Morte e Vida (Klimt)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Morte e Vida
Autor Gustav Klimt
Data 1916
Técnica Óleo sobre tela
Dimensões 178  × 198 
Localização Leopold Museum, Viena

Morte e Vida é uma pintura a óleo sobre tela do pintor simbolista austríaco Gustav Klimt, cuja tema principal era o corpo feminino. As suas pinturas, murais e desenhos são marcados por um erotismo sensual, o qual se nota particularmente nos seus desenhos a lápis. A presente pintura começou a ser feita em 1908 e terminou em 1916. Apresenta um estilo Art Nouveau (Moderno) através da utilização de um género de pintura alegórica durante a Fase Dourada (1899-1910). A pintura encontra-se no Leopold Museum em Viena.[1]

Contexto[editar | editar código-fonte]

O tema da obra é um dos principais de Klimt, principal, também, para o seu tempo, e para os seus contemporâneos como Edvard Munch e Egon Schiele. Klimt transmite-a numa dança moderna de morte mas, ao contrário de Schiele, ele introduz uma nota de esperança e reconciliação; em vez de se sentir ameaçado pela figura da morte, os seus seres humanos parecem desprezá-la. A imaginação do artista já não se concentra na união física, mas sim na expectativa que a precede. Talvez esta recém-descoberta serenidade tenha origem na própria consciência de envelhecimento de Klimt, e proximidade da morte. Mas antes que chegue esse momento, ele escolheu representar apenas momentos de intenso prazer ou beleza e juventude milagrosas.[2]

O Ministério da Cultura austríaco encomendou a Klimt três pinturas que representassem as faculdades de Medicina, de Filosofia e de Direito. No entanto, o artista fez uso dessa oportunidade para retratar a forma de vida burguesa que se mantinha indiferente às catástrofes pelas quais Viena passava naquele período.[3]

A obra[editar | editar código-fonte]

Klimt apresenta a temática da morte, que seria pessimista a princípio, mas, também introduz uma nota de esperança e reconciliação; em vez de se sentir ameaçado pela figura da morte, os seres humanos à direita dela parecem desprezá-la. A imaginação do artista já não se concentra na união física, mas sim na expectativa que a precede. Talvez esta recém-descoberta serenidade tenha origem na própria consciência de envelhecimento de Klimt e proximidade dele com a morte. Mas antes que chegasse esse momento, ele escolheu representar apenas momentos de intenso prazer ou beleza e juventude milagrosas.[4]

Referências

  1. «Gustav Klimt, Death and Life». Leopold Museum. Consultado em 1 de Janeiro de 2013 
  2. Gustav Klimt: 1862 – 1918 By Gilles Néret, ISBN 3-8228-5980-X
  3. DA SILVA, José (2010). «Gustav Klimt, a metafísica de Schopenhauer e a crise de valores da Viena fi n-de-siècle». Artefilosofia. Consultado em 20 de setembro de 2017 
  4. Gustav Klimt: 1862 – 1918 By Gilles Néret, ISBN 3-8228-5980-X
Ícone de esboço Este artigo sobre pintura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.