Mosteiro de Stok

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mosteiro de Stok
Tipo gompa
Estilo dominante tibetano
Construção século XIV
Aberto ao público Sim
Religião budismo tibetano
Geografia
País  Índia
Cidade Stok
Estado Jammu e Caxemira
Distrito Leh
Região histórica Ladaque
Coordenadas 34° 3' 56.5" N 77° 32' 32" E
Mosteiro de Stok está localizado em: Jammu e Caxemira
Mosteiro de Stok
Localização do Mosteiro de Stok em Jammu e Caxemira

O Mosteiro de Stok é uma gompa (mosteiro budista tibetano) na aldeia de Stok, cerca de 14 km a sul de Leh, a capital do Ladaque, no noroeste da Índia. Situa-se acima da parte sudoeste da aldeia, a 3 560 metros de altitude, sobre a margem esquerda do rio Stok, a cerca de 1,5 km a sudoeste do palácio de Stok, com o qual por vezes é confundido.[1][2]

Foi fundado no século XIV pelo lama Lhawang Lotus e é uma dependência do mosteiro de Spituk, pertencente à seita Gelug ("chapéus amarelos").[3] O último rei do Ladaque morreu no mosteiro. Dois dos pontos altos do importante festival do Guru Tse-Chu, que se realiza anualmente no 8.º e 10.º dia do ano tibetano (fevereiro ou março) em Stok, têm lugar junto ao mosteiro: dois oráculos (adivinhos) fazem publicamente as suas previsões para o ano[4] junto ao mosteiro[2] e é também ali que é realizada uma dança ritual de máscaras.[5]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Uma das principais atrações do mosteiro é a sua biblioteca, onde é conservado uma coleção completa do Kandshur, os 108 volumes dos ensinamentos de Buda.[3] O mosteiro tem também uma coleção de máscaras rituais de teatro e vários murais modernos pintados pelos monges.[6]

No alpendrefrisos coloridos onde estão representados os quatro dicpalas ("guardiões das quatro direções"). No Dukhang (sala da assembleia) pode ver-se uma rica coleção de estandartes e thangkas. Numa das paredes há imagens de Vajrapani ("vajra na mão") e Avalokitesvara, na sua forma com quatro braços. Na parede oposta há imagens de Sakyamuni (o Buda histórico), dos seus discípulos, Amchi (o Buda da medicina) e Tara (a "Salvadora"), e de Nangyalma.[5] Ainda no Dukhang há dois tronos, um reservado para o Dalai Lama, ao centro, e outro à sua direita, onde se senta o lama superior do mosteiro de Stok.[3]

Junto às traseiras do Dukhang há uma pequena capela, que é a mais antiga estrutura do mosteiro. A imagem central dessa capela é Tsong-kha-pa, o fundador da seita Gelug do budismo tibetano. Há também uma imagem de Avalokitesvara com quatro braços e de Maityreya, o futuro Buda ou Buda da Compaixão. Também perto do Dukhang, há outra capela, onde há uma série de imagens de Buda, representando os oito mudras (gestos de mãos) de Buda.[3]

Há um terceiro templo, de construção recente, dedicado a Avalokitesvara. A sua imagem central é desse bodisatva com os seus mil braços e onze cabeças.[3]

Referências

  1. Abram, David et. al. (2013), The Rough Guide to India, ISBN 9781409342618 (em inglês), p. 590, consultado em 3 de agosto de 2016 
  2. a b Singh, Sarina; et al. (2009), Lonely Planet India, ISBN 9781742203478 (em inglês), p. 318, consultado em 3 de agosto de 2016 
  3. a b c d e «Stok Gompa» (em inglês). www.buddhist-temples.com. Consultado em 2 de agosto de 2016 
  4. «Insights into the Stok Guru Tsechu monastic festival» (em inglês). www.omalayatravel.com. 4 de março de 2016. Consultado em 3 de agosto de 2016 
  5. a b «Stok Gompa» (em inglês). www.bharatonline.com. Consultado em 3 de agosto de 2016 
  6. «Stok Monastery Tour» (em inglês). www.bestindiatours.com. Consultado em 3 de agosto de 2016