Mosteiro de Hodegon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mosteiro de Hodegon
Constantinopla bizantina
Constantinopla bizantina
Local Istambul
Região Fatih
País  Turquia
Coordenadas
Religião Ortodoxia Oriental
Consagração século V
Estilo Bizantino



O Mosteiro de Hodegon (em grego: μοναστήρι Οδηγών; transl.: monastí̱ri Hodegon , lit. "mosteiro dos guias, condutores"; também referido como Mosteiro de Panagia Hodegetria, lit. "Ela que mostra o caminho") foi um mosteiro em Constantinopla situado a leste de Santa Sofia próximo às muralhas do mar. Atualmente são visíveis apenas algumas ruínas próximas do parque Gülhane.[1]

Adquiriu seu nome aparentemente dos monges que conduziam peregrinos cegos para uma fonte miraculosa situada ao lado da igreja do mosteiro que era capaz de restaurar a visão.[2] Alegadamente[3] o mosteiro foi fundado no século V por Santa Élia Pulquéria (399-453), uma filha do imperador Arcádio (r. 395–408), para abrigar relíquias sagradas, que mais tarde incluiu o Ícone da Hodegetria, que se acreditava ter sido pintado por São Lucas. Posteriormente, todas as terças, o ícone era removido da igreja e levado em procissão pelas ruas da capital, acompanhado por multidões que esperavam por curas miraculosas.[2]

O complexo do mosteiro foi reconstruído no século IX, possivelmente pelo imperador Miguel III, o Ébrio (r. 842–867), e novamente no século XII. No período Paleólogo um escritório (scriptorium) foi instalado ali e especializado na produção de manuscritos litúrgicos luxuosos; dentre seus escribas estavam Chariton (fl. 1319-46) e Josafá (fl. 1360-1405/1406). Os imperadores paleólogos tiveram laços estreitos com o mosteiro e visitaram-o frequentemente: Andrônico III Paleólogo (r. 1328–1341) morreu no mosteiro. Durante o final do século XIII e começo do século XIV o mosteiro foi cedido ao patriarcado de Antioquia como metóquio e serviu como residência dos monges sírios em visita à Constantinopla.[2]

Referências

  1. Demangel 1939, p. 71–111
  2. a b c Kazhdan 1991, p. 939
  3. Mango 2000, p. 17-25, notas 15 e 58

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Demangel, Robert; Ernest Mamboury. (1939). "Le quartier des Manganes et la première région de Constantinople". Recherches françaises en Turquie 2.
  • Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 1991. ISBN 0-19-504652-8
  • Mango, Cyril. In: Vassikali. Mother of God. [S.l.]: Skira Editore, 2000. Capítulo: Constantinople as Theotokoupolis. ,