Movimento dos Novos Intelectuais de Angola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Movimento dos Novos Intelectuais de Angola (MNIA) foi uma organização cultural nacionalista, de Angola. Viriato da Cruz e outros elementos, formaram o MNIA em 1948 .[1]. O movimento tinha um carácter contestatário demonstrado nas suas poesias publicadas na revista Mensagem [1][2], que descreviam, por um lado, as difíceis condições sociais dos musseques, os bairros degradados de Luanda; e, por outro lado, tinha implícitas reivindicações nacionalistas. O seu objectivo era a criação de literatura própria, de origem angolana, quebrando, assim, os laços com as imposições colonialistas de Portugal [3]. Foi um dos movimento que deu origem ao MPLA [4], tendo sido importante para a fundação pois para além de Viriato da Cruz, passaram pelo MNIA Agostinho Neto e António Jacinto [2][5]

Em 1950, o MNIA enviou uma carta as Nações Unidas pedindo que fosse concedido a Angola, o estatuto de protectorado sob supervisão das Nações Unidas .[1][6][7]

Referências

  1. a b c Wright 1997, pp. 2
  2. a b Wright 1997, pp. 8-11
  3. Maria de Lourdes de Melo Pinto. «A linguagem secreta de Rioseco, de Manuel Rui: perspectivas do entre-lugar angolano.» (PDF). Consultado em 9 de Novembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2016 
  4. Oyebade 2006, pp. XI
  5. Karina Mayara Leite Vieira. «Pelos caminhos da memória: a Angola do pós-independência revisitada por Ondjaki.» (PDF). Consultado em 9 de Novembro de 2011 
  6. Uwechue 1977, pp. 238
  7. Tvedten 1997, pp. 29-36

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Angola é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.