Morte por causas naturais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A morte por causas naturais, conforme registrada por médicos legistas e em certidões de óbito e documentos associados, é a morte resultante de uma doença ou um mau funcionamento interno do corpo, não causado diretamente por forças externas, geralmente devido à idade avançada. Isto é especialmente verdadeiro quando uma pessoa idosa tem várias condições ou doenças diferentes, mas onde parece que nenhuma delas sozinha ou em conjunto pode claramente levar à morte, e é incerto qual condição foi o fator final que causou a morte. Por exemplo, uma pessoa morrendo de complicações da gripe (uma infecção), um ataque cardíaco (um mau funcionamento interno do corpo), ou insuficiência cardíaca súbita seria listado como tendo morrido de causas naturais. Os departamentos de saúde desestimulam a inclusão da velhice como causa da morte, porque isso não beneficia a saúde pública ou a pesquisa médica.[1] A velhice não é uma causa de morte cientificamente reconhecida; há sempre uma causa mais direta, embora possa ser desconhecida em certos casos e possa ser uma de várias doenças associadas ao envelhecimento.

Terminologia[editar | editar código-fonte]

Em contraste, a morte causada pela intervenção ativa é chamada morte não natural. As causas "não naturais" são geralmente dadas como acidente (não implicando risco voluntário irracional), desventura (um acidente após um risco intencional e perigoso, que pode incluir overdose de drogas ou álcool), suicídio ou homicídio.[2] Em algumas configurações, outras categorias podem ser adicionadas. Por exemplo, uma prisão pode rastrear as mortes de presos causados por intoxicação aguda separadamente.[3] Além disso, uma causa de morte pode ser registrada como "indeterminada".[4]

Referências

  1. «Reporting Causes of Death for the Elderly» (PDF). Oregon Health Authority. Consultado em 15 de março de 2016 
  2. Bryant, Clifton D. (2003). Handbook of death & dying. Thousand Oaks: Sage Publications. 968 páginas. ISBN 0-7619-2514-7 
  3. Stark, Martha (2000). A physician's guide to clinical forensic medicine. Totowa, NJ: Humana Press. 225 páginas. ISBN 0-89603-742-8 
  4. Palmer, Brian (21 de dezembro de 2009). «What, Exactly, Are "Natural Causes"?». Slate.com