Mortimer Wheeler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mortimer Wheeler
'
Nascimento 10 de setembro de 1890
Glasgow
Morte 22 de julho de 1976 (85 anos)
Londres
Cidadania Reino Unido
Progenitores
  • Robert Mortimer Wheeler
Cônjuge Tessa Wheeler, Mabel Winifred Mary Wright, Margaret Collingridge Wheeler
Filho(s) Michael Mortimer Wheeler
Alma mater
Ocupação arqueólogo, pré-historiador,
Prêmios
Empregador Associação Nacional de Museus do País de Gales, UCL Institute of Archaeology, Museu de Londres

Robert Eric Mortimer Wheeler (Glásgua, 10 de setembro de 1890 – Leatherhead, 22 de julho de 1976) foi um dos principais arqueólogos britânicos do século XX, criador do método estratigráfico para escavações e estudo de sítios arqueológicos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

foi um arqueólogo britânico e oficial do Exército britânico. Ao longo de sua carreira, atuou como Diretor do Museu Nacional do País de Gales e do Museu de Londres, Diretor-Geral do Archaeological Survey of India e fundador e Diretor Honorário do Institute of Archaeology de Londres, além de escrever vinte e quatro livros sobre assuntos arqueológicos.

Nascido em Glásgua em uma família de classe média, foi criado principalmente no Condado de Iorque antes de se mudar para Londres na adolescência. Depois de estudar clássicos na University College London (UCL), começou a trabalhar profissionalmente na arqueologia, com especialização no período romano-britânico. Durante a Primeira Guerra Mundial, se ofereceu para servir na Royal Artillery, estando estacionado na Frente Ocidental, onde subiu ao posto de major e foi condecorado com a Cruz Militar. Retornando à Grã-Bretanha, obteve seu doutorado na UCL antes de assumir uma posição no Museu Nacional de Gales, primeiro como Guardião de Arqueologia e depois como Diretor, durante o qual supervisionou as escavações nos fortes romanos de Segôncio, Y. Gaer e Isca Augusta com a ajuda de sua primeira esposa, Tessa Wheeler. Influenciado pelo arqueólogo Augustus Pitt Rivers, argumentou que a escavação e o registro do contexto estratigráfico exigiam uma abordagem cada vez mais científica e metódica, desenvolvendo o " método Wheeler". Em 1926, foi nomeado curador do Museu de Londres; lá, supervisionou uma reorganização da coleção, fez lobby com sucesso para aumentar o financiamento e começou a lecionar na UCL.

Em 1934, fundou o Institute of Archaeology como parte da Universidade de Londres, assumindo o cargo de Diretor Honorário. Nesse período, supervisionou as escavações dos sítios romanos no Parque de Lydney e Verulâmio e o forte na colina da Idade do Ferro do Castelo de Maiden. Durante a Segunda Guerra Mundial, voltou às Forças Armadas e subiu ao posto de brigadeiro, servindo na Campanha do Norte da África e depois na invasão Aliada da Itália. Em 1944, foi nomeado Diretor-Geral da Pesquisa Arqueológica da Índia, por meio da qual supervisionou as escavações de sítios em Harapa, Aricamedu e Bramaguiri, e implementou reformas no estabelecimento arqueológico do subcontinente. Retornando à Grã-Bretanha em 1948, dividiu seu tempo entre lecionar para o Instituto de Arqueologia e atuar como consultor arqueológico do governo do Paquistão. Mais tarde, seus livros populares, palestras em navios de cruzeiro e aparições no rádio e na televisão, particularmente na série da BBC Animal, Vegetable, Mineral?, ajudou a levar a arqueologia para um público de massa. Nomeado secretário honorário da Academia Britânica, arrecadou grandes somas de dinheiro para projetos arqueológicos e foi nomeado representante britânico em vários países em projetos da UNESCO.

Wheeler é reconhecido como um dos mais importantes arqueólogos britânicos do século XX, responsável por encorajar com sucesso o interesse público britânico na disciplina e avançar nas metodologias de escavação e registro. Além disso, é amplamente aclamado como uma figura importante no estabelecimento da arqueologia do sul da Ásia. No entanto, muitas de suas interpretações específicas de sítios arqueológicos foram desacreditadas ou reinterpretadas e foi frequentemente criticado por intimidar colegas e assediar sexualmente mulheres jovens.[1][2][3][4][5][6][7][8]

Recepção e legado[editar | editar código-fonte]

"Foi um verdadeiro inovador em arqueologia, um professor inspirado, [e] possuía dons dramáticos que o capacitaram a espalhar seu próprio entusiasmo entre multidões. Desenvolveu poderes de comando e administração criativa que lhe trouxeram sucessos extraordinários na dinamização de instituições débeis e na criação novos."

— Jacquetta Hawkes, 1982.

Wheeler foi denominado "o mais famoso arqueólogo britânico do século XX" pelos arqueólogos Gabriel Moshenska e Tim Schadla-Hall. Destacando seu papel-chave em encorajar o interesse pela arqueologia em toda a sociedade britânica, afirmaram que seu "domínio da arqueologia pública foi fundado em seu olho aguçado para o valor e na vontade de um showman de empacotar e vender o passado".[9]

Piggott acreditava que o maior impacto de Wheeler foi como "o grande inovador nas técnicas de campo", comparando-o neste aspecto a Pitt-Rivers. Piggott afirmou que a "importância da contribuição de Wheeler para a técnica arqueológica, enorme e de longo alcance, reside no fato de que no início dos anos 1920 não apenas apreciou e compreendeu o que Pitt-Rivers havia feito, mas viu que seu trabalho poderia ser usado como base para adaptação, desenvolvimento e melhoria. "L.C. Carr afirmou que foi por seus desenvolvimentos metodológicos, frequentemente denominado "o Método Wheeler", que ficou mais conhecido; nisso ela o contrastou com aqueles arqueólogos que eram mais conhecidos por suas associações com um sítio arqueológico específico, ou Leonard Woolley e Ur.[10]

Wheeler era bem conhecido por suas publicações sobre questões arqueológicas; Carr afirmou que Wheeler e sua primeira esposa enfatizaram "o rigor técnico e uma apresentação completa dos materiais descobertos, bem como uma discussão literária de seu significado calculada para atrair um público maior".[1][2][3][4][5][6][7][8]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Uma bibliografia dos livros publicados de Wheeler foi incluída por Piggott em seu obituário,[11] e novamente por Hawkes em sua biografia.[12]

Ano da Publicação Título Co-autor
1923 Segontium and the Roman Occupation of Wales
1925 Prehistoric and Roman Wales
1926 The Roman Fort Near Brecon
1927 London and the Vikings
1930 London in Roman Times
1932 Report on the Excavations of the Prehistoric, Roman and Post-Roman Site in Lydney Park, Gloucestershire Wheeler, TessaTessa Wheeler
1935 London and the Saxons
1936 Verulamium: A Belgic and Two Roman Cities Wheeler, TessaTessa Wheeler
1943 Maiden Castle, Dorset
1950 Five Thousand Years of Pakistan
1953 The Indus Civilization
1954 The Stanwick Fortifications, North Riding of Yorkshire
1954 Archaeology From the Earth
1954 Rome Beyond the Imperial Frontiers
1955 Still Digging: Adventures in Archaeology
1957 Hill Forts of Northern France Richardson, Katherine M.Katherine M. Richardson; M. Aylwin Cotton
1959 Early India and Pakistan: To Ashoka (edição em português: Índia e Paquistão, Verbo, 1972.
1962 Charsada: A Metropolis of the North-West Frontier
1964 Roman Art and Architecture
1966 Alms for Oblivion: An Antiquary's Notebook
1968 Flames Over Persepolis
1970 The British Academy, 1949–1968
1976 My Archaeological Mission to India and Pakistan

Referências

  1. a b Bahn, Paul (1999). The Bluffer's Guide to Archaeology. London: Oval. ISBN 978-1-902825-47-2 
  2. a b British Archaeology (2013). «A Life in Archaeology: Michael Antony Aston». British Archaeology. 132. Council for British Archaeology. pp. 16–17 
  3. a b Carr, Lydia C. (2012). Tessa Verney Wheeler: Women and Archaeology Before World War Two. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-964022-5 
  4. a b Chakrabarti, Dilip K. (1982). «The Development of Archaeology in the Indian Subcontinent». Taylor & Francis. World Archaeology. 13 (3): 326–344. JSTOR 124387. doi:10.1080/00438243.1982.9979837 
  5. a b Clark, Ronald William (1960). Sir Mortimer Wheeler. Nova Iorque: Roy Publishers 
  6. a b Mallowan, Max (1977). «Sir Mortimer Wheeler». British Institute of Persian Studies. Iran. 15: v–vi. JSTOR 4300558 
  7. a b Vasudevan, Ravi (2011). The Melodramatic Public: Film Form and Spectatorship in Indian Cinema. London: Palgrave Macmillan. ISBN 978-0-230-24764-2 
  8. a b Stout, Adam (2008). Creating Prehistory: Druids, Ley Hunters and Archaeologists in Pre-War Britain. Malden and Oxford: Blackwell. ISBN 978-1-4051-5505-2 
  9. Moshenska, Gabriel; Schadla-Hall, Tim (2011). "Mortimer Wheeler's Theatre of the Past". Public Archaeology. Maney. 10 (1): 46–55. doi:10.1179/175355311x12991501673221. S2CID 162295661
  10. Piggott, Stuart (1977). "Robert Eric Mortimer Wheeler". Biographical Memoirs of Fellows of the Royal Society. The Royal Society. 23: 623–642. doi:10.1098/rsbm.1977.0023. JSTOR 769628. S2CID 73835587
  11. Piggott, Stuart (1977). "Robert Eric Mortimer Wheeler". Biographical Memoirs of Fellows of the Royal Society. The Royal Society. 23: 623–642. doi:10.1098/rsbm.1977.0023. JSTOR 769628. S2CID 7383558
  12. Hawkes, Jacquetta (1982). Mortimer Wheeler: Adventurer in Archaeology. London: Weidenfeld and Nicolson. ISBN 978-0-297-78056-4
Ícone de esboço Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.