Saltar para o conteúdo

Mohammed Deif

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mohammed Deif
محمّد ضيف
Nome completo Mohammed Diab Ibrahim al-Masri
Outros nomes Abu Khaled
Nascimento 1965
Khan Yunis, Ocupação egípcia da Faixa de Gaza
Nacionalidade palestino
Cônjuge Widad Asfoura (2007-2014)
Filho(a)(s) 2
Educação Universidade Islâmica de Gaza
Ocupação Guerrilheiro e militar
Serviço militar
Serviço Brigadas Izz ad-Din al-Qassam
Patente Comandante
Conflitos Conflito israelo-palestino

Mohammed Deif (árabe: محمّد الضيف, romanizado:  Muḥammad Ḍayf; nascido Mohammed Diab Ibrahim Masri; Khan Yunis, 1965) é um militante palestino, comandante das Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, o braço militar do Hamas.

Mohammad Masri nasceu em 1965 no Campo de Refugiados Khan Yunis, na Faixa de Gaza, criado após a Guerra Árabe-Israelense de 1948. Depois de ingressar no Hamas em 1990, mais tarde ficou conhecido como Mohammed Deif (Deif significa convidado em árabe), devido ao seu estilo de vida nômade.[1]

Apesar de ser o homem “mais procurado” pelos militares israelitas desde 1995 por orquestrar os assassinatos de soldados e civis israelitas, ele sobreviveu a sete tentativas de assassinato nas últimas duas décadas.[2] Na primeira tentativa de assassinato contra sua vida, acredita-se que ele tenha perdido um olho e, na segunda, uma parte do braço; ele é considerado deficiente. A esposa de Deif, o filho de 7 meses e a filha de 3 anos foram mortos por um ataque aéreo israelense em 2014. A tentativa mais recente de Israel de matar Deif foi durante a Operação Guardião das Muralhas em maio de 2021.[3]

O Departamento de Estado dos Estados Unidos adicionou Deif à sua lista de terroristas globais, em 8 de setembro de 2015.[4]

Ele nasceu Mohammed Diab Ibrahim al Masri no campo de refugiados de Khan Younis em 1965, filho de uma família de refugiados palestinos de al-Qubeiba e se estabeleceu no campo de Khan Yunis, no sul da Faixa de Gaza.

Passou a estudar ciências na Universidade Islâmica de Gaza, onde fez parte de um grupo de teatro chamado Os Repatriados.

Deif juntou-se ao movimento Hamas no final de 1987. Retornou à escola e recebeu sua educação na Universidade Islâmica de Gaza, onde se formou em 1988 após obter o diploma de bacharel em ciências.

Nessa época, Deif criou o grupo de teatro islâmico al-Ayedun, conhecido por sua paixão por atuar. Ele desempenhou vários papéis teatrais, incluindo figuras históricas.

Deif foi responsável pelo comitê técnico durante sua atividade no Conselho Estudantil da Universidade Islâmica.

Israel prendeu-o em 1989 e ele passou 16 meses na prisão sem julgamento, sob a acusação de trabalhar no aparelho militar do movimento.

Após sua libertação, Deif e outras figuras começaram a estabelecer as Brigadas al-Qassam, o braço militar do Hamas.

Durante a década de 1990, supervisionou e participou de inúmeras operações contra Israel.

Carreira militante

[editar | editar código-fonte]

Deif juntou-se ao Hamas em 1990 com a ajuda de Yahya Ayyash e Adnan al-Ghoul, seus associados de longa data. Em 1994, Deif esteve envolvido nos sequestros e assassinatos dos soldados das FDI Shahar Simani, Aryeh Frankenthal e Nachshon Wachsman. Ele foi pessoalmente responsável, juntamente com Yahya Ayyash, pelos atentados a bomba em ônibus em Jerusalém e Ashkelon, ataques que mataram cerca de 50 israelenses. Cinco homens-bomba que ele enviou a Israel em março de 2000 foram mortos por Yamam. Após a sua libertação da prisão da AP em abril de 2001, esteve envolvido numa “onda de ataques bombistas” que durou vários meses durante a segunda intifada.[5]

Deif tornou-se o comandante militar supremo das Brigadas Izz ad-Din al-Qassam depois que Israel assassinou Salah Shehade em julho de 2002.[6] Israel o considera diretamente responsável pelo assassinato de dezenas de civis em numerosos atentados suicidas desde 1995, entre eles o atentados a bomba em ônibus na estrada de Jaffa em Jerusalém. Ele, juntamente com Nidal Fat'hi Rabah Farahat e Adnan al-Ghoul, desempenharam um papel fundamental nos ataques perpetrados em Israel. Deif está no topo da lista dos mais procurados de Israel há mais de duas décadas.

Em Fevereiro de 2006, alguns meios de comunicação israelitas argumentaram que Deif construiria uma rede Al-Qaeda na Faixa de Gaza, uma vez que não apoiava a abordagem do Hamas. Esta afirmação, no entanto, foi negada pelas Brigadas Izz ad-Din al-Qassam.[5]

Tentativas de assassinato

[editar | editar código-fonte]

Ele sobreviveu a cinco ataques aéreos israelenses, que lhe causaram ferimentos graves e deficiências. Apesar dos relatos iniciais de sua morte num ataque aéreo israelense em 27 de setembro de 2002, um oficial da inteligência israelense confirmou que ele sobreviveu ao ataque. Seu assistente sênior, Adnan al-Ghoul, foi morto em um ataque aéreo israelense em 21 de outubro de 2004.[7]

Nas primeiras horas da manhã de 12 de Julho de 2006, um avião F16 israelita bombardeou uma casa onde se reuniam líderes de alto nível do Hamas. Deif sobreviveu à explosão, mas feriu gravemente a coluna. Após este evento, Ahmed Jabari tornou-se o comandante interino da ala militar do Hamas, Brigadas Izz ad-Din al-Qassam.[8]

Em 19 de agosto de 2014, a força aérea israelense conduziu um ataque aéreo a uma casa no bairro de Sheikh Radwan, na cidade de Gaza, que matou a esposa de Deif (Widad Asfoura, de 27 anos), e dois de seus filhos (Ali, filho de 7 meses, e Sara, filha de 3 anos), e também três civis.[9] O Hamas negou que Deif tenha sido morto.[10]

Em abril de 2015, foi noticiado na mídia israelense, citando fontes de inteligência, que Deif sobreviveu à tentativa de assassinato.

Durante a Operação Guardião das Muralhas em maio de 2021, foi relatado que os militares israelenses tentaram matar Deif duas vezes em uma semana, mas ele escapou no último minuto em ambas as vezes.

Em Dezembro de 2010, o movimento Hamas assinalou o 23º aniversário da sua criação com um folheto oficial intitulado O Caminho da Glória (Darb al-ezza), que inclui declarações de líderes militares do Hamas juntamente com dados estatísticos e numéricos sobre operações militares levadas a cabo contra Israel.

Mohammed Deif escreveu: "As Brigadas Izz ad-Din al-Qassam... estão mais bem preparadas para continuar no nosso caminho exclusivo para o qual não há alternativa, e esse é o caminho da jihad e da luta contra os inimigos da nação muçulmana e a humanidade... Dizemos aos nossos inimigos: vocês estão caminhando para a extinção (zawal), e a Palestina continuará sendo nossa, incluindo Al-Quds (Jerusalém), Al-Aqsa (mesquita), suas cidades e vilas do Mar (Mediterrâneo) até o rio (Jordão), de norte a sul. Você não tem direito a nem um centímetro dele."

Em 14 de dezembro de 2022, Al Deif emitiu uma declaração durante a celebração do 35º aniversário para marcar a fundação do Hamas. Deif disse: “Que todas as bandeiras se unam. Que todas as frentes se unam. Que todas as plataformas (da Resistência) sejam abertas para um único objetivo, que é a Libertação da Palestina”.[11][12]

Guerra Israel-Hamas de 2023

[editar | editar código-fonte]

Deif disse em uma mensagem gravada no primeiro dia da guerra Israel-Hamas de 2023, que foi em resposta ao que ele chamou de "profanação" da Mesquita de Al-Aqsa, e Israel matando e ferindo centenas de palestinos em 2023. Ele apelou aos palestinos e aos árabes israelenses para "expulsarem os ocupantes e demolirem os muros".[13][14] Ele continuou: "À luz dos contínuos crimes contra o nosso povo, à luz da orgia de ocupação e à sua negação das leis e resoluções internacionais, e à luz do apoio americano e ocidental, nós decidimos acabar com tudo isso, para que o inimigo entenda que não pode mais festejar sem ser responsabilizado."[15][16]

Referências

  1. Messing, Dafna (11 de maio de 2021). «Who are you, Mohammed Diab Ibrahim al-Masri, aka Muhammed Deif?». Alma Research and Education Center (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  2. «Who Is Mohammed Deif?». Haaretz (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  3. «Israel tried to kill Hamas military chief Mohammed Deif twice in Gaza op». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 19 de maio de 2021. Consultado em 11 de outubro de 2023 
  4. «Terrorist Designations of Yahya Sinwar, Rawhi Mushtaha, and Muhammed Deif». U.S. Department of State. Consultado em 11 de outubro de 2023 
  5. a b https://web.archive.org/web/20120620112428/http://www.idfblog.com/hamas/2012/01/21/mohammad-deif/
  6. «Profile: Hamas commander Mohammed Deif» (em inglês). 26 de setembro de 2002. Consultado em 11 de outubro de 2023 
  7. «Israel raid kills Gaza Hamas man» (em inglês). 22 de outubro de 2004. Consultado em 11 de outubro de 2023 
  8. TODAY, Michele Chabin, Special for USA. «Israelis brace for attacks after Hamas leader killed». USA TODAY (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  9. Levy, Elior (20 de agosto de 2014). «Hamas vows revenge for Deif's family». Ynetnews (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  10. «Gaza war resumes as Israel targets Hamas commander Mohammed Deif's home Palestinian territory - CBS News». www.cbsnews.com (em inglês). 20 de agosto de 2014. Consultado em 11 de outubro de 2023 
  11. «Milli Gazete | The Honor Of The Ummah Hamas: 35 Years Old!». en.milligazete.com.tr. Consultado em 11 de outubro de 2023 
  12. admin (14 de dezembro de 2022). «Now Or Never: Hamas Leader Warns Israel Regarding Prisoners' Exchange Deal (PHOTOS)». Palestine Chronicle (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  13. Pacchiani, Gianluca. «Hamas commander says attacks are in defense of Al-Aqsa, claims 5,000 missiles fired». www.timesofisrael.com (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  14. חלבי, עינב (7 de outubro de 2023). «מוחמד דף על מתקפת הרקטות: ישראל חיללה את אל-אקצא, קורא לערביי ישראל להצטרף». Ynet (em hebraico). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  15. Nakhoul, Samia; Bassam, Laila (11 de outubro de 2023). «Who is Mohammed Deif, the Hamas commander behind the attack on Israel?». Reuters (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  16. Srivastava, Mehul (8 de outubro de 2023). «Who is 'The Guest': the Palestinian mastermind behind deadly Israel incursion». Financial Times. Consultado em 11 de outubro de 2023