Motores de Fórmula 1

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Fórmula 1 teve ao longo de sua história uma grande variedade de mudanças nas regulamentações que afetou os motores. Isso levou ao uso de diferentes tipos de propulsores desde 1947, época em que a atual Federação Internacional de Automobilismo (FIA) se reuniu para especificar as regras que os pilotos e os monopostos deveriam obedecer. As "formulas" que limitavam a capacidade do motor tinham sido usadas nas corridas de Grandes Prêmios regularmente desde a Primeira Guerra Mundial.

Motores atuais[editar | editar código-fonte]

A Fórmula 1 desde a temporada de 2014 utiliza motores turbocomprimidos V6 de 3000 cilindradas.[1]

Unidade de potência Equipe(s)
Ferrari 064 Alfa Romeo Racing
Scuderia Ferrari
Haas F1 Team
Honda RA619H Aston Martin Red Bull Racing
Red Bull Toro Rosso Honda
Mercedes-AMG F1 M10 EQ Power+ Mercedes-AMG Petronas Motorsport
SportPesa Racing Point F1 Team[nota 1]
ROKiT Williams Racing
Renault E-Tech 19 Renault F1 Team
McLaren F1 Team

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. A Racing Point usa unidades de potência Mercedes M10 EQ Power+. Para fins de patrocínio, esses propulsores são rebatizados como "BWT Mercedes".[2]

Referências

  1. «Novos motores turbo mudam a cara da F1 para 2014; entenda». Terra. 14 de março de 2014. Consultado em 26 de junho de 2018 
  2. «2019 FIA Formula One World Championship Entry List». Fédération Internationale de l'Automobile. 28 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 28 de fevereiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Motores de Fórmula 1
Ícone de esboço Este artigo sobre Fórmula 1 é um esboço relacionado ao projeto sobre Fórmula 1. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.