêntricas centrais (uma branca e outra amarelo-ouro) em direção às extremidades da bandeira. Na circunferência branca, a inscrição "Mocidade Independente de Padre Miguel", com letras de cor verde. Dentro da circunferência branca, uma outra circunferência, de cor amarelo-ouro, onde está o símbolo da escola, uma estrela de cinco pontas na cor verde. Dentro da estrela, um círculo central, de cor branca, com a inscrição "G.R.E.S." (Grêmio Recreativo Escola de Samba), em letras verdes. Abaixo das circunferências, no raio inferior central, fica inscrito o ano de confecção do pavilhão. A bandeira pode sofrer pequenas variações a cada ano, como por exemplo, as cores das circunferências e as disposições de cores dos raios. Desde 2014, quando Rogério Andrade (sobrinho de Castor de Andrade), assumiu a agremiação, a bandeira da escola apresenta o desenho de um pequeno castor, na cor preta. A estrela de 5 pontas foi desenhada pelo artista Gilberto Arantes, hoje falecido.

História[editar | editar código-fonte]

Desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel de 1961. Arquivo Nacional.

Em 1956, apresentou o enredo "Castro Alves", novamente num desfile local.

Desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel de 1962. Arquivo Nacional.

Em 1957, na Praça Onze, participou pela primeira vez do desfile oficial no Rio de Janeiro, com o enredo "O Baile das Rosas" conquistando o 5° lugar no grupo de acesso. Em 1958, foi campeã do grupo de acesso com o enredo "Apoteose ao Samba", mas o que realmente marcou esse carnaval foi que nele foi realizado, pela primeira vez sob o comando de Mestre André, a célebre "paradinha da bateria" em frente à comissão julgadora. O povo então foi ao delírio, mais tarde, a acompanhar a tal "bossa" com o grito de "Olé". Durante este período, a Mocidade era conhecida como "uma bateria que carregava a escola nas costas", pois a bateria era mais conhecida do que a própria escola, só alguns anos depois teve condições de competir com as grandes da época (Portela, Mangueira, Salgueiro, e Império Serrano). A partir da "paradinha" feita por Mestre André, a "paradinha" foi aderida anos depois pelas outras escolas de samba, e hoje em dia todas as baterias das escolas de samba do Rio de Janeiro e do Brasil a fazem.

Desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel de 1972. Arquivo Nacional.

No ano de 1974, com o carnavalesco Arlindo Rodrigues, apresentou o enredo "A festa do Divino", tirando um 5° lugar. Mas neste ano ela poderia ter ganhado o campeonato, se não tirasse uma nota 4 em fantasia - o que foi considerado um escândalo, na época, visto que Arlindo era conhecido e consagrado pelo bom gosto e requinte nas fantasias. A campeã Salgueiro teve apenas 4 pontos a mais que a Mocidade, ou seja, um simples 8 em fantasias daria o título à Padre Miguel, visto que no quesito de desempate, bateria, o Salgueiro tinha 9 e a Mocidade 10.

Desde então, a escola deixava de ser conhecida apenas por sua bateria, para impor-se como grande escola de samba. Em 1975, a Mocidade vence pela primeira vez as "quatro grandes", num desfile realizado em outubro durante o congresso da ASTA - American Society of Travel Agents, no Rio de Janeiro, em que as escolas do grupo principal realizaram um desfile competitivo, a Mocidade foi campeã.[25][26]

Em 1976, por ironia, a Mocidade empatou em segundo lugar, com a Mangueira, e perdeu o desempate por ter um ponto a menos na nota da tão famosa bateria nota 10. Em 1979, ainda com Arlindo Rodrigues, a Mocidade conquista o seu primeiro campeonato com "O Descobrimento do Brasil". No ano seguinte, assumiu o carnaval Fernando Pinto, produzindo desfiles considerados pela crítica como excepcionais, projetando-se assim como um dos mais criativos e inventivos carnavalescos já conhecidos.[27]

No primeiro ano de Fernando Pinto na Mocidade, em 1980, a escola conquistou um segundo lugar com o enredo "Tropicália Maravilha". Em 1983, a Mocidade recebe o Estandarte de Ouro de melhor comunicação com o público com o enredo "Como era verde o meu Xingu". Fernando permaneceu na escola até 1987, ano de sua morte, e fez grandes carnavais na Mocidade na década de 1980: além de "Tupinicópolis", deu à escola o título de 1985, com "Ziriguidum 2001". Nesse carnaval, a Mocidade entraria na Avenida com um enredo futurista, projetando o carnaval do próximo século.[27]

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

Na década de 1990, a Mocidade passaria ao comando de Renato Lage, que consagrou a escola em três anos: em 1990, contando sua própria história ("Vira Virou, a Mocidade Chegou"); em 1991, falando sobre a água ("Chuê, Chuá… As Águas Vão Rolar"); e em 1996, com um enredo sobre a relação entre o homem e Deus ("Criador e Criatura").

Em 1997, após ser vice-campeã com o enredo "De corpo e alma na avenida", a Mocidade perdeu seu patrono, Castor de Andrade. Dois anos depois, a escola fez um desfile em homenagem a Villa-Lobos, com o enredo "Villa-Lobos e a Apoteose Brasileira". O público vibrou com o desfile. Porém, neste ano, uma decepção aconteceu: a Mocidade, que sempre se concentrou ao lado dos Correios, precisou se concentrar em frente ao edifício conhecido como "Balança Mas Não Cai", perto do qual há um viaduto que frequentemente atrapalha as alegorias das escolas que ali se concentram. No caso da Mocidade, a escola demorou demais a por os destaques nos grandes carros alegóricos e abriu um enorme buraco entre os setores 1 e 3, logo no começo da passarela. Apesar da grande falha, certamente foi a campeã para muita gente que viu e se emocionou com aquele belíssimo desfile.[carece de fontes?]

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Em 2000, a escola desfilou predominantemente com as cores do Brasil, no Carnaval comemorativo dos 500 anos de descobrimento do país. No ano seguinte, foi contratado o cantor David do Pandeiro, que estava na Tijuca, para substituir o intérprete do ano anterior, Paulo Henrique. Com o enredo sobre a paz e a harmonia, trouxe a bateria vestida de Gandhi e conquistou o Estandarte de Ouro de Melhor Bateria. Mesmo assim, acabou em 7° lugar, ficando fora do desfile campeãs.

Em 2002, a escola recontratou o intérprete Wander Pires, para cantar "O Grande Circo Místico". O desfile agradou ao público. Com problemas nos quesitos harmonia musical e conjunto, terminou em quarto lugar. Após o carnaval de 2002, Renato Lage deixou a escola.

Em 2003 e 2004, assumiu o carnavalesco Chico Spinoza, que levou para a avenida enredos de cunho social, como doação de órgãos e educação no trânsito, com os quais a escola obteve, respectivamente, o 5° e 8° lugar. Em 2005, com a mudança da diretoria, a Mocidade contratou um carnavalesco de característica clássica: Paulo Menezes. Seu carnaval fez lembrar as formas de Arlindo Rodrigues, porém a escola terminou na 9ª colocação . Em 2006, entra no comando da Bateria Mestre Jonas e Mauro Quintaes, com o carnaval sobre os 50 anos da escola, que novamente não obteve uma boa colocação.[28]

Ainda em 2006, em 8 de outubro, a bateria e alguns integrantes da agremiação encerraram o show do grupo pop mexicano RBD no estádio do Maracanã, show este em que a banda mexicana sambou junto com os componentes da escola de samba, incluindo Viviane Araújo.[29] O show foi posteriormente lançado em DVD, sob o título Live in Rio.

No ano de 2007 entra outro carnavalesco, Alex de Souza, que contou a história do artesanato terminando na pior colocação desde a era Castor de Andrade, na 11º colocação. Em 2007, os ritmistas da Mocidade batem recorde de tempo em paradinha. A bateria desfilou fantasiada de bonecos de barro do mestre Vitalino e fazem alusão às feiras nordestinas. Mestre Jonas congela na Avenida durante 15 segundos.[30] Para 2008, a escola trocou outra vez de carnavalesco, desta vez trouxe Cid Carvalho, que com um enredo temático dos 200 anos da chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil.[31]

Para 2009 a escola trouxe de volta Wander Pires como sua voz oficial. Além disso, o carnavalesco Cláudio Cebola, que fazia parte da comissão de carnaval, foi promovido a carnavalesco oficial.[32] O enredo, a princípio seria uma homenagem ao centenário da morte do escritor Machado de Assis, mas foi posteriormente alterado, com a inclusão também de Guimarães Rosa no tema. Última escola do Grupo Especial a definir seu samba para 2009, a Mocidade enfrentou algumas polêmicas nesse processo, quando escolheu um samba com características pouco convencionais e que era preferido pela maioria da comunidade.

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

  • 2010: "Do paraíso de Deus ao paraíso da loucura, cada um sabe o que procura"
    Logo do enredo de 2010
    Logo do enredo de 2010

Com o perigoso resultado do carnaval de 2009 que quase a rebaixou,[33] a gestão da escola providenciou uma reestruturação dos quesitos objetivando a melhora do resultado para o ano seguinte. Comandando o projeto artístico, foi trazido novamente o carnavalesco Cid Carvalho, enquanto que no carro de som, David do Pandeiro dividiria o posto de intérprete com o premiado Nêgo[34]. Na esteira das mudanças, o mestre Bêreco fez sua estreia como Mestre de Bateria,[35] enquanto que o casal Cristiane Caldas e Fabrício Pires assumiam a defesa do pavilhão no cargo de Porta Bandeira e Mestre Sala.[36]

Nesse ano a escola defendou o enredo "Do paraíso de Deus ao paraíso da loucura, cada um sabe o que procura",[37][38] melhorarando consideravelmente seu resultado e alcançando a 7ª colocação. O enredo em questão apresentava uma divisão narrativa, com a primeira parte retratando o paraíso bíblico e seus personagens característicos, a exemplo de Adão, Eva e a serpente. Já o segundo momento buscava retratar outro tipo de paraíso, mais "mundano" e "terreno", destacando a relação humana com os diversos "paraísos" possíveis de se obter com dinheiro, ou que então o envolviam.[39]

  • 2011: "A Parábola dos Divinos Semeadores"
    Logo do enredo de 2011
    Logo do enredo de 2011

No ano de 2011, a Mocidade continuou com Cid Carvalho como carnavalesco, Nêgo como cantor oficial, junto com Rixxah[40] e falou sobre a história da agricultura e da agropecuária, com o enredo A Parábola dos Divinos Semeadores. O enredo foi de difícil interpretação, além de não ser bem desenvolvido durante o desfile. Rogério Andrade, filho de Castor, se tornou o presidente de honra da escola. tendo sua mulher Andréa, como rainha de bateria. mesmo com alegorias e fantasias superiores aos últimos anos, a escola não mostrou bom nível de desfile, ficando aquém das outras agremiações,[41][42] em 7° lugar, não desfilando nas Campeãs.

  • 2012: "Por ti, Portinari. Rompendo a tela, à realidade"
    Logo do enredo de 2012
    Logo do enredo de 2012

Para o carnaval de 2012, a Mocidade contratou o consagrado carnavalesco Alexandre Louzada, grande campeão dos carnavais de 2011 no estado do Rio de Janeiro e em São Paulo. As mudanças também foram feitas no carro de som da escola, com a contratação do intérprete Luizinho Andanças (ex-Porto da Pedra). Formou-se nesse ano a Superdireção de Bateria, projeto de direção da bateria idealizada por Andrezinho (ex-Grupo Molejo), na qual o próprio contara com a continuidade do trabalho do Mestre Berêco e a chegada de Mestre Dudu (filho do campeão e vencedor do Estandarte de Ouro Mestre Coé), [43]que até então era da co-irmã Unidos de Padre Miguel, tendo como rainha de bateria Antônia Fontenelle. A escola apresentou o enredo "Por ti, Portinari. Rompendo a tela, à realidade". Um desfile grandioso, superior aos dos últimos anos, com um grande acabamento plástico.[44][45] Porém, a escola terminou na 9ª colocação.

  • 2013: "Eu vou de Mocidade com samba e Rock in Rio - Por um mundo melhor"
Logo do enredo de 2013
Logo do enredo de 2013


Antes do carnaval 2012, a verde e branco de Padre Miguel foi a primeira escola a definir seu tema para 2013, que será sobre o Rock In Rio,[46][47][48] sendo definido num encontro com o presidente da escola (Paulo Vianna), o carnavalesco Alexandre Louzada com o idealizador do festival Roberto Medina, com o título "Eu vou de Mocidade com samba e Rock in Rio - Por um mundo melhor". mostrando alegorias e fantasias com materiais alternativos.[49] A bateria, apesar da ótima apresentação, recebeu apenas uma Nota 10. Terminando em 11º Lugar, com 293.5, escapando por pouco do rebaixamento.

2014: "Pernambucópolis"

Logo do enredo de 2014
Logo do enredo de 2014
Dudu Nobre, grande torcedor da escola. Um dos compositores do samba-enredo de 2014, além de ser o intérprete da agremiação em 2014, ao lado de Bruno Ribas.

Para 2014 a escola trouxe de volta Rogerinho e Lucinha Nobre, como mestre-sala e porta-bandeira[50] e Paulo Menezes foi escolhido para ocupar o cargo de carnavalesco.[51] Além de mudanças no comissão de frente, direção de carnaval e harmonia.[52] Tendo o enredo "Pernambucópolis" numa referência direta ao enredo “Tupinicópolis”, de 1987, onde o carnavalesco Fernando Pinto, voltou a Pernambuco num olhar cultural sobre a o lugar.[53][54]

Na final de samba-enredo, a pareceria do cantor Dudu Nobre venceu arrasadoramente as demais parcerias, conquistando o coração da comunidade e da torcida,[55] tendo ocorrido ainda na final, a coroação da rainha de bateria (Ana Paula Evangelista[56][57][58]) e a última apresentação de Luizinho Andanças como intérprete, uma vez que, dias depois ele foi demitido,[59] retornando Bruno Ribas ao posto,[60] fazendo dupla com o cantor Dudu Nobre.[61][62]

Próximo ao carnaval e em meio a inúmeras polêmicas, o presidente Paulo Vianna foi afastado temporariamente pela justiça por irregularidades e má administração, tendo seu vice Wandyr Trindade, mais conhecido como Macumba,[63][64] assumindo a presidência.

A rainha de bateria Ana Paula Evangelista, que era indicação do antigo presidente[65][66][67] foi substituída pela atriz Mariana Rios[68] e o sobrinho e herdeiro do eterno patrono Castor de Andrade, [69]Rogério Andrade, assume a escola.[70][71]

  • 2015: "Se o mundo fosse acabar, me diz o que você faria se só lhe restasse um dia?"
    Logo do enredo de 2015
    Logo do enredo de 2015

Em 2015, após forte movimento de renovação e reestruturação em busca de alcançar melhores resultados, a escola contratou o carnavalesco considerado a sensação do momento. Paulo Barros que havia vencido em 2014 pela Unidos da Tijuca[72][73] foi trazido com grande expectativa para compor a equipe da escola. Além disso, os coreógrafos Jorge Teixeira e Saulo Finelon, responsáveis pela surpreendente apresentação na Grande Rio[74], também foram incorporados ao projeto da escola para desenvolver a comissão de frente. Lucinha Nobre permaneceu na agremiação, agora com a parceria do então jovem Mestre-sala Diogo Jesus.[75] O enredo para 2015 tinha como mote a música "O ÚLTIMO DIA" de Paulinho Moska e Billy Brandão, que tratava sobre os devaneios humanos caso o fim do mundo possibilitasse apenas mais um dia de existência[76]. A agremiação inovou com um desfile legendado, em que as alegorias possuiam textos evidenciando o significado no enredo, além de balões textuais que antecipavam as alas, também contextualizando a narrativa, encerrou a apuração na 7ª colocação.

  • 2016: "O Brasil de La Mancha: sou Miguel, Padre Miguel. Sou Cervantes, sou Quixote cavaleiro, Pixote brasileiro"
    Logo do enredo de 2016
    Logo do enredo de 2016

Já sem Paulo Barros, que logo após o Carnaval, trocou a escola pela Portela, a Mocidade preparou um enredo sobre Dom Quixote, semelhante ao da União da Ilha de 2010. Logo em agosto, durante a disputa de samba, a diretoria se viu envolvida numa polêmica: o samba concorrente nº 29, da parceria de Jaci Campo Grande, Laio Lopes, Marcos Mello, Fabinho Rodrigues, Christiano Moreno, Maurinho da Júlio e Reinaldo do Chevett, foi eliminado da disputa antes mesmo dela ser iniciada, e a escola lançou uma nota no site chamando os compositores de antiéticos, por terem colocado a atriz Zezé Motta como parceira do samba, supostamente sem sua autorização.[77] No entanto, uma semana após, a atriz confirmou em entrevista que queria fazer parte da parceria e recebeu um convite dos compositores, sendo que o compositor Christiano é seu amigo, e que ficou de consultar sua gravadora se poderia fazê-lo, mas ao fim, por razões contratuais, acabou não podendo participar da disputa, sendo a história um grande mal-entendido, e isentando os compositores da acusação de má-fé.[78]

  • 2017: "As Mil e Uma Noites de Uma 'Mocidade' pra Lá de Marrakesh"
    Logo do enredo de 2017
    Logo do enredo de 2017

O intérprete Wander Pires voltou para a Mocidade, substituindo Bruno Ribas.[79] Alexandre Louzada desenvolveu, junto com o professor André Luís Junior, um enredo sobre o Marrocos.[80] A Mocidade foi a terceira escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2017. Um dos destaques da apresentação foi a comissão de frente, coreografada por Jorge Teixeira e Saulo Finelon, que utilizou truques de ilusionismo para fazer Aladim voar sobre um tapete e beduínos carregarem cestos de onde surgiam odaliscas.[81][82] Foi a Comissão de Frente mais premiada do ano, recebendo prêmios como o Estrela do Carnaval,[83] SRzd,[84] S@mba-Net,[85] Tamborim de Ouro,[86] entre outros.

Desfile campeão da Mocidade no carnaval 2017.

A Mocidade terminou a apuração das notas em segundo lugar, com um décimo a menos que a campeã, Portela. Cerca de um mês após o desfile, a LIESA divulgou as justificativas dos julgadores para as notas dadas. Valmir Aleixo, do quesito Enredo, descontou um décimo da Mocidade pela falta de uma destaque de chão, que representaria "O Esplendor dos Sete Mares". A destaque seria Camila Silva, que foi promovida à Rainha de Bateria após a empresária angolana Carmen Mouro desistir de desfilar à frente dos ritmistas. A Mocidade rebateu a avaliação do julgador alegando que ele se baseou na versão antiga do livro abre-alas (roteiro do desfile) enviado pela agremiação. A escola alegou que enviou para a LIESA, dentro do prazo estipulado, uma versão retificada do livro abre-alas excluindo a presença de Camila Silva como destaque de chão. A LIESA, por sua vez, não teria repassado a nova versão ao julgador, ocasionando o desconto de um décimo.[87]

A escola entrou com recurso na Liga contra o resultado e ameaçou procurar seus direitos na Justiça.[88] Em uma plenária realizada no dia 5 de abril de 2017, a LIESA decidiu dividir o título de campeã entre Portela e Mocidade. Foram sete votos a favor; cinco abstenções; e apenas a presidência da Portela votou contra a divisão de título.[89][90] Com a vitória, a Mocidade conquistou seu sexto título de campeã, quebrando o jejum de 21 anos sem conquistas.[91]

Após a apuração, o mestre-sala Diogo Jesus anunciou em suas redes sociais seu desligamento da Mocidade. O contrato do mestre-sala se encerraria no domingo após o Desfile das Campeãs, mas a direção da escola não gostou do comunicado feito por Diogo e decidiu proibir o mestre-sala de desfilar nas 'Campeãs'.[92][93] Vinicius Antunes, da Unidos de Padre Miguel, foi convidado pela Mocidade para desfilar nas Campeãs junto com Cris Caldas. De cadeira de rodas, Jéssica Ferreira, porta-bandeira da UPM, desfilou junto com os dois. Naquele ano, Jéssica sofreu uma entorse no joelho durante sua apresentação, junto com Vinícius, na Série A.[94]

  • 2018: "Namastê: a Estrela que Habita em Mim, Saúda a que Existe em Você"
    Logo do enredo de 2018
    Logo do enredo de 2018

Para tentar o bicampeonato, o carnavalesco Alexandre Louzada desenvolveu um enredo patrocinado, que retrataria de forma muito perspicaz as influências que a cultura da Índia exercia no Brasil. O patrocínio em questão foi realizado por empresas do país asiático.[95] Marcinho Siqueira assumiu o posto de primeiro mestre-sala após polêmica saída do seu antecessor.[96][97]

O carnaval de 2018 teve um período de preparação conturbado.[98] Em junho de 2017, a Prefeitura do Rio anunciou o corte de 50% do repasse de verbas públicas para as escolas de samba.[99] A decisão gerou polêmica visto que, em sua campanha para a Prefeitura, Marcelo Crivella prometeu manter o patrocínio às escolas.[100] Bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Crivella também foi acusado de ser influenciado pela sua religião ao cortar parte da verba do carnaval.[101] A LIESA ameaçou cancelar os desfiles e sambistas organizaram protestos, mas o Prefeito manteve o corte.[102]

Baianas da Mocidade no desfile de 2018. Escola perdeu o título no quesito Fantasias.
Baianas da Mocidade no desfile de 2018. Escola perdeu o título no quesito Fantasias.[103][104]

Sem dinheiro, a LIESA cancelou os ensaios técnicos, após quinze anos bancando o evento.[105] Em outubro de 2017, faltando cerca de quatro meses para os desfiles, o Ministério do Trabalho interditou os barracões de todas as escolas na Cidade do Samba.[106] Os barracões foram liberados ao final de novembro, após as escolas cumprirem uma série de exigências visando melhores condições de trabalho.[107]

A subvenção foi paga às escolas em janeiro de 2018, faltando menos de um mês para os desfiles.[108] A Mocidade encerrou a primeira noite de desfiles do Grupo Especial de 2018.[109][110] Na quarta-feira de cinzas, a escola liderava a apuração até a leitura do quesito Fantasias, onde perdeu pontos, caindo da liderança para a sexta colocação.[111] Um dos destaques do desfile, a bateria da escola, comandada por Mestre Dudu, foi a mais premiada do ano, recebendo os prêmios Estandarte de Ouro, Estrela do Carnaval, Gato de Prata e Sambario.[112][113][114] A escola também recebeu o Estandarte de Ouro de melhor samba-enredo.[115]

  • 2019: "Eu Sou o Tempo. Tempo É Vida"
    Logo do enredo de 2019
    Logo do enredo de 2019

Para o carnaval de 2019, a Mocidade renovou com Alexandre Louzada, que desenvolveu um enredo sobre o tempo. Pelo segundo ano consecutivo, o prefeito Marcelo Crivella cortou 50% da verba destinada às escolas que desfilaram no Sambódromo.[116]

Com dificuldades financeiras, a escola teve que pedir ajuda aos componentes para que comparecessem ao barracão com o objetivo de confeccionar alegorias e fantasias.[117] A Mocidade foi a última escola a desfilar em 2019.[118] Assim como no ano anterior, a escola obteve o sexto lugar. Coordenadora da ala de baianas e um dos maiores nomes contemporâneos vivos da escola, Tia Nilda recebeu o Estandarte de Ouro de personalidade.[119]

Década de 2020[editar | editar código-fonte]

  • 2020: "Elza Deusa Soares"
    Logo do enredo de 2020
    Logo do enredo de 2020

Em abril de 2019, a Mocidade elegeu a chapa da situação com Flávio Santos para presidente e Rodrigo Pacheco para vice-presidente da escola.[120] Antes do desfile de 2019, a Mocidade já havia escolhido seu enredo para 2020 em homenagem a cantora Elza Soares, torcedora declarada da escola.[121] O carnavalesco Alexandre Louzada se desligou da agremiação, se transferindo para a Beija-Flor. Para desenvolver o enredo sobre Elza, a Mocidade contratou Jack Vasconcelos, que estava no Paraíso do Tuiuti.[122]

A cantora Elza Soares durante o desfile em sua homenagem no carnaval de 2020.

A escola dispensou seu primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marcinho Siqueira e Cristiane Caldas, que foram substituídos por Diogo Jesus e Bruna Santos. Diogo foi campeão com a escola em 2017 e Bruna era segunda porta-bandeira da agremiação.[123] A rainha de bateria Camila Silva deixou a escola, sendo substituída por Giovanna Angélica, personalidade nascida e criada na região de Padre Miguel e Bangu, Giovana é neta de uma ex-costureira da escola e já havia ocupado o cargo de musa da agremiação nos carnavais de 2017 e 2018.[124]

Após dois anos cortando a verba pela metade, o prefeito Marcelo Crivella decidiu cortar integralmente a subvenção das escolas que desfilaram no Sambódromo.[125] A Mocidade foi a quinta e penúltima escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial. Aos 89 anos de idade, Elza Soares participou do desfile, desfilando na última alegoria.[126][127] A escola conquistou a pontuação máxima na maioria dos quesitos, mas perdeu décimos em Fantasias e Bateria, ficando com o terceiro lugar do carnaval, dois décimos atrás da campeã Viradouro e da vice-campeã Grande Rio.[128] Elza recebeu o Estandarte de Ouro de personalidade.[129] O samba-enredo da escola, que tinha entre seus compositores Sandra de Sá, fazendo sua estreia no gênero, recebeu o Troféu Gato de Prata.[130][131]

  • 2021: Em virtude da pandemia não houve carnaval[132]

Após o carnaval de 2020, o carnavalesco Jack Vasconcelos se desligou da Mocidade, sendo substituído por Fábio Ricardo.[133] Por causa do avanço da Pandemia de COVID-19 em todo o mundo, o desfile das escolas de samba de 2021 foi cancelado, sendo a primeira vez, desde a criação do concurso, em 1932, que o evento não foi realizado.[134][135]

Com o agravamento da pandemia, as escolas paralisaram as atividades presenciais nas quadras e barracões, mas seguiram se programando para o desfile futuro.

  • 2022: "Batuque ao Caçador"
    Logo do enredo de 2022
    Logo do enredo de 2022

Para o carnaval de 2022, Fábio Ricardo desenvolveu um enredo sobre Oxóssi e a bateria da Mocidade. O enredo era um pedido antigo da comunidade da escola, já que uma das marcas da Não Existe Mais Quente é o toque de caixa em homenagem à Oxóssi.[136][137] O concurso para escolher o samba-enredo da escola teve a participação de compositores famosos como Marcelo D2, Elza Soares, Sandra de Sá e Mariene de Castro.[138]

Mestres de bateria da escola foram homenageados na última alegoria do desfile de 2022.

Venceu a obra liderada por Carlinhos Brown, que pela primeira vez assinou um samba no carnaval carioca.[139] Com o retorno de Eduardo Paes à Prefeitura do Rio de Janeiro, a subvenção voltou a ser paga às agremiações.[140] No final de 2021, com a campanha de vacinação contra a COVID e a diminuição de mortes pela doença, as escolas retomaram os ensaios para o carnaval de 2022.[141]

Em 20 de janeiro de 2022 morreu Elza Soares, homenageada pela escola em seu carnaval anterior.[142] Com o aumento dos casos de COVID no país devido ao avanço da variante Ómicron, o desfile das escolas de samba que ocorreriam no carnaval de 2022 foram adiados para abril do mesmo ano, durante o feriado de Tiradentes.[143]

A Mocidade foi a terceira escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2022. Ritmistas da bateria desfilaram de cabeça raspada, repetindo o gesto realizado nos carnavais de 1976 e 2001.[144] A rainha da bateria, Giovana Angélica, também raspou a cabeça.[145]

A escola teve problemas de evolução. Com dificuldade para se locomover, o carro abre-alas precisou ser desacoplado, o que gerou uma punição para a agremiação. O veículo chegou a bater na grade lateral da pista e precisou da força de vários integrantes para empurrá-lo.[146] O trono onde Elza Soares desfilaria, na última alegoria, passou vazio pela Sapucaí.[147]

Com o desfile, a Mocidade obteve o oitavo lugar no carnaval, ficando de fora do Desfile das Campeãs pela primeira vez após quatro anos consecutivos.[148] O samba-enredo da escola recebeu diversos prêmios, a exemplo do Estandarte de Ouro, Gato de Prata, S@mba-Net e Sambario.[149][150][151][152]

  • 2023: "Terra de Meu Céu, Estrelas de Meu Chão"
    Logo do enredo de 2023
    Logo do enredo de 2023

Para 2023, a Mocidade trocou o carnavalesco Fábio Ricardo por Marcus Ferreira (que estava na Viradouro).[153] O intérprete Wander Pires não chegou a um acordo com a escola, deixando a agremiação. Wander também era intérprete do carnaval de São Paulo e a Mocidade alegou que estava em busca de um cantor exclusivo da escola.[154] Nino do Milênio (que estava no Tuiuti) foi contratado como novo intérprete da agremiação.[155] Com a saída dos coreógrafos Jorge Teixeira e Saulo Finelon da escola, Paulo Pinna foi contratado para coreografar a comissão de frente da agremiação.[156]

O carro abre-alas de 2023 recebeu o Estandarte de Ouro pelo uso de materiais alternativos.[157]

Para o carnaval de 2023, Marcus Ferreira desenvolveu um enredo sobre artesãos, discípulos de Mestre Vitalino, do Alto do Moura, bairro de Caruaru, em Pernambuco.[158] A situação financeira da escola gerou comentários durante todo o período do pré-carnaval, junto aos boatos de problemas no barracão, carros que poderiam ir à avenida mal-acabados, entre outros. Essas deficiências visuais acabaram se concretizando no domingo de carnaval, quando a escola entrou na avenida. As alegorias, em conjunto com uma evolução problemática, foram apontados como os pontos mais baixos da apresentação da agremiação.[159]

A junção destes fatores deram à escola sua pior colocação em 14 anos: um temido 11º lugar. Durante alguns momentos da apuração, a Mocidade Independente chegou a ocupar a parte mais baixa da tabela, conseguindo se salvar por pouco. Mesmo assim, em 27 de fevereiro, foi anunciado a renovação de Marcus Ferreira.

  • 2024: "Pede Caju que Dou... Pé de Caju que Dá!"
    Logo do enredo de 2024
    Logo do enredo de 2024 - Em destaque na arte, a primeira porta bandeira da escola Bruna Santos, referenciando Carmem Miranda

A Mocidade promoveu mudanças em sua equipe para o carnaval de 2024. A escola dispensou o intérprete Nino do Milênio, contratando Zé Paulo Sierra, recém-saído da Viradouro.[160] Marquinho Marino deixou a direção de carnaval após seis anos, sendo substituído por uma comissão formada por Vânia Reis, Wilker Jorge e Marcelo Plácido, além do carnavalesco Marcus Ferreira. Sandro Menezes assumiu a direção de harmonia.[161] Fabíola de Andrade, esposa do presidente de honra da escola, Rogério Andrade, assumiu o posto de rainha de bateria.[162]

A agremiação teria eleição presidencial em abril de 2023, mas uma decisão judicial suspendeu o processo eleitoral para apurar irregularidades no processo de recadastramento dos sócios ocorrido em 2022. A escola foi judicialmente impedida de realizar o lançamento de seu enredo para 2024, cancelando um evento previsto para a ocasião.[163] Cerca de um mês e meio depois, a escola conseguiu reverter a decisão judicial, e pode enfim divulgar seu enredo para 2024. Assinado pelo carnavalesco Marcus Ferreira, junto com o jornalista e escritor Fábio Fabato, "Pede Caju que Dou... Pé de Caju que Dá!" abordou as histórias, lendas e curiosidades sobre o caju.[164]

Trecho do samba-enredo de 2024 da Mocidade na voz de Zé Paulo Sierra.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

O samba-enredo do desfile, que tem entre seus compositores, Diego Nicolau, Paulinho Mocidade e Marcelo Adnet, fez sucesso, chegando ao topo da playlist Viral Rio de Janeiro, do Spotify, que seleciona os lançamentos mais populares entre os ouvintes da cidade do Rio de Janeiro.[165][166][167] Com letra fácil e bem humorada, o samba causou polêmica com o trecho "vou erguer um monumento para seu Luiz Inácio", que foi apontado pelo público como uma referência ao então presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, mas, segundo o enredo, fazia alusão a Luiz Inácio de Oliveira, pescador que plantou o maior cajueiro do mundo, segundo a tradição oral.[168] Pouco antes do carnaval, Zé Paulo e integrantes da Mocidade se apresentaram em um jantar para Lula, na casa do então prefeito do Rio, Eduardo Paes, onde cantaram o samba para o presidente.[169]

O carro abre-alas no início do desfile da Mocidade no carnaval de 2024.

A Mocidade foi a primeira escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2024.[170][171] Especialistas elogiaram o desfile, mas apontaram problemas de evolução, especialmente por causa do carro abre-alas, que precisou ter o acoplamento serrado ao final do desfile para conseguir se locomover na área de dispersão. Enquanto diretores tentavam resolver o problema, a evolução da escola ficou travada. No final do desfile, componentes precisaram acelerar o ritmo para não ultrapassar o tempo máximo de apresentação.[172][173]

Um dos destaques do desfile foi a comissão de frente de Paulo Pina, que inovou ao colocar uma componente, vestida de Carmem Miranda, na arquibancada, em meio ao público.[174] No julgamento oficial do carnaval, a Mocidade perdeu pontos em quase todos os quesitos, com exceção de Bateria e Mestre-Sala e Porta-Bandeira. O badalado samba-enredo perdeu um décimo; enquanto a Comissão de Frente perdeu dois. As maiores perdas foram em Evolução (seis décimos) e Enredo (oito décimos). A escola se classificou em décimo lugar.[175] A ala de passistas da agremiação recebeu os prêmios Estandarte de Ouro, S@mba-Net e Troféu Sambario.[176][177][178] Após o carnaval, a escola desligou o carnavalesco Marcus Ferreira e o coreógrafo Paulo Pinna.[179][180]

2025: "Voltando para o Futuro - Não há limites pra sonhar"

Logo do enredo de 2025
Logo do enredo de 2025
Casal Lage em evento na quadra da Vila Vintém em 2024
Casal Lage em evento na quadra da Vila Vintém em 2024

Para o carnaval de 2025, a Mocidade anunciou o surpreso (e por muito tempo esperado) retorno dos carnavalescos Renato e Márcia Lage.[181] Marcelo Misailidis assumiu a Comissão de Frente e Mauro Amorim assumiu a direção de carnaval.[182][183]

A Mocidade através dos seus carnavalescos, optou por não levar para a avenida um enredo voltado para a temática afro, que será o caminho narrativo escolhido pela maior parte das agremiações do Grupo Especial para 2025.[184] O tema da escola é tido como uma viagem intergaláctica no qual se propõe a defesa de um manifesto pelo futuro da humanidade. [185][186]

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Mocidade Independente de Padre Miguel
Ano Colocação Divisão Enredo Carnavalesco Ref.
1957 5.º Lugar Grupo 2 "O Baile das Rosas"
(Compositores do samba: Cleber e Toco)
Ari de Lima [7][187][188]
1958 Campeã
(Promovida)
Grupo 2 "Apoteose do Samba"
(Compositores do samba: Cleber e Toco)
Ari de Lima [7][187][189]
1959 5.º Lugar Grupo 1 "Os Três Vultos que Ficaram na História"
(Compositores do samba: Cleber e Toco)
Ari de Lima [7][187][190]
1960 3.º Lugar Grupo 1 "Frases Célebres da História"
(Compositores do samba: Aloísio, Cleber, Tio Dengo e Toco)
Ari de Lima [7][187][191]
1961 7.º Lugar Grupo 1 "Carnaval Carioca"
(Compositores do samba: Aloísio e Tio Dengo)
Ari de Lima [7][187][192]
1962 5.º Lugar Grupo 1 "Brasil no Campo Cultural"
(Compositores do samba: Arsênio, Jurandir Pacheco e Wilson Moreira)
Ari de Lima [7][187][193]
1963 6.º Lugar Grupo 1 "As Minas Gerais"
(Compositores do samba: Davolta e Wilson Moreira)
Ari de Lima [7][187][194]
1964 7.º Lugar Grupo 1 "O Cacho da Banana"
(Compositores do samba: Cleber e Toco)
Ari de Lima [7][187][195]
1965 6.º Lugar Grupo 1 "Parabéns para Você, Rio"
(Compositores do samba: Aloísio e Tio Dengo)
Luís Gardel [7][187][196]
1966 6.º Lugar Grupo 1 "Exaltação à Academia Brasileira de Letras"
(Compositores do samba: Da Roça e Djalma Santos)
Guilherme Martins e Alfredo Brigs [7][187][197]
1967 7.º Lugar Grupo 1 "História do Teatro Através dos Tempos"
(Compositores do samba: Agenor e Astrogildo)
Poty [7][187][198]
1968 6.º Lugar Grupo 1 "Viagem Pitoresca Através do Brasil"
(Compositores do samba: Da Roça e Djalma Santos)
Mário Monteiro [7][187][199]
1969 7.º Lugar Grupo 1 "Vida e Glória de Francisco Adolfo Varnhagen"
(Compositores do samba: Claudino da Costa "Volta Seca")
Guilherme Martins e Alfredo Brigs [7][187][200]
1970 4.º Lugar Grupo 1 "Meu Pé de Laranja Lima"
(Compositores do samba: Arsênio e Gibi)
Gabriel do Nascimento e Dario de Castro [7][187][201][202]
1971 9.º Lugar Grupo 1 "Rapsódia de Saudade"
(Compositores do samba: Toco)
Gabriel do Nascimento e Dario de Castro [203]
1972 7.º Lugar Grupo 1 "Rainha Mestiça em Tempo de Lundu"
(Compositores do samba: Jurandir Candido Melo e Serafim da Silva)
Clóvis Bornay [7][187][204]
1973 7.º Lugar Grupo 1 "Rio Zé Pereira"
(Compositores do samba: Edu e Tião da Roça)
Clóvis Bornay [7][187][205]
1974 5.º Lugar Grupo 1 "A Festa do Divino"
(Compositores do samba: Campo Grande, Nezinho e Tatu)
Arlindo Rodrigues [7][187][206]
1975 4.º Lugar Grupo 1 "O Mundo Fantástico do Uirapurú"
(Compositores do samba: Campo Grande, Nezinho e Tatu)
Arlindo Rodrigues [7][187][207]
1976 3.º Lugar Grupo 1 "Mãe Menininha do Gantois"
(Compositores do samba: Djalma Crill e Toco)
Arlindo Rodrigues [7][187][208]
1977 8.º Lugar Grupo 1 "Samba Marca Registrada"
(Compositores do samba: Dico da Viola e Jurandir Pacheco)
Augusto Henrique (Gugu) [7][187][209]
1978 3.º Lugar Grupo 1 "Brasiliana"
(Compositores do samba: Djalma Santos, Domenil e Loiola)
Arlindo Rodrigues [7][187][210]
1979 Campeã Grupo 1A "O Descobrimento do Brasil"
(Compositores do samba: Djalma Crill e Toco)
Arlindo Rodrigues [7][187][211][212]
1980 Vice-campeã Grupo 1A "Tropicália Maravilha"
(Compositores do samba: Arsenio, Djalma Santos e Domenil)
Fernando Pinto [7][187][213]
1981 6.º Lugar Grupo 1A "Abram Alas para a Folia, aí Vem a Mocidade"
(Compositores do samba: Ney Vianna e Zezinho)
Ecila Cirne, Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo [7][187][214]
1982 7.º Lugar Grupo 1A "O Velho Chico"
(Compositores do samba: Adil, Dico da Viola e Da Roça)
Maria Carmem de Souza [7][187][215]
1983 6.º Lugar Grupo 1A "Como Era Verde Meu Xingu"
(Compositores do samba: Adil, Dico da Viola, Paulinho Mocidade e Tiãozinho da Mocidade)
Fernando Pinto [7][187][216]
1984 Vice-campeã Grupo 1A
(Segunda-feira)
"Mamãe Eu Quero Manaus"
(Compositores do samba: Edson Show e Romildo)
Fernando Pinto [7][187][217]
3.º Lugar Super-campeonato
1985 Campeã Grupo 1A "Ziriguidum 2001, Um Carnaval nas Estrelas"
(Compositores do samba: Arsênio, Gibi e Tiãozinho da Mocidade)
Fernando Pinto [7][187][218][219]
1986 7.º Lugar Grupo 1A "Bruxarias e Histórias do Arco da Velha"
(Compositores do samba: Dudu, Jorginho Medeiros e Tiãozinho da Mocidade)
Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo [7][187][220]
1987 Vice-campeã Grupo 1 "Tupinicópolis"
(Compositores do samba: Chico Cabeleira, Gibi, J. Muinhos e Nino Batera)
Fernando Pinto [7][187][221]
1988 8.º Lugar Grupo 1 "Beijim, Beijim, Bye Bye Brasil"
(Compositores do samba: Ferreira, J. Muinhos e João das Rosas)
Fernando Pinto e Cláudio Peixoto [7][187][222]
1989 7.º Lugar Grupo 1 "Elis, Um Trem de Emoções"
(Compositores do samba: Cadinho, Dico da Viola e Paulinho Mocidade)
Ely Peron e Rogério Figueiredo [7][187][223]
1990 Campeã Especial "Vira, Virou, a Mocidade Chegou"
(Compositores do samba: Jorginho Medeiros, Tiãozinho da Mocidade e Toco)
Renato Lage e Lilian Rabello [7][187][224][225]
1991 Campeã Especial "Chuê, Chuá, as Águas vão Rolar"
(Compositores do samba: Jorginho Medeiros, Tiãozinho da Mocidade e Toco)
Renato Lage e Lilian Rabello [7][187][226][227]
1992 Vice-campeã Especial "Sonhar não Custa Nada, ou Quase Nada"
(Compositores do samba: Dico da Viola, Moleque Silveira e Paulinho Mocidade)
Renato Lage e Lilian Rabello [7][187][228]
1993 4.º Lugar Especial "Marraio Feridô Sou Rei"
(Compositores do samba: Antonio Andrade, Edu Ferreira, Serafim Adriano)
Renato Lage [7][187][229]
1994 8.º Lugar Especial "Avenida Brasil - Tudo Passa, Quem não Viu?"
(Compositores do samba: Dico da Viola, Jefinho e Jorge Gannen)
Renato Lage [7][187][230]
1995 4.º Lugar Especial "Padre Miguel, Olhai por Nós"
(Compositores do samba: Cardoso do Cavaco, Marquinhos PQD, Santana e Wanderley Marcação)
Renato Lage [7][187][231]
1996 Campeã Especial "Criador e Criatura"
(Compositores do samba: Beto Corrêa, Dico da Viola, Jefinho e Joãozinho)
Renato Lage [7][187][232][233]
1997 Vice-campeã Especial "De Corpo e Alma na Avenida"
(Compositores do samba: Guinna, Chico Cabeleira, J. Brito, Joãozinho e Muca)
Renato Lage [7][187][234]
1998 6.º Lugar Especial "Brilha no Céu a Estrela que Me Faz Sonhar"
(Compositores do samba: Guinna, J. Brito, Joãozinho e Muca)
Renato Lage [7][187][235]
1999 4.º Lugar Especial "Villa Lobos e a Apoteose Brasileira"
(Compositores do samba: Nascimento, Ricardo Simpatia e Santana)
Renato Lage [7][187][236]
2000 4.º Lugar Especial "Verde, Amarelo, Azul-anil, Colorem o Brasil no Ano 2000"
(Compositores do samba: Dico da Viola, Jefinho, Marquinho PQD e Marquinho Índio)
Renato Lage [7][237]
2001 7.º Lugar Especial "Paz e Harmonia, Mocidade É Alegria"
(Compositores do samba: Joãozinho, Marcelo do Rap, Domenil, J. Brito e Guinna)
Renato Lage [7][238]
2002 4.º Lugar Especial "O Grande Circo Místico"
(Compositores do samba: Beto Corrêa, Dico da Viola, Jefinho e Marquinho Índio)
Renato Lage e Márcia Lávia [7][239][240]
2003 5.º Lugar Especial "Para Sempre no Seu Coração - Carnaval da Doação"
(Compositores do samba: Santana e Ricardo Simpatia)
Chico Spinoza [7][241][242]
2004 8.º Lugar Especial "Não Corra, não Mate, não Morra - Pegue Carona com a Mocidade! Educação no Trânsito"
(Compositores do samba: Santana e Ricardo Simpatia)
Chico Spinoza [7][243][244]
2005 9.º Lugar Especial "Buon Mangiare, Mocidade! A Arte Está na Mesa"
(Compositores do samba: Inácio Rios, Nilton Mello e Jorginho Valle)
Paulo Menezes [7][245][246]
2006 10.º Lugar Especial "A Vida que Pedi a Deus"
(Compositores do samba: Toco, Rafael Só e Marquinho Marino)
Mauro Quintaes [7][28][247]
2007 11.º Lugar Especial "O Futuro no Pretérito, Uma História Feita à Mão"
(Compositores do samba: Toco, Rafael Só e Marquinho Marino)
Alex de Souza [7][248]
2008 8.º Lugar Especial "O Quinto Império: De Portugal ao Brasil, Uma Utopia na História"
(Compositores do samba: Marquinho Marino, Gustavo Henrique e Igor Leal)
Cid Carvalho [7][249]
2009 11.º Lugar Especial "Mocidade Apresenta: Clube Literário Machado de Assis e Guimarães Rosa, Estrela em Poesia!" (Compositores do samba: Jefinho, Santana, Ricardo Simpatia, Marquinho Índio e Diego Rodrigues) Cebola [7][250]
2010 7.º Lugar Especial "Do Paraíso de Deus ao Paraíso da Loucura, Cada Um Sabe o que Procura"
(Compositores do samba: J. Giovanni, Zé Glória e Hugo Reis)
Cid Carvalho [7][37][38][251]
2011 7.º Lugar Especial "Parábola dos Divinos Semeadores"
(Compositores do samba: Giovanni, Zé Glória e Hugo Reis)
Cid Carvalho [7][40][41][42][252][253]
2012 9.º Lugar Especial "Por Ti, Portinari, Rompendo a Tela, a Realidade"
(Compositores do samba: Diego Nicolau, Gabriel Teixeira e Gustavo Soares)
Alexandre Louzada [7][44][254][255][256]
2013 11.º Lugar Especial "Eu Vou de Mocidade com Samba e Rock in Rio, Por Um Mundo Melhor" (Compositores do samba: Domingos PS, Gustavo Henrique, Jefinho Rodrigues, Jorginho Medeiros, Marquinho Índio e Moleque Silveira) Alexandre Louzada [46][47][48][257][258][259]
2014 9.º Lugar Especial "Pernambucópolis"
(Compositores do samba: Diego Nicolau, Dudu Nobre, Gabriel Teixeira, Jefinho Rodrigues, Jorginho Medeiros e Marquinho Índio)
Paulo Menezes [51][53][54][61][62][260]
2015 7.º Lugar Especial "Se o Mundo Fosse Acabar, Me Diz o que Você Faria Se Só Lhe Restasse Um Dia?" (Compositores do samba: Billy Brandão, Ricardo Mendonça, Tio Bira, Anderson Viana e Lúcio Naval) Paulo Barros [261][262][263][264]
2016 10.º Lugar Especial "O Brasil de La Mancha - Sou Miguel, Padre Miguel. Sou Cervantes, Sou Quixote Cavaleiro, Pixote Brasileiro"
(Compositores do samba: Domingos Pressão, J. Medeiros, Jonas Marques, Jefinho Rodrigues, Lauro Silva, Lero Pires, Marquinho Índio, Paulo Ferraz e Wander Pires)
Alexandre Louzada e Edson Pereira [265][266]
2017 Campeã
(Junto com Portela)
Especial "As Mil e Uma Noites de Uma 'Mocidade' pra Lá de Marrakesh"
(Compositores do samba: Altay Veloso, Paulo César Feital, Zé Glória, J. Giovanni, Dadinho, Zé Paulo Sierra, Gustavo, Fábio Borges, André Baiacu e Thiago Meiners)
Alexandre Louzada [267][268]
2018 6.º Lugar Especial "Namastê: a Estrela que Habita em Mim, Saúda a que Existe em Você"
(Compositores do samba: Altay Veloso, Paulo César Feital, Zé Glória, J. Giovanni, Denilson do Rosário, Carlinhos da Chácara, Alex Saraiva e Leo Peres)
Alexandre Louzada [269]
2019 6.º Lugar Especial "Eu Sou o Tempo. Tempo É Vida"
(Compositores do samba: Diego Nicolau, Jefinho Rodrigues, Marquinho Índio, Jonas Marques, Richard Valença, Roni Pit'sTop, Orlando Ambrosio e Cabeça do Ajax)
Alexandre Louzada [270]
2020 3.º Lugar Especial "Elza Deusa Soares"
(Compositores do samba: Sandra de Sá, Igor Vianna, Dr. Márcio, Solano Santos, Renan Diniz, Jefferson Oliveira, Professor Laranjo e Telmo Augusto)
Jack Vasconcelos [271][272]
2021 Não houve desfile devido a pandemia de Covid-19 [273]
2022 8.º Lugar Especial "Batuque ao Caçador"
(Compositores do samba: Carlinhos Brown, Diego Nicolau, Richard Valença, Orlando Ambrosio, Gigi da Estiva, Nattan Lopes, J J Santos e Cabeça Do Ajax)
Fábio Ricardo [274][275][276]
2023 11.º Lugar Especial "Terra de Meu Céu, Estrelas de Meu Chão"
(Compositores do samba: Diego Nicolau, Richard Valença, Orlando Ambrosio, Gigi da Estiva, W. Correa, Leandro Budegas e Cabeça do Ajax)
Marcus Ferreira [277]
2024 10.º Lugar Especial "Pede Caju que Dou... Pé de Caju que Dá!"
(Compositores do samba: Diego Nicolau, Paulinho Mocidade, Marcelo Adnet, Richard Valença, Orlando Ambrosio, Gigi da Estiva, Lico Monteiro e Cabeça do Ajax)
Marcus Ferreira [278]
2025 Especial "Voltando Para o Futuro – Não há Limites pra Sonhar" Renato Lage e Márcia Lage [181][279]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Títulos
Divisão Títulos Temporadas
Grupo Especial 6 1979, 1985, 1990, 1991, 1996, 2017[nota 1]
Segunda Divisão 1 1958

Premiações[editar | editar código-fonte]

A Mocidade é uma das maiores vencedoras do prêmio Estandarte de Ouro, considerado o "óscar do carnaval carioca". Também conquistou diversas premiações como Tamborim de Ouro, S@mba-Net, Estrela do Carnaval, Prêmio SRzd, entre outras.

Segmentos[editar | editar código-fonte]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Presidentes Período Ref.
Sílvio Trindade ("Tio Vivinho") 1955-1960 [6]

[280]

Ariodantino Vieira ("Tio Dengo") 1960-1962
Orozimbo de Oliveira 1962-1964
José Pereira da Silva ("Mestre André") 1964-1965
Gérson Lopes de Souza 1965-1966
Olímpio Corrêa ("Gaúcho") 1966-1970
Nairton Chaves 1970-1971
Major Ademir da Costa Pereira 1971-1973
Osman Pereira Leite 1973-1979
Nélson Pinto de Almeida Costa 1979-1981
Olímpio Corrêa ("Gaúcho") 1981-1985
Nélson Pinto de Almeida Costa 1985-1986
Olímpio Corrêa ("Gaúcho") 1986-1992
Américo Siqueira Filho 1992-1993
José Roberto Tenório 1993-1995
Jorge Pedro Rodrigues 1995-1998
José Roberto Tenório 1998-2001
Paulo Vianna 2001-2002
José Roberto Tenório 2002-2004
Paulo Vianna 2004-2014
Wandyr Trindade ("Vô Macumba") 2014-2019
Flávio Santos 2019-presente [6][120][272]

Presidentes de Honra[editar | editar código-fonte]

Presidentes de honra Período Ref.
Castor de Andrade 1980-1997 [281]
Rogério Andrade 2010-presente [282][283]

Intérpretes[editar | editar código-fonte]

Intérpretes Carnavais Ref.
Tião Marino 1957 [188]
Tião da Roça 1968-1970 [284]
Tôco 1971 [284]
Tião da Roça 1972 [284]
Tião da Roça e Elza Soares 1973 [284]
Ney Vianna e Elza Soares 1974-1976 [284]
Ney Vianna 1977-1983 [285]
Aroldo Melodia 1984 [286]
Ney Vianna 1985-1989 [287]
Paulinho Mocidade 1990-1993 [288]
Wander Pires 1994-1999 [289]
PH Mocidade 2000 [290]
David do Pandeiro 2001 [291]
Wander Pires 2002 [289]
Paulinho Mocidade 2003-2004 [288]
Roger Linhares 2005 [292]
Wander Pires 2006 [289]
Bruno Ribas 2007-2008 [293]
Wander Pires 2009 [289]
David do Pandeiro e Nêgo 2010 [291][294]
Nêgo e Rixxah 2011 [294][295]
Luizinho Andanças 2012-2013 [296]
Bruno Ribas e Dudu Nobre 2014 [297]
Bruno Ribas 2015-2016 [293]
Wander Pires 2017-2022 [298][289]
Nino do Milênio 2023 [155]
Zé Paulo Sierra 2024-presente [160]

Comissão de Frente[editar | editar código-fonte]

Coreógrafos(as) Carnavais Ref.
Paulo Vianna 1990 [225]
Jerônimo da Portela 1991-1993 [229][299]
Claudia Ribeiro 1994-1998 [230][235]
Valéria Martins 1999-2001 [300][301]
Vicente Frota Neto 2002 [302]
Paulo Mantuano 2003-2004 [303][304]
Luciana Yegros 2005 [305][306]
Ana Botafogo 2006 [307][308]
Claudia Ribeiro 2007 [309][310]
Fábio de Mello 2008-2009 [311][312]
Jorge Teixeira 2010-2011 [313][314]
Renato Vieira 2012 [256][315]
Jaime Arôxa 2013 [259][316]
Sérgio Lobato 2014 [317][318]
Jorge Teixeira e Saulo Finelon 2015-2022 [319]
Paulo Pinna 2023-2024 [156]
Marcelo Misailidis 2025- [183]

Mestre-sala e Porta-bandeira[editar | editar código-fonte]

Bruna Santos durante o desfile de 2022.

Primeiro casal[editar | editar código-fonte]

Primeiro casal Carnavais Ref.
Salgueiro e Remba 1957 [188][320]
Salgueiro e Helena do Siri 1959 [321]
Carlinhos e Elisete 1963 [194]
Asdrúbal e Maiú 1964 [195][322]
Carlinhos e Remba 1965 [323]
Carlinhos e Ivonilda 1970 [201][324]
Tião e Ivonilda 1971 [325][326]
Ferreira e Ivonilda 1972 [204][327]
Clébio e Ivonilda 1973-1974 [328][329]
Élcio PV e Marli 1975 [330]
Roxinho e Irinéia 1976 [208][331]
Tião e Soninha 1977 [332]
Roxinho e Soninha 1978-1985 [219][333]
Roxinho e Irinéia 1986-1988 [220][222]
Alexandre e Babi 1989-1991 [223][227]
Alexandre e Lucinha Nobre 1992 [228][334]
Alexandre e Babi 1993 [229][335]
Alexandre e Lucinha Nobre 1994 [230][336]
Rogerinho Dornelles e Lucinha Nobre 1995-1998 [231][235]
Rogerinho Dornelles e Nira 1999-2000 [236][337]
Rogerinho Dornelles e Lucinha Nobre 2001 [301][338]
Daniel Cassiano e Verônica Menezes 2002 [302][339]
Toninho e Babi 2003-2004 [303][304]
Rogerinho Dornelles e Priscila Rosa 2005 [305][306]
Rogerinho Dornelles e Marcella Alves 2006 [307][308]
Marcelo Pessoa e Marcella Alves 2007 [309][310]
Rogerinho Dornelles e Marcella Alves 2008 [311][340]
Raphael Rodrigues e Marcella Alves 2009 [312][341]
Fabrício Pires e Cristiane Caldas 2010-2011 [313][314]
Robson Sensação e Ana Paula 2012 [256][315]
Feliciano Júnior e Squel Jorgea 2013 [259][316]
Rogerinho Dornelles e Lucinha Nobre 2014 [318][342]
Diogo Jesus e Lucinha Nobre 2015 [343][344]
Diogo Jesus e Cristiane Caldas 2016-2017 [345][346]
Marcinho Siqueira e Cristiane Caldas 2018-2019 [96]
Diogo Jesus e Bruna Santos 2020-presente [123]

Segundo casal[editar | editar código-fonte]

O atual segundo casal da Mocidade, Diego Moreira e Isabella Moura, no desfile de 2024.
Segundo casal Carnavais Ref.
Jorge Luiz e Lucinha Nobre 1991 [227]
Rogerinho Dornelles e Lucinha Nobre 1993 [229]
Rogerinho Dornelles e Denadir Inocêncio 1994 [230]
Daniel Cassiano e Denadir Inocêncio 1995 [231]
Daniel Cassiano e Nira 1997-1998 [234][235]
Daniel Cassiano e Verônica Menezes 1999-2001 [236][301]
Marcelo Pessoa e Gisele Gregório 2002-2005 [339][305]
Marcelo Pessoa e Janaina Mendes 2006 [307]
Luiz Felipe e Janaina Mendes 2007 [309]
Marcelo Pessoa e Janaina Mendes 2008 [311]
Luiz Felipe e Janaina Mendes 2009 [312]
José Roberto e Elaine Ribeiro 2010-2011 [313][314]
Feliciano Júnior e Natália Guimarães 2012 [256]
Júlio Cesar e Natália Guimarães 2013-2014 [259][260]
Raphael Nascimento e Marcela Tavares 2015 [347]
Diego Machado e Elaine Santos 2016 [266]
Jeferson Pereira e Edna Ramos 2017 [348]
Jeferson Pereira e Bruna Santos 2018-2019 [349][350]
Jeferson Pereira e Isabella Moura 2020-2022 [351]
Diego Moreira e Isabella Moura 2023-presente [352]

Terceiro casal[editar | editar código-fonte]

Terceiro casal Carnavais Ref.
Jéferson Silva e Tainá da Silva 2008 [353]
Alexandre Ribeiro e Elaine Ribeiro 2009 [354]
Fábio Júnior e Natália Guimarães 2010-2011 [355][356]
Jeferson Pereira e Elaine Ribeiro 2024-presente [357]

Bateria[editar | editar código-fonte]

A bateria da Mocidade é denominada "Não existe mais quente". Imagem do desfile de 2008.[358][359]

Mestres[editar | editar código-fonte]

Diretores de bateria Carnavais Ref.
Mestre André 1957-1966 [188][213]
Mestre Chaminé 1967 [360][361]
Mestre André 1968-1980 [213][362]
Mestre Dilson Batista Carregal 1981 [214][363]
Mestre Cinco 1982 [215][364]
Mestres Bira, Léo e Andrezinho 1983 [365]
Mestre Bira 1984-1988 [217][222]
Mestre Jorjão 1989-1994 [223][230]
Mestre Cóe 1995-2004 [231][366]
Mestre Bira 2005 [305][306]
Mestre Jonas 2006-2009 [307][312]
Mestre Beréco 2010-2011 [313][314]
Mestres Andrezinho, Beréco e Dudu 2012-2015 [315][347]
Mestre Dudu 2016-presente [266][272]

Rainhas[editar | editar código-fonte]

Monique Evans foi responsável por popularizar o cargo de rainha de bateria. A modelo desfilou à frente da bateria da Mocidade entre os anos de 1984 e 1987. Existem controvérsias se Monique teria sido a primeira rainha de bateria do carnaval carioca, pois a mulata Adele Fátima já desfilava à frente da bateria da escola desde o início da década de 1980.[367][368][369][370][371]
Rainhas de bateria Carnavais Ref.
Adele Fátima 1980-1983 [367][368]
Monique Evans 1984-1987 [369][372]
Fátima Tenório 1995 [231]
Mônica Paulo 2000-2001 [373][374]
Viviane Araújo 2002-2003; 2005-2006 [375]
Thatiana Pagung 2007-2010 [376]
Andrea de Andrade 2011 [377][378]
Antônia Fontenelle 2012 [379][380]
Camila Silva 2013 [381][382]
Mariana Rios 2014 [383][384]
Claudia Leitte 2015-2016 [385][386]
Camila Silva 2017-2019 [382][387][388]
Giovana Angélica 2020-2023 [124][272]
Fabíola de Andrade 2024-presente [162][389]

Madrinhas[editar | editar código-fonte]

Madrinhas de bateria Carnavais Ref.
Raquel Blanc 2003 [390]
Janaína Barbosa 2007 [391]
Elza Soares 2010 [392][393]

Direção de Carnaval[editar | editar código-fonte]

Diretores de carnaval Carnavais Ref.
Chiquinho 1974-1985 [206][219]
Dejahyr dos Santos 1986 [394]
Chiquinho 1987-1992 [334][395]
Paulinho do Ouro 1994-1996 [230][396]
José Manuel Leonor e Comissão de Desfile 1997 [234][397]
Jorge Pedro Rodrigues e Comissão de Desfile 1998 [235][398]
Douglas da Lapa 1999 [236][300]
Dejahyr dos Santos 2000-2001 [301][337]
Douglas da Lapa 2002-2005 [306][339]
Dejahyr dos Santos 2006 [307][308]
Alex de Souza, Anselmo Duarte, Arthur Pelágio, Douglas da Lapa, Paulo Vianna e Wilker Leite Filho 2007 [248][309]
José Luiz Azevedo 2008 [311][340]
Comissão de Carnaval 2009 [312][341]
Ricardo Simpatia 2010-2013 [259][313]
Anderson Abreu 2014 [260][318]
Marcelo Plácido, Paulo Barros, Renato Pires, Rodrigo Pacheco e Rômulo Ramos 2015 [344][347]
Alan Duque, Marcelo Plácido, Rodrigo Pacheco e Rômulo Ramos 2016 [266][399]
Marquinho Marino 2017-2023 [272][400]
Marcus Ferreira, Vânia Reis, Wilker Jorge e Marcelo Plácido 2024 [161]
Mauro Amorim 2025-presente [182]

Direção de Harmonia[editar | editar código-fonte]

Diretores de harmonia Carnavais Ref.
Gonzaga Manuel Antônio 1964 [195][322]
José Maria de Paula 1970 [201][324]
Barra Mansa, Chiquinho, Dejair 1976-1987 [208][221]
Chiquinho 1988-1989 [222][401]
Barra Mansa 1990-1991 [299][402]
Douglas da Lapa 1995 [231][403]
Comissão de Desfile 1996-1998 [397][398]
Douglas da Lapa 1999 [236][300]
Cristiano Marinho 2000 [337][404]
Vicente de Paula 2001 [301][338]
Carlos Alberto Lemos 2002 [302][339]
Paulinho do Gogó 2003-2004 [303][304]
Douglas da Lapa 2005 [305][306]
Carlos Alberto Lemos 2006-2007 [308][310]
Alcides de Oliveira, Roberto Reis e Beto Manfredo 2008 [311][340]
Ricardo Simpatia 2009 [312][341]
Rômulo Ramos 2010 [313][405]
Gerson e Janson 2011 [314][406]
Jefinho Rodrigues 2012 [256][315]
Geraldão e Marquinhos 2013 [259][316]
Almir Frutuoso 2014 [260][318]
Rômulo Ramos 2015-2016 [266][347]
Robson Velloso e Wallace Capoeira 2017-2018 [400][407]
Wallace Capoeira 2019-2022 [272]
Dudu Gaspar e Léo Mira 2023 [408]
Sandro Menezes 2024 [161]
Sandro Menezes e Wallace Capoeira 2025-presente [409]

Notas

  1. Campeã junto com a Portela.

Referências

  1. a b c d e «Dados Básicos». Site Galeria do Samba. Consultado em 13 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2017 
  2. a b c d e «Resultados - Sambas - Histórico». Site Sambario Carnaval. Consultado em 13 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2017 
  3. a b c d e «Independente Futebol Clube». Site Globo Esporte. Consultado em 13 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de julho de 2017 
  4. a b Diniz, Alan; Medeiros, Alexandre; Fabato, Fábio (2014). As Três Irmãs - Como um trio de penetras "arrombou a festa" 1.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Terra. pp. 52–55. ISBN 978-85-61893-12-5 
  5. a b c d e f g h i j k l Pereira, Bárbara (2013). Estrela que me faz sonhar: Histórias da Mocidade 1.ª ed. Rio de Janeiro: Verso Brasil Editora. pp. 35–45. ISBN 978-85-62767-09-8 
  6. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel Site Oficial». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  7. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd Samba Rio Carnaval. «Mocidade». Consultado em 28 de outubro de 2010 
  8. Filho, Waldir Tavares (22 de abril de 2020). «RJ- Descobrimento do Brasil deu o primeiro título a Mocidade Independente de Padre Miguel». CN1 Brasil. Consultado em 12 de julho de 2024 
  9. Globo, Acervo-Jornal O. «Mocidade Independente de Padre Miguel foi campeã seis vezes no Grupo Especial». Acervo. Consultado em 12 de julho de 2024 
  10. «Espaço Aberto - 1990: a Mocidade virou o jogo e todo o povo aplaudiu». Galeria do Samba - As escolas de samba do Rio de Janeiro (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2024 
  11. «Especial Camarote QUEM: No embalo das águas, Mocidade levou bicampeonato em 1991». Quem. 27 de agosto de 2022. Consultado em 12 de julho de 2024 
  12. «SAMBARIO - O site dos sambas-enredo». www.sambariocarnaval.com. Consultado em 12 de julho de 2024 
  13. «Liesa decide dividir título do carnaval do Rio entre Mocidade e Portela». G1. 6 de abril de 2017. Consultado em 12 de julho de 2024 
  14. «Tamborins - capa do LP gravado pela escola em 1974». Consultado em 2 de novembro de 2010 
  15. http://www.mocidadeindependente.com.br/quadra
  16. «Nova quadra da Mocidade Independente de Padre Miguel começa a funcionar neste sábado com show do Fundo de Quintal». Extra Online 
  17. Carnavalesco, Redação (14 de janeiro de 2022). «Mocidade reabre o Maracanã do Samba e recebe Salgueiro e Unidos de Padre Miguel». Carnavalesco. Consultado em 12 de julho de 2024 
  18. a b «O ecletismo de Padre Miguel». Site MultiRio. Consultado em 13 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2017 
  19. a b c Pereira, Bárbara (2013). Estrela que me faz sonhar: Histórias da Mocidade 1.ª ed. Rio de Janeiro: Verso Brasil Editora. pp. 29–32. ISBN 978-85-62767-09-8 
  20. a b «Padre Miguel». Site Portal Geo Rio. Consultado em 13 de agosto de 2017. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2016 
  21. a b c d e f Diniz, Alan; Medeiros, Alexandre; Fabato, Fábio (2014). As Três Irmãs - Como um trio de penetras "arrombou a festa" 1.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Terra. pp. 28–33. ISBN 978-85-61893-12-5 
  22. «Futebol». Site Globo Esporte. Consultado em 13 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2010 
  23. «Mocidade: inovação é a marca da estrela de Padre Miguel». Site O Globo. Consultado em 13 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2015 
  24. a b «História da Mocidade». Site Oficial da Mocidade Independente. Consultado em 13 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2017 
  25. Revista Rio, Samba e Carnaval n°5 - 1976
  26. MONTEIRO, Denílson. Dez! Nota Dez! Eu sou Carlos Imperial. Matriz Editora, Rio de Janeiro, 2008.
  27. a b Carlos Nobre,SRZD (4 de maio de 2015). «A incrível arte de Fernando Pinto». Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  28. a b UOL (28 de fevereiro de 2006). «Mocidade comemora 50 carnavais com desfile técnico». 05h08. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  29. abril.com.br (9 de outubro de 2006). «RBD encerra turnê brasileira com samba no Rio». Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  30. G1 (19 de fevereiro de 2007). «BATERIA DA MOCIDADE "CONGELA" POR 15 SEGUNDOS NA AVENIDA». 4h09. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  31. UOL (4 de fevereiro de 2008). «Após problemas financeiros, Mocidade Independente faz desfile emocionante». 23h06. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  32. «Mocidade tem novo carnavalesco». O Dia na Folia. Consultado em 8 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2008 
  33. «Justiça afasta presidente da Mocidade do cargo». O Globo. 30 de janeiro de 2014. Consultado em 13 de julho de 2024 
  34. SRZD-Carnaval (6 de janeiro de 2010). «Nêgo acerta com a Mocidade». 20h28. Consultado em 24 de outubro de 2013 
  35. «Ex-jogador de futebol, Bereco vai comandar a bateria da Mocidade». Extra Online. 29 de outubro de 2009. Consultado em 13 de julho de 2024 
  36. «Carnaval 2010 - NOTÍCIAS - Mocidade vai mostrar trajetória humana em busca dos paraísos». g1.globo.com. Consultado em 13 de julho de 2024 
  37. a b «Mocidade leva foliões a sonhar com os paraísos na Sapucaí». 23h37. 15 de fevereiro de 2010. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  38. a b Folha Online (15 de fevereiro de 2010). «Mocidade leva o paraíso para o sambódromo do Rio». 21h14. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  39. «Carnaval 2010 - NOTÍCIAS - Mocidade vai mostrar trajetória humana em busca dos paraísos». g1.globo.com. Consultado em 13 de julho de 2024 
  40. a b SRZD-Carnaval (9 de outubro de 2010). «Mocidade contrata intérprete Richahs». 18h38. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  41. a b G1 (8 de março de 2011). «Mocidade volta às origens do carnaval e leva fartura à Sapucaí». 4h35. Consultado em 9 de novembro de 2013 
  42. a b Estadão (8 de março de 2011). «Mocidade Independente faz desfile correto». 2:58. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  43. «Morre mestre Coé da Unidos de Padre Miguel». Extra Online. 21 de novembro de 2008. Consultado em 12 de julho de 2024 
  44. a b G1 (20 de fevereiro de 2012). «Abre-alas desvia em desfile sobre Portinari e dá trabalho à Mocidade». 4h23. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  45. Estadão (20 de fevereiro de 2012). «Portinari colore desfile da Mocidade». Consultado em 9 de novembro de 2013 
  46. a b RJ, Alba Valéria MendonçaDo G1 (14 de setembro de 2011). «Rock in Rio será enredo da Mocidade Independente no Carnaval 2013». Rock in Rio 2011 
  47. a b G1 (4 de dezembro de 2012). «Conheça o enredo e o samba da Mocidade para o carnaval 2013». 21h47. Consultado em 24 de outubro de 2013 
  48. a b Terra (11 de fevereiro de 2013). «Mocidade Independente de Padre Miguel leva rock à Sapucaí». Consultado em 9 de novembro de 2013 
  49. G1 (3 de junho de 2013). «Mocidade celebra Rock in Rio com Serguei e Evandro Mesquita». 21h42. Consultado em 24 de outubro de 2013 
  50. «Rogerinho e Lucinha Nobre fecham com a Mocidade Independente» 
  51. a b O Dia na Folia (3 de abril de 2013). «Carnavalesco Paulo Menezes é confirmado pela diretoria da Mocidade». 1h28. Consultado em 25 de outubro de 2013 
  52. «Mocidade contrata Almir Frutuoso, novo diretor de harmonia da escola». 4:34. 7 de março de 2013. Consultado em 7 de março de 2013 
  53. a b Carnavalesco (18 de junho de 2013). «Mocidade terá Pernambucópolis como enredo em 2014». 11:36. Consultado em 24 de outubro de 2013 
  54. a b SRZD-Carnaval (18 de junho de 2013). «Primeira-mão: Mocidade define enredo para 2014». 07h06. Consultado em 18 de junho de 2013 
  55. Carnavalesco (21 de outubro de 2013). «Parceria de 'independentes na identidade' atropela na final da Mocidade e confirma favoritismo». 7:45. Consultado em 22 de outubro de 2013 
  56. EGO (21 de outubro de 2013). «Viviane Araújo coroa nova rainha de bateria da Mocidade». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  57. EGO (6 de junho de 2013). «Ana Paula Evangelista é a nova rainha de bateria da Mocidade». Consultado em 7 de junho de 2013 
  58. O Dia (10 de junho de 2013). «Mocidade: Ana Paula Evangelista é apresentada como nova rainha». Consultado em 4 de novembro de 2013 
  59. SRZD-Carnaval. «Exclusivo: Luizinho Andanças escreve carta de despedida da Mocidade». Consultado em 23 de outubro de 2013 
  60. Carnavalesco. «Mocidade dispensa Luizinho Andanças e contrata Bruno Ribas». Consultado em 23 de outubro de 2013 
  61. a b O Dia na Folia (23 de outubro de 2013). «Dudu Nobre e Bruno Ribas vão cantar juntos na Mocidade em 2014». 19:34:35. Consultado em 23 de outubro de 2013 
  62. a b Galeria do Samba (23 de outubro de 2013). «Bruno Ribas e Dudu Nobre formam a dupla de intérpretes da Mocidade Independente». 22:15. Consultado em 24 de outubro de 2013 
  63. G1 (31 de janeiro de 2014). «MP-RJ denuncia presidente da Mocidade por falsidade ideológica». 15h15. Consultado em 3 de fevereiro de 2014 
  64. Galeria do Samba (5 de fevereiro de 2014). «Paulo Vianna renuncía à presidência da Mocidade». 18:32. Consultado em 5 de fevereiro de 2014 
  65. O Globo (5 de fevereiro de 2014). «Diretor da Mocidade nega influência da família Andrade em novo grupo». 17h51. Consultado em 5 de fevereiro de 2014 
  66. EGO. «'Estou fora da Mocidade', diz Ana Paula Evangelista». Consultado em 6 de fevereiro de 2014 
  67. «Ana Paula Evangelista perde posto de rainha: "São poucas que chegam onde cheguei com integridade"». R7 Entretenimento. 6 de fevereiro de 2014. Consultado em 13 de julho de 2024 
  68. «Mariana Rios recebe faixa e coroa de rainha da Mocidade». Terra. Consultado em 13 de julho de 2024 
  69. Saleme, Isabelle. «Quem é o bicheiro Rogério de Andrade?». CNN Brasil. Consultado em 13 de julho de 2024 
  70. O Dia na Folia (18 de fevereiro de 2014). «Clã de Castor de Andrade volta à Mocidade». 09:42:52. Consultado em 18 de fevereiro de 2014 
  71. tamyres.matos. «Clã de Castor de Andrade volta à Mocidade | O Dia na Folia | O Dia». odia.ig.com.br. Consultado em 13 de julho de 2024 
  72. Purepeople (17 de março de 2014). «Paulo Barros é o novo carnavalesco da Mocidade: 'Salário irrecusável'». Consultado em 21 de março de 2014 
  73. Tera (19 de março de 2014). «Paulo Barros teria levado R$ 2,5 mi para ir para Mocidade». Consultado em 21 de março de 2014 
  74. Tudo de Samba (17 de março de 2014). «Mocidade contrata coreógrafos Jorge Teixeira e Saulo Finelon». Consultado em 21 de março de 2014 
  75. SRZD-Carnaval (19 de março de 2014). «Diogo Jesus é o novo parceiro de Lucinha Nobre na Mocidade». 23h00. Consultado em 21 de março de 2014 
  76. «Significado da música O ÚLTIMO DIA (Paulinho Moska)». Letras.mus.br. 12 de julho de 2023. Consultado em 12 de julho de 2024 
  77. Mocidade Independente de Padre Miguel. «Nota oficial: samba cortado». Consultado em 28 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2015 
  78. Carnavalesco.com.br (27 de agosto de 2015). «Zezé Motta: 'Eu quis fazer parte da parceria na disputa da Mocidade'». Consultado em 28 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2015 
  79. «Wander Pires volta à Mocidade». Rádio Arquibancada. 22 de fevereiro de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2021 
  80. Silva, Fábio (28 de março de 2016). «Marrocos é o enredo da Mocidade para o Carnaval de 2017». Galeria do Samba. Consultado em 14 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2021 
  81. «Mocidade Independente de Padre Miguel leva riquezas do Marrocos e magia das 'Mil e uma Noite' para Sapucaí». G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 7 de março de 2017 
  82. Barros, Thiago (28 de fevereiro de 2017). «'Voando', Mocidade faz desfile com a sua cara e sonha com o sábado». Carnavalesco. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2017 
  83. «Estrela do Carnaval 2017: Mangueira vence como desfile do ano». Site Carnavalesco. Consultado em 11 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 22 de julho de 2017 
  84. «Prêmio SRZD-Carnaval 2017». Site SRZD - Sidney Rezende. Consultado em 2 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2017 
  85. «Prêmio S@mba-Net 2017». Site Sambanet. Consultado em 21 de setembro de 2017. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  86. «Tamborim de Ouro 2017: Salgueiro fatura o Tamborim de Ouro pela 7ª vez». O Dia. 1 de março de 2017. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 2 de março de 2017 
  87. «Mocidade rebate jurado e diz que entregou roteiro de desfile dentro do prazo». Extra Online. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 3 de junho de 2017 
  88. «'Mocidade vai em busca do que é seu por direito', diz vice-presidente da escola». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2018 
  89. «Mocidade é declarada campeã do Carnaval do Rio ao lado da Portela». UOL. Consultado em 9 de maio de 2018. Cópia arquivada em 8 de maio de 2017 
  90. «Liesa decide dividir título do carnaval do Rio entre Mocidade e Portela». G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 21 de maio de 2017 
  91. «2017: Portela e Mocidade dividem título em ano com polêmicas no julgamento e graves acidentes». Ouro de Tolo. Consultado em 9 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2020 
  92. «Saída de mestre-sala Diogo Jesus da Mocidade se torna "fio desencapado"». SRzd. 3 de março de 2017. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2023 
  93. Santos, Lucas (27 de agosto de 2019). «Diogo Jesus: 'Sei que não fui correto com a Mocidade em 2017, mas quero mudar essa história'». Carnavalesco. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2023 
  94. Ricardo, Igor (3 de março de 2017). «Mestre-sala da Unidos de Padre Miguel vai dançar pela Mocidade nas Campeãs». Extra. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2023 
  95. «Mocidade homenageará a Índia no carnaval de 2018». Marquês da Folia. 16 de junho de 2017. Consultado em 2 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2021 
  96. a b «Marcinho Siqueira é o novo mestre-sala da Mocidade Independente». Carnaval Interativo. 11 de março de 2017. Arquivado do original em 12 de março de 2017 
  97. Santos, Lucas (27 de agosto de 2019). «Diogo Jesus: 'Sei que não fui correto com a Mocidade em 2017, mas quero mudar essa história'». Carnavalesco. Consultado em 13 de julho de 2024 
  98. «Superando crise, Grupo Especial do Rio deve ter desfile equilibrado». UOL. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2018 
  99. «Prefeitura do Rio quer cortar 50% dos recursos para escolas de samba». UOL. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2017 
  100. «Na campanha de 2016, Crivella disse que iria manter patrocínio às escolas de samba». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2018 
  101. «Queda de braço entre Crivella e escolas de samba ameaça o Carnaval 2018 no Rio». El País Brasil. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 20 de junho de 2017 
  102. «Liga da Escolas de Samba do Rio suspende desfiles do Carnaval 2018». UOL. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2017 
  103. «Jurado tira ponto da Mocidade por ter muito verde no desfile; Veja outras justificativas». Extra Online. 7 de março de 2018. Consultado em 13 de julho de 2024 
  104. Ayupp, Guilherme (18 de abril de 2022). «Mocidade perdeu 35% de décimos em quesitos plásticos nos últimos cinco anos. Comissão, casal e enredo são destaques». Carnavalesco. Consultado em 13 de julho de 2024 
  105. «Liesa cancela de vez os ensaios técnicos no sambódromo». O Globo. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2017 
  106. «Barracões da Cidade do Samba são interditados pelo Ministério do Trabalho». O Globo. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2017 
  107. «Barracões na Cidade do Samba são liberados para trabalhar após interdição». UOL. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 6 de maio de 2018 
  108. «Crivella libera subvenção para escolas de samba da Série A». O Globo. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 8 de março de 2018 
  109. «Mocidade busca bicampeonato exaltando Índia e fecha 1ª noite na Sapucaí». G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 6 de maio de 2018 
  110. «Mocidade Independente busca o bicampeonato misturando Índia e Brasil». UOL. 12 de fevereiro de 2018. Consultado em 12 de abril de 2021. Cópia arquivada em 12 de abril de 2021 
  111. «2018: Em ano de enredos críticos, Tuiuti arrebata, e Beija-Flor recupera o título». Ouro de Tolo. Consultado em 9 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2020 
  112. «Estrela do Carnaval 2018: Desfile do ano do Grupo Especial é do Salgueiro». Site Carnavalesco. 14 de fevereiro de 2018. Consultado em 15 de fevereiro de 2018. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2018 
  113. «Troféu Gato de Prata 2018». SamBrasil. Consultado em 9 de junho de 2019. Cópia arquivada em 9 de junho de 2019 
  114. «Troféu Sambario». Sambario. Consultado em 8 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2021 
  115. «A lista dos vencedores do Estandarte de Ouro de 2018». O Globo. 13 de fevereiro de 2018. Consultado em 4 de março de 2020. Cópia arquivada em 4 de março de 2020 
  116. «Prefeitura reduz subvenção da Série A em 50% pelo segundo ano». Jornal Extra. 26 de dezembro de 2018. Consultado em 20 de abril de 2021. Cópia arquivada em 20 de abril de 2021 
  117. «Em crise financeira, Mocidade fala sobre o tempo e encanta». UOL. 5 de março de 2019. Consultado em 14 de abril de 2021. Cópia arquivada em 14 de abril de 2021 
  118. «Mocidade canta sobre passagem do tempo através de mitologias, calendários e relógios». G1. 5 de março de 2019. Consultado em 14 de abril de 2021. Cópia arquivada em 14 de abril de 2021 
  119. «Confira a lista dos vencedores do Estandarte de Ouro de 2019: Mangueira foi a escola de samba mais premiada». O Globo. 5 de março de 2019. Consultado em 4 de março de 2020. Cópia arquivada em 4 de março de 2020 
  120. a b Site Carnavalesco (20 de abril de 2019). «Chapa da situação vence eleição e Flávio Santos é o novo presidente da Mocidade». Consultado em 21 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2022 
  121. «Elza Soares será enredo da Mocidade Independente de Padre Miguel em 2020». Extra. 22 de fevereiro de 2019. Consultado em 12 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2021 
  122. «Jack Vasconcelos é o novo carnavalesco da Mocidade». Carnavalesco. 12 de março de 2019. Consultado em 12 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2021 
  123. a b Willmersdorf, Pedro (26 de agosto de 2019). «Mocidade: Diogo Jesus e Bruna Santos formam casal de mestre-sala e porta-bandeira para 2020». O Globo. Consultado em 17 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2022 
  124. a b «Giovana Angélica é a nova rainha de bateria da Mocidade». carnavalesco.com. 19 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2022 
  125. Lima, Ludmilla de (26 de fevereiro de 2020). «Diferente das escolas do Rio, Viradouro contou com apoio milionário da prefeitura de Niterói». O Globo. Consultado em 8 de junho de 2020. Cópia arquivada em 8 de junho de 2020 
  126. «Mocidade canta sucessos e dificuldades de Elza Soares na busca pelo sétimo título». G1. 25 de fevereiro de 2020. Consultado em 22 de abril de 2021. Cópia arquivada em 22 de abril de 2021 
  127. Motta, Aydano André (24 de fevereiro de 2020). «Mocidade faz desfile competente e vai disputar o título». O Globo. Consultado em 9 de junho de 2020. Cópia arquivada em 9 de junho de 2020 
  128. «Carnaval 2020: veja as notas da apuração do Rio». G1. 26 de fevereiro de 2020. Consultado em 21 de abril de 2021. Cópia arquivada em 9 de março de 2020 
  129. «Confira a lista dos vencedores do Estandarte de Ouro de 2020: Grande Rio se destacou como melhor escola e levou mais quatro prêmios». O Globo. 25 de fevereiro de 2020. Consultado em 4 de março de 2020. Cópia arquivada em 4 de março de 2020 
  130. Bruno, Leonardo (20 de janeiro de 2020). «Velhos amigos, Sandra de Sá e Jorge Aragão estreiam na Sapucaí como compositores de escola». O Globo. Consultado em 13 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2021 
  131. «Troféu Gato de Prata 2020». SRzd. 29 de maio de 2021. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  132. «Cancelado ou adiado: saiba como a Covid-19 mudou o Carnaval no Brasil em 2021». CNN Brasil. Consultado em 12 de julho de 2024 
  133. «Fabio Ricardo é o novo carnavalesco da Mocidade Independente de Padre Miguel». O Globo. 3 de março de 2020. Consultado em 2 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2021 
  134. Tesi, Romulo (21 de janeiro de 2021). «Liesa se pronuncia e declara apoio ao cancelamento dos desfiles de 2021». Setor 1. Consultado em 17 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2021 
  135. «Prefeitura do Rio de Janeiro cancela o Carnaval em julho de 2021». CNN Brasil. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 17 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2021 
  136. «Mocidade confirma enredo afro e homenageará Oxóssi em 2021». O Globo. 10 de março de 2020. Consultado em 3 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2021 
  137. João, Alberto (16 de junho de 2020). «Fábio Ricardo revela detalhes do trabalho na Mocidade para o próximo carnaval». Carnavalesco. Consultado em 3 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2021 
  138. «Duelo de estrelas: Mocidade abre disputa de samba que terá Brown, D2, Elza, Sandra de Sá e Mariene». G1. 15 de janeiro de 2021. Consultado em 5 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2021 
  139. «Mocidade escolhe o samba do grupo de Carlinhos Brown e Diego Nicolau para o carnaval de 2022». G1. 28 de setembro de 2021. Consultado em 17 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2021 
  140. «Angola é tema da Vila Isabel». 8:30. 20 de fevereiro de 2012. Consultado em 28 de outubro de 2013 
  141. «BASF patrocina desfile da Unidos de Vila Isabel». 25 de julho de 2012. Consultado em 13 de fevereiro de 2013 
  142. «Elza Soares morre aos 91 anos». G1. 20 de janeiro de 2022. Consultado em 18 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2022 
  143. Extra (14 de fevereiro de 2013). «Vila Isabel renova patrocínio e já prepara enredo também ligado ao campo para tentar o bi». Consultado em 14 de fevereiro de 2013 
  144. «Pela terceira vez, Mocidade terá ritmistas com a cabeça raspada». SRzd. 26 de dezembro de 2021. Consultado em 18 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2022 
  145. «Mocidade batuca na Sapucaí em tributo a Oxóssi com rainha de bateria careca e flecha voadora». G1. 24 de abril de 2022. Consultado em 28 de maio de 2022. Cópia arquivada em 28 de maio de 2022 
  146. Perez, Beatriz (24 de abril de 2022). «Carro alegórico e abre-alas da Mocidade apresentam problemas e deixam buracos em frente à cabine dos jurados». jornal Meia Hora. Consultado em 18 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2022 
  147. «Trono que seria ocupado por Elza Soares fica vazio em desfile da Mocidade». UOL. 24 de abril de 2022. Consultado em 18 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2022 
  148. «Grande Rio é a campeã do carnaval 2022 do Rio, o primeiro título da história da Tricolor». G1. 26 de abril de 2022. Consultado em 28 de maio de 2022. Cópia arquivada em 28 de maio de 2022 
  149. Araújo, Vera (24 de abril de 2022). «Grande Rio leva Estandarte de Ouro de melhor escola do carnaval 2022». O Globo. Consultado em 27 de abril de 2022. Cópia arquivada em 24 de abril de 2022 
  150. «Troféu Gato de Prata 2022». SRzd. 24 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2022. Cópia arquivada em 27 de maio de 2022 
  151. «Vencedores S@mba-Net  2022». sambanet.com. Consultado em 28 de abril de 2022. Cópia arquivada em 28 de abril de 2022 
  152. «Troféu Sambario 2022». Sambario. Consultado em 4 de maio de 2022. Cópia arquivada em 4 de maio de 2022 
  153. «Marcus Ferreira será o novo carnavalesco da Mocidade». SRzd. 4 de maio de 2022. Consultado em 18 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2022 
  154. «Wander Pires não é mais cantor da Mocidade e vai para o Paraíso do Tuiuti». Carnavalesco. 15 de junho de 2022. Consultado em 18 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2022 
  155. a b Tavares Filho, Waldir (17 de junho de 2022). «Mocidade contrata Nino do Milênio para substituir o intérprete Wander Pires». CN1 Brasil. Consultado em 18 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2022 
  156. a b «Mocidade anuncia novo carnavalesco e coreógrafo da comissão de frente». Carnavalesco. 4 de maio de 2022. Consultado em 18 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2022 
  157. Araújo, Vera (21 de fevereiro de 2023). «Confira os vencedores do Estandarte de Ouro 2023». O Globo. Cópia arquivada em 7 de abril de 2023 
  158. «Mocidade divulga enredo para o Carnaval 2023». Carnavalesco. 28 de julho de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2022 
  159. «Casal e Nino do Milênio são destaques em desfile com altos e baixos da Mocidade». Carnavalesco. 20 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2023 
  160. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel anuncia Zé Paulo Sierra como intérprete oficial no Carnaval 2024». G1. 10 de março de 2023. Consultado em 19 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2023 
  161. a b c Lacerda, Raphael (14 de outubro de 2023). «Conheça a comissão responsável pela direção de carnaval da Mocidade». Carnavalesco. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  162. a b «Fabíola de Andrade é a nova rainha de bateria da Mocidade: 'Muito feliz'». O Dia. 29 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2023 
  163. Costa, João Vitor (11 de maio de 2023). «Briga na Justiça faz lançamento de enredo da Mocidade ser suspenso». Extra. Consultado em 19 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2023 
  164. «Mocidade falará sobre a história do caju no carnaval de 2024». G1. 28 de junho de 2023. Consultado em 19 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 14 de março de 2023 
  165. Ismerim, Flávio (2 de janeiro de 2024). «Mocidade domina parada de músicas virais no RJ com samba sobre o caju». CNN Brasil. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  166. Araujo, Bernardo (4 de fevereiro de 2024). «O caju deu samba: Mocidade fura bolha carnavalesca com refrão fácil, humor e Adnet entre compositores». O Globo. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  167. Sancho, Anna Clara (14 de janeiro de 2024). «Mocidade Independente de Padre Miguel faz o caju ser hit em samba-enredo». O Dia. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  168. Moratelli, Valmir (23 de outubro de 2023). «Depois de Grazi, Lula é envolvido em polêmica sobre caju». Veja. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  169. Moratelli, Valmir (9 de fevereiro de 2024). «Reação de Lula a samba da Mocidade: 'Erguer monumento a Seu Luiz Inácio'». Veja. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  170. André Motta, Aydano (12 de fevereiro de 2024). «Análise: Caju da Mocidade mergulha a Sapucaí no puro suco da diversão». O Globo. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  171. Araujo, Bernardo (12 de fevereiro de 2024). «Análise: Baile do Caju da Mocidade abre a segunda noite de desfile com muita animação e pouco enredo». Extra. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  172. Costa, Luan (13 de fevereiro de 2024). «Com samba na boca do povo e brasilidade na veia, Mocidade realiza desfile vibrante, com destaque para canto da comunidade». Carnavalesco. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  173. «Caju empoderado resgata a melhor versão Mocidade Independente na Sapucaí». SRzd. 13 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  174. «Mocidade inova em comissão de frente e levanta Sapucaí com enredo leve sobre o caju». O Dia. 12 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  175. Alves, Raoni (14 de fevereiro de 2024). «Viradouro é a campeã do carnaval 2024 e conquista o 3º título da história com enredo sobre serpente mítica». G1. Cópia arquivada em 9 de março de 2024 
  176. Dias, Carmélio (13 de fevereiro de 2024). «Portela conquista o Estandarte de Ouro de melhor escola do carnaval 2024». O Globo. Cópia arquivada em 8 de março de 2024 
  177. «Vencedores S@mba-Net 2024». sambanet.com. Consultado em 9 de março de 2024. Cópia arquivada em 9 de março de 2024 
  178. «Troféu Sambario 2024». Sambario. Consultado em 9 de março de 2024. Cópia arquivada em 9 de março de 2024 
  179. «Mocidade anuncia saída do carnavalesco Marcus Ferreira». Carnavalesco. 16 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  180. «Mocidade anuncia saída do coreógrafo Paulo Pinna». Carnavalesco. 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  181. a b «Mocidade anuncia retorno de Renato e Márcia Lage ao carnaval da escola em 2025». O Globo. 16 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  182. a b «Mocidade anuncia novo diretor de carnaval». Carnavalesco. 23 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 7 de abril de 2024 
  183. a b Araújo, Vera (19 de fevereiro de 2024). «Ausente da Sapucaí, o bicheiro Rogério Andrade, de tornozeleira, anuncia novas contratações da Mocidade». O Globo. Cópia arquivada em 19 de abril de 2024 
  184. «Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida». O Globo. 18 de maio de 2024. Consultado em 13 de julho de 2024 
  185. Ferreira, Caroline. «Mocidade Independente de Padre Miguel anuncia enredo para 2025». CNN Brasil. Consultado em 9 de julho de 2024 
  186. «Mocidade lança enredo para 2025: 'Voltando para o futuro - não há limites para sonhar'». G1. 29 de abril de 2024. Consultado em 9 de julho de 2024 
  187. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap «Academia do Samba - Mocidade». Consultado em 2 de novembro de 2010 
  188. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1957 - O baile das rosas - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  189. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1958 - Apoteose do samba - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  190. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1959 - Os vultos que ficaram na história - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  191. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1960 - Frases Célebres da História - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  192. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1961 - Carnaval carioca - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  193. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1962 - Brasil no Campo Cultural - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  194. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1963 - As Minas Gerais - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  195. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1964 - O cacho de banana - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  196. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1965 - Parabéns pra Você, Rio (4º Centenário) - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  197. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1966 - Exaltação à Academia Brasileira de Letras - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  198. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1967 - O teatro brasileiro através dos tempos - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  199. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1968 - Viagem pitoresca através do Brasil - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  200. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1969 - Vida e glória de Francisco Adolfo Varnhagen - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  201. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1970 - O meu pé de laranja lima - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  202. Amaral, Zózimo (09 de fevereiro de 1970). «Samba, samba até amanhã de manhã». memoria.bn.gov.br. Consultado em 17 de junho de 2024. Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗  Verifique data em: |data= (ajuda)
  203. Monnerat, Geraldo (17 de julho de 1970). «CLUBES». Jornal do Brasil. Jornal do Brasil. 87 (80): 52. Consultado em 17 de junho de 2024 
  204. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1972 - Rainha mestiça em tempo de lundu - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  205. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1973 - Rio Zé Pereira - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  206. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1974 - A Festa do Divino - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  207. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1975 - O mundo fantástico do Uirapurú - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  208. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1976 - Mãe menininha do Gantois - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  209. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1977 - Samba marca registrada - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  210. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1978 - Brasiliana - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  211. Academia do Samba. «Grupo Especial 1979». Consultado em 31 de outubro de 2013 
  212. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1979 - O descobrimento do Brasil - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  213. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1980 - Tropicália Maravilha - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  214. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1981 - Abram alas para a folia, aí vem a Mocidade - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  215. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1982 - O velho Chico - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  216. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1983 - Como era verde meu Xingu - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  217. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1984 - Mamãe eu quero Manaus - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  218. Academia do Samba. «Grupo Especial 1985». Consultado em 31 de outubro de 2013 
  219. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1985 - Ziriguidum 2001, carnaval nas estrelas - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  220. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1986 - Bruxarias e estórias do arco da velha - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  221. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1987 - Tupinicópolis - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  222. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1988 - Beijim, beijim, bye bye Brasil - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  223. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1989 - Elis, um Trem Chamado Emoção - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  224. Academia do Samba. «Grupo Especial 1990». Consultado em 31 de outubro de 2013 
  225. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1990 - Vira, virou, a Mocidade chegou - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 3 de março de 2016 
  226. Academia do Samba. «Grupo Especial 1991». Consultado em 31 de outubro de 2013 
  227. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1991». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  228. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1992 - Sonhar não custa nada, ou quase nada - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 3 de março de 2016 
  229. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1993». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  230. a b c d e f «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1994». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  231. a b c d e f «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1995». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  232. Academia do Samba. «Grupo Especial 1996». Consultado em 31 de outubro de 2013 
  233. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1996 - Criador e criatura - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 3 de março de 2016 
  234. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1997». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  235. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1998». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  236. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1999». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  237. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2000». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  238. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2001». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  239. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2002». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  240. «Mocidade inova e levanta público com atrações de circo». Terra. Consultado em 4 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 21 de abril de 2004 
  241. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2003». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  242. «Mocidade encanta com carnaval solidário». Terra. Consultado em 4 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 5 de junho de 2004 
  243. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2004». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  244. «Mocidade vem bela, mas pouco empolgada». Terra. Consultado em 4 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 10 de abril de 2005 
  245. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2005». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  246. UOL (6 de fevereiro de 2005). «Mocidade encerra primeiro desfile do Rio de Janeiro». 22h30. Consultado em 4 de novembro de 2013 
  247. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2006». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  248. a b Acadêmia do Samba. «Mocidade-2007». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  249. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2008». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  250. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2009». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  251. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2010». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  252. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2011». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  253. SRZD-Carnaval (25 de fevereiro de 2011). «Cid Carvalho prepara desfile da Mocidade em 2011 com capricho». 12h14. Consultado em 9 de novembro de 2013 
  254. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2012». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  255. SRZD-Carnaval (20 de fevereiro de 2012). «Mocidade levanta torcida com homenagem a Portinari». 03h11. Consultado em 9 de novembro de 2013 
  256. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2012». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  257. Acadêmia do Samba. «Mocidade-2013». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  258. Tudo de Samba (24 de fevereiro de 2012). «Alexandre Louzada renova com a Mocidade». Consultado em 9 de novembro de 2013 
  259. a b c d e f «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2013». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  260. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2014». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  261. O Globo-RIO (9 de abril de 2014). «Mocidade terá enredo sobre o fim do mundo no carnaval de 2015». 06h00. Consultado em 9 de abril de 2014 
  262. SRZD-Carnaval (8 de abril de 2014). «Paulo Barros revela enredo da Mocidade para 2015». 18h52. Consultado em 8 de abril de 2014 
  263. Carnavalesco (9 de abril de 2014). «Paulo Barros sobre música que inspirou enredo: 'Sempre pensava nas muitas possibilidades dela'». 16h20. Consultado em 9 de abril de 2014 
  264. Tudo de Samba (8 de abril de 2014). «Conheça o título do enredo da Mocidade para 2015». 17h20. Consultado em 8 de abril de 2014 
  265. Redação Carnavalesco (7 de junho de 2015). «Mocidade bate o martelo e muda enredo para o Carnaval 2016. Conheça o título. Sinopse sai na quarta». Carnavalesco. Consultado em 8 de junho de 2015 
  266. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2016». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  267. «Marrocos é o enredo da Mocidade para o carnaval de 2017». Carnavalesco. Consultado em 25 de março de 2016 
  268. LIESA - Livro Abre-Alas 2017
  269. «Atual campeã, Mocidade já tem samba para o carnaval 2018». G1. Consultado em 19 de janeiro de 2018 
  270. UOL (25 de maio de 2018). «Em parceria com Hans Donner, Mocidade falará sobre o tempo no Carnaval 2019» 
  271. «Mocidade oficializa enredo sobre Elza Soares em 2020». 10 de março de 2019 
  272. a b c d e f «Mocidade Independente de Padre Miguel». Apoteose. Consultado em 27 de maio de 2020. Cópia arquivada em 27 de maio de 2020 
  273. Lisboa, Vinicius (21 de janeiro de 2021). «Prefeito diz que Rio não terá carnaval fora de época em julho». Agência Brasil. Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  274. Mocidade Independente (3 de março de 2020). «Fabio Ricardo é o novo carnavalesco da Mocidade». Consultado em 3 de março de 2020 
  275. Ayupp, Guilherme (10 de março de 2020). «Mocidade terá enredo afro após 45 anos no Carnaval 2021». Carnavalesco. Consultado em 10 de março de 2020 
  276. «Resultados de 2022». SambaRio. Consultado em 5 de maio de 2022 
  277. «Marcus Ferreira será o novo carnavalesco da Mocidade». SRzd. 4 de maio de 2022. Consultado em 4 de maio de 2022 
  278. «Ordem de Desfiles 2024». Sambario. Consultado em 8 de fevereiro de 2024 
  279. Carnavalesco, Redação (29 de abril de 2024). «Conheça o enredo da Mocidade Independente de Padre Miguel para o Carnaval 2025». Carnavalesco. Consultado em 29 de abril de 2024 
  280. Academia do Samba. «Diretoria». Consultado em 23 de maio de 2014 
  281. «Saiba quem foi Castor de Andrade, o mais poderoso dos contraventores». Noticias R7. 15 de outubro de 2019. Consultado em 13 de julho de 2024 
  282. Site Carnavalesco (15 de abril de 2015). «Chapa da situação diz que dívidas da Mocidade foram sanadas e conta com Rogério Andrade». Consultado em 26 de abril de 2018 
  283. O Dia (18 de fevereiro de 2014). «Clã de Castor de Andrade volta à Mocidade». 00h42. Consultado em 26 de maio de 2018 
  284. a b c d e «Site oficial da escola» 
  285. «Ney Vianna». Sambario Carnaval. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  286. «Aroldo Melodia». Sambario Carnaval. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  287. «Galeria do Samba - As escolas de samba do Rio de Janeiro - Carnaval de 1985 - Mocidade Independente de Padre Miguel». Galeria do Samba - As escolas de samba do Rio de Janeiro (em inglês). Consultado em 28 de março de 2019 
  288. a b «Paulinho Mocidade». Sambario Carnaval. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  289. a b c d e «Wander Pires». Sambario Carnaval. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  290. «Mocidade 2000». Academia do Samba. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  291. a b «David do Pandeiro». David do Pandeiro. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  292. «Roger Linhares». Sambario Carnaval. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  293. a b «Bruno Ribas». Sambario Carnaval. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  294. a b «Nêgo». Sambario Carnaval. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  295. «Rixxah». Sambario Carnaval. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  296. «Luizinho Andanças». Sambario Carnaval. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  297. «Site do jorna O Dia» 
  298. «Wander Pires volta à Mocidade». Rádio Arquibancada. 22 de fevereiro de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2021 
  299. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel 1991». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  300. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel 1999». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  301. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2001». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  302. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel 2002». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  303. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2003 - Para sempre no seu coração, carnaval da doação - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 8 de março de 2016 
  304. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2004 - Não corra, não mate, não morra. Pegue carona com a Mocidade! - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 8 de março de 2016 
  305. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2005». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  306. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel 2005». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  307. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2006». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  308. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel 2006». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  309. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2007». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  310. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel 2007». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  311. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2008». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  312. a b c d e f «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2009». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  313. a b c d e f «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2010». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  314. a b c d e «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2011». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  315. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel 2012». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  316. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel 2013». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  317. «MOCIDADE CONTRATA COREÓGRAFO SÉRGIO LOBATO E PODE ANUNCIAR O CARNAVALESCO PAULO MENEZES». MARQUÊS DA FOLIA. Consultado em 8 de março de 2016 
  318. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel 2014». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  319. «Canto forte e bateria são os destaques no ensaio da Mocidade». SRZD | Sidney Rezende. Consultado em 8 de março de 2016 
  320. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1957». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  321. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1959». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  322. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel 1964». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  323. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1965». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  324. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel 1970». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  325. «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 1971 - Rapsódia de saudades - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 4 de março de 2016 
  326. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1971». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  327. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1972». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  328. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1973». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  329. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1974». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  330. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1975». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  331. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1976». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  332. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1977». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  333. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1978». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  334. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel 1992». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  335. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1993». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  336. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1994». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  337. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2000 - Verde, amarelo, branco, anil, colorem o Brasil no ano 2000 - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Mocidade Independente de Padre Miguel. Consultado em 8 de março de 2016 
  338. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel 2001». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  339. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2002». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  340. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel 2008». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  341. a b c «Mocidade Independente de Padre Miguel 2009». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  342. «Rogerinho e Lucinha Nobre 'se separam' no Carnaval - O Dia na Folia - O Dia». O Dia. Consultado em 8 de março de 2016 
  343. «Mocidade dá voto de confiança e renova com casal e comissão de frente». Carnavalesco. Consultado em 8 de março de 2016 
  344. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel 2015». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  345. Carnavalesco (23 de junho de 2015). «Lucinha Nobre não é mais porta-bandeira da Mocidade. Cristiane Caldas é nova dona do posto». Consultado em 25 de junho de 2015 
  346. SRZD-Carnaval (24 de junho de 2015). «Mocidade: 'Esse convite chegou na hora certa, pois estava desacreditada', diz Cristiane Caldas». Consultado em 25 de junho de 2015 
  347. a b c d «Mocidade Independente de Padre Miguel - Carnaval de 2015». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  348. «Carnaval de 2017 - Mocidade». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  349. «Carnaval de 2018 - Mocidade». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  350. «Carnaval de 2019 - Mocidade». Galeria do Samba. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  351. «Conheça os casais que passarão pelo Sambódromo na penúltima noite de ensaios técnicos do Grupo Especial». www.nobrescasais.com.br. 3 de abril de 2022. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  352. «Mocidade Independente de Padre Miguel tem novo segundo mestre-sala». www.nobrescasais.com.br. 11 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  353. «Mocidade 2008». academiadosamba.com.br. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  354. «Mocidade 2009». academiadosamba.com.br. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  355. «Mocidade 2010». academiadosamba.com.br. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  356. «Mocidade 2011». academiadosamba.com.br. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  357. «Mocidade Independente de Padre Miguel tem novo terceiro casal». www.nobrescasais.com.br. 26 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 14 de abril de 2024 
  358. «TV MOCIDADE: BATERIA "NÃO EXISTE MAIS QUENTE"». MARQUÊS DA FOLIA. Consultado em 12 de março de 2016 
  359. «Mocidade Independente de Padre Miguel Bateria». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  360. «Galeria do Samba - As escolas de samba do Rio de Janeiro - Carnaval de 1967 - Mocidade Independente de Padre Miguel». Galeria do Samba - As escolas de samba do Rio de Janeiro (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  361. Dia, O. (5 de fevereiro de 2018). «Mestre André». O Dia - Memória do Dia. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  362. «Galeria do Samba - As escolas de samba do Rio de Janeiro - Carnaval de 1968 - Mocidade Independente de Padre Miguel». Galeria do Samba - As escolas de samba do Rio de Janeiro (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  363. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1981». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  364. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1982». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  365. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1983». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  366. «Mocidade Independente de Padre Miguel 2004». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  367. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel Rainhas de bateria». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  368. a b «Adele Fátima . Primeira a desfilar frente a Bateria do Carnaval Carioca . resgate da história». www.carnaxe.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  369. a b «Monique Evans . Primeira Rainha da Bateria do Carnaval Carioca . resgate da história». www.carnaxe.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  370. Torres, Lívia (13 de fevereiro de 2014). «'Não sabia o samba', lembra Monique Evans, 1ª rainha de bateria, há 30 anos». G1 - O Portal de notícias da Globo. Consultado em 12 de março de 2016 
  371. «Aos 60, Adele Fátima lembra época de musa das sardinhas: 'atrapalhou'». Carnaval 2015 no Rio de Janeiro. Consultado em 12 de março de 2016 
  372. G1 (13 de fevereiro de 2014). «'Não sabia o samba', lembra Monique Evans, 1ª rainha de bateria, há 30 anos». Consultado em 14 de fevereiro de 2014 
  373. ISTOÉ Gente (19 de fevereiro de 2001). «Vovó caiu no samba». Consultado em 24 de outubro de 2013 
  374. «Mocidade Independente de Padre Miguel 2001». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  375. O Fuxico (7 de janeiro de 2006). «Viviane Araújo arrasa em ensaio técnico da Mocidade». 13:23. Consultado em 4 de novembro de 2013 
  376. Terra (20 de outubro de 2008). «Thatiana Pagung é coroada rainha da Mocidade». 9h02. Consultado em 4 de novembro de 2013 
  377. SRZD-Carnaval (21 de novembro de 2010). «Andréa de Andrade é coroada rainha da bateria da Mocidade». 7h42. Consultado em 24 de outubro de 2013 
  378. EGO (21 de novembro de 2010). «Andréa Andrade é coroada rainha de bateria da Mocidade, no Rio». 08h13. Consultado em 24 de outubro de 2013 
  379. SRZD-Carnaval (12 de dezembro de 2011). «Antonia Fontenelle é coroada rainha de bateria da Mocidade». Consultado em 14 de dezembro de 2011 
  380. «Emocionada, Antonia Fontenelle é coroada rainha da Mocidade» 
  381. «Camila Silva é coroada rainha de bateria da Mocidade». 2 de dezembro de 2012. Consultado em 4 de novembro de 2013 
  382. a b EGO (24 de janeiro de 2017). «Carmen Mouro não é mais rainha da Mocidade; Camila Silva assume» 
  383. EGO. «Mariana Rios é coroada rainha de bateria da Mocidade». Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  384. O Dia (11 de abril de 2014). «Mariana Rios não é mais rainha de bateria da Mocidade». 01:38:12. Consultado em 11 de abril de 2014 
  385. EGO (12 de agosto de 2014). «Claudia Leitte é a nova rainha de bateria da Mocidade: 'Vai ser histórico'». Consultado em 13 de agosto de 2014 
  386. EGO. «Claudia Leitte é recebida como rainha na Mocidade Independente». Consultado em 7 de setembro de 2014 
  387. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome :77
  388. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome :78
  389. «Fabíola de Andrade é confirmada como rainha da Mocidade em 2025 em post ao lado de Rogério Andrade». extra. 19 de fevereiro de 2024. Consultado em 13 de julho de 2024 
  390. Terra (3 de fevereiro de 2003). «Viviane Araújo falta a ensaio e rival brilha». Consultado em 26 de maio de 2018 
  391. O Fuxico (12 de dezembro de 2006). «Janaína Barbosa é coroada madrinha de Bateria da Mocidade». 15:55. Consultado em 26 de maio de 2018 
  392. «G1 > Edição Rio de Janeiro - NOTÍCIAS - Madrinha de bateria da Mocidade, Elza Soares brinca: 'sou bunda dura'». g1.globo.com. Consultado em 19 de junho de 2024 
  393. «Aos 79 anos, Elza Soares será madrinha de bateria da Mocidade». www.otempo.com.br. Consultado em 19 de junho de 2024 
  394. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1986». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  395. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1987». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  396. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1996». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  397. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel 1997». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  398. a b «Mocidade Independente de Padre Miguel 1998». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  399. «Mocidade Independente de Padre Miguel 2016». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  400. a b «Mocidade tem novos diretores de carnaval e harmonia para 2017». SRZD - Sidney Rezende. Consultado em 11 de março de 2016 
  401. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1989». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  402. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1990». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  403. «Mocidade Independente de Padre Miguel Site Oficial». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  404. «Mocidade Independente de Padre Miguel 2000». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  405. «Mocidade Independente de Padre Miguel 2010». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  406. «Mocidade Independente de Padre Miguel 2011». www.mocidadeindependente.com.br. Consultado em 12 de março de 2016 
  407. Carnavalizados. «Mocidade oficializa renovações e presta homenagem a Robson Veloso». Carnavalizados. Consultado em 17 de junho de 2024 
  408. «Barracão e harmonia: Diretor da Mocidade explica mudanças para o Carnaval 2023». SRzd. 4 de novembro de 2022. Consultado em 17 de junho de 2024 
  409. Carnavalesco, Redação (22 de fevereiro de 2024). «Mocidade renova com mestre Dudu e anuncia mudança na direção de Harmonia». Carnavalesco. Consultado em 17 de junho de 2024 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Diniz, Alan; Medeiros, Alexandre; Fabato, Fábio (2014). As Três Irmãs - Como um trio de penetras "arrombou a festa" 1.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Terra Editora e Distribuidora LTDA. ISBN 978-85-61893-12-5 
  • Pereira, Bárbara (2013). Estrela que me faz sonhar: Histórias da Mocidade 1.ª ed. Rio de Janeiro: Verso Brasil Editora. ISBN 978-85-62767-09-8 
  • Cabral, Sérgio (2011). Escolas de Samba do Rio de Janeiro 1.ª ed. São Paulo: Lazuli; Companhia Editora Nacional. ISBN 978-85-7865-039-1 
  • Gomyde Brasil, Pérsio (2015). Da Candelária à Apoteose - Quatro décadas de paixão 3.ª ed. Rio de Janeiro: Multifoco. ISBN 978-85-7961-102-5 
  • Diniz, André; Cunha, Diogo (2014). Na Passarela do Samba - O Esplendor das Escolas em 30 anos de desfiles de carnaval no Sambódromo 1.ª ed. Rio de Janeiro: Casa da Palavra. ISBN 978-85-7734-445-1 
  • Bastos, João (2010). Acadêmicos, unidos e tantas mais - Entendendo os desfiles e como tudo começou 1.ª ed. Rio de Janeiro: Folha Seca. ISBN 978-85-87199-17-1 
  • Diniz, André (2012). Almanaque do Samba - A história do samba, o que ouvir, o que ler, onde curtir 1.ª ed. Rio de Janeiro: Zahar. ISBN 978-85-37808-73-3 
  • Lima, Eunice Lopes (2020). Saudosista apaixonado: Ary de Lima 1ª ed. Rio de Janeiro: Autografia. ISBN 9788551826126

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias