Movimento para a Democracia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Movimento para a Democracia
(MpD)
Presidente Ulisses Correia e Silva
Fundação 14 de março de 1990 (27 anos)
Sede Praia, Cabo Verde Cabo Verde
Ideologia Centrismo,
Liberalismo,
Progressismo,
Liberalismo social,
Democracia-cristã
Afiliação internacional Internacional Democrata Centrista
Assembleia Nacional de Cabo Verde
40 / 72
Espectro político Centro-direita[1]
Cores Verde, azul e branco
Página oficial
http://www.mpd.cv

O Movimento para a Democracia, conhecido também pela sigla MpD, é um partido político de centro-direita de Cabo Verde. Esteve no poder entre 1991 e 2001. Os seus membros têm como alcunha "os ventoinhas", por causa do emblema do partido que faz lembrar uma ventoinha, e identificam-se com a cor verde.

História[editar | editar código-fonte]

MpD foi criado dia 14 de Março de 1990, e a sua primeira convenção celebrou-se em Novembro de 1990. Ganhou as primeiras eleições depois do fim do sistema de partido único imposto pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (agora PAICV), nas quais obteve mais de 2/3 dos deputados da Assembleia Nacional.[1]

Neste período de transição, o MpD participou na supressão do artigo 4º da Constituição de Cabo Verde de 1980, que codificou o sistema de partido único. O MpD também ajudou a estabelecer um calendário para o período de transição.

O MpD é um partido de centro direita, que favorece o livre comércio, uma política económica aberta e uma maior cooperação com organizações internacionais como a OMC.

Enquanto que o MpD tem o seu maior apoio nas Ilhas Barlavento, tem ganho apoio crescente nas cidades secundárias das Ilhas Sotavento, como Mosteiros, Calheta, Assomada e Tarrafal.

Nas eleições presidenciais celebradas de 11 a 25 de Fevereiro de 2001, Carlos Veiga, que ganhou 45,83% dos votos na primeira ronda, foi derrotado por uma estreita margem (só 12 votos) pelo candidato do PAICV candidato Pedro Pires na segunda volta.[1]

Na última eleição para o ramo legislativo,celebrada a 22 de Janeiro de 2006, o partido obteve 44.02% do voto popular e 29 dos 72 deputados na Assembleia Nacional de Cabo Verde.

Na última eleição presidencial de Cabo Verde celebrada a 12 de Fevereiro de 2006, Carlos Veiga foi novamente derrotado por Pedro Pires, por uma margem de 49,02% a 50,98%.

Nas eleições parlamentares de 2011 o MpD não conseguiu a maioria das cadeiras, ficando em segundo lugar.[2]

Resultados eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Data Candidato

apoiado

1ª Volta 2ª Volta
CI. Votos % CI. Votos %
1991 António Mascarenhas Monteiro 1.º 70 623
73,4 / 100,0
1996 António Mascarenhas Monteiro 1.º 81 821
92,1 / 100,0
2001 Carlos Veiga 2.º 60 719
45,8 / 100,0
2.º 75 815
50,0 / 100,0
2006 Carlos Veiga 2.º 83 241
49,0 / 100,0
2011 Jorge Carlos Fonseca 1.º 60 887
37,8 / 100,0
1.º 97 735
54,3 / 100,0
2016 Jorge Carlos Fonseca 1.º 93 010
74,1 / 100,0

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data CI. Votos % +/- Deputados +/- Status
1991 1.º 78 454
66,4 / 100,0
56 / 79
Governo
1995 1.º 93 249
61,3 / 100,0
Baixa5,1
50 / 72
Baixa6 Governo
2001 2.º 55 586
40,6 / 100,0
Baixa20,7
30 / 72
Baixa20 Oposição
2006 2.º 74 909
44,0 / 100,0
Aumento3,4
29 / 72
Baixa1 Oposição
2011 2.º 94 674
42,3 / 100,0
Baixa1,7
32 / 72
Aumento3 Oposição
2016 1.º 122 881
54,5 / 100,0
Aumento12,2
40 / 72
Aumento8 Governo

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]