Mordovianos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mordovianos erzya e moksha
População total

843 350 (2002)

Regiões com população significativa
Mordóvia, Oblast de Riazan, Tartaristão, Oblast de Ulianovsk, Oblast de Samara
Línguas
Erzya, moksha, russo
Religiões
Predominante: Cristianismo ortodoxo
(Igreja Ortodoxa Russa)
também a religião nativa mordoviana
e o luteranismo, molokanos e jumperos[1]
Grupos étnicos relacionados
Maris; outros grupos fino-bálticos

Mordovianos, também chamados de mordóvios, mordvinos ou mordovinos (em erzya: эрзят/erźat, em moksha: мокшет/mokšet, em russo: мордва/mordva) são os membros de um povo que fala uma língua mordóvica da família das línguas urálicas e vive principalmente na República da Mordóvia e em outras partes da região média do Rio Volga, na Rússia.[2]

São um dos maiores povos indígenas da Rússia. Eles se identificam como grupos étnicos separados:[2] os erzyanos e os mokshas, além de subgrupos menores dos mordovianos de Qaratay, Teryukhan e Tengushev (ou Shoksha) que tornaram-se completamente russificados ou turquimizados nos séculos XIX a XX. Menos de um terço dos mordovianos vivem na república autônoma da Mordóvia. O resto está espalhado sobre os oblasts russos de Samara, Penza, Oremburgo e Níjni Novgorod, bem como o Tartaristão, a Chuváchia, Bascortostão, a Ásia Central, Sibéria, o Extremo Oriente, o Cazaquistão, Azerbaijão, Armênia e os Estados Unidos.

Os mordovianos erzya (em erzya: эрзят, erzyat; também erzia, erza), que falam o erzya, e os mordovianos mokshas (em moksha: мокшет, Mokshet), que falam o moksha, são os dois principais grupos. Os mordovianos qaratay vivem no distrito de Kamsko-Ustyinsky do Tartaristão e substituíram sua língua pelo tártaro, embora com uma grande proporção do vocabulário mordoviano (um substrato). Os teryukhan, que moravam na região de Níjni Novgorod da Rússia, substituíram sua língua pelo russo no século XIX. Eles reconhecem o termo mordva como pertencente a eles, enquanto os qaratay também se autodenominam mukshas. Os mordovianos tengushev vivem no sul da Mordóvia e são um grupo de transição entre o moksha e o erzya.[3]

Os erzyanos do oeste também são chamados de Shoksha (ou Shoksho). Eles estão isolados da maior parte dos erzyanos, e seu dialeto/idioma foi influenciado pelos dialetos dos mokshas.

Nomes[editar | editar código-fonte]

Mordva populi (mordovianos) mostrados num mapa de 1550 por Giacomo Gastaldi como residentes ao sul de Kasimov e Níjni Novgorod

Enquanto Robert Gordon Latham identificou Mordva (mordoviano, em russo) como uma auto-designação, identificando-a como uma variante do nome Mari,[4] Aleksey Shakhmatov no início do século XX observou que mordva não foi usado como auto-designação pelas duas tribos mordovianas dos erzyanos e dos moksha.[5] O professor Gábor Zaicz sublinha que os mordovianos não usam o nome como uma autodeclaração.[6] Feoktistov escreveu que "os chamados mordovianos tengushev são erzyanos que falam o dialecto erzya com o substrato moksha e, na verdade, eles são um grupo etnográfico dos erzyanos, geralmente conhecidos como Shokshas. Estes eram erzyanos que historicamente referiam-se como mordovianos e os mokshas geralmente eram mencionados separadamente como 'mokshas'. Não há evidências de que os mokshas e erzyanos fossem uma unidade étnica na pré-história".[7] Isabelle T. Keindler escreveu: "Gradualmente grandes diferenças desenvolvidas em costumes, linguagem e até mesmo aparência física (até a sua conversão ao cristianismo, os erzyanos e os mokshas não se casaram e até hoje casamentos entre si são raros.) As duas subdivisões mordovianas não compartilham heróis populares em comum - suas antigas músicas tradicionais entonam apenas heróis locais. Nenhuma das duas línguas tem um termo comum para designar a si próprio ou a sua língua. Quando um orador deseja se referir aos mordovianos como um todo, ele usa o termo "Erzia e Moksha".[8]

Referências iniciais[editar | editar código-fonte]

O etnônimo Mordva é provavelmente atestado na Gética de Jordanes na forma de Mordens que, segundo ele, estavam entre os súditos do rei gótico Hermenerico.[9] Uma terra chamada Mordia a uma distância de dez dias de viagem dos pechenegues é mencionada em Sobre a Administração Imperial de Constantino VII.[10] Em fontes europeias medievais apareceram os nomes Merdas, Merdinis, Merdium, Mordani, Mordua, Morduinos. Na Crônica Primária Russa, os etnônimos Mordva e mordvichi aparecem pela primeira vez no século XI. Após a invasão mongol da Rússia, o nome mordoviano raramente é mencionado nos anais russos e só é citado após a Crônica Primária até o século XV-XVII.[11][12]

Etimologias[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que o nome "Mordva" originou-se de uma palavra (cita) iraniana mard, que significa "homem". A palavra mordoviana mirde denotando um marido ou esposa possui a mesma origem. Esta palavra provavelmente também está relacionada com a sílaba final do "udmurte", e também em komi: mort e talvez até em mari: marij.[13]

Acredita-se que "Erzya" deriva do persa: arshan, homem. A primeira menção escrita da palavra é encontrada em uma carta datada de 968 por José, o Cazar sob a forma de arisa, e às vezes pensou estar nas obras de Estrabão e Ptolemeu chamada de Aorsy e Arsiity, respectivamente. Al-Istajri no século X registrou entre os três grupos do povo Rus' os al-arsanija, cujo rei morava na cidade de Arsa. Pessoas às vezes são identificadas por estudiosos como erzyanos, às vezes como o povo aru e também como udmurtes. Historiadores sugeriram que a cidade Arsa pode se referir a Riazan ou a Archa moderna.[10] No século XIV, o nome Erzya era considerado como mencionado na forma de ardzhani por Raxide Aldim Hamadani,[14] e como rzjan por Jusuf, o Nogaj khan.[15] Em fontes russas, o etnônimo Erza aparece no século XVIII.[16]

Pensa-se que "Moksha" deriva do nome do Rio Moksha (um hidrônimo de origem iraniana, cognato em sânscrito: moksha; "liberação, soltura").[17] A primeira menção escrita de moksha na forma de Moxel é considerada em obras do viajante flamengo do século XIII Guilherme de Rubruck e na crônica persa de Raxide Aldim, que relatou que Horda Dourada estava em guerra com os Moksha e os Ardzhans (Erzia). Nas fontes russas, a palavra aparece do século XVII.[18]

Estrutura étnica[editar | editar código-fonte]

Os mordovianos são divididos em dois subgrupos étnicos[19][20] e mais três subgrupos:[4][21]

  • O povo erzya ou erzyanos (em erzya: Эрзят/Erzyat), falante da língua erzya. Menos da metade dos erzyanos vivem na República Autônoma da Mordóvia, na Federação Russa, no Rio Sura e na região do Rio Volga. O resto está espalhado sobre os oblasts russos de Samara, Penza, Oremburgo, bem como o Tartaristão, Chuváchia, Bascortostão, Sibéria, Extremo Oriente, Armênia e os EUA.
  • O povo moksha ou mokshas (em moksha: Мокшет/Mokshet), falantes da língua moksha. Menos da metade da população moksha vive na Mordóvia, Federação Russa, na bacia do Rio Volga. O resto está espalhado sobre os oblasts russos de Samara, Penza, Oremburgo, bem como o Tartaristão, Sibéria, Extremo Oriente, Armênia, Estônia, Austrália e os EUA.
  • Os mordovianos shoksha ou tengushev constituem um grupo de transição entre os povos erzyanos e mokshas e vivem na parte sul da República da Mordóvia, na região de Tengushevsk e Torbeevsk.
  • Os mordovianos karatai ou qaratays vivem na República do Tartaristão. Eles não falam mais uma língua volga-fínica, mas assimilaram-se com os tártaros.
  • Os mordovianos teryukhan vivem perto de Níjni Novgorod e foram completamente russificados em 1900, e hoje inequivocamente se identificam como russos étnicos.

Nikolai F. Mokshin conclui que o agrupamento acima não representa subdivisões de ordem etno-taxonômica iguais, e desconta os Shoksha, Karatai e Teryukhan como etnônimos, identificando duas sub-etnias mordovianas, os erzya e moksha, e dois "grupos etnográficos", os Shoksha e os Karatai.[22]

Mais dois grupos anteriormente mordovianos têm assimilado a influência do superstrato (eslavo e turco):

Aspectos[editar | editar código-fonte]

Mulheres do Oblast de Penza da etnia erzya vestidas com trajes tradicionais
Meninas moksha em trajes tradicionais

A edição de 1911 da Encyclopædia Britannica observou que os mordovianos, embora tenham abandonado em grande parte a sua língua, mantiveram "uma boa parte do seu traje nacional antigo, especialmente o das mulheres, cujas saias profusamente bordadas, cabelo e vestidos originais com brincos que, por vezes, são meramente caudas de lebre, e numerosos colares que cobrem todo o seio e que consistem em todos os ornamentos possíveis, as distinguem facilmente das mulheres russas."[24]

A Britannica descreveu os mordovianos como tendo principalmente cabelo escuro e olhos azuis, com uma forma bastante pequena e estreita. Os mokshas foram descritos como tendo uma pele mais escura e olhos mais escuros do que os erzyanos, enquanto os qaratays foram descritos como uma "mistura com os tártaros".

Latham descreveu o povo como mais altos do que os mari, com barbas finas, rostos planos e cabelos castanhos ou vermelhos, sendo os cabelos vermelhos mais frequentes entre os erzyanos do que os mokshas.[4] James Bryce descreveu "a peculiar fisionomia fínica" da diáspora dos mordovianos na Armênia, "transplantada para o Meio do Volga por vontade própria", caracterizada por "rostos largos e suaves, olhos longos, um nariz bastante planificado".[25]

Folclore e mitologias[editar | editar código-fonte]

Latham relatou fortes elementos pagãos que sobrevivem à cristianização.[4] De acordo com Tatiana Deviatkina, embora compartilhando algumas semelhanças, nenhuma mitologia comum dos mordovianos surgiu e, portanto, as mitologias erza e moksha são definidas separadamente.[26]

Na mitologia erza, as divindades superiores foram incubadas com um ovo. A mãe dos deuses é chamada Ange Patiai, seguida pelo deus Sol, Chipaz, que deu à luz Nishkepaz, o deus da Terra. Mastoron kirdi e o deus vento, Varmanpaz. Da união de Chipaz e da Mãe da Colheita, Norovava, nasceu o deus do submundo, Mastorpaz. O deus do trovão, Pur’ginepaz, nasceu de Niskende Teitert (a filha da mãe dos deuses, Ange Patiai). A criação da Terra é seguida pela criação do Sol, da Lua, da humanidade e dos erza. Os seres humanos foram criados por Chipaz, que, em uma versão, moldou a humanidade da argila, enquanto em outra, do solo.

Na mitologia moksha, o deus supremo é chamado Viarde Skai. De acordo com as lendas, a criação do mundo passou por várias etapas: primeiro, o Diabo umedeceu o material de construção na boca e cuspiu. O pedaço que foi cuspido tornou-se uma planície, que foi modelada de forma desigual, criando abismos e montanhas. Os primeiros seres humanos criados por Viarde Skai podiam viver por 700-800 anos e eram gigantes de 99 arinnes. O submundo na mitologia dos mokshas era governado por Mastoratia.

História[editar | editar código-fonte]

Pré-história[editar | editar código-fonte]

Fínicos, eslavos e cazares por volta do século IX. Mordovianos são indicados na cor cinza

Os mordovianos emergiram do grupo dos fínicos do Volga em torno do século I[27]

A prova de que há muito se estabeleceram nas proximidades do Volga também é encontrado no fato de que eles ainda chamam o rio Rav, refletindo o nome Rha registrado por Ptolemeu[28][29] (ca 100 aC – ca 170).

Os pesquisadores distinguiram os antepassados dos erzyanos e dos mokshas de meados do século I pelas diferentes orientações de seus enterros e por elementos de seus trajes e variedade de jóias de bronze encontradas pelos arqueólogos em seus antigos cemitérios. Os túmulos dos erzyanos desta era foram orientados para o norte-sul, enquanto as sepulturas dos mokshas eram encontradas orientadas para o sul-norte.[10]

A língua mordóvica começou a divergir em moksha e erzya ao longo do primeiro milênio.[30][31] Os erzyanos moravam nas partes do norte do território, perto da atual Níjni Novgorod. Os mokshas viveram mais ao sul e ao oeste da Mordóvia atual, mais perto das tribos vizinhas iranianas Bolgar e Turkic, e caíram sob sua influência cultural.

A organização social de ambas as tribos dependia do patriarcado; elas eram chefiadas por anciãos kuda-ti que selecionavam um tekshtai, anciãos idosos responsáveis pela coordenação de regiões mais amplas.

História inicial[editar | editar código-fonte]

Cerca de 800 d.C. dois grandes impérios emergiram nas proximidade: a Rússia de Quieve na atual Ucrânia e a Rússia adotaram o cristianismo ortodoxo; o Reino de Bolgar, localizado na confluência dos rios Kama e Volga, adotaram o Islã, e algumas áreas mokshas tornaram-se afluentes até o século XII.

Seguindo a fundação de Novogárdia pela Rússia de Quieve em 1221, o território mordoviano caiu cada vez mais sob a dominação russa, empurrando populações mordovianas para o sul e para o leste além dos Urais e reduzindo sua coesão.

O avanço russo foi interrompido pelo Império Mongol, e os mordovianos tornaram-se sujeitos à Horda Dourada até o início do século XVI.

A cristianização dos povos mordovianos ocorreu nos séculos XVI a XVIII, e a maioria da população aderiu à Igreja Ortodoxa Russa, todos portadores de nomes ortodoxos russos. No século XIX, Latham relatou fortes elementos pagãos que sobreviveram à cristianização; os principais deuses dos erzyanos e mokshas são chamados Paas e Shkai, respectivamente.

História moderna[editar | editar código-fonte]

Na Rússia czarista, os mordovianos eram conhecidos como carpinteiros capazes, e Ivan, o Terrível os usava para construir pontes e florestas limpas durante seu avanço em Cazã.[24]

Embora os mordovianos tenham recebido um território autônomo como uma nação titular na União Soviética em 1928, a Russificação se intensificou durante a década de 1930, e o conhecimento das línguas mordóvicas na década de 1950 estava em rápido declínio.

Após a queda da União Soviética, os mordovianos, como outros povos indígenas da Rússia, experimentaram um aumento na consciência nacional. O poema épico nacional erzya é chamado Mastorava, que significa "Mãe Terra". Foi compilado por Aleksandr Sharonov e publicado pela primeira vez em 1994 na língua erzya (desde então, foi traduzido para o moksha e russo). Mastorava também é o nome de um movimento de separatismo étnico fundado por D. Nadkin da Universidade Estadual Mordoviana, ativo no início da década de 1990.[32]

Línguas[editar | editar código-fonte]

As línguas mordóvicas, um subgrupo da família urálica, são o erzya e o moksha, com cerca de 500 mil falantes nativos cada. Ambas são línguas oficiais da Mordóvia ao lado do russo. A língua mesquiteria medieval pode ter sido mordoviana, ou relacionada.

Erzya é falado nas partes do norte, leste e noroeste da Mordóvia e regiões adjacentes de Níjni Novgorod, Chuváchia, Penza, Samara, Saratov, Oremburgo, Ulyanovsk, Tartaristão e Bascortostão. Moksha é o idioma majoritário na parte ocidental da Mordóvia.

Devido às diferenças em fonologia, léxico e gramática, erzya e moksha não são mutuamente inteligíveis, na medida em que a língua russa é frequentemente usada para comunicações intergrupais.[33]

As duas línguas mordóvicas também têm formas literárias separadas. A língua literária erzya foi criada em 1922 e o moksha em 1923.[34] Ambas estão atualmente escritas usando o alfabeto russo padrão.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Mordovianos na região do Volga-Urais (censo de 2010)

Latham (1854) citou uma população total de 480 000.[4] Mastyugina (1996) citou uma população de 1,15 milhões.[35] O censo da Rússia de 2002 informa 0,84 milhões.

De acordo com estatísticas de Pirkko Suihkonen da Universidade de Helsinque em 1987, menos de um terço dos mordovianos morava na república autônoma da Mordóvia, na bacia do Rio Volga.[36]

Outros estão espalhados (2002) sobre os oblasts russos de Samara (116 475), Penza (86 370), Oremburgo (68 880) e Níjni Novgorod (36 705), Ulianovsk (61 100), Saratov (23 380), Moscou (22 850), Tartaristão (28 860), Chuváchia (18 686), Bascortostão (31 932), Sibéria (65 650), Extremo Oriente Russo (29 265).[carece de fontes?]

Populações em partes da antiga União Soviética que hoje não fazem parte da Rússia são: República do Quirguistão (5 390), Turquemenistão (3 490), Usbequistão (14 175), Cazaquistão (34 370), Azerbaijão (1 150), Estônia (985), Armênia (920).[carece de fontes?]

Lista de mordovianos notáveis[editar | editar código-fonte]

Erzyanos
Mokshas

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Molokans and Jumpers are Russians, Ukrainians, Chuvashs, Mordvins, Armenians ...
  2. a b The Editors of Encyclopædia Britannica (1967). «Mordvin». Encyclopædia Britannica. Consultado em 20 de junho de 2017. 
  3. Wixman 1984, p. 63.
  4. a b c d e Latham, Robert Gordon (1854). The Native Races of the Russian Empire. [S.l.]: H. Bailliere 
  5. Balzer, Marjorie (1995). Culture Incarnate: Native Anthropology from Russia. [S.l.]: M.E. Sharpe. ISBN 978-1-56324-535-0 
  6. Language death and language maintenance: theoretical, practical and descriptive approaches. Edited by Mark Janse and Sijmen Tol – 2003 – Language Arts & Disciplines – pages 244 ISBN 90-272-4752-8
  7. Feoktistov A.P. K probleme mordovsko-tyurkskikh yazykovykh kontaktov // Etnogenez mordovskogo naroda. – Saransk, 1965. – P.331-343
  8. Keindler, Isabelle T. (1 de janeiro de 1985). «A doomed Soviet nationality ?». Cahiers du monde russe et sovietique. Vol 26 N1. Janvier–Mars. EHESS. Consultado em 20 de junho de 2017. 
  9. (Getica XIII, 116) "Among the tribes he [Ermanarich] conquered were the Golthescytha, Thiudos, Inaunxis, Vasinabroncae, Merens, Mordens, Imniscaris, Rogas, Tadzans, Athaul, Navego, Bubegenae and Coldae" — The Origin and Deeds of the Goths (116).
  10. a b c Klima, László (1996). The Linguistic Affinity of the Volgaic Finno-Ugrians and Their Ethnogenesis (PDF). [S.l.]: Societas Historiae Fenno-Ugricae. ISBN 978-951-97040-1-2 
  11. (Kirjanov 1971, 148–149) Laslo
  12. Kappeler (1982) Taagepera
  13. Bryant, Edwin (2005). The Indo-Aryan Controversy. Abingdon: Routledge. ISBN 978-0-7007-1463-6 
  14. (Sbornik... 1941, 96) see László
  15. (Safargaliev 1964, 12) László
  16. (Mokshin 1977, 47) László
  17. all according to Mokshin (1995), p. 32.
  18. (Mokshin 1977, 47)László
  19. Bromley, Julian (1982). Present-day Ethnic Processes in the USSR. [S.l.]: Progress Publishers 
  20. «MORDVINS (Erzyas and Mokshas)». Information Center of Finno-Ugric Peoples. Consultado em 20 de junho de 2017. 
  21. Mokshin (1995), p. 43. Latham in his account of the "Native Races of the Russian Empire" (1854) divided the Mordvins into three groups, viz. the Ersad, on the Oka River, the Mokshad, on the Sura River and the Karatai, in the neighbourhood of Kazan.
  22. "A estrutura étnica do povo mordoviano atualmente revela duas sub-teorias — Erzia e Moksha — e dois grupos etnográficos – os chamados Shoksha e Karatai" Mokshin (1995), p. 43
  23. Tengushev Mordvins, Karatai Mordvins, Teryukhan Mordvins, Meshcheryaks, Mishars in Stuart, James (1994). An Ethnohistorical Dictionary of the Russian and Soviet Empires. Westport, Connecticut: Greenwood Publishing Group. p. A491,492, 545. ISBN 978-0-313-27497-8 
  24. a b Hugh Chisholm, ed. (1911). «Mordvinians». Encyclopædia Britannica 11ª ed.  
  25. Bryce, James (1877) [2005]. Transcaucasia and Ararat: being notes of a vacation tour in the autumn of 1876. Londres: Macmillan and Co. p. 172. ISBN 1-4021-6823-3 
  26. Tatiana, Deviatkina (2001). «Some Aspects of Mordvin Mythology» (PDF). Folk Belief and Media Group of ELM. Consultado em 20 de junho de 2017. 
  27. Mokshin, p. 32
  28. Pre-and Proto-historic Finns by Abercromby, pp. 8
  29. Taylor, Isaac (1898). Names and Their Histories. [S.l.]: Rivingtons 
  30. Taagepera, p. 152
  31. Mokshin (1995), p. 33.
  32. Tatiana Mastyugina, Lev Perepelkin, Vitaliĭ Vyacheslavovich Naumkin, Irina Zviagelskaia, An Ethnic History of Russia: Pre-revolutionary Times to the Present, Greenwood Publishing Group (1996), ISBN 0-313-29315-5, p. 133; Timur Muzaev, Ėtnicheskiĭ separatizm v Rossii (1999), p. 166ff.
  33. Minahan, James (2000). "Mordvin+language" One Europe, Many Nations. Westport, Connecticut: Greenwood Publishing Group. p. A489. ISBN 978-0-313-30984-7 
  34. Wixman, Ronald (1984). The Peoples of the USSR. [S.l.]: M.E. Sharpe. p. A137. ISBN 978-0-87332-506-6 
  35. Mastyugina, Tatiana; Perepelkin, Lev (1996). An Ethnic History of Russia. Westport, Connecticut: Greenwood Publishing Group. p. A133. ISBN 978-0-313-29315-3 
  36. Maticsák, S. «The Types of the Mordvin Settlement Names.» (PDF) 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notícias do país

Toponímia de mordoviano (em Mordóvia e em toda a região do Meio do Volga):

  • Info-RM Notícias da República de Mordóvia na língua moksha
  • Finno-Ugric Notícias do mundo, artigos em moksha