Mongo Beti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mongo Beti
Mongo Beti.
Nascimento 30 de junho de 1932
Akométan, Camarões
Morte 8 de outubro de 2001 (69 anos)
Douala, Camarões
Nacionalidade camaronês
Ocupação Escritor

Alexandre Biyidi Awala (Akométan, 30 de junho de 1932 — Douala, 8 de outubro de 2001), conhecido como Mongo Beti, foi um destacado escritor dos Camarões.

Após um período de estudos universitários, começou a publicação de suas obras, que se caracterizam por um relato incisivo das condições de seu país, de maneira que sua novela "Lhe Pauvre Christ de Bomba", (1956) (em português: "O Cristo Pobre de Bomba") foi proibida nos Camarões. Entre suas novelas encontra-se "Remember Ruben" (1974), que cedo se converteu num clássico da literatura da África negra.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Conquanto Beti viveu no exílio por muitos anos, a sua vida mostra uma dedicação e interesse muito forte na contribuição à melhora do seu país natal. Tal como expressou um crítico depois de seu falecimiento, "A senda militante deste ensaista, cronista e novelista tem estado governada por uma obssesão: a luta pela dignidade dos povos africanos."[1]

Início[editar | editar código-fonte]

Mongo era filho de Oscar Awala e Régine Alomo, nasceu em 1932 em Akométan, uma pequena vila a 10 km de Mbalmayo, que por sua vez se encontra a 45 km de Yaoundé, capital de Camarões. (O nome da vila provém de Akom 'rocha' e Etam 'fonte': em antigos mapas da região, o nome está escrito em duas partes).

Desde muito jovem, Beti foi influído pelas correntes de rebelião que atravessavam África muito próximo da Segunda Guerra Mundial. O seu pai afogou-se quando Beti tinha sete anos, tendo sido criado pela sua mãe e familiares. Beti recorda discussões com sua mãe sobre religião e colonialismo; também recorda os seus primeiros contactos com as opiniões e análises do líder independentista Ruben Um Nyobe, tanto nas vilas como na própria casa de Nyobe. Mongo levou estas ideias à escola, o que conduziu a que finalmente fosse expulso da escola missionária em Mbalmayo pelas suas expressões. Em 1945 ingressou no liceu Leclerc em Yaoundé. Depois de formar-se em 1951, viaja para França para continuar sua educação superior em literatura, primeiro em Aix-em-Provence, posteriormente na Sorbona em Paris.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Sans haine et sans amour, 1953.
  • Ville cruelle, 1954
  • Lhe Pauvre Christ de Bomba, 1956.
  • Mission terminée, 1957.
  • Lhe Roi miraculé : chronique dês Essazam, 1958.
  • Main basse sul lhe Cameroun : autopsie d’une décolonisation, 1972 ISBN 2-7071-4172-0.
  • Lhes Procès du Cameroun : autopsie d’une décolonisation, 1972.
  • Perpétue et l’habitude du malheur, 1974.
  • Remember Ruben, 1974.
  • Peuples noirs, peuples africains, 1978.
  • A Ruine presque cocasse d’um polichinelle : Remember Ruben 2, 1979.
  • Lhes Langues africaines et lhe Néo-colonialisme em Afrique francophone, 1982.
  • Lhes Deux Mères de Guillaume Ismaël Dzewatama, futur camionneur, 1983.
  • A Revanche de Guillaume Ismael Dzewatama, 1984.
  • Lettre ouverte aux Camerounais, ou, A deuxième mort de Ruben Um Nyobé, 1986.
  • Dictionnaire da négritude avec Odile Tobner et a participation de collab. da revue Peuples noirs - Peuples africains, 1989 ISBN 2738404944
  • A França contre l’Afrique : retour au Cameroun, 1993 ISBN 2707149780
  • L’Histoire du fou, 1994.
  • Trop de soleil tue l’amour, 1999 ISBN 2266101919
  • Branle-bas em noir et blanc, 2000.
  • Africains se vous parliez, 2005 ISBN 2-915129-08-8

Referências

  1. Kemedjio 147.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bishop, Rand. African Literature, African Critics. New York: Greenwood Press, 1988.
  • Breitinger, Ekchardt. "Lamentations Patriotiques: Writers, Censors, and Politics in Cameroon." African Affairs 92 (1993): 557-575.
  • Gikandi, Simon. Encyclopedia of African Literature. New York: Routledge, 2002.
  • Kimedjio, Cilas. "Remember Mongo Beti." Research in African Literatures 37 (2006): 446-50.
  • Moore, Gerald. Seven African Writers. Oxford: Oxford University Press, 1962.
  • Soyinka, Wole. "From a Common Back Cloth: A Reassessment of the African Literary Image." American Scholar 32 (1963): 387-96.
  • Taoua, Phyllis. "The Anti-Colonial Archive: France and Africa's Unfinished Business." SubStance 32 (2003): 146-64.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]