Mosteiro de Hanle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mosteiro de Hanle
Nomes alternativos Gompa de Hanle
Tipo gompa
Estilo dominante tibetano
Construção final do século XVII
Promotor / construtor Sengge Namgyal
Religião Budismo tibetano, Drukpa
Geografia
País  Índia
Estado Jamu e Caxemira
Distrito Leh
Localidade Hanle
Regiões Ladaque
Coordenadas 32° 47' 26" N 79° 0' 7" E
Mosteiro de Hanle está localizado em: Jammu e Caxemira
Mosteiro de Hanle
Localização do Mosteiro de Hanle em Jamu e Caxemira

O Mosteiro de Hanle ou Gompa de Hanle é um mosteiro budista tibetano (gompa) situado na aldeia homónima, no extremo sudeste da região do Ladaque, no estado de Jamu e Caxemira, noroeste da Índia. Pertence ao ramo Drukpa da seita Kagyu e foi fundado no final do século XVII. Situa-se cerca de 250 km por estrada a sudeste de Leh, no que foi uma rota de comércio ancestral entre o Ladaque e o Tibete, cuja fronteira, encerrada e disputada entre a China e a Índia, fica a mais de 4 300 de altitude, cerca de 20 km para leste em linha reta.[1]

O mosteiro principal, um dos maiores e mais conhecidos do Ladaque, foi fundado sob o patrocínio do rei ladaque Sengge Namgyal (r. c. 1616–1642) com a ajuda do famoso lama e viajante tibetano Taktsang Répa Ngakwang Gyatso (em tibetano: Wylie: stag tshang ras pa ngag dbang rgya mtsho).[2] Foi o primeiro mosteiro da linhagem Drukpa, a qual se tornou muito importante no Ladaque sob o patrocínio da família real Namgyal, rivalizando seriamente com a escola Gelug.[3] Os outros mosteiros Drukpa no Ladaque são os de Hemis, Chemrey e Stakna.[4]

Sengge Namgyal morreu em Hanle quado regressava de uma expedição militar contra os mongóis, que tinham ocupado Tsang e ameaçavam o seu reino.[5]

Em 1983 foi fundado no mosteiro, através de donativos externos, o Tashi Choeling ("Centro de Dharma Auspicioso"), que dá apoio às monjas residentes, que eram 47 em 2003.[6] Segundo um artigo publicado em 2004, nessa altura apenas dez monges residiam no mosteiro e 33 iam lá regularmente para participarem nas orações.[1]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. a b Lang & Klum 2004, p. 90.
  2. «Taktsang Repa Ngawang Gyatso». www.treasuryoflives.org. Consultado em 4 de novembro de 2016 
  3. Rizvi 1996, pp. 67-68.
  4. Rizvi 1996, p. 219.
  5. Rizvi 1996, p. 70.
  6. Lang & Klum 2004, p. 97.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Lang, Karen E.; Klum, Mattias (fotografias) (janeiro de 2004), «In their own world: The sacred community of India's forbidden Hanle Valley», National Geographic Magazine (em inglês) 
  • Rizvi, Janet (1996), Ladakh: Crossroads of High Asia, ISBN 9780195645460 (em inglês) 2ª ed. , Deli: Oxford University Press India 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre o Mosteiro de Hanle