Mosuo (povo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Conhecido por muitos como o "Reino de Mulheres", o povo Mosuo (chinês: 摩梭pinyin: Mósuō) é um pequeno grupo étnico que vive em Yunnan e Sichuan, China, nas proximidade da fronteira com o Tibete. Sua população é da ordem de 50 mil pessoas que vivem nas proximidades do lago Lugu no Himalaia tibetano. 27° 42′ 35,3″ N, 100° 47′ 04,04″ L.

Estudiosos usam diversos termos e tradições e grafias para designar a cultura Mosuo . A maioria prefere "Mosuo", outros usam o termo "Moso", enquanto uma minoria não usa um termo padronizado, mas se refere a eles como o povo Na .

O povo Mosuo é conhecido como 'Reino das Mulheres' porque os Na são uma de matrilinearidade:a atividade heterossexual ocorre apenas por mútuo consentimento e, principalmente, com o costume da 'visita' noturna secreta ; homens e mulheres são livres para ter múltiplos parceiros e para iniciar ou interromper relações quando eles por favor.

Matrilinearidade[editar | editar código-fonte]

Culturas matrilineares traçam suas descendências através da linhagem das mulheres. Pode também ser uma sociedade onde as pessoas se identificam na linhagem de suas mães, inclusive em termos de propriedades.

Matrilinearidade Mosuo[editar | editar código-fonte]

Historicamente, o povo Mosuo viveu em um sistema feudal, onde uma maior população camponesa era controlada por uma pequena nobreza, a qual temia que os camponeses viessem a tomar o poder. Como a liderança sempre fora hereditária, foi imposto à classe dominada um sistema matriarcal. Isso teria impedido maiores ameaças dos camponeses aos membros da nobreza justamente por causa da linhagem de marilinearidade.

Meninas Mosuo[editar | editar código-fonte]

Uma menina Mosuo é considerada uma mulher depois de ter participado da cerimônia de idade. Esse rito ocorre quando a jovem tem entre 12 e 14 anos e marca a transição para a vida adulta, valendo isso também para os homens. A partir daís, as mulheres passam a usar saias e os homens calças.

Antes dessa cerimônia de idade, todas crianças Mosuo se vestem de forma igual e não podem participar de certos eventos Mosuo, principalmente nos aspectos religiosos.

Após esse ritual de maioridade, as mulheres adultas podem ter seu próprio quarto privado dentro do agregado familiar em que vivem, privilégio que não se estende aos homens..

Casamento[editar | editar código-fonte]

Os homens Mosuo praticam a chamada tisese, por vezes erroneamente traduzida como casamento andando em língua chinesa. Porém, o termo Mosuo significa literalmente 'indo e voltando ' .

As mulheres têm a opção de convidar homens de seu interesse para o seu quarto de dormir privado. Se o homem não retribuir esse desejo, ele pode nunca mais visitar o agregado familiar da mulher. Homens realizam tisese no verdadeiro sentido da palavra, pois podem procurar entrar nos quartos de dormir de qualquer mulher que eles desejem que também os desejem.. Quando os sentimentos são recíprocos, ao homem será permitido usar um em área no quarto de dormir privado da mulher (conf . Hua C.), onde vai passar a noite e ir de volta para a casa de sua mãe, no início da manhã.

O antropólogo Cai Hua denomina tisese como visita 'furtiva' ou 'fechada', ou seja, não há nenhuma confirmação ou obrigação públicas entre as partes. À noite, os adultos Mosuo são livres para experimentar a sexualidade com tantos ou poucos quiserem .

Embora e uma mulher Mosuo seja permitido mudar de parceiro sempre que quiser, os casamentos “indo e voltando” normalmente duram muito tempo.. Durante tais uniões uma mulher pode engravidar do mesmo homem várias vezes. Mas quando as crianças nascem, se tornam uma responsabilidade da família da mulher . Em vez de se casar e compartilhar a vida familiar com os cônjuges, os filhos adultos Mosuo permanecem por tempo muito longo em domicílios multi-geracionais, com sua mãe e seus parentes de sangue.

Típico lar Mosuo[editar | editar código-fonte]

Antropologia[editar | editar código-fonte]

Tipos de casamento[editar | editar código-fonte]

familiares Mosuo desafiam, assim, algumas das mais e do (incluindo o patriarcado chinês tradicional) no que se acredita serem os verdadeiros conceitos de família e parentesco:

  • O casamento é uma instituição universal.
  • Os pais que se envolvem em múltiplas relações de curto prazo extra-conjugais são irresponsáveis e isso ameaça o desenvolvimento emocional dos filhos (conf.Stacey, L.)

A vida familiar Mosuo é uma exceção que questiona tais convicções. As famílias Mosuo valorizam sexualidade, o romance, como algo separado de vida doméstica, parentescos, cuidado com filhos, situação econômica. A vida sexual da mulher Mosuo é estritamente voluntária e noturna, enquanto sua vida familiar é uma obrigação diária (Stacey, J.).

Liberdade sexual feminina[editar | editar código-fonte]

A prática de tisese permite que as mulheres Mosuo não precisem se deixar regular pelos padrões duais que regulam a sexualidade em outras culturas. Assim, o comportamento sexual das mulheres e homens é julgado de forma igual, meninos e meninas são educados para expressar a sexualidade numa mesma maneira intensidade (conf. Fox, R).

A tradição Mosuo para família e parentesco provê às mulheres uma igualdade e um domínio de suas vida sexual e procriativa que é rara na maioria das culturas. As uniões sexuais e românticas são regidas tão somente pelo homem e pela mulher envolvidos, assim, outros membros da família não se envolvem nas vidas românticas dos mais jovens.

Mulheres Mosuo desfrutam da toda liberdade para suas necessidades reprodutivas, algo que é totalmente estranho às demais culturas chinesas.

Mulheres Mosuo hoje[editar | editar código-fonte]

Embora a prática de tisese seja tradicional entre os Mosuo, muitos casais hoje têm redefinido esse proceder. Muitos optam por fortalecer sua ligação íntima por meio de uma pequena cerimônia durante a qual, mesmo mantendo o sigilo das visitas noturnas , um representante do homem presenteia para os parentes de sua amada (conf. Walsh , E.). Depois de muitos terem sido dados, essa prática permite que o homem visite abertamente sua amada até para ajudar nas tarefas diárias ou visitar sua família . Ainda assim, sempre que um homem passa a noite com a amada, mesmo após essa cerimônia, ele deve retornar para a sua residência materna no de manhã.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Essa área rural Mosuo junto ao lago Lugu apenas recentemente vem sentido o efeito de modernos hábitos. Quando a sociedade se tornou conhecida como o "Reino de Mulheres", turistas começaram a visitar a área. Os Mosuo responderam a essa demanda por meio da de hotéis e outras atrações para trazer mais visitantes. Muitas mulheres Mosuo ganham a vida gerenciamento desses hotéis .

A tisese levou muitos visitantes a ter uma ideia de que os Mosuo levam uma vida sexual obsceno, depravada, promíscua. É comum visitantes ali cheguem para flertar com as mulheres Mosuo locais num esforço para seduzi-las

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Fox, Robin. Kinship and Marriage An Anthropological Perspective (Cambridge Studies in Social and Cultural Anthropology 50). New York: Cambridge UP, 1984.
  • Chuan-kang & Jenike, A Cultural-Historical Perspective on the Depressed Fertility Among the Matrilineal Moso in Southwest China, 30 Human Ecology 21, 38 (2002).
  • Waite, Linda, and Maggie Gallagher. The Case for Marriage: Why Married People are Happier, Healthier, and Better off Financially. New York: Doubleday, 2000.
  • Harrell, Stevan. "The Anthropology of Reform and the Reform of Anthropology: Anthropological Narratives of Recovery and Progress in China." Annual Review of Anthropology 30 (2001): 139-61.
  • Hershatter, Gail. "State of the Field: Women in China's Long Twentieth Century." Journal of Asian Studies 63.4 (2004): 991-1065.
  • Hua, Cai. A Society without Fathers or Husbands The Na of China. New York: Zone, 2001.
  • Mathieu, Christine. "A History and Anthropological Study of the Ancient Kingdoms of the Sino-Tibetan Borderland." Mellen Studies in Anthropology 11 (2003).
  • Namu, Yang Erche. Leaving Mother Lake a girlhood at the edge of the world. Boston: Little, Brown, 2003.
  • Shih, Chuan-Kang, and Mark R. Jenike. "A Cultural-Historical Perspective on the Depressed Fertility among the Matrilineal Moso in Southwest China." A Cultural-Historical Perspective on the Depressed Fertility among the Matrilineal Moso in Southwest China 30.1 (2002): 21-47.
  • Shih, Chuan-Kang. "Genesis of Marriage among the Moso and Empire-Building in Late Imperial China." The Journal of Asian Studies 60.2 (2001): 381-412.
  • Stacey, Judith. "Unhitching the Horse from the Carriage: Love and Marriage Among the Mosuo." Diss. New York University, 2009.
  • Walsh, Eileen Rose. "From Nü Guo to Nü'er Guo: Negotiating Desire in the Land of the Mosuo." Modern China 31.4 (2005): 448-86.
  • Yuan, Lu, and Sam Mitchell. "Land Of The Walking Marriage." Natural History Magazine, Inc. Nov. 2000. Web. <http://findarticles.com/p/articles/mi_m1134/is_9_109/ai_67410989/>.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]