Monomania

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o álbum de Clarice Falcão, veja Monomania (álbum).
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete monomania.

Em psiquiatria, monomania (do grego monos, "um", e mania, "loucura" ou "frenesi") é um tipo de paranóia na qual o paciente tem uma única ideia ou tipo de ideias. A monomania emocional é aquela na qual o paciente é obcecado por uma única emoção ou por várias relacionadas a uma só; a monomania intelectual é aquela relacionada a um único tipo de ideia(s) delirante(s).

No uso coloquial, a expressão monomania é frequentemente ligada a uma subcultura que o público em geral considera esotérica. Todavia, as diferenças entre monomania e paixão podem ser muito sutis e dificultar seu reconhecimento.

Monomania na literatura[editar | editar código-fonte]

Em Crime e Castigo, o magnum opus de Fyodor Dostoevsky, afamado novelista russo do século XIX, o personagem principal, Raskolnikov, é descrito como monomaníaco em várias ocasiões.

Em Moby Dick de Herman Melville (1851), o capitão Ahab é um monomaníaco, algo demonstrado por sua caçada implacável à baleia branca.

Em Wuthering Heights, da escritora britânica Emily Brontë, o personagem Heathcliff possui monomania, o que pode ser descrito nos capítulos finais quando o último passa dias sem comer e sem desejar nenhum contato social, devido à alunição de Catherine Earnshaw.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • POE, Edgar Allan. "Edgar Allan Poe: Ficção Completa, Poesia e Ensaios". Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2001. ISBN 8521000340.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]