Monsanto (Idanha-a-Nova)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outra freguesia com o mesmo nome, veja Monsanto (Alcanena).
Portugal Monsanto 
  Freguesia portuguesa extinta  
Vista panorâmica da aldeia histórica de Monsanto
Vista panorâmica da aldeia histórica de Monsanto
Localização de Monsanto no concelho de Idanha-a-Nova
Localização de Monsanto no concelho de Idanha-a-Nova
Monsanto está localizado em: Portugal Continental
Monsanto
Localização de Monsanto em Portugal Continental
Coordenadas 40° 02' 22" N 7° 06' 51" O
Concelho primitivo Idanha-a-Nova
Concelho (s) atual (is) Idanha-a-Nova
Freguesia (s) atual (is) Monsanto e Idanha-a-Velha
Extinção 2013
Área [1]
 - Total 131,95 km²
População (2011) [2]
 - Total 829
    • Densidade 6,3 hab./km²
Orago Divino Salvador

Monsanto (ou Monsanto da Beira) foi uma freguesia portuguesa do concelho de Idanha-a-Nova, na província da Beira Baixa, região do Centro (Região das Beiras) e sub-região da Beira Interior Sul, com 131,95 km² de área e 829 habitantes (2011). Densidade: 6,3 hab/km².

Foi sede de concelho entre 1174 e 1853.[3] Era constituído pelas freguesias da sede: Aldeia de João Pires, Aldeia do Salvador e Toulões. Tinha, em 1801, 2139 habitantes.

Foi sede de uma freguesia extinta em 2013, no âmbito de uma reforma administrativa nacional, para, em conjunto com Idanha-a-Velha, formar uma nova freguesia denominada União das Freguesias de Monsanto e Idanha-a-Velha da qual é a sede.[4]

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Monsanto [5]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 746 1 853 2 057 2 574 2 886 2 704 3 078 3 689 3 846 3 541 2 691 1 951 1 443 1 160 829

História[editar | editar código-fonte]

Vista da aldeia histórica com suas casas graníticas.
Monsanto e a vista sobre os arredores da aldeia histórica.

Monsanto avista-se na encosta de uma grande derrapagem escarpada, designada de o Pelourinho de Monsanto (Mons Sanctus). Situa-se a nordeste de Guarda e irrompe repentinamente do campo. No ponto mais alto, o seu pico atinge os 100 metros. A presença humana neste local data desde a era de Dom Afonso Henriques. A arqueologia diz-nos que o local foi habitado pelos bárbaros, no sopé do monte. Também existem vestígios da passagem visigótica e árabe. Os mouros seriam derrotados por Dom Afonso Henriques[6]. Em 1165, o lugar de Monsanto foi doado ao rei de Portugal que, sob orientações de Gualdim Pais, mandou construir o Castelo de Monsanto. O foral foi concedido pela primeira vez em 1174 pelo Rei de Portugal e rectificado, sucessivamente, por Dom Sancho I (em 1190) e Dom Afonso II (em 1217). “O castelo de robusta construção, foi mandado construir por D. Gualdim Paes de Marecos, Grão Mestre dos Templários em 1239” [7]

Foi Dom Sancho I quem repovoou e reedificou a fortaleza que, entretanto, fora destruída nas lutas contra o Reino de Leão. Seriam novamente reparadas, um século mais tarde, pelos Cavaleiros Templários.

Em 1308, o rei Dom Dinis deu Carta de Feira. Em 1510, seria o rei Dom Manuel I a entregar de novo foral e concedendo à aldeia a categoria de vila.

Em meados do século XVII, Luis de Haro y Guzmán (ministro de Filipe IV de Espanha), tenta cercar Monsanto, mas sem sucesso. No século XVIII, o Duque de Berwick também cerca Monsanto, mas o exército português, comandado pelo Marquês das Minas, derrota o invasor nas difíceis escarpas que se erguem até ao castelo. Monsanto foi sede de concelho no período 1758-1853. Em 1815 um grave acidente, provocado por um raio, destruiu o seu castelo medieval, pela explosão do paiol de munições.[8]

Em 1938, ganhou o título de "Aldeia mais portuguesa de Portugal", exibindo o Galo de Prata, troféu da autoria de Abel Pereira da Silva, cuja réplica permanece até hoje no cimo da Torre do Relógio ou de Lucano.[6] Um pouco por toda a parte, foram depois colocadas réplicas do Galo de Prata, quer em igrejas, torres ou outros monumentos de todo o país.

Património[editar | editar código-fonte]

Arquitectura religiosa[editar | editar código-fonte]

Capela de Santo António
Capela do Espírito Santo
Capela de Santa Maria do Castelo
Capela de São Miguel do Castelo

Arquitectura militar[editar | editar código-fonte]

A Torre de Lucano (ou Torre do Relógio de Monsanto).

Arquitectura civil pública[editar | editar código-fonte]

Arquitectura civil privada[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

Colectividades[editar | editar código-fonte]

  • Adufeiras de Monsanto
  • Rádio Clube de Monsanto
  • Casa do Povo de Monsanto
  • Associação de Amigos do Carroqueiro
  • ACRAM – Associação Cultural Recreativa dos Amigos de Monsanto
  • Associação Geo-Cultural e Mons Sanctus
  • Associação de Caça e Pesca de Monsanto
  • Associação Desportiva Recreativa e Cultural de Monsanto
  • Rancho Folclórico de Monsanto
  • Associação de Caçadores de Monsanto

Personalidades[editar | editar código-fonte]

  • Pof. Dra. Maria Leonor Carvalhão Buescu
  • Dr. Fernando Namora
  • Prof. Dra. Manuela De Campos Milheiro
  • Dr. Elias Martins Vaz
  • Dra. Adelaide Salvado

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Monsanto (Idanha-a-Nova)

Referências

  1. Instituto Geográfico Português. «Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2012.1». descarrega ficheiro zip/Excel 
  2. «População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano)». Informação no separador "Q601_Centro". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 28 de Fevereiro de 2014.. Cópia arquivada em 4 de Dezembro de 2013 
  3. «Paróquia de Monsanto». Arquivo Distrital da Castelo Branco. Consultado em 2 de Abril de 2014. 
  4. «Lei n.º 11-A/2013 (Reorganização administrativa do território das freguesias)» (PDF). Diário da República 1.ª Série, n.º 19, de 28 de janeiro. Consultado em 2 de fevereiro de 2013..  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  6. a b c «Aldeia Velha de Monsanto». IGESPAR. Consultado em 2 de Abril de 2014. 
  7. Pinho Leal, Augusto Soares d’Azevedo Barbosa de (1875). Portugal Antigo e Moderno - Diccionario. [S.l.]: Livraria Editora de Mattos Moreira & Companhia. p. 413 
  8. «Castelo e Muralhas de Monsanto». SIPA. Consultado em 2 de Abril de 2014. 
  9. «Castelo e muralhas de Monsanto». IGESPAR. Consultado em 2 de Abril de 2014. 
  10. «Pelourinho de Monsanto». IGESPAR. Consultado em 2 de Abril de 2014.