Morte de Mahsa Amini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mahsa Amini
em curdo: مەھسا ئەمینی
em farsi: مهسا امینی
Nascimento 20 de julho de 2000[1]
Saqqez, Irã
Morte 16 de setembro de 2022 (22 anos)
Teerã, Irã
Etnia curda

Mahsa Amini (em curdo: مەھسا ئەمینی, em farsi: مهسا امینی; Saqqez, 22 de julho de 2000[2]Teerã, 16 de setembro de 2022[3][4]), também conhecida como Zhina Amini ou Jina Amini (em curdo: ژینا امینی), era uma jovem mulher curda iraniana que foi presa pela Patrulha de Orientação da República Islâmica do Irã, um esquadrão especial da polícia encarregado da implementação pública dos regulamentos islâmicos do hijabe, por seu hijabe não atender aos padrões obrigatórios do governo para o mesmo. O relatório oficial da polícia afirmou que ela teve insuficiência cardíaca e morreu após dois dias em coma.[5][6] Provas mostram que sua cabeça foi espancada com um pedaço de pau e colidiu várias vezes com um carro da polícia. Alguns acreditam que esses atos violentos levaram ao coma, morte cerebral e morte, que se tornou um símbolo de violência contra as mulheres sob a República Islâmica.[7][8][9][10]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Mahsa Amini era uma mulher curda iraniana de 22 anos, originária de Saqqez, na província do Curdistão. Seu irmão Kiaresh estava com ela no momento de sua prisão.[11][12]

Detenção e morte[editar | editar código-fonte]

Mahsa (Zhina) Amini viajava para Teerã com sua família, quando foi presa no dia 13 de setembro, na entrada da rodovia Haqqani pela auto-proclamada “Patrulha de Orientação” enquanto estava com seu irmão, Kiaresh Amini, e foi transferida para a agência “Segurança Moral”.[13] Ele foi informado de que ela seria levada ao centro de detenção para passar por uma "aula de esclarecimento" e liberada em uma hora. Em vez disso, ela foi levada para o Hospital Kasra de ambulância.[14][15][16]

Durante dois dias, Amini ficou em coma no Hospital Kasra, em Teerã, o que despertou o sentimento do público em geral e mais uma vez provocou o protesto das pessoas contra a Patrulha de Orientação e a lei sobre hijabs.[17] Ela morreu na unidade de terapia intensiva em 16 de setembro.[18][3][19]

Provas de violência[editar | editar código-fonte]

A clínica onde Amini foi tratada divulgou um comunicado no Instagram dizendo que ela estava com morte cerebral quando foi internada. A postagem do Instagram já foi excluída. O irmão de Amini, Kiaresh, notou hematomas na cabeça e nas pernas. As mulheres que foram detidas com Amini disseram que ela foi severamente espancada por resistir aos insultos e xingamentos dos policiais que a prenderam. Vários médicos opinaram que Amini sofreu uma lesão cerebral, com base nos sintomas clínicos, incluindo sangramento nas orelhas e hematomas sob os olhos.[20][21]

Protestos[editar | editar código-fonte]

Protestos nas ruas devido à morte de Mahsa Amini
Protestos em Teerã, Irã

Uma série de protestos eclodiu após sua morte, inclusive em Saqqez, sua cidade natal.[22] Algumas gritaram slogans feministas curdos como “Jin - Jiyan - Azadi: Mulheres, Vida, Liberdade” e “morte ao ditador” em persa.[23][24][22] Essas manifestações foram reprimidas pelas forças especiais da polícia iraniana.[23] Também ocorreram protestos do lado de fora do Hospital Kasra, em Teerã, onde alguns dos protestantes foram presos pelas forças de segurança, que também usaram spray de pimenta contra eles.[23]

Com a morte de Mahsa, protestos e marchas se espalham dia a dia em diferentes cidades. As ruas de Sanandaj no domingo foram parcialmente fechadas e as forças de segurança foram espalhadas pela cidade após uma noite de protestos contra o rígido código de vestimenta da República Islâmica do Irã.[25] Em 19 de setembro, cinco pessoas foram mortas na região curda do Irã, quando as forças de segurança abriram fogo durante protestos, disse um grupo de direitos humanos curdo, no terceiro dia de turbulência por um incidente que começou em todo o país. Duas das pessoas foram mortas quando as forças de segurança abriram fogo contra manifestantes na cidade curda de Saqez, cidade natal de Amini, disse a Organização de Direitos Humanos de Hengaw no Twitter.[26] Ele disse que mais dois foram mortos na cidade de Divandarreh "por fogo direto" das forças de segurança, e um quinto foi morto em Dehgolan, também na região curda.[27] Manifestações populares se espalharam por diferentes cidades do Irã, incluindo Teerã, Rasht, Esfahan, Karaj, Mashhad, Sanandaj, Ilam e muitas outras cidades, e a polícia especial do governo iraniano lidou com esses protestos severamente, resultando em muitos feridos, e alguns ativistas políticos foram presos.[28][29] Durante esse período, a hashtag #MahsaAmini se tornou uma das hashtags mais repetidas no Twitter persa. O número de tweets e retuítes dessas hashtags ultrapassou 5,1 milhões.[30][31] Algumas mulheres iranianas postaram vídeos nas redes sociais cortando o cabelo em protesto.[32]

Reações[editar | editar código-fonte]

A Anistia Internacional solicitou uma investigação criminal sobre a morte suspeita. Segundo esta organização, "todos os responsáveis e funcionários" neste caso devem ser levados à justiça e "as condições que levaram à sua morte suspeita, que incluem tortura e outros maus-tratos no centro de detenção, devem ser investigadas criminalmente".[15][33][34]

A Human Rights Watch chamou a morte de Amini de "cruel" e escreveu: "As autoridades iranianas devem cancelar a lei obrigatória do hijab e remover ou alterar outras leis que privam as mulheres de sua independência e direitos".[35][36]

Centro para os Direitos Humanos no Irã: Mahsa Amini considerada outra vítima da guerra da República Islâmica contra as mulheres e pediu que a violência contra as mulheres no Irã seja fortemente condenada em todo o mundo para evitar tais tragédias evitáveis.[37]

Javaid Rehman, Relator Especial das Nações Unidas, também lamentou o comportamento da República Islâmica do Irã e acrescentou: "Este incidente é um sinal de violação generalizada dos direitos humanos no Irã".[38]

O porta-voz da União Européia divulgou um comunicado anunciando que o que aconteceu com Mahsa Amini é inaceitável e os autores deste assassinato devem ser responsabilizados.[39]

O Ministério das Relações Exteriores da França condenou a tortura que levou à morte de Mahsa Amini.[40]

O aiatolá do Irã Bayat-Zanjani disse em 17 de setembro que a Patrulha de Orientação é “não apenas um órgão ilegal e anti-islâmico, mas também ilógico. Nenhuma parte das leis de nosso país atribui qualquer missão ou responsabilidade a essa força vigilante”, e a acusa de cometer “repressão e atos imorais”.[41] Em uma declaração separada, outro aiatolá, Mohaqeq Damad, ecoou esse sentimento: é um desvio dos ensinamentos islâmicos.”[42]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Mahsa Amini kimdir? Mahsa Amini nasıl öldü?». www.cumhuriyet.com.tr (em turco). Consultado em 23 de setembro de 2022 
  2. «Zhina Amini goes into coma 2 hours after arrest» (em inglês). 15 de Setembro de 2022. Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  3. a b «Iranian woman 'beaten' by police for 'improper hijab' dies after coma: State media». Al Arabiya English (em inglês). 16 de Setembro de 2022. Consultado em 16 de Setembro de 2022 
  4. «IranWire Exclusive: Morality Patrol Beats a Woman into a Coma». iranwire.com (em inglês). Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  5. Arrest by hijab police leaves woman comatose, Al Monitor, 2022
  6. «Mulher morre depois de ser detida por polícia moral iraniana por uso inadequado do hijab». Expresso. Consultado em 23 de setembro de 2022 
  7. The symbole of Iranian woman in The religious government of Iran, iran-tc.com, 2022
  8. Mahsa Amini is another victim of violence against women in Iran, Iran human rights, 2022
  9. Iran : vent de colère après la mort de Mahsa Amini, symbole de l'oppression du régime , franceinfo, 2022
  10. Why death of 22-year-old Mahsa Amini has sparked protests in Iran, The Indian Express, 19 Setembro 2022
  11. «Indignación en Irán por el coma de una joven tras ser detenida por la Policía» [Outrage in Iran over the coma of a young woman after being detained by the Police]. SWI swissinfo.ch (em espanhol). 15 de Setembro de 2022. Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  12. «Iran: Woman in coma after her arrest by Tehran's morality police». The New Arab. 15 de Setembro de 2022 
  13. «(Video) Mahsa Amini is the latest victim of the misogynist mullahs' regime in Iran». EIN Presswire (em inglês). AP. 19 de Setembro de 2022 
  14. «Fury in Iran as young woman dies following morality police arrest». BBC News (em inglês). 16 de Setembro de 2022. Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  15. a b Reuters (16 de Setembro de 2022). «Iran woman's death after morals police arrest sparks protests». Reuters (em inglês). Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  16. «Iranian woman in coma after morality police arrest: activists». France 24 (em inglês). 15 de Setembro de 2022. Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  17. Saaberi, Arezou (15 de Setembro de 2022). «Mahsa Amini: Arrested For Islamic Guidance, Ended Up Brain Dead!». IranTrue (em inglês). Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  18. KHRN (16 de Setembro de 2022). «Iran: Kurdish woman dies after arrest and tortutre by morality police in Tehran | Kurdistan Human Rights Network». KHRN (em inglês). Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  19. Rothwell, James (16 de Setembro de 2022). «Iranian woman dies after beating by 'morality police' for not wearing headscarf». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  20. «Landesweite Proteste nach Tod von Mahsa Amini» [Nationwide protests after Mahsa Amini's death]. Deutsche Welle (em alemão). 19 de Setembro de 2022 
  21. «مهسا امینی بر اثر جراحات ناشی از ضرب و جرح ماموران گشت ارشاد درگذشت» [Mehsa Amini died as a result of the injuries caused by the assault by the officers of the Irshad patrol]. Al Arabiya. 16 de Setembro de 2022 
  22. a b Sirwan, Dilan (17 de Setembro de 2022). «At least 10 demonstrators injured in Iran following death of Kurdish woman». Rudaw Media Network 
  23. a b c Strzyżyńska, Weronika (17 de Setembro de 2022). «Protests in Iran at death of Kurdish woman after arrest by morality police». The Guardian 
  24. «the police open fire at the funeral». Italy 24 News English (em inglês). 17 de Setembro de 2022 
  25. Kaki, Chiya (19 de Setembro de 2022). «Locals decry controversial death of woman in Iran». Rudaw 
  26. «Violence erupts in Iran after woman dies in 'morality police' custody». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 20 de setembro de 2022 
  27. Reuters (19 de setembro de 2022). «Five killed in Iran during protests over death in custody - rights group». Reuters (em inglês). Consultado em 20 de setembro de 2022 
  28. ‘I will never wear a headscarf again’: Outrage in Iran after woman dies in custody, France24, 19 Setembro 2022
  29. Four killed in Iran during protests over death in custody - rights group, Reuters, 19 Setembro 2022
  30. Reuters (18 de setembro de 2022). «Fury grows in Iran over woman who died after hijab arrest». Reuters (em inglês). Consultado em 20 de setembro de 2022 
  31. «هشتگ مهسا امینی ترند جهانی شد – DW – ۱۴۰۱/۶/۲۷». dw.com (em persa). Consultado em 20 de setembro de 2022 
  32. «Iran women cut their hair to protest against death of 22-year-old woman in custody». The Indian Express (em inglês). 19 de Setembro de 2022. Consultado em 19 de Setembro de 2022 
  33. «Woman dies after arrest by Iran's morality police». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  34. «Condemnations Follow Death Of Young Woman In Iranian Police Custody». Iran International (em inglês). Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  35. «Woman Dies in Custody of Iran's 'Morality Police'». Human Rights Watch (em inglês). 16 de Setembro de 2022. Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  36. «The Murder of Mahsa Amini; Iran Human Rights Calls for an International Fact-Finding Mission». iranhr.net (em inglês). Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  37. «Mahsa Amini is Another Victim of the Islamic Republic's War on Women». Center for Human Rights in Iran. 16 de Setembro de 2022. Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  38. «Mahsa Amini's mother: Zhina! People have come for you!» (em inglês). 17 de Setembro de 2022. Consultado em 18 de Setembro de 2022 
  39. Iran: Statement by the Spokesperson on the death of Mahsa Amini, Official website of European Union
  40. France's Ministry of Foreign Affairs condemns the death of Mahsa Amini, Reuters, 2022
  41. Senior ayatollahs say Iran's morality police are 'illegal and un-Islamic' - Telegraph
  42. «Senior ayatollahs say Iran's morality police are 'illegal and un-Islamic'». MSN