Modelo de pólder

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Modelo Pólder (em neerlandês: poldermodel) é um método de tomada de decisão por consenso, baseado na aclamada versão holandesa de formulação de políticas econômicas e sociais baseadas em consenso nas décadas de 1980 e 1990.[1][2] Seu nome vem da palavra holandesa (polder) para extensões de terra cercadas por diques.

O modelo polder foi descrito como "um reconhecimento pragmático da pluriformidade" e "cooperação apesar das diferenças". Pensa-se que a política holandesa Ina Brouwer foi a primeira a usar o termo poldermodel, em seu artigo de 1990 "Het socialisme als poldermodel?" (O socialismo como modelo de pólder?), Embora seja incerto se ela cunhou o termo ou simplesmente foi a primeira a escrevê-lo.[1][3]

Modelo socioeconômico[editar | editar código-fonte]

Wim Kok, um ex-primeiro-ministro da Holanda, apoiou o modelo pólder.

O modelo de pólder holandês é caracterizado pela cooperação tripartite entre organizações de empregadores como a VNO-NCW, sindicatos como a Federação do Movimento Trabalhista Holandês e o governo. Estas conversações estão consubstanciadas no Conselho Econômico-Social (em neerlandês: Sociaal-Economische Raad, SER). O SER serve como fórum central para discutir questões trabalhistas e tem uma longa tradição de consenso, muitas vezes neutralizando conflitos trabalhistas e evitando greves. Modelos semelhantes são usados ​​na Finlândia, a saber, o Acordo de Política de Renda Abrangente e a validade universal dos acordos coletivos de trabalho.

O atual modelo holandês começou com o Acordo de Wassenaar de 1982, quando sindicatos, empregadores e governo decidiram um plano abrangente para revitalizar a economia envolvendo tempos de trabalho mais curtos e menos salários por um lado, e mais empregos por outro. Esse modelo polder, combinado com uma política econômica neoliberal de privatização e cortes orçamentários, foi considerado o responsável pelo milagre econômico holandês no final da década de 1990.[4]

Um papel importante neste processo foi desempenhado pelo Escritório Central de Planejamento Holandês (CPB), fundado por Jan Tinbergen. A assessoria política do CPB desde 1976, em particular com o modelo Den Hartog e Tjan, a favor da contenção salarial, foi um argumento importante, de apoio ao governo e aos empregadores, que os sindicatos não podiam combater facilmente.

Muitos autores e pesquisadores, no entanto, argumentaram que a importância do Acordo de Wassenaar foi amplamente superestimada.[5][6][7][8] O jovem historiador Stijn Kuipers, no entanto, traça a linha ainda mais longe. Em um artigo que deve muito ao trabalho de Coen Helderman,[9] Kuipers argumenta que o modelo socioeconômico moderno de pólder já se manifestou em 1920 com o Alto Conselho do Trabalho holandês. Segue-se que o modelo pólder é muito mais antigo e, portanto, poderia ter tido uma influência maior na sociedade e na economia holandesas do que geralmente se pensa até agora.[8]

Outros usos[editar | editar código-fonte]

O termo modelo polder e especialmente o verbo polderen tem sido usado pejorativamente por alguns políticos para descrever o lento processo de tomada de decisão em que todas as partes devem ser ouvidas. O modelo floresceu sob os governos de coalizão roxa do primeiro-ministro holandês Wim Kok, uma coalizão que incluía os rivais tradicionais do Partido Trabalhista (um partido social-democrata, cuja cor é vermelha) e do Partido Popular pela Liberdade e Democracia (liberais de direita, cuja cor é azul). No clima econômico em declínio do início do século 21, o modelo sofreu ataques ferozes, especialmente de políticos de direita e Pim Fortuyn em seu livro intitulado De puinhopen van acht jaar Paars ("Os destroços de oito anos roxos").

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

Não há consenso sobre o contexto histórico exato do modelo de pólder. Em geral, existem três pontos de vista sobre este assunto.

Uma explicação aponta para a reconstrução da Holanda após a Segunda Guerra Mundial. O corporativismo foi uma característica importante do pensamento político democrata-cristão e, particularmente, católico. Durante o período do pós-guerra, os partidos católico, protestante, cristão, social-democrata e liberal decidiram trabalhar juntos para reconstruir a Holanda, assim como os sindicatos e as organizações de empregadores. Instituições importantes do modelo polder, como o SER, foram fundadas neste período. Nenhum partido político jamais teve algo próximo a uma maioria geral no parlamento, então o governo de coalizão é inevitável. Isso torna os partidos extremamente cautelosos, já que o inimigo de hoje pode ser o aliado de amanhã, ainda mais nos tempos atuais, quando a "morte da ideologia" tornou possível que quase todas as partes trabalhassem juntas.

Outra explicação aponta para a dependência da Holanda da economia internacional. Os holandeses não podem se dar ao luxo de utilizar o protecionismo contra as marés imprevisíveis da economia internacional, porque a Holanda não é uma economia autárquica. Portanto, para se proteger da economia internacional, eles estabeleceram um conselho tripartite que supervisionou um extenso estado de bem-estar social.

Uma terceira explicação refere-se a um aspecto único da Holanda, que consiste em grande parte de pólderes, terras recuperadas do mar, que requerem bombeamento e manutenção constantes dos diques. Portanto, desde a Idade Média, quando o processo de recuperação de terras começou, diferentes sociedades que viviam no mesmo pólder foram forçadas a cooperar porque, sem um acordo unânime sobre a responsabilidade compartilhada pela manutenção dos diques e estações de bombeamento, os pólderes teriam inundado e todos teria sofrido. Crucialmente, mesmo quando cidades diferentes no mesmo pólder estavam em guerra, eles ainda tinham que cooperar a esse respeito. Acredita-se que isso tenha ensinado os holandeses a deixar de lado as diferenças para um propósito maior.

Referências

  1. a b Ewoud Sanders, Woorden met een verhaal (Amsterdam / Rotterdam, 2004), 104–06.
  2. Stijn Kuipers, Het begin van het moderne Nederlandse poldermodel; De Hoge Raad van Arbeid van 1920 als eerste manifestatie van het Nederlandse tripartiete sociaaleconomische overlegmodel? (Nijmegen, 2015), 3.
  3. Ewoud Sanders, "Poldermodel", NRC Handelsblad, 22 April 2002.
  4. Elke van Riel, "Akkoord van Wassenaar keerpunt in relatie regering en sociale partners", SER Magazine, 2010 (versie 9) (archived 15 April 2015).
  5. Agnes Akkerman, "Zo historisch was het Akkoord van Wassenaar niet" Arquivado em 2015-09-24 no Wayback Machine., Radboud University Nijmegen, 2007 (retrieved 25 February 2015).
  6. Jaap Woldendorp, The Polder Model: From Disease to Miracle? Dutch Neo-corporatism 1965–2000 (Amsterdam, 2005), 267–69.
  7. Piet de Rooy, Republiek van rivaliteiten; Nederland sinds 1813 (2nd printing Amsterdam, 2005), 216–17.
  8. a b Stijn Kuipers, "Het begin van het moderne Nederlandse poldermodel; De Hoge Raad van Arbeid van 1920 als eerste manifestatie van het Nederlandse tripartiete sociaaleconomische overlegmodel?", Radboud University Nijmegen, 2015.
  9. Coen Helderman, "De Hoge Raad van Arbeid, 1919-1940(-1950)", Tijdschrift voor Sociale en Economische Geschiedenis I:2 (2004).

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]