Movimento da extinção humana voluntária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Movimento da extinção humana voluntária
Lema "Que possamos viver muito e desaparecer (May we live long and die out)"
Fundação 1991
Tipo ONG
Fundador(a) Les U. Knight
Sítio oficial http://vhemt.org/

O Movimento da extinção humana voluntária (em em inglês: Voluntary Human Extinction Movement ou VHEMT), também conhecido pela sigla VHEMT[nota 1] é um movimento ecológico com o objetivo de abster a reprodução para causar gradualmente a extinção voluntária da humanidade. O VHEMT apoia a extinção humana, principalmente porque, na opinião do grupo, seria o mecanismo para evitar a degradação ambiental. As extinções de espécies não humanas e a escassez de recursos necessários para os seres humanos são frequentemente citados pelo grupo como argumentos sobre os danos causados pela superpopulação humana.

o VHEMT foi fundado em 1991 por Les U. Knight, um ativista estadunidense que se envolveu no movimento ambientalista na década de 1970 e concluiu posteriormente que a extinção humana era a melhor solução para os problemas enfrentados pela biosfera da Terra e a humanidade. Knight publica o boletim de notícias do grupo e atua como seu porta-voz. Embora que o grupo seja promovido por um site e representado em alguns eventos ambientais, o mesmo depende fortemente da cobertura de mídias independentes para espalhar a sua mensagem. Muitos comentaristas vêem a plataforma do grupo como inaceitavelmente extrema, embora outros escritores têm aplaudido a sua perspectiva. Em resposta ao VHEMT, alguns jornalistas e acadêmicos têm argumentado que os seres humanos podem desenvolver estilos de vida sustentáveis ou podem reduzir sua população a níveis sustentáveis. Outros sustentam que, qualquer que seja o mérito da ideia, o instinto da reprodução evitará, de qualquer maneira, que a humanidade busca a extinção voluntária.

História[editar | editar código-fonte]

Cartoon do Movimento da extinção humana voluntária por Nina Paley

O Movimento da extinção humana voluntária foi fundado por Les U. Knight,[2][3][nota 2] um professor substituto do ensino médio que vive em Portland, Oregon.[2][5] Depois de ser envolver com o movimento ecológico como um estudante universitário na década de 1970, Knight atribuiu a maioria dos perigos enfrentados pelo planeta a superpopulação humana.[2][5] Ele se juntou à organização Zero Population Growth,[2] e optou a fazer uma vasectomia aos 25 anos.[5] Ele concluiu mais tarde que a extinção da humanidade seria a melhor solução para os problemas ambientais da Terra.[2] Ele acredita que essa ideia tem sido sustentada por algumas pessoas ao longo da história.[6]

Em 1991, Knight começou a publicar o boletim de notícias do VHEMT,[2] conhecido como These Exit Times.[3] No boletim, ele pediu aos leitores para promover a extinção humana, não procriando.[2] o VHEMT também publicou alguns cartoons,[7] incluindo uma história em quadrinhos chamada "Bonobo Baby", que caracteriza uma mulher que renuncia a fertilidade a favor da adoção de um bonobo.[3]

Em 1996, Knight criou um website para o VHEMT,[8] que estava disponível em 11 idiomas até 2010.[9] A logomarca do VHEMT caracteriza a letra "V" (voluntária) e a Terra invertida, ou seja, com o norte na parte inferior.[10][nota 3]

Organização e promoção[editar | editar código-fonte]

"Obrigado por não reproduzir", slogan do VHEMT, distribuído como adesivos para pára-choques.

O VHEMT funciona como uma rede frouxa ao invés de uma organização formal,[11] e não lista seus membros. Daniel Metz, da Universidade de Willamette, afirmou em 1995 que a lista de distribuição do grupo tinha um pouco menos de quatrocentos assinantes.[2] Seis anos mais tarde, a Fox News disse que a lista tinha apenas duzentos e trinta assinantes.[12] Knight diz que qualquer um que concorde com a sua ideologia é um membro do movimento;[2] e que isso inclui "milhões de pessoas".[13][nota 4]

Knight serve como porta-voz do grupo.[2] Ele atende conferências e eventos ambientais, onde divulga informações sobre o crescimento da população.[9] A mensagem do grupo, no entanto, espalhou-se principalmente através da cobertura dos meios de comunicação, ao invés de eventos e seu boletim.[8] O VHEMT vende botões e camisetas,[8] assim como adesivos que expressam o slogan "Obrigado por não reproduzir".[3]

Notas

  1. pronunciado como "vehement",[1] porque, de acordo com Knight, é o que eles são.[2]
  2. Knight nega que é o fundador, dizendo que "eu não sou o fundador do VHEMT, eu apenas dei-lhe um nome."[4]
  3. O VHEMT afirma que a Terra invertida representa a mudança radical no sentido humano, que o movimento busca, e observa que emblemas de cabeça para baixo são frequentemente utilizados como símbolos de perigo.[10]
  4. Em seu site, o VHEMT caracteriza os participantes em seu movimento como "voluntário", "defensor" ou "indecisos", cada um dos quais compartilham um interesse em uma redução na taxa de crescimento vegetativo.[14]

Referências

  1. Pesca, Mike (13 de maio de 2006). «All Choked Up». NPR (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2013 
  2. a b c d e f g h i j k «Sui genocide». The Economist (em inglês). 17 de dezembro de 1998. Consultado em 7 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012 
  3. a b c d Jarvis, Stephen (24 de abril de 1994). «Live long and die out: Stephen Jarvis encounters the Voluntary Human Extinction Movement». The Independent (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 20 de abril de 2013 
  4. «Personal information about Les U. Knight» (em inglês). The Voluntary Human Extinction Movement. Consultado em 23 de março de 2012. Cópia arquivada em 29 de junho de 2012 
  5. a b c Dicum, Gregory (16 de novembro de 2005). «Maybe None» (em inglês). San Francisco Chronicle. Consultado em 7 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2012 
  6. Ormrod 2011, p. 142.
  7. «Sites answer 300 million questions». Barre Montpelier Times Argus (em inglês). 22 de outubro de 2006. Consultado em 9 de março de 2012. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2013 
  8. a b c Ormrod 2011, p. 143.
  9. a b Weisman 2010, p. 310.
  10. a b «Symbolism of the logo for the Voluntary Human Extinction Movement» (em inglês). Voluntary Human Extinction Movement. Consultado em 22 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2012 
  11. Ormrod 2011, pp. 142–3.
  12. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome fox
  13. «About The Movement — When and how did VHEMT start?» (em inglês). The Voluntary Human Extinction Movement. Consultado em 23 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2013 
  14. «How to join VHEMT» (em inglês). The Voluntary Human Extinction Movement. Consultado em 28 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2012 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Best, Steven; Kellner, Douglas (2001). The Postmodern Adventure: Science, Technology, and Cultural Studies at the Third Millennium. [S.l.]: Guilford Press. ISBN 978-1-57230-665-3 
  • Ellis, Richard J. (1998). The Dark Side of the Left: Illiberal Egalitarianism in America. [S.l.]: University Press of Kansas. ISBN 978-0-7006-1030-3 
  • Ormrod, James S. (2011). «'Making room for the tigers and the polar bears': Biography, phantasy and ideology in the Voluntary Human Extinction Movement». Psychoanalysis, Culture & Society. 16 (2): 142–61. doi:10.1057/pcs.2009.30 
  • Weisman, Alan (2010). The World Without Us. [S.l.]: HarperCollins. ISBN 978-1-4434-0008-4 

Leituras futuras[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]