Montevidéu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Montevideu)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Montevideo (desambiguação).
Montevideo
Montevidéu
Montevideo collage.JPG
Coordenadas 34° 53' 01" N 56° 10' E
País Uruguai
Departamento Departamento de Montevidéu
Prefeito Daniel Martínez
Área  
  Total 200 km²
Altitude 43-136 m
População  
  Cidade (2011) 1 319 108
    Densidade   6 523/km²
  Metro 1 947 604
Website: www.montevideo.gub.uy

Montevidéu (português brasileiro) ou Montevideu (português europeu) (pronunciado, respetivamente: mõteviˈdɛw e mõtɨviˈdew; em castelhano Montevideo, pronunciado: monteβiˈðe.o) é a capital e maior cidade do Uruguai. De acordo com o censo de 2011, a cidade propriamente dita tem uma população de 1.319.108 (cerca de um terço da população total do país)[1] em uma área de 201 quilômetros quadrados. Montevidéu, situa-se na costa sul do país, na margem nordeste do rio da Prata.

A cidade foi fundada em 1724 por um soldado espanhol, Bruno Mauricio de Zabala, como um movimento estratégico em meio à disputa hispano-portuguesa sobre a região da Bacia do Prata. Ela também esteve brevemente sob domínio britânico em 1807. Montevidéu sediou todos os jogos da Copa do Mundo FIFA de 1930, a primeira edição deste evento esportivo. Montevidéu é a sede da sede administrativa do Mercosul e da ALADI, os principais blocos comerciais da América Latina, posição que implicou comparações com o papel de Bruxelas na Europa.[2]

O relatório de 2017 da consultoria Mercer sobre qualidade de vida classifica Montevidéu em primeiro lugar na América Latina,[3] posição que a cidade mantém desde 2005.[4][5][6][7][8] Em 2010, a capital uruguaia era a 19ª maior economia urbana do continente e a 9ª maior fonte de renda entre as principais cidades.[9] Em 2018, teve um PIB de 45,8 bilhões de dólares, com uma renda per capita de 26.700 dólares.

Em 2016, foi classificada como uma cidade global beta, oitava na América Latina e 78ª no mundo pela Universidade de Loughborough.[10] Descrita como "um lugar vibrante e eclético com uma rica vida cultural"[11] e "um próspero centro tecnológico de cultura empreendedora",[7] Montevidéu ocupa a 8ª posição na América Latina no Índice MasterCard Global Destination Cities de 2013.[12] Em 2014, também foi considerada a 5ª metrópole mais gay-friendly do mundo e a primeira na América Latina.[13][14] É o centro de comércio e ensino superior do Uruguai, bem como seu principal porto. A cidade é também o centro financeiro e cultural de uma área metropolitana maior, com uma população de cerca de 2 milhões de pessoas.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Há pelo menos duas versões a respeito da origem do nome. A primeira se baseia no diário de navegação da expedição de Fernão de Magalhães (em espanhol, Fernando de Magallanes), datado de janeiro de 1520. Esse documento registra a existência de um monte que se assemelhava a um chapéu, localizado à direita de quem navega de leste para oeste. A esse monte foi dado o nome de "Monte vi eu". Assinado por Francisco de Albo, contramestre da expedição, esse é o mais antigo documento em espanhol que menciona um nome similar a "Montevideo". A outra versão, apesar de não ter base em documentos históricos, é mais difundida. Ela dá conta de que, navegando pelo Rio da Prata de leste a oeste (do Oceano Atlântico para o continente), avista-se o 6º monte na região em que hoje se situa a capital uruguaia. Daí, o registro de "Monte VI de Este a Oeste", que de forma abreviada se escreve "Monte VI-D-E-O".[15]

História[editar | editar código-fonte]

Rio da Prata no século XVII.
Ver artigo principal: História de Montevidéu

Montevidéu nasceu de um pequeno povoado de índios tapes e imigrantes das Canárias, radicados em torno de um forte construído, em 1723, por ordem de Bruno Mauricio de Zabala, governador espanhol de Buenos Aires, para manter as tropas portuguesas de Manuel de Freitas da Fonseca fora do Rio da Prata.[16] Em 1726, adquire estatuto de cidade.[16]

No século XVIII, o crescimento de Montevidéu foi estimulado pela liberdade de comércio direto com as cidades espanholas, declarada por Carlos III em 1778.[16]

Além disso ela era o centro de exportação dos produtos da pecuária do interior da província e realizava trocas comerciais com Buenos Aires. Foi a partir dela, inclusive que partiram os navios espanhóis para libertar Buenos Aires, tomada pelos britânicos em 1806 e graças a isso foi também ocupada durante sete meses.[16]

Montevidéu no final do século XVIII.

Séculos XIX e XX[editar | editar código-fonte]

Montevidéu em 1865.

Após a conquista da Espanha por Napoleão Bonaparte e a prisão do rei espanhol, a junta de governo de Buenos Aires declara a independência do Vice-reinado do rio da Prata, mas em Montevidéu forma-se uma outra junta favorável à cisão. A disputa entre as duas cidades levou Montevidéu a enviar tropas da Espanha posteriormente e a ser retomada em 23 de junho de 1814.[16]

Conquistada por Portugal em 1817, tornou-se capital da Província Cisplatina do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve em 1821. Pertenceu ao Império do Brasil durante o reinado de D. Pedro I, chegando a receber o título de Imperial Cidade através do alvará de 15 de abril de 1825,[17] mas logo conquistou a sua independência na chamada Guerra da Cisplatina, em que recebeu o apoio da Argentina. Com a independência (1828) passou a ser capital do Uruguai.

Após a independência, a cidade foi palco de disputas políticas internas entre 1843 e 1851 na chamada Guerra Grande, contudo a partir da metade do século XIX, vê grande urbanização, crescimento populacional e industrial.[16] Montevidéu recebeu no início do século XX um contingente de imigrantes italianos e espanhóis e logo em seguida, a partir da década de 1930, de pessoas vindas do interior do país atraídas pelo crescimento da economia.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se na margem oriental (leste) do Rio da Prata (Río de la Plata) com 67 quilômetros de costa.[18] As altitudes são, em geral, baixas, cerca de 22 metros.[16]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é úmido e temperado, as temperaturas variam entre 34,6º e 2,6º, e média anual de 16 °C.[18] O inverno é muito ventoso, úmido e nublado. O Verão é quente e úmido, com pouco vento. No inverno, há muitas vezes uma rajada de ventos gelados e relativamente seco continental, massas de ar polar com ventos frios , que afectam a tranquilidade da cidade. No verão o calor pode ser embaraçoso quando uma tempestade se aproxima, por outro lado, quando o tempo está bom sopra um arrefecimento moderado durante as noites.

A menor temperatura registrada é -5,6 °C, enquanto a mais elevada é 42,8 °C. Neve é um incidente isolado na cidade, e também rara na região metropolitana. Granizo é uma ocorrência frequente durante o inverno. A chuva cai com regularidade ao longo do ano, atingindo em torno de 1 100 milímetros.

Dados climatológicos para Montevidéu (1961-1990)
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 42,8 40,3 38,4 36,7 32 27,4 29,8 30,8 32 35,8 38,2 40,8 42,8
Temperatura máxima média (°C) 28,4 27,5 25,5 22 18,6 15,1 15 16,2 18 20,5 23,7 26,5 21,4
Temperatura média (°C) 23 22,5 20,6 17,2 14 11,1 10,9 11,7 13,4 16 18,6 21,3 16,7
Temperatura mínima média (°C) 18 17,9 16,2 12,9 10,2 7,7 7,2 7,8 9,1 11,5 14,2 16,3 12,4
Temperatura mínima recorde (°C) 6 6,8 3,8 1,3 -2 -5,6 -5 -3,8 -2,4 -1,5 2,5 5 -5,6
Precipitação (mm) 86,8 101,5 104,6 85,5 89 83,1 86,4 88,2 93,9 108,5 89,3 84,4 1 101,2
Dias com precipitação 6 7 6 6 6 7 7 6 6 7 7 6 77
Umidade relativa (%) 68 69 73 75 78 82 80 77 74 71 71 67 74
Horas de sol 294,9 230,6 222,8 179,6 164,2 129,7 139,7 164,4 182,3 239 248,9 285,3 2 481,4
Fonte: Direção Nacional de Meteorologia do Uruguai (recordes absolutos de temperatura: 1901–1994)[19][20] e Organização Meteorológica Mundial (precipitações).[21]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Panorama do centro da cidade.

Em 1860, Montevidéu tinha 57.913 habitantes, incluindo pessoas de origem africana que foram trazidas como escravas e ganharam sua liberdade em meados do século. Em 1880, a população quadruplicou, principalmente devido à grande imigração europeia. Em 1908, sua população cresceu maciçamente para 309.331 habitantes.[22] No decorrer do século XX, a cidade continuou a receber um grande número de imigrantes europeus, especialmente espanhóis e italianos, seguidos por franceses, alemães ou holandeses, ingleses ou irlandeses, poloneses, gregos, húngaros, russos, croatas, libaneses, armênios e judeus de várias origens.[23] A última onda de imigrantes ocorreu entre 1945 e 1955.[15][24]

De acordo com o levantamento do censo realizado entre 15 de junho e 31 de julho de 2004, Montevidéu tinha uma população de 1.325.968 pessoas, em comparação com a população total do Uruguai de 3.241.003. A população feminina era de 707.697 (53,4%) enquanto a população masculina era responsável por 618.271 (46,6%). A população tinha diminuído desde o censo anterior realizado em 1996, com uma taxa de crescimento anual média de -1,5 por mil. O declínio contínuo foi documentado desde o período de recenseamento de 1975-1985, que mostrou uma taxa de -5.6 por mil. A diminuição é devida em grande parte às taxas menores fertilidade, parcialmente compensadas pela mortalidade e, em menor grau, pela migração. A taxa de natalidade diminuiu 19% de 1996 (17 por mil) para 2004 (13,8 por mil). Da mesma forma, a taxa de fecundidade total (TFT) diminuiu de 2,24 em 1996 para 1,79 em 2004. No entanto, a mortalidade continuou a cair com a expectativa de vida ao nascer para ambos os sexos aumentando em 1,73 anos.[25]

Religião[editar | editar código-fonte]

Igreja e Estado estão oficialmente separados desde 1916 no Uruguai. A religião com mais seguidores em Montevidéu é o catolicismo romano e tem sido assim desde a fundação da cidade. A Arquidiocese Católica Romana de Montevidéu foi criada como Vicariato Apostólico de Montevidéu em 1830. O vicariato foi promovido à Diocese de Montevidéu em 13 de julho de 1878.[26]

Montevidéu é a única arquidiocese do Uruguai e, como seu Ordinário, o arcebispo é também primaz da Igreja Católica no Uruguai. A igreja mãe da arquidiocese e sede do seu arcebispo é a Catedral da Imaculada Conceição e São Felipe e Santiago. O arcebispo de Montevidéu é Daniel Sturla Berhouet, desde sua nomeação em 11 de fevereiro de 2014.[27]

Outras religiões religiosas em Montevidéu são o protestantismo, a umbanda e o judaísmo. Há também muitas pessoas que se definem como ateias e agnósticas, enquanto outras professam "acreditar em Deus, mas sem religião".[28]

A Catedral Metropolitana de Montevidéu é a principal igreja católica romana de Montevidéu. Ele está localizado na Cidade Velha, imediatamente em toda a Praça da Constituição do Cabildo. Em 1740, uma igreja de tijolos foi construída no local. Em 1790, foi criada a fundação a atual estrutura neoclássica. A igreja foi consagrada em 1804.[29]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Palácio Municipal.

A prefeitura de Montevidéu exerce várias funções, incluindo manter a comunicação com o público, promover a cultura, organizar a sociedade, cuidar do meio ambiente e regular o trânsito. Sua sede é o Palácio Municipal, na Avenida 18 de Julio, na área do Centro de Montevidéu.[30]

Outro corpo, a Junta Departamental, ou o Parlamento de Montevidéu, governa o Departamento de Montevidéu. A Junta, composta por 31 membros eleitos e não eleitos, é responsável por coisas como a liberdade dos cidadãos, a regulamentação de atividades culturais, a nomeação de ruas e locais públicos e a colocação de monumentos; também responde a propostas do Intendente em várias circunstâncias.[31]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Montevidéu tem as seguintes cidades-irmãs:

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Montevideo Map.png
  1. Ciudad Vieja
  2. Centro
  3. Barrio Sur
  4. Aguada
  5. Villa Muñoz
  6. Cordón
  7. Palermo
  8. Parque Rodó
  9. Tres Cruces
  10. La Comercial
  11. Larrañaga
  12. La Blanqueada
  13. Parque Batlle
  14. Pocitos
  15. Punta Carretas
  16. Unión
  17. Buceo
  18. Malvín
  19. Malvín Norte
  20. Parque Guaraní
  1. Punta Gorda
  2. Carrasco
  3. Carrasco Norte
  4. Bañados de Carrasco
  5. Flor de Maroñas
  6. Maroñas
  7. Villa Española
  8. Ituzaingó
  9. Pérez Castellanos
  10. Mercado Modelo
  11. Brazo Oriental
  12. Jacinto Vera
  13. Reducto
  14. Capurro
  15. Prado
  16. Atahualpa
  17. Peñarol
  18. Belvedere
  19. La Teja
  20. Tres Ombúes
  1. Cerro
  2. Casabó
  3. Paso de la Arena
  4. Nuevo París
  5. Conciliación
  6. Sayago
  7. Piedras Blancas
  8. Colón Centro y Noroeste
  9. Lezica
  10. Colón Sudeste
  11. Manga
  12. Casavalle
  13. Cerrito
  14. Las Acacias
  15. Jardines del Hipódromo
  16. Lavalleja
  17. Punta de Rieles
  18. Villa García

Economia[editar | editar código-fonte]

World Trade Center de Montevidéu

Como capital do Uruguai, Montevidéu é o centro econômico e político do país. A maioria das maiores e mais ricas empresas uruguaias tem sua sede na cidade. Desde a década de 1990, a cidade passou por rápido desenvolvimento econômico e modernização, incluindo dois dos edifícios mais importantes do Uruguai - o World Trade Center Montevidéu (1998)[48] e a Torre das Telecomunicações (2000), a sede da empresa estatal de telecomunicações ANTEL, aumentando a integração da cidade no mercado global.[49]

O Porto de Montevidéu, na parte norte da Cidade Velha, é um dos principais portos da América do Sul e desempenha um papel muito importante na economia da cidade.[50][51] O porto vem crescendo rapidamente e consistentemente a uma taxa anual média de 14% devido a um aumento no comércio exterior. A cidade recebeu um empréstimo de 20 milhões de dólares do Banco Interamericano de Desenvolvimento para modernizar o porto, aumentar seu tamanho e eficiência e possibilitar menores custos de transporte marítimo e fluvial.[52]

Tradicionalmente, o setor bancário tem sido um dos setores de exportação de serviços mais fortes no Uruguai: o país já foi apelidado de "Suíça da América".[53] O maior banco do Uruguai é o Banco Republica (BROU), com sede em Montevidéu.[54] Quase 20 bancos privados, a maioria deles filiais de bancos internacionais, operam no país (Banco Santander, ABN AMRO, Citibank, entre outros). Há também uma infinidade de corretoras e agências de serviços financeiros, entre elas a Ficus Capital, a Galfin Sociedad de Bolsa, a Europa Sociedad de Bolsa, a Darío Cukier, a GBU, a Hordeñana & Asociados Sociedad de Bolsa, etc.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Plaza Independencia, na Cidade Velha.

O turismo é responsável por grande parte da economia do Uruguai. O turismo em Montevidéu é centrado na área de Cidade Velha, que inclui os edifícios mais antigos da cidade, vários museus, galerias de arte e discotecas, sendo a Rua Sarandí e o Mercado del Puerto os locais mais freqüentados da região.[55]

Na periferia da Cidade Velha, a Plaza Independencia está rodeada por muitos pontos turísticos, incluindo o Teatro Solís e o Palácio Salvo; a praça também constitui uma extremidade da Avenida 18 de Julho, o destino turístico mais importante da cidade fora da Cidade Velha. Além de ser uma rua comercial, a avenida é conhecida por seus edifícios art deco,[56] três importantes praças públicas, o Museu Gaúcho, o Palacio Municipal e muitos outros pontos turísticos. A avenida leva ao Obelisco de Montevidéu; além disso fica o Parque Batlle, que junto com o Parque Prado é outro importante destino turístico.[57]

Ao longo da costa, a Fortaleza del Cerro, a Rambla (a avenida costeira), 13 quilômetros de praias arenosas[58] e Punta Gorda atraem muitos turistas, assim como os bairros Barrio Sur e Palermo.[59]

Panorama da praia de Pocitos.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Estação Central General Artigas.

A Direção Nacional de Transporte (DNT), parte do Ministério dos Transportes e Obras Públicas, é responsável pela organização e desenvolvimento da infraestrutura de transporte de Montevidéu. Uma rede de serviços de ônibus cobre toda a cidade. Uma estação de ônibus internacional, o Terminal Rodoviário Tres Cruces, está localizada no andar inferior do Shopping Center Tres Cruces, ao lado da Artigas Boulevard. Este terminal, junto com o Terminal Rodoviário Baltazar Brum (ou Terminal Rio Branco) pelo Porto de Montevidéu, lida com as linhas de ônibus de longa distância e intermunicipais que conectam destinos dentro do Uruguai.[60][61]

A Administración de Ferrocarriles del Estado (AFE) opera três linhas ferroviárias urbanas, nomeadamente a Empalme Olmos, San Jose e Florida. Essas linhas operam nas principais áreas suburbanas de Canelones, San José e Florida. Dentro dos limites da cidade de Montevidéu, os trens locais param nas estações Lorenzo Carnelli, Yatai (Step Mill), Sayago, Columbus (linha para San José e Flórida), Peñarol e Manga (linha Empalme Olmos). A histórica Estação Central General Artigas do século XIX, localizada no bairro de Aguada, a seis quadras do distrito central de negócios, foi abandonada em 1º de março de 2003 e permanece fechada.[62][63] Uma nova estação, a 500 metros ao norte da antiga e parte do complexo moderno da Torre das Telecomunicações, assumiu o tráfego ferroviário.[64]

O Aeroporto Internacional de Carrasco serve Montevidéu e fica a 19 km do centro da cidade. Várias companhias aéreas internacionais operam lá. O aeroporto atende mais de 1.500.000 passageiros por ano.[65][66] O Aeroporto Internacional Ángel S. Adami é um aeroporto privado operado por pequenas empresas de táxi aéreo.[67]

A quantidade média de tempo que as pessoas gastam com o transporte público em Montevidéu, por exemplo, de ida e volta do trabalho, em um dia de semana é de 65 min. 14% dos passageiros do transporte público viajam por mais de 2 horas todos os dias. A média de tempo que as pessoas esperam em uma parada ou estação para o transporte público é de 14 min, enquanto 18% dos passageiros esperam por mais de 20 minutos em média todos os dias. A distância média que as pessoas geralmente andam em uma única viagem com transporte público é de 5,2 km, enquanto 6% viajam por mais de 12 km em uma única direção.[68]

O porto da baía de Montevidéu é uma das razões pelas quais a cidade foi fundada. Ele dá proteção natural aos navios, embora dois molhes agora protejam ainda mais a entrada do porto das ondas. Este porto natural é competitivo com o outro grande porto de rio da Prata, em Buenos Aires.[69] A proximidade do porto contribuiu para a instalação de várias indústrias na área ao redor da baía, particularmente empresas de importação/exportação e outros negócios relacionados à atividade portuária e naval. A densidade do desenvolvimento industrial na área em torno do porto manteve sua popularidade como área residencial relativamente baixa, apesar de sua centralidade. Os principais problemas ambientais são a sedimentação subaquática e a contaminação do ar e da água.[70] Todos os anos, chegam mais de cem cruzeiros, levando turistas a Montevidéu por meio de passeios públicos ou privados.[71]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Montevidéu tem um patrimônio arquitetônico muito rico e um número impressionante de escritores, artistas e músicos. O tango uruguaio é uma forma única de dança que se originou nos bairros de Montevidéu no final do século XIX. Tango, candombe e murga são os três principais estilos de música da cidade. A cidade é também o centro do cinema do Uruguai, que inclui filmes comerciais, documentários e experimentais. Há duas empresas de cinema que operam sete cinemas,[72][73] em torno de dez independentes e quatro cinemas de arte na cidade.[74] O teatro uruguaio é admirado dentro e fora das fronteiras do país. O Teatro Solís é o teatro mais proeminente do Uruguai e o mais antigo da América do Sul.[75]

Algumas da universidades presentes em Montevidéu remontam ao século XIX, como a Universidade da República, de 1849, e a Universidade do Trabalho do Uruguai, de 1878. Encontram-se ainda na cidade antigos teatros, como a Casa de Comedias de 1795, o Teatro Solís de 1856, museus como o Museu Histórico Nacional, o Museu Nacional de História Natural e o de Belas-Artes, e bibliotecas, como a Biblioteca Nacional do Uruguai.[16]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Sendo o futebol o esporte preferido dos uruguaios, Montevidéu foi sede da primeira Copa do Mundo de Futebol realizada pela FIFA, em 1930.

Seus clubes de futebol tradicionais são o Peñarol, onde atuaram Ghiggia, Pedro Rocha, Elias Figueroa, e o Nacional, onde atuaram Ancheta, Manga, Hugo de León. Ambos os clubes têm conquistas sul-americanas (Copa Libertadores da América) e mundiais (Mundial Interclubes). Recentemente, o Defensor e o Danubio vêm destacando-se no cenário nacional.

Existem também equipes de críquete e pólo, destacadas no âmbito sul-americano. O turfe é tradicional e o Hipódromo de Maroñas, em Flor de Maroñas, é bastante frequentado.

Referências

  1. «Censos 2011 Montevideo». INE. 2012. Consultado em 3 de setembro de 2012.. Arquivado do original em 11 de novembro de 2012 
  2. «Google Earth Montevideo Map». One World - Nations Online Project. Consultado em 5 de março de 2015. 
  3. «2017 Quality of Living Survey». Mercer. Consultado em 12 de outubro de 2017. 
  4. «Quality of Living Worldwide City Rankings Survey» (PDF). Mercer. Consultado em 24 de fevereiro de 2014.. Arquivado do original (PDF) em 3 de dezembro de 2013 
  5. «Archived copy». Consultado em 17 de novembro de 2009.. Arquivado do original em 29 de novembro de 2009 
  6. El País, ed. (3 de abril de 2007). «Montevideo: mejor ciudad para vivir en la región». Consultado em 3 de maio de 2018. 
  7. a b Fast Company, ed. (12 de março de 2013). «The 8 Smartest Cities In Latin America». Consultado em 3 de maio de 2018. 
  8. Mercer, ed. (2014). «2014 QUALITY OF LIVING WORLDWIDE CITY RANKINGS – MERCER SURVEY». Consultado em 3 de maio de 2018. 
  9. McKinsey Company (ed.). «Global cities of the future». Consultado em 3 de maio de 2018. 
  10. «The World According to GaWC 2016». Geography Department, Ghent University. Consultado em 16 de julho de 2017. 
  11. http://www.lonelyplanet.com/uruguay/montevideo
  12. «MasterCard Global Destination Cities Index» (PDF) 
  13. «The most gay-friendly places on the planet». Lonely Planet. Consultado em 3 de dezembro de 2014. 
  14. {https://nomadlist.com/gay-friendly-cities-in-south-america}
  15. a b Javier Meneses Silva. «Reseña histórica y datos varios». tacuy.com.uy (em Spanish). Consultado em 17 de novembro de 2009. 
  16. a b c d e f g h Montevidéu in Grande Enciclopédia Barsa. vol. 10. 3ª ed. São Paulo: Barsa Planeta Internacional, 2004. pp.147-148 ISBN 85-7518-169-6
  17. «Instituto Histórico de Petrópolis - Alguns Equívocos Relacionados à História Petropolitana - Acessado em 01/08/07.» 
  18. a b Presidencia de la República. Noticias:Tasa de desempleo se situó en 6,1 %. Acessado em 1 de Junho de 2014
  19. «RECORDS METEOROLOGICOS EN EL URUGUAY» (em espanhol). Direção Nacional de Meteorologia do Uruguai. Consultado em 30 de abril de 2014. 
  20. «Estadísticas climatológicas : Estación Meteorológica Prado» (em inglês). Direção Nacional de Meteorologia do Uruguai. Consultado em 26 de março de 2013. 
  21. «World Weather Information Service – Montevideo» (em inglês). World Meteorological Organization. Consultado em 26 de março de 2013. 
  22. Javier Meneses Silva. «Datos en el cuerpo de todo el artículo» (em Spanish). Tacuy.com.uy. Consultado em 15 de novembro de 2010. 
  23. «Emigración en Uruguay». El Rincón del Vago. Consultado em 25 de novembro de 2010. 
  24. Ariel Collazo. «El origen del nombre Montevideo» (em espanhol). La Republica 21. Consultado em 20 de novembro de 2010. 
  25. «Census Phase I, 2004» (PDF). Government of Uruguay. pp. 4, 11, 13, 17, 22, 23 
  26. Wikisource-logo.svg Herbermann, Charles, ed. (1913). «Archdiocese of Montevideo». Enciclopédia Católica (em inglês). Nova Iorque: Robert Appleton Company 
  27. David M. Cheney. «Archbishop Daniel Sturla, SDB» (em inglês). Catholic-Hierarchy.org. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  28. «Extended National Household Survey, 2006: Religion» (PDF) (em Spanish). National Institute of Statistics. Arquivado do original (PDF) em 27 de setembro de 2013 
  29. «Montevideo Travel Guide». Easy Destination. Consultado em 17 de novembro de 2010. 
  30. Trámites y servicios|Intendencia de Montevideo Arquivado em 26 de abril de 2011 no Wayback Machine.. Montevideo.gub.uy. Acessado em 20 de novembro de 2010.
  31. El Parlamento de Montevideo Arquivado em 21 de abril de 2013 no Archive.is (em espanhol)
  32. Intendencia Municipal de Montevideo. «Proyecto de Acta de Hermanamiento entre las ciudades de Arica y Montevideo» (PDF) (em Spanish). Consultado em 24 de julho de 2013. [ligação inativa] 
  33. «Barcelona internacional – Ciutats agermanades» (em Spanish). 2006–2009 Ajuntament de Barcelona. Consultado em 13 de julho de 2009.. Arquivado do original em 5 de agosto de 2009 
  34. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac «Relaciones internacionales» (em Spanish). Intendencia Municipal de Montevideo. Consultado em 12 de dezembro de 2011.. Arquivado do original em 8 de novembro de 2011 
  35. Lei Municipal de Curitiba 7438 de 1990 WikiSource (português)
  36. «Melilla se hermana con Montevideo». Noticia de InfoMelilla (em espanhol). infomelilla.com. Consultado em 17 de novembro de 2009. 
  37. Intendencia Municipal de Montevideo. «Montevideo y París firman acuerdo de hermanamiento». Consultado em 10 de janeiro de 2014. 
  38. People's Daily Online – Montevideo, Chinese Qingdao become sister cities
  39. «Town Twinning Agreements». Municipalidad de Rosario - Buenos Aires 711. Consultado em 14 de outubro de 2014. 
  40. «St. Petersburg in figures > International and Interregional Ties». Eng.gov.spb.ru. Consultado em 30 de abril de 2010. 
  41. «Pesquisa de Legislação Municipal – No 14471» [Research Municipal Legislation – No 14471]. Prefeitura da Cidade de São Paulo [Municipality of the City of São Paulo]. Consultado em 23 de agosto de 2013.. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2011 
  42. Lei Municipal de São Paulo 14471 de 2007 WikiSource (português)
  43. 友好城市 (Friendly cities) Arquivado em 19 de julho de 2014 no Wayback Machine., 市外办 (Foreign Affairs Office), 2008-03-22.
  44. 国际友好城市一览表 (International Friendship Cities List) Arquivado em 13 de novembro de 2013 no Wayback Machine., 2011-01-20.
  45. 友好交流 (Friendly exchanges) Arquivado em 12 de novembro de 2014 no Wayback Machine., 2011-09-13.
  46. El alcalde de Montevideo regala la "llave de la ciudad" al Presidente Jiang Zemin
  47. Hermanamiento con Ulsan | Intendencia de Montevideo
  48. «Montevideo». Skyscraper Page. Consultado em 19 de novembro de 2010. 
  49. «Complejo Torre». ANTEL. Consultado em 20 de novembro de 2010. 
  50. «Puertos de Montevideo». World Port Source. Consultado em 20 de novembro de 2010. 
  51. «Puertos Comerciales del Uruguay – Montevideo». Administracion Nacional de Puertos. Consultado em 20 de novembro de 2010.. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2010 
  52. «Uruguay grts IDB financing to modernize the port of Montevideo». Banco Interamericano de Desenvolvimento. Consultado em 19 de novembro de 2010. 
  53. «Uruguay is Worth a Visit». BootsnAll Travel Network. Consultado em 20 de novembro de 2010. 
  54. «BROU sitemap». BROU. Consultado em 20 de novembro de 2010. 
  55. «La nueva Ciudad Vieja». Intendencia de Montevideo. Consultado em 26 de novembro de 2010. 
  56. «Art déco». Intendencia de Montevideo. Consultado em 26 de novembro de 2010.. Arquivado do original em 19 de outubro de 2011 
  57. «El Prado». Intendencia de Montevideo. Consultado em 26 de novembro de 2010.. Arquivado do original em 10 de setembro de 2014 
  58. «Costa». Intendencia de Montevideo. Consultado em 26 de novembro de 2010. 
  59. «Barrios Sur y Palermo». Intendencia de Montevideo. Consultado em 26 de novembro de 2010.. Arquivado do original em 27 de julho de 2011 
  60. Tres Cruces Terminal
  61. A.F.E.
  62. «Observa Ciudadano :: Montevideo – Uruguay ::». Observa.com.uy. Consultado em 16 de setembro de 2011. 
  63. «Consultor ferroviario europeo visitará la Estación Central General Artigas». Sociedad Uruguaya. Consultado em 16 de setembro de 2011. 
  64. «Passenger Group defending Montevideo Central Station». Lfu1.tripod.com. Consultado em 16 de setembro de 2011. 
  65. Blore, Shawn; Shane Christensen; Alexandra de Vries; Eliot Greenspan; Haas Mroue; Neil E. Schlecht; Kristina Schreck (2004). Frommer's South America. [S.l.]: John Wiley and Sons. pp. 672–673. ISBN 978-0-7645-5625-8 
  66. Carrasco International Airport Arquivado em 30 de agosto de 2009 no Wayback Machine.
  67. Dirección Nacional de Aviación Civil e Infraestructura Aeronaútica (DINACIA). «Compañías de Taxi Aéreo» (em espanhol) 
  68. «Montevideo Public Transportation Statistics». Global Public Transit Index by Moovit. Consultado em 19 de junho de 2017. 
  69. «Infraestructura Física – Proyecto Nueva Terminal de Contenedores del Puerto de Montevideo.» (em spanish). Puerto de Montevideo. Consultado em 17 de novembro de 2009.. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2009 
  70. Pierre Gautreau. «La Bahía de Montevideo: 150 años de modificación de un paisaje costero y subacuático» (PDF). Véase página 3 del archivo (em espanhol). Consultado em 15 de julho de 2008.. Arquivado do original (PDF) em 12 de janeiro de 2016 
  71. «Cruise tours at Montevideo» 
  72. «Movie Center». Movie Center. Consultado em 16 de setembro de 2011. 
  73. «MVD CMS 5.1.2». Grupocine. Consultado em 16 de setembro de 2011. 
  74. «Cinemateca Uruguaya». Cinemateca.org.uy. Consultado em 16 de setembro de 2011. 
  75. Salgado, Susana (2003). The Teatro Solís: 150 years of opera, concert, and ballet in Montevideo. [S.l.]: Wesleyan University Press. ISBN 0-8195-6594-6 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Montevidéu
Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Montevideo