Modares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Modaresé um príncipe gótico, comandante do Exército da Trácia, no século IV.

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

No quarto século, os godos têm as fronteiras do império romano e tentam instalar-se lá regularmente. Este grupo separou-se em dois grupos principais, os ostrogodos que se lançaram à conquista das regiões entre o Volga, os Urais e o Cáucaso, sob a liderança de seu rei amelungo Hermenerico; os visigodos ou tervíngios combatiam na Europa central e do sul. Povo nómada, eles estavam sempre à procura de provisões regulares para alimentar o seu grupo importante.[1] Os Romanos, a partir de Constantino, assinam tratados (foedus) com eles, dando-lhes o estatuto de federados. Os homens são envolvidos nos exércitos do império contra os subsídios.

A partir do ano de 340, o cristianismo atinge-os sobre a sua forma ariana com a pregação de Úlfilas, nomeado bispo dos godos em 341. Manteve-se fiel ao paganismo, Atanarico, rei dos godos, persegue cristãos arianos godos entre 369 e 372, que formam uma parte oposta a ele, liderados pelo nobre convertido Fritigerno.[2]

Após a pressão dos Hunos de Balamber, em 376, a maior parte do seu povo segue Fritigerno e entra no Império Romano enquanto Atanarico e seus seguidores se refugiam nos Cárpatos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Um príncipe de alta patente[editar | editar código-fonte]

Segundo Zósimo, Modares pertencia ao mesmo clã que Atanarico; podemos então supor que ele o seguiu para os Cárpatos e não seguiu a maior parte do povo godo que seguiu Fritigerno até Mésia em 376.

Parece ser um príncipe de alto linhagem, provavelmente da família dos Baltingos cuja descendência é respeitada pelos outros góticos, descendem diretamente do deus Gaute. As fontes contradizem-se, mas os seus filhos são nobres de alta patente: o seu filho Vália ou Ataúlfo foi eleito rei dos Visigodos, a sua filha cujo nome é desconhecido, casou-se com Alarico I. A rapidez da sua carreira no exército romano apoia a ideia de uma pessoa de alta linhagem.[3]

Um bárbaro romanizado[editar | editar código-fonte]

A primeira menção a Modares data do final do quarto século; na época em que os bárbaros se reuniram na fronteira do Império Romano, o imperador Teodósio organiza o procedimento de hospitalistas (com atribuições de terras ou de atribuição de imposições de cotas). Após a derrota de Adrianópolis de Valente face a Fritigerno, em 379, o novo imperador Teodósio passa um acordo inicial com um chefe gótico; é Modares. Ele é um cristão, mas ortodoxo (reconhecendo o Credo Niceno como o novo imperador) e em grande parte helenizado. Modares recebe o comando do Exército da Trácia ara destruir uma coluna de godos saqueadores, que se refugiam nos Balcãs.[4]E em 382, ele é portador do alto grau de magister peditum. Os seus clientes, funcionários-guerreiro estão ao serviço do Império Romano.

O chefe Modares recebe então o agri deserti, da terra cultivada, transformando-o num grande latifundista, mas também num general apto a comandar[5] e capaz de participar em discussões teológicas. Além disso, cerca de 380, Gregório de Nazianzo pede-lhe ajuda a convocar um dos sínodos para Teodósio, para contrapor aos muitos góticos da guarda imperial de confissão ariana.[6]

Referências

  1. Les Goths. [S.l.: s.n.] p. 26 
  2. Frassetto, Michael (2003). Encyclopedia of barbarian Europe : society in transformation. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 45 
  3. «History of the Goths» 
  4. «364-394 Bipartition de l'Empire et invasion gothique» 
  5. «Barbares -Immigrés, déportés et réfugiés dans l'Empire romain par Alessandro Barbero». Consultado em 20 de outubro de 2014. Arquivado do original em 20 de outubro de 2014 
  6. de Nazianze, Grégoire. lettre 136. [S.l.: s.n.]