Mosteiro de São Jerónimo de Yuste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mosteiro de São Jerónimo de Yuste
Claustro renacentista del monasterio de Yuste, Cáceres.jpg
Apresentação
Tipo
Diocese
Estilo
Período de construção
Estatuto patrimonial
European heritage site (en) ()
Bem de Interesse Cultural ()Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Endereço
Coordenadas
Edifício residencial do Mosteiro de Yuste
Pintura de Eugène Delacroix Carlos V no Mosteiro de Yuste

O Mosteiro de São Jerónimo de Yuste é um mosteiro e palácio medieval situado no noroeste da Estremadura espanhola. Foi construído no início do século para acolher frades jerónimos e é famoso por ter sido a última residência do imperador do Sacro Império Romano-Germânico Carlos V (rei Carlos I de Espanha), que aí se recolheu em 1556, quando abdicou do trono a favor do seu filho Filipe II.

O mosteiro situa-se no noroeste da província de Cáceres, na comarca de La Vera, perto da vila de Cuacos de Yuste.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1402, por iniciativa de alguns habitantes, foi construído um cenóbio para acolher eremitas da pobre vida, que depois se integrariam na Ordem de São Jerónimo.

Em 1556, Carlos I de Espanha (V do Sacro Império) decide retirar-se para um convento e adotar a vida monástica, para o que elegeu o mosteiro de Yuste. Foram então levadas a cabo grandes obras para ampliar as escassas dependências com que contava então o mosteiro, as quais eram insuficientes para alojar o imperador e as 60 ou 70 pessoas do seu séquito pessoal.

A casa-palácio constava de dois pisos com quatro apartamentos cada um, em redor de um pátio interior. Os alojamentos do imperador situavam-se junto ao coro da igreja, o que lhe permitia assistir aos ofícios religiosos no seu quarto, sentado no seu cadeirão, onde permanecia prostrado devido à grave afeção de gota de que padecia. Durante a estadia do imperador em Yuste, passaram pelo local numerosas personalidades da corte para o visitarem, entre elas o próprio rei Filipe II.

Carlos V morreu em 21 de setembro de 1558 no mosteiro. Foi enterrado na igreja, tendo os seus restos mortais sido posteriormente trasladados para o panteão real do Mosteiro de São Lourenço do Escorial, perto de Madrid, cumprindo o desejo do seu filho Filipe II.

Durante a Guerra da Independência Espanhola (Guerra Peninsular), no princípio do século XIX, as dependências do convento foram incendiadas tendo ficado praticamente destruídas. Os frades jerónimos foram expulsos e posteriormente, com a desamortização de Mendizábal, o mosteiro foi leiloado, o que marcou um período de abandono e deterioração do edifício.

Em 1949 a Direção Geral de Belas Artes iniciou a reconstrução do mosteiro, procurando respeitar ao máximo o desenho e projetos originais.

Conjunto arquitetónico[editar | editar código-fonte]

Claustro renascentista

O conjunto arquitetónico é composto de duas partes claramente diferenciadas: o convento propriamente dito e a residência do imperador. Por sua vez o convento é composto por uma igreja, situada no centro, um claustro gótico e outro chamado "claustro novo", de estilo renascentista. A igreja e o claustro gótico datam do século XV, enquanto que as restantes construções são do século XVI.

A igeja tem uma só nave e uma cabeceira poligonal. Comunica com o claustro gótico, o qual é de planta retangular e tem dois pisos. As galerias do claustro têm uma cobertura plana de madeira. A organização do claustro renascentista é semelhante à do gótico.

A residência de Carlos V é uma construção simples, na qual os materiais predominantes são o ladrilho, alvenaria e silhar, sem quaisquer elementos decorativos. O piso principal estrutura-se é composto de um corredor central com dois apartamentos de cada lado. Na ala da esquerda encontra-se a antecâmara e a alcova de Carlos V, que comunica com a igreja. Os apartamentos à direita têm janelas para a horta e jardim e aí se sitou um refeitório e sala de audiências.

Entre o mobiliário da residência régia, destaca-se um cadeirão construída especialmente para o monarca, que sofria de gota. Também é de mencionar um relógio de bronze e prata fabricado em 1562 por Jeremías Metzger.

O mosteiro está classificado como Monumento Nacional desde 1931 e como Património Nacional desde 6 de setembro de 2004[1] e foi declarado Património Europeu numa cerimónia oficial realizada em março de 2007.[2]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Real Decreto 1867/2004, de 6 de septiembre». www.boe.es (em espanhol). Agencia Estatal Boletín Oficial del Estado. 6 de setembro de 2004. Consultado em 23 de outubro de 2010. Arquivado do original em 7 de abril de 2010 
  2. «Yuste es declarado Patrimonio Europeo junto a tres enclaves españoles más» (em espanhol). Hoy Digital. www.hoy.es. Consultado em 23 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o Mosteiro de São Jerónimo de Yuste