Muchel IV Mamicônio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Muchel Mamicônio.
Muchel IV Mamicônio
Nacionalidade Império Bizantino
Etnia Armênia
Progenitores Pai: Muchel III
Ocupação General

Muchel IV Mamicônio (em armênio/arménio: Մամիկոնյան Դ Մամիկոնյան; transl.: Moušeł IV Mamikonian) ou Muchel III Mamicônio foi um príncipe da Armênia em 654 da família Mamicônio. Estava ativo no início da dominação árabe da Armênia.

Filiação[editar | editar código-fonte]

Sua afiliação não é citada por documentos contemporâneos. Cyril Toumanoff e Christian Settipani o consideram filho do asparapetes Muchel III.[1][2] Assumindo que os armênios não dão a uma criança o nome de seus pais vivos, Settipani o pensa como póstumo, mas isso significaria que teria 12 anos quando se tornou um asparapetes e 16 quando se tornou príncipe. Toumanff pensa que tinha um irmão chamado Fraates, citado por Leôncio, o Vardapetes, cujo filho se chamada Davi I.[3]

Vida[editar | editar código-fonte]

Soldo de Constante II (r. 641–668)

Após a queda do Império Sassânida, conquistado pelos árabes, os armênios, vassalos dos sassânidas, se aproximam do Império Bizantino para resistir melhor às incursões dos árabes. O imperador Constante II (r. 641–668) nomeou Teodoro Rexituni como príncipe da Armênia em 643, mas os armênios rapidamente se desapontaram com o Império Bizantino que, por um lado, apenas ajuda fracamente contra os árabes e, por outro, procura acabar ao cisma armênio pela conversão forçada. Rexituni rejeita a suserania bizantina e aproxima-se dos árabes e aprisiona os emissários bizantinos.[4]

Constante invadiu a Armênia em 654, obrigando Rexituni a fugir, e nomeou em seu lugar Muchel, que assim se tornou príncipe da Armênia. Após a partida do exército bizantino, Rexituni recebe um contingente de 7 000 árabes, assume o controle da Armênia e se torna príncipe novamente.[5] Entre os partidários de Rexituni estava Amazaspes IV, provável tio de Muchel. Uma alusão de Sebeos sugere que havia entre os Mamicônios um grecófilo e um arabófilo, mas que os dois príncipes sabiam viver globalmente com boa inteligência. Muchel reuniu-se aos árabes em 656, deixando seus quatro filhos como reféns deles, e permaneceu seu aliado em 657, quando Amazaspes, agora príncipe, se voltou ao Império Bizantino.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Teodoro Rexituni
Príncipe da Armênia
654
Sucedido por
Teodoro Rexituni

Referências

  1. a b Settipani 2006, p. 139-140.
  2. Toumanoff 1990, p. 332-333.
  3. Toumanoff 1990, p. 333.
  4. Grousset 1947, p. 296-302.
  5. Grousset 1947, p. 302-304.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Grousset, René (1947). História da Armênia das origens à 1071. Paris: Payot 
  • Settipani, Christian (2006). Continuité des élites à Byzance durant les siècles obscurs. Les princes caucasiens et l'Empire du vie au ixe siècle. Paris: de Boccard. ISBN 978-2-7018-0226-8 
  • Toumanoff, Cyril (1990). Les dynasties de la Caucasie chrétienne de l'Antiquité jusqu'au xixe siècle: Tables généalogiques et chronologiques. Roma: Edizioni Aquila