Assassinato de George Floyd

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Morte de George Floyd)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Assassinato de George Floyd
O momento em que Floyd é imobilizado pelo policial Derek Chauvin
Hora c. 20:00h (UTC−05:00)
Data 25 de maio de 2020 (2020-05-25); 1 mês e 11 dias atrás
Local Minneapolis, Minnesota, Estados Unidos
Coordenadas 44° 56′ 04″ N, 93° 15′ 45″ O
Filmado por Darnella Frazier[1]
Participantes Derek Chauvin, Tou Thao, Thomas Lane, J. Alexander Kueng (policiais de Minneapolis)
Mortes 1 (George Floyd)
Hennepin County Minnesota Incorporated and Unincorporated areas Minneapolis Highlighted.svg
Localização de Minneapolis, onde ocorreu o incidente, no condado de Hennepin e no estado de Minnesota.

George Floyd foi um afro-americano que morreu em 25 de maio de 2020, depois que Derek Chauvin, então policial de Minneapolis, ajoelhou-se no pescoço dele durante oito minutos e quarenta e seis segundos, enquanto estava deitado de bruços na estrada.[2][3][4] Os policiais Thomas Lane e J. Alexander Kueng também ajudaram a conter Floyd, enquanto o policial Tou Thao estava perto e observava.[5] O assassinato ocorreu durante a prisão de Floyd em Powderhorn, Minneapolis, Minnesota, e foi gravado em vídeo nos celulares por vários espectadores.[6] As gravações em vídeo, mostrando Floyd dizendo repetidamente: "I Can’t Breathe!" ("Não consigo respirar") foram amplamente divulgadas nas plataformas de redes sociais e transmitidas pelos meios de comunicação do mundo inteiro.[6] Os quatro policiais envolvidos foram demitidos no dia seguinte.[7]

Na versão dos policiais, Floyd ficou sob custódia por supostamente tentar trocar uma nota falsa de 20 dólares em uma loja. Ele não ofereceu resistência, de acordo com as imagens. O ex-oficial Derek Chauvin respondia, até o momento da abordagem de Floyd, a 18 queixas e denúncias, envolvido em 3 tiroteios, 1 deles fatal, enquanto o ex-oficial Tou Chao, que junto a Chauvin tentava colocar Floyd na viatura, já contabilizava 6 queixas e uma ação judicial por brutalidade.[8][9] O Federal Bureau of Investigation (FBI) está conduzindo uma investigação federal dos direitos civis sobre o incidente, a pedido do Departamento de Polícia de Minneapolis, ao passo que o Departamento de Apreensão Criminal de Minnesota (BCA) está investigando se houve possíveis violações dos estatutos de Minnesota.[10]

O assassinato de George Floyd gerou revolta social e uma onda de protestos antirracistas e contra a violência policial, primeiro em Minneapolis, depois por diversos outros estados e cidades do país, e pelo mundo. As manifestações e protestos foram inicialmente pacíficos, mas depois se dividiram, janelas de uma delegacia de polícia foram quebradas, uma loja da AutoZone foi incendiada e outras lojas foram saqueadas e danificadas nas áreas circundantes, por outro lado: Vários vídeos de violência policial surgiram durante os protestos pela morte do americano negro George Floyd. As autoridades reagiram através da utilização de gás lacrimogêneo e disparando balas de borracha contra a multidão.[11][12] Em oito dias de protestos seguidos contra o racismo e a violência policial, mais de 9 000 manifestantes foram presos, centenas ficaram feridos e alguns mortos só nos Estados Unidos.[13]

A morte de Floyd foi comparada à morte de Eric Garner em 2014, um homem negro desarmado que repetiu "Não consigo respirar" enquanto estava sendo sufocado pelos policiais[3] e também como continuação às lutas dos movimentos negros e civis nos Estados Unidos liderados por Martin Luther King Jr. e Malcolm X durante os anos 1950 e 1960.[14]

Pessoas envolvidas[editar | editar código-fonte]

George Floyd[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: George Floyd

George Floyd foi um homem afro-americano de 46 anos,[3] pai,[15] natural de Houston, Texas, onde frequentou a Yates High School como atleta poliesportivo e se formou em 1993.[16] Era amigo íntimo do jogador de basquete Stephen Jackson, que conhecera quando era adulto no Texas[necessário esclarecer].[17] Floyd era cristão, e seus amigos e conhecidos o descreviam como uma "pessoa de paz".[18][19] Ele morava em St. Louis Park, Minnesota, e trabalhou em Minneapolis como segurança de um restaurante por cinco anos.[20][21] Pouco tempo antes de sua morte, havia perdido o emprego devido à ordem de permanência em casa durante a pandemia de COVID-19 no país.[22]

Policiais[editar | editar código-fonte]

Derek Chauvin, 44 anos, é um veterano de 19 anos do Departamento de Polícia de Minneapolis, e foi identificado como o oficial que prendeu Floyd no chão e ajoelhou-se em seu pescoço.[23] Ele esteve envolvido em dois tiroteios com policiais, um dos quais foi fatal.[23][24]

Tou Thao, policial hmong americano, passou pela academia de polícia em 2009 e foi contratado para um cargo de período integral em 2012. Em 2017, foi réu em uma ação judicial por uso excessivo de força, mas a situação foi resolvida fora do tribunal por 25 000 dólares.[23] Dois outros policiais, identificados em 27 de maio como Thomas Lane e J. Alexander Kueng,[25] não apareceram diante das câmeras, porém foram demitidos por causa do incidente.[10]

Eventos[editar | editar código-fonte]

Declarações iniciais da polícia e dos paramédicos[editar | editar código-fonte]

Pouco depois das 20h00, em 25 de maio (Memorial Day), policiais do Departamento de Polícia de Minneapolis responderam a uma "falsificação em andamento" na Chicago Avenue South, no bairro de Powderhorn Park, em Minneapolis. Segundo a WCCO, a implicação é que Floyd "tentou usar documentos falsificados em uma lanchonete próxima". Segundo um co-proprietário da Cup Foods, Floyd tentou usar uma nota de 20 dólares que um funcionário identificou como falsificada.[26] Segundo a polícia, Floyd estava em um carro próximo e "parecia estar sob a influência". Um porta-voz do departamento de polícia disse que os policiais ordenaram que ele saísse do veículo, momento em que ele "resistiu fisicamente".[1][4]

Segundo a polícia de Minneapolis, os policiais "conseguiram algemar o suspeito e notaram que ele parecia estar sofrendo de problemas médicos.[1] Os policiais pediram uma ambulância". Nenhuma arma foi usada no incidente, de acordo com um comunicado da polícia de Minneapolis.[1]

Segundo o Departamento de Bombeiros de Minneapolis, os paramédicos afastaram Floyd do local e estavam fazendo compressões torácicas e outras medidas que salvam vidas em um "homem sem resposta e sem pulso".[27] Floyd foi levado ao Centro Médico do Condado de Hennepin, onde foi declarado morto.[28]

Vídeo da prisão filmado pelo espectador[editar | editar código-fonte]

Vídeos externos
Vídeo de testemunha mostrando a apreensão de George Floyd no YouTube (10 min) (em inglês) – filmado por Darnella Frazier[1]

Parte da prisão foi filmada por um espectador e transmitida por streaming para o Facebook Live.[1][29] Este vídeo foi viral.[30]

Quando o vídeo começa, Floyd já está preso de bruços no chão e o policial Chauvin está ajoelhado em seu pescoço.[3][6][31] Floyd diz repetidamente a Chauvin: "Por favor" e "Não consigo respirar", enquanto também gemia e soluçava.[1][31][32] Um espectador diz à polícia: "Você o derrubou. Deixe-o respirar".[33]

Depois que Floyd diz: "Estou prestes a morrer", Chauvin diz a Floyd para relaxar.[31] A polícia pergunta a Floyd: "O que você quer?" Floyd repete: "Não consigo respirar".[32] Floyd continua: "Por favor, o joelho no meu pescoço, não consigo respirar".[31] Os policiais insultam Floyd para "se levantar e entrar no carro",[34] ao qual Floyd responde: "Eu vou ... não posso me mexer".[35] Floyd também grita: "Mamãe!"[32] Floyd protesta: "Meu estômago dói, meu pescoço dói, tudo dói" e pediu água.[32] A polícia não responde audivelmente a Floyd.[32] Floyd implora: "Não me mate.".[36]

Um espectador ressalta que Floyd está sangrando pelo nariz.[1] Outro espectador diz à polícia que Floyd "nem está resistindo à prisão no momento".[3] A polícia diz aos espectadores que Floyd estava "conversando, ele está bem"; um espectador responde que Floyd "não está bem".[1][37] O espectador protesta que a polícia estava impedindo Floyd de respirar, exortando-os a "tirá-lo do chão ... Você já poderia colocá-lo no carro. Ele não está resistindo à prisão ou a nada. Você está gostando. Olhe para você. Sua linguagem corporal.".[1]

Floyd fica quieto e imóvel, mas Chauvin não levanta o joelho do pescoço de Floyd.[6][31] Os espectadores protestam que Floyd "não respondeu" e pediram repetidamente à polícia para verificar o pulso de Floyd.[1][3] Um espectador pergunta: "eles o mataram?".[21]

Uma ambulância finalmente chega e Chauvin não remove o joelho até que os serviços de emergência médica colocam Floyd em uma maca. Floyd é carregado na ambulância e levado embora.[1][36][37] Um espectador masculino diz que a polícia "realmente matou" Floyd.[1][31] Chauvin estava ajoelhado no pescoço de Floyd por pelo menos sete minutos, incluindo cerca de quatro minutos depois que Floyd parou de se mover.[2][37][38] A polícia é ensinada que este tipo de contenção com um indivíduo em posição de bruços é "intrinsecamente perigosa".[39]

Outros vídeos[editar | editar código-fonte]

Um segundo vídeo, tirado de dentro de um veículo, mostra Floyd sendo removido de seu veículo. O site Vice descreve que Floyd "não parece estar resistindo - apenas ao lado de seu carro".[40][41]

Um vídeo de seis minutos de uma câmera de segurança de um restaurante próximo foi fornecido à mídia. Mostrou dois policiais removendo um homem de um veículo. O homem é algemado e levado para uma calçada, onde se sentou. Um terceiro oficial chega. Mais tarde, um policial ajuda o homem a se levantar novamente e dois policiais o levam a um veículo da polícia, onde o homem caiu no chão.[42] Enquanto a polícia inicialmente alegou que Floyd havia resistido à prisão, este vídeo de vigilância "mostra policiais detendo-o com calma", segundo a CBS News.[43]

Outro vídeo mostrou que "três policiais prenderam Floyd no chão, enquanto outro estava sobre ele", relatou o CBS Evening News.[44] A polícia do parque de Minneapolis divulgou imagens da câmera corporal da prisão, afirmando que seus policiais não estavam diretamente envolvidos.[45]

Resultado[editar | editar código-fonte]

A brick storefront with the words "CUP FOODS" in red. A crowd, some with signs including a "Black Lives Matter" sign, stand before it
Os manifestantes se reúnem no local em 26 de maio, um dia após a morte de Floyd.[46]
Um memorial improvisado perto do ponto de ônibus onde ocorreu o incidente, fotografado em 27 de maio

Em 26 de maio, a chefe da polícia de Minneapolis, Medaria Arradondo, anunciou que os policiais foram postos em licença.[47] Mais tarde, os quatro oficiais que responderam à chamada foram demitidos.[7]

Naquele dia, o Federal Bureau of Investigation (FBI) anunciou que estava analisando o incidente.[6] As imagens das câmeras corporais dos policiais foram entregues ao Departamento de Apreensão Criminal de Minnesota.[48] O advogado de direitos civis Benjamin Crump está representando a família de Floyd.[10]

Em 27 de maio, informações sobre Chauvin começaram a circular nas redes sociais, com reivindicações particularmente importantes de que Chauvin era o objeto de uma foto usando um chapéu "Make Whites Great Again" e que Chauvin estava no palco com Donald Trump em um comício político, porém, mais tarde, as imagens e informações mostraram-se falsas e errôneas.[49][50][51]

Protestos e distúrbios[editar | editar código-fonte]

Diversas manifestações e protestos começaram após a morte de Floyd. Inicialmente eram pacíficos, mas depois janelas foram quebradas em uma delegacia de polícia, uma loja da AutoZone foi incendiada e diversas lojas foram saqueadas e danificadas nas áreas circundantes. As autoridades reagiram através da utilização de gás lacrimogêneo e disparando balas de borracha contra a multidão.[52][53]

O assassinato de George Floyd pela polícia vem na sequência de dois outros assassinatos de negros americanos nas últimas semanas, que contribuíram para o crescimento de tensões.

O vídeo do assassinato de Ahmaud Arbery, 25 anos, em 23 de Fevereiro de 2020, começou a circular no início de maio. Arbery estava a fazer jogging num bairro nos arredores de Brunswick, na Geórgia, quando foi morto a tiro por dois homens brancos, um pai de 64 anos e o seu filho de 34, que o perseguiram numa carrinha.Os assassinos foram acusados de homicídio e agressão agravada e detidos em 7 de Maio, mas apenas depois de as filmagens do incidente terem ficado públicas.[39]

Algumas semanas após a morte de Arbery, Breonna Taylor, uma jovem de 26 anos certificada pelo EMT, foi morta a tiros na cama, em sua casa, em 13 de Março, por agentes da polícia que estavam a cumprir um mandado de busca e apreensão de estupefacientes.[39]

Autópsias[editar | editar código-fonte]

Autópsia oficial[editar | editar código-fonte]

Uma autópsia oficial não encontrou qualquer indicação de que Floyd tenha morrido por estrangulamento ou asfixia traumática; no relatório preliminar, considerou que provavelmente tenha morrido devido aos efeitos combinados da imobilização, condições de saúde subjacentes, incluindo doença arterial coronária e doença cardíaca hipertensiva; intoxicação por fentanil e uso recente de metanfetaminas. Contudo o relatório final concluiu que Floyd morreu devido a asfixia.[54][55]

Autópsia por Michael Baden[editar | editar código-fonte]

A família de Floyd contratou um patologista forense para realizar um exame independente neste caso. Segundo as conclusões desta nova autópsia, George Floyd morreu de facto de asfixia, essencialmente devido à pressão exercida pelo policial Derek Chauvin no pescoço e nas costas do afro-americano, causando assim a sua morte. Além disso, dois outros policiais pressionaram as costas de Floyd, contribuindo também para a asfixia.

Confirma-se que Floyd já estava morto antes de ser posto na ambulância que o levou ao hospital.[55][56][57]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m Dakss, Brian (26 de maio de 2020). «Video shows Minneapolis cop with knee on neck of motionless, moaning man who later died». CBS News (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  2. a b Montgomery, Blake (27 de maio de 2020). «Black Lives Matter Protests Over George Floyd's Death Spread Across the Country». The Daily Beast (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020. Floyd, 46 anos, morreu depois que um policial branco de Minneapolis, Derek Chauvin, ajoelhou-se em seu pescoço por pelo menos sete minutos enquanto o algemava. 
  3. a b c d e f Murphy, Esme (26 de maio de 2020). «'I Can't Breathe!': Video Of Fatal Arrest Shows Minneapolis Officer Kneeling On George Floyd's Neck For Several Minutes». KSTP-TV (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  4. a b «'Being Black In America Should Not Be A Death Sentence': Officials Respond To George Floyd's Death». CBS Minnesota (em inglês). 26 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  5. O'Donnell, Norah; Pegues, Jeff (27 de maio de 2020). New video shows Minneapolis police arrest of George Floyd before death (video) (em inglês). Minneapolis, Minnesota: CBS Evening News. Em cena em 00.34. Consultado em 28 de maio de 2020 
  6. a b c d e Hauser, Christine (26 de maio de 2020). «F.B.I. to Investigate Arrest of Black Man Who Died After Being Pinned by Officer». The New York Times (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  7. a b «4 Minneapolis police officers fired following death of George Floyd in police custody». FOX 9 (em inglês). 26 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  8. Luisa Fragão, "Saiba quem é o policial que torturou e matou George Floyd em Minneapolis" (29 de maio de 2020). Acesso: 3 de junho de 2020.
  9. Mariana Toro, "Policial que sufocou e matou homem negro nos EUA já era alvo de 18 queixas". Acesso: 3 de junho de 2020.
  10. a b c «'This is the right call': Officers involved in fatal Minneapolis incident fired, mayor says». KSTP-TV (em inglês). 26 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  11. Jimenez, Omar; Chavez, Nicole; Hanna, Jason (28 de maio de 2020). «As heated protests over George Floyd's death continue, Minnesota governor warns of 'extremely dangerous situation'». CNN (em inglês) 
  12. DeMarche, Edmund (28 de maio de 2020). «Deadly shooting near George Floyd protest as looting, arson grip Minneapolis». Fox News (em inglês) 
  13. "Mais de 9 mil são presos em oito dias de protestos contra o racismo nos EUA". Acesso: 3 de junho de 2020.
  14. Mariana Sanches, "MORTE DE GEORGE FLOYD: AS SEMELHANÇAS ENTRE 2020 E O HISTÓRICO ANO DE 1968 NOS EUA" (03/06/2020). Acesso: 3 de junho de 2020.
  15. Palladino, Christina (28 de maio de 2020). «Who was George Floyd? Family, friends, coworkers remember 'loving spirit'». FOX 9 (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  16. Coleman, Adam (27 de maio de 2020). «Yates football program mourns death of George Floyd, gifted athlete and 'ultimate people person'». Texas Sports Nation (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  17. «Ex-NBA player Stephen Jackson mourns best friend George Floyd: Video 'destroyed me'». NBC News (em inglês). 28 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  18. Shellnutt, Kate (28 de maio de 2020). «George Floyd Left a Gospel Legacy in Houston». Christianity Today (em inglês). Consultado em 4 de junho de 2020 
  19. «George Floyd was a Christian man of peace» (em inglês). The Miami Times. 3 de junho de 2020. Consultado em 4 de junho de 2020 
  20. Walsh, Paul (26 de maio de 2020). «Man who died in police incident was good friend and like family to his boss, others». Star Tribune (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  21. a b «Man who died while being restrained by fired Minneapolis cop was from Houston, NAACP says». KBMT (em inglês). 26 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  22. Richmond, Todd (28 de maio de 2020). «George Floyd had started a new life in Minnesota before he was killed by police». Boston Globe (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  23. a b c Mannix, Andy (26 de maio de 2020). «What we know about Derek Chauvin and Tou Thao, two of the officers caught on tape in the death of George Floyd». Star Tribune (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2020. Cópia arquivada em 27 de maio de 2020 
  24. Scher, Isaac (27 de maio de 2020). «The police officer who knelt on George Floyd's neck has been involved in shootings and was the subject of 10 different complaints». Insider (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  25. Chiu, Allyson; Shammas, Brittany (27 de maio de 2020). «George Floyd death: Minneapolis Mayor Jacob Frey says officer should be charged». The Washington Post (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  26. «Minneapolis store owner explains why police were called on George Floyd». CNN (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020. O co-proprietário da Cup Foods, Mahmoud Abumayyaleh, descreve os momentos que levaram um de seus funcionários a chamar a polícia a George Floyd por suposta fraude. 
  27. Forliti, Amy; Long, Colleen (27 de maio de 2020). «Mayor: Officer who put knee on man's neck should be charged». Associated Press (em inglês) 
  28. «4 Minneapolis police officers terminated for involvement of George Floyd death». KBJR (em inglês). 26 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  29. Jany, Libor (26 de maio de 2020). «Minneapolis police, protesters clash almost 24 hours after George Floyd's death in custody». Star Tribune (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  30. Bailey, Holly; Shammas, Brittany; Bellware, Kim (28 de maio de 2020). «Chaotic scene in Minneapolis after second night of protests over death of George Floyd». The Washington Post (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020. Cópia arquivada em 27 de maio de 2020 
  31. a b c d e f Weill, Kelly; Gustavo, Solomon (27 de maio de 2020). «'I Can't Breathe': Minneapolis Erupts in Protest After Black Man Dies in Police Custody». The Daily Beast (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  32. a b c d e Ockerman, Emma (27 de maio de 2020). «A Cop Kneeled on a Black Man's Neck Until He Said He Couldn't Breathe. He Died at the Hospital.». Vice (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  33. Nawaz, Amna (26 de maio de 2020). «What we know about George Floyd's death in Minneapolis police custody». PBS Newshour (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  34. «Officers sacked in US after black man dies as policeman kneels on neck». Agence France Presse (em inglês). 27 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020. Cópia arquivada em 27 de maio de 2020. Floyd slowly grew silent and motionless, unable to move even as the officers taunted him to "get up and get in the car." 
  35. «Four Officers Fired After Fatal Incident Shows Officer Kneeling On Black Man's Neck». CNN (em inglês). 26 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020. Cópia arquivada em 27 de maio de 2020 
  36. a b «Four Minnesota police officers fired after death of unarmed black man». BBC News (em inglês). 27 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  37. a b c Culver, Jordan (27 de maio de 2020). «What we know about the death of George Floyd: 4 Minneapolis police officers fired after 'horrifying' video hits social media». USA Today (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  38. «George Floyd's family calls for Minneapolis police officers to be charged: "This was clearly murder"». CBS News (em inglês). 27 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  39. a b c Aratani, Lauren (29 de Maio de 2020). «George Floyd killing: what sparked the protests – and what has been the response?». The Guardian. ISSN 0261-3077 
  40. Owen, Tess (28 de maio de 2020). «New Videos Appear to Undermine Police Account That George Floyd 'Resisted' Officers». Vice (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  41. Darnell, Tim (27 de maio de 2020). «New video shows beginning of police confrontation that led to George Floyd's death». The Atlanta Journal-Constitution (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  42. Miller, Eric; Pfosi, Nicholas (27 de maio de 2020). «Protests, looting erupt in Minneapolis over racially charged killing by police». Reuters (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2020 
  43. «George Floyd's family calls for Minneapolis police officers to be charged: 'This was clearly murder'» (em inglês). CBS News. 27 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  44. O'Donnell, Norah; Pegues, Jeff (27 de maio de 2020). New video shows Minneapolis police arrest of George Floyd before death (video). Minneapolis, Minnesota: CBS Evening News. Em cena em 00.34. Neste vídeo recentemente divulgado, três policiais prenderam Floyd no chão, enquanto outro estava sobre ele ... os outros policiais envolvidos foram identificados como Thomas Lane, J. Alexander Kueng e Tou Thao 
  45. «George Floyd: Police release bodycam footage of arrest». The Independent (em inglês). 28 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  46. Staff (26 de maio de 2020). «Tear gas, chaos, rain: Protests rage after man dies in Mpls. police custody». MPR News (em inglês). Consultado em 29 de maio de 2020 
  47. «FBI investigates death of a black man in Minneapolis after video shows police officer kneeling on his neck». CNN (em inglês). 26 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  48. «Video shows officer kneeling on neck of black man who died». Associated Press (em inglês). 26 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  49. Swenson, Ali (27 de maio de 2020). «Man wearing 'Make Whites Great Again' hat in photo is not Minneapolis police officer» (em inglês). USA Today. Consultado em 28 de maio de 2020 
  50. Swenson, Ali (27 de maio de 2020). «Derek Chauvin, the Minneapolis officer at center of George Floyd's death, has become subject of false claims on social media» (em inglês). Associated Press. Consultado em 28 de maio de 2020 
  51. Swenson, Ali (27 de maio de 2020). «Officer who kneeled on black man's neck was not onstage at Minneapolis Trump rally» (em inglês). Associated Press. Consultado em 28 de maio de 2020 
  52. Jimenez, Omar; Chavez, Nicole; Hanna, Jason (28 de maio de 2020). «As heated protests over George Floyd's death continue, Minnesota governor warns of 'extremely dangerous situation'». CNN (em inglês) 
  53. DeMarche, Edmund (28 de maio de 2020). «Deadly shooting near George Floyd protest as looting, arson grip Minneapolis». Fox News (em inglês) 
  54. «Médico da autópsia oficial de George Floyd: ″teve paragem cardíaca e pulmonar″ devido a asfixia». Jornal de Notícias. 2 de Junho de 2020 
  55. a b Baptista, Sofia Correia (1 de Junho de 2020). «À segunda, autópsia oficial classifica morte de George Floyd como homicídio». Público 
  56. Ensor, Josie (1 de Junho de 2020). «Independent autopsy reveals George Floyd died from 'asphyxiation' as …». The Telegraph (Arq. em Archive Today) 
  57. Brooks, Brad (2 de Junho de 2020). «State, independent autopsies agree on homicide in George Floyd case, but clash on underlying cause». Reuters (em inglês) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias