Motor imóvel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Primeiro motor por Rafael Sanzio

O motor imóvel (em grego clássico: ὃ οὐ κινούμενον κινεῖ; romaniz.: ho ou kinoúmenon kineîtrad.: “aquilo que move sem ser movido”)[1] ou primeiro motor (em latim: primum movens) é um conceito avançado por Aristóteles como causa primária (ou primeira causa não causada)[2] ou "motor" de todo o movimento no universo.[3] Como está implícito no nome, o "motor imóvel" move outras coisas, mas não é movido por nenhuma ação anterior. No livro 12 (em grego: Λ) de sua Metafísica, Aristóteles descreve o motor imóvel como sendo perfeitamente belo, indivisível e contemplando apenas a contemplação perfeita: autocontemplação. Ele iguala esse conceito também ao intelecto ativo. Esse conceito aristotélico teve suas raízes nas especulações cosmológicas dos primeiros filósofos pré-socráticos gregos e tornou-se altamente influente e amplamente utilizado na filosofia e teologia medievais. São Tomás de Aquino, por exemplo, elaborou sobre o motor imóvel nas Quinque viae.

Primeira filosofia[editar | editar código-fonte]

Aristóteles argumenta, no livro 8 da Física e no livro 12 da Metafísica, "que deve haver um ser imortal e imutável, responsável por toda a integridade e ordem no mundo sensível".[4]

Na Física (VIII 4-6), Aristóteles encontra "dificuldades surpreendentes" ao explicar até mesmo mesmo mudanças comuns e, em apoio à sua abordagem da explicação por quatro causas, ela exigia "uma boa quantidade de maquinário técnico".[5] Essa "maquinaria" inclui potencialidade e atualidade, hilomorfismo, teoria das categorias e "um argumento audacioso e intrigante, segundo o qual a simples existência de mudança requer a postulação de uma primeira causa, um motor imóvel cuja existência necessária sustenta a incessante atividade do mundo do movimento".[6] A "primeira filosofia" de Aristóteles, ou Metafísica ("além da Física"), desenvolve sua teologia peculiar do primeiro motor, como πρῶτον κινοῦν ἀκίνητον: uma substância imaterial imutável, eterna, divina e independente.[7]

Esferas celestes[editar | editar código-fonte]

Aristóteles adotou o modelo geométrico de Eudoxo de Cnido para fornecer uma explicação geral da aparente perambulação dos planetas clássicos decorrentes de movimentos circulares uniformes das esferas celestes.[8] Enquanto o número de esferas no modelo em si estava sujeito a alterações (47 ou 55), o relato de Aristóteles sobre o éter, e sobre a potencialidade e a atualidade, exigia um motor imóvel individual para cada esfera.[9]

Causa final e causa eficiente[editar | editar código-fonte]

Simplício argumenta que o primeiro motor imóvel é uma causa não apenas no sentido de ser uma causa final - que todos em seus dias, como nos nossos, aceitariam - mas também no sentido de ser uma causa eficiente (1360. 24ff.), e seu mestre Amônio escreveu um livro inteiro defendendo a tese (ibid. 1363. 8–10). Os argumentos de Simplício incluem citações das visões de Platão no "Timeu" - evidência não relevante para a discussão, a menos que alguém acredite na harmonia essencial de Platão e Aristóteles - e inferências de observações aprovadoras que Aristóteles faz sobre o papel de "Nous" em Anaxágoras, que exige muita leitura nas entrelinhas. Mas ele ressalta, com razão, que o motor imóvel se encaixa na definição de uma causa eficiente - "daí a primeira fonte de mudança ou repouso" (Phys. II. 3, 194b29-30; Simpl. 1361. 12ff.). Os exemplos que Aristóteles aduz obviamente não sugerem uma aplicação ao primeiro motor imóvel, e é pelo menos possível que Aristóteles tenha originado sua distinção quádrupla sem referência a uma tal entidade. Mas a verdadeira questão é se, dada sua definição de causa eficiente, ela inclui o motor imóvel, querendo ou não. Um fato curioso permanece: que Aristóteles nunca reconheceu o fato alegado de que o motor imóvel é uma causa eficiente (um problema do qual Simplício está bem ciente: 1363. 12–14)...[10]
— D. W. Graham, Physics

Apesar de sua aparente função no modelo celeste, os motores imóveis eram uma causa final, não uma causa eficiente para o movimento das esferas;[11] eles eram apenas uma inspiração constante[12] e, mesmo que tomados como uma causa eficiente justamente por serem uma causa final,[13] a natureza da explicação é puramente teleológica.[14]

Teologia de Aristóteles[editar | editar código-fonte]

Dizia-se que os motores imóveis, se estivessem em algum lugar, preenchiam o vazio exterior, além da esfera de estrelas fixas:

É claro, então, que não há lugar, nem vazio, nem tempo, fora do céu. Portanto, o que quer que esteja lá é de natureza a não ocupar lugar algum, nem o tempo o envelhece; nem há mudança em nada que esteja além do movimento mais externo; eles continuam por toda a sua duração inalteráveis e sem modificações, vivendo a melhor e mais autossuficiente das vidas ... Da [realização de todo o céu] derivam o ser e a vida que outras coisas, algumas mais ou menos articuladas, mas outras fracamente, desfrutam".[15]
— Aristóteles, De Caelo, I.9, 279 a17-30

Os motores imóveis são, eles próprios, substância imaterial (seres separados e individuais), não tendo partes nem magnitude. Como tal, seria fisicamente impossível para eles mover objetos materiais de qualquer tamanho empurrando, puxando ou colidindo. Como a matéria é, para Aristóteles, um substrato no qual um potencial de mudança pode ser atualizado, toda e qualquer potencialidade deve ser atualizada em um ser eterno, mas que não deve ser parado, porque a atividade contínua é essencial para todas as formas de vida. Essa forma imaterial de atividade deve ser de natureza intelectual e não pode depender da percepção sensorial para permanecer uniforme; portanto, a substância eterna deve pensar apenas no próprio pensamento e existir fora da esfera estrelada, onde até a noção de lugar é indefinida para Aristóteles. Sua influência sobre seres inferiores é puramente o resultado de uma "aspiração ou desejo",[16] e cada esfera celeste etérica emula um dos motores imóveis, da melhor maneira possível, por movimento circular uniforme. O primeiro céu, a esfera mais externa das estrelas fixas, é movido pelo desejo de imitar o primeiro motor (primeira causa),[17][18] em relação a quem os motores subordinados sofrem uma dependência acidental.

Muitos dos contemporâneos de Aristóteles reclamaram que deuses abstraídos e impotentes são insatisfatórios.[7] No entanto, era uma vida que Aristóteles endossou com entusiasmo como a mais invejável e perfeita, a base sem enfeites da teologia. Como toda a natureza depende da inspiração dos eternos motores imóveis, Aristóteles estava preocupado em estabelecer a necessidade metafísica dos movimentos perpétuos dos céus. É através da ação sazonal do Sol sobre as esferas terrestres que os ciclos de geração e corrupção dão origem a todo movimento natural como causa eficiente.[14] O intelecto, nous, "ou qualquer outra coisa que se pensa que nos governa e nos conduz pela natureza, e que tenha conhecimento do que é nobre e divino" é a atividade mais alta, de acordo com Aristóteles (contemplação ou pensamento especulativo, theōrētikē). É também a atividade mais sustentável, agradável e autossuficiente;[19] algo que visa a si próprio. (Ao contrário da política e da guerra, ela não envolve fazer coisas que preferimos não fazer, mas algo que fazemos à vontade.) Esse objetivo não é estritamente humano; alcançá-lo significa viver de acordo não com os pensamentos mortais, mas com algo imortal e divino que existe nos seres humanos. Segundo Aristóteles, a contemplação é o único tipo de atividade feliz que não seria ridícula de imaginar os deuses tendo. Na psicologia e biologia de Aristóteles, o intelecto é a alma (veja também eudaimonia).

Primeira causa[editar | editar código-fonte]

No livro VIII de sua Física,[20] Aristóteles examina as noções de mudança ou movimento e tenta mostrar, por um argumento desafiador, que a mera suposição de um "antes" e um "depois" requer um primeiro princípio. Ele argumenta que, no começo, se o cosmos tivesse acontecido, faltaria um estado antecedente ao seu primeiro movimento e, como Parmênides disse, "nada vem do nada". O argumento cosmológico, posteriormente atribuído a Aristóteles, tira a conclusão de que Deus existe. No entanto, se o cosmos tivesse um começo, argumentou Aristóteles, seria necessária uma primeira causa eficiente, uma noção que Aristóteles adotou para demonstrar uma falha crítica.[21][22][23]

Mas é uma suposição errada supor universalmente que temos um primeiro princípio adequado em virtude do fato de que algo sempre é assim ... Assim, Demócrito reduz as causas que explicam a natureza ao fato de que as coisas aconteceram no passado da mesma maneira que acontecem agora: mas ele não acha adequado buscar um primeiro princípio para explicar isso 'sempre' ... Conclua isso o que temos a dizer em apoio à nossa afirmação, de que nunca houve um tempo em que não houve movimento e nunca haverá momento em que não haverá movimento. (Física VIII, 2)[24]

O objetivo do argumento cosmológico de Aristóteles, de que pelo menos um motor imóvel eterno deve existir, é apoiar a mudança cotidiana.[25]

Das coisas que existem, as substâncias são as primeiras. Mas se as substâncias podem, então todas as coisas podem perecer... e, no entanto, o tempo e a mudança não podem. Agora, a única mudança contínua é a do lugar, e a única mudança contínua de lugar é o movimento circular. Portanto, deve haver um eterno movimento circular e isso é confirmado pelas estrelas fixas que são movidas pela substância real eterna que é puramente real.[26]

Na estimativa de Aristóteles, uma explicação sem a atualidade e a potencialidade temporais de uma cadeia locomotiva infinita é necessária para um cosmos eterno sem começo nem fim: uma substância eterna imóvel para a qual o Primum Mobile[27] gira diurnamente e por onde todos os ciclos terrestres são dirigidos: dia e noite, as estações do ano, a transformação dos elementos e a natureza das plantas e dos animais.[9]

Substância e mudança[editar | editar código-fonte]

Aristóteles começa descrevendo a substância, da qual ele diz que existem três tipos: a sensível, que é subdividida no perecível, que pertence à física, e a eterna, que pertence a "outra ciência". Ele observa que a substância sensível é mutável e que existem vários tipos de mudança, incluindo qualidade e quantidade, geração e destruição, aumento e diminuição, alteração e movimento. A mudança ocorre quando um determinado estado se torna algo contrário a ele: ou seja, o que existe potencialmente vem a existir atualmente. (Consulte Potencialidade e atualidade.) Portanto, "uma coisa [pode vir a ser], aliás, daquilo que não é, [e] também todas as coisas saem daquilo que é, mas que é potencialmente, e não é atualmente". Aquilo pelo qual algo é mudado é o motor, o que é mudado é a matéria, e o modo em que é mudado é a forma.

A substância é necessariamente composta de diferentes elementos. A prova disso é que existem coisas que são diferentes umas das outras e que todas são compostas de elementos. Como os elementos se combinam para formar substâncias compostas, e como essas substâncias diferem umas das outras, deve haver elementos diferentes: em outras palavras, "b ou a não pode ser o mesmo que ba".

Número de motores[editar | editar código-fonte]

Perto do final da Metafísica, Livro Λ, Aristóteles introduz uma pergunta surpreendente, perguntando "se devemos supor um desses [motores] ou mais de um, e se o último, quantos".[28] Aristóteles conclui que o número de todos os motores é igual ao número de movimentos separados, e podemos determiná-los considerando a ciência matemática mais semelhante à filosofia, isto é, astronomia. Embora os matemáticos difiram no número de movimentos, Aristóteles considera que o número de esferas celestes seria 47 ou 55. No entanto, ele conclui sua Metafísica, Livro Λ, com uma citação da Ilíada: "A regra de muitos não é boa; que haja um governante".[29][30]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Aristotle, Metaphysics XII, 1072a.
  2. Kai Nielsen, Reason and Practice: A Modern Introduction to Philosophy, Harper & Row, 1971, pp. 170–2.
  3. «Aristotle's Natural Philosophy: Movers and Unmoved Mover». stanford.edu 
  4. «Aristotle: Metaphysics» 
  5. Shields, Christopher John. Aristotle. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-415-28331-1 
  6. Shields, Christopher John. Aristotle. [S.l.: s.n.] 
  7. a b Ross, Sir David; Ackrill, John Lloyd. Aristotle. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-415-32857-9 
  8. «Eudoxus of Cnidus: Astronomy and Homocentric Spheres». Vignettes of Ancient Mathematics [ligação inativa] 
  9. a b Zalta (ed.). «Aristotle's Natural Philosophy» 
  10. Graham, D. W. (1999). Physics. Col: Clarendon Aristotle Series, bk. 8. [S.l.]: Oxford University Press, USA. p. 179. ISBN 9780198240921. LCCN 98049448 
  11. Humphrey, P. Metaphysics of Mind: Hylomorphism and Eternality in Aristotle and Hegel. [S.l.: s.n.] ISBN 9780549806714 
  12. Hankinson, R. J. Cause and Explanation in Ancient Greek Thought (PDF). [S.l.: s.n.] 
  13. Ross, Sir David; Ackrill, John Lloyd. Aristotle. [S.l.: s.n.] 
  14. a b Shields, Christopher John. Aristotle. [S.l.: s.n.] 
  15. Aristotle (J. L. Stocks trans.) (7 de janeiro de 2009). «De Caelo» [On the Heavens]. The Internet Classics Archive. I.9, 279 a17–30 
  16. "Cosmological Argument for the Existence of God", in Macmillan Encyclopedia of Philosophy (1967), Vol. 2, p. 233ff.
  17. Aristotle, Physics VIII 6, 258 b26-259 a9.
  18. Now understood as the Earth's rotation.
  19. Aristotle, Nicomachean Ethics X 1177 a20
  20. Aristotle, Physics VIII, 4–6.
  21. Brentano, F.C.; George, R.; Chisholm, R.M. Aristotle and His World View. [S.l.: s.n.] ISBN 9780520033900. LCCN lc76050245 
  22. Aristotle, De Caelo Book I Chapter 10 280a6.
  23. Aristotle, Physics Book VIII 251–253.
  24. «Physics» 
  25. Shields, Christopher John. Aristotle. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-415-28331-1 
  26. Ross, Sir David; Ackrill, John Lloyd. Aristotle. [S.l.: s.n.] 
  27. The outermost celestial sphere, for Aristotle, the sphere of fixed stars.
  28. Aristotle, Metaphysics, 1073a14–15.
  29. Iliad, ii, 204; quoted in Aristotle, Metaphysics, 1076a5.
  30. Harry A. Wolfson, "The Plurality of Immovable Movers in Aristotle and Averroës," Harvard Studies in Classical Philology, 63 (1958): 233–253.