Mulher, Vida, Liberdade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Um mural em Viena mostra uma mulher curda e o slogan Mulheres, Vida, Liberdade (em curdo).

Mulher, Vida, Liberdade (em curdo: ژن، ژیان، ئازادی / Jin, Jiyan, Azadî ) é um slogan político popular curdo usado no movimento de independência curda e que visa reconhecer a importância das mulheres.[1][2]

Durante os protestos após a morte de Mahsa Amini, o slogan foi usado por manifestantes em todo o mundo tanto na forma curda original quanto em persa (em farsi: زن زندگی آزادی, translit. Zan, Zendegi, Azadi ). O jornal francês Libération imprimiu o slogan em persa e francês (Femme, Vie, Liberté) em sua primeira página, juntamente com uma fotografia de mulheres iranianas sem véu protestando.

Uma placa com Mulher, Vida, Liberdade (Jin, Jiyan Azadî) escrita em curdo (escritas em latim e árabe), bem como em inglês

Origem[editar | editar código-fonte]

A origem do slogan pode ser atribuída ao movimento de liberdade curdo do final do século XX. A primeira vez que o slogan foi usado foi por membros do movimento de mulheres curdas, uma parte do movimento de liberdade curdo que foi fundado no ativismo de base em resposta à perseguição dos governos do Irã, Iraque, Turquia e Síria.[3] Foi popularizado ainda mais por figuras curdas como Abdullah Öcalan em seus escritos anticapitalistas e antipatriarcais.[4] Desde seu primeiro uso, o slogan tem sido usado por membros de organizações curdas e por pessoas de fora do movimento curdo.[5]

Uso pelos curdos[editar | editar código-fonte]

O slogan está associado à Jineologia e deve ter sido cunhado por Abdullah Öcalan.[6] O slogan marcou a atuação política das mulheres curdas nos anos 2000 e foi considerado atrativo por sua ortografia, ritmo e significado conotacional.[2] O slogan também foi usado entre os curdos na guerra contra o ISIS.[7]

Afeganistão[editar | editar código-fonte]

Em 20 de setembro de 2022, o slogan foi entoado por mulheres afegãs em um protesto em apoio às mulheres que protestavam no Irã.[8]

França[editar | editar código-fonte]

Em 2018, durante o Festival de Cinema de Cannes, o elenco de Girls of the Sun cantou "jin jiyan azadî".[9] O slogan foi posteriormente impresso em farsi na primeira página do Libération da França em setembro de 2022, após os protestos pela morte de Mahsa Amini.[10]

Irã[editar | editar código-fonte]

O primeiro uso do slogan "Mulher, Vida, Liberdade" remonta a uma série de protestos após a morte de Mahsa Amini em setembro de 2022. O slogan foi cantado pela primeira vez no funeral de Amini em Saqqez e depois foi ouvido nos protestos iniciais em Sanandaj após o funeral.[11][12][13] Em 21 de setembro, o slogan foi entoado por estudantes da Universidade de Teerã,[14] e por manifestantes em todo o país nos dias seguintes.[15][16] Em 28 de setembro e na continuação dos protestos, estudantes da Universidade de Ciências Médicas de Shiraz usaram o slogan em seus protestos junto com um novo slogan semelhante: "Mulher, Vida, Liberdade; Homem, Pátria, Prosperidade".[17]

Turquia[editar | editar código-fonte]

Um cartaz com Mulher, Vida, Liberdade (Jin, Jiyan Azadi) escrito em curdo central e inglês carregado em um protesto em Toronto

Este slogan tem sido usado repetidamente na Turquia pelas mães de sábado[9] e mulheres curdas. O slogan também foi entoado por manifestantes turcos na Turquia, quando se reuniram para protestar em frente à embaixada da República Islâmica do Irã em 21 de setembro de 2022.[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Bocheńska, Joanna (2018). Rediscovering Kurdistan’s Cultures and Identities: The Call of the Cricket. [S.l.]: Palgrave Macmillan. 47 páginas 
  2. a b Çağlayan, Handan (2019). Women in the Kurdish Movement: Mothers, Comrades, Goddesses. [S.l.]: Springer Nature. 197 páginas 
  3. Chotiner, Isaac (2 de outubro de 2022). «How Iran's Hijab Protest Movement Became So Powerful». The New Yorker. Consultado em 6 de outubro de 2022 
  4. Neven, Brecht; Schäfers, Marlene (25 de novembro de 2017). «Jineology: from women's struggles to social liberation». ROAR Magazine. Consultado em 6 de outubro de 2022 
  5. «'The fire of Newroz was lit with the slogan 'freedom'». Welat. 11 de março 2022. Consultado em 6 de outubro de 2022 
  6. Neven, Brecht; Schäfers, Marlene (25 de novembro de 2017). «Jineology: from women's struggles to social liberation». ROAR Magazine. Consultado em 1 de outubro de 2022 
  7. Hamad, Words by Sarah Lazarus Photographs by Sonja (28 de janeiro de 2019). «Women. Life. Freedom. Female fighters of Kurdistan». CNN (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2022 
  8. «همصدایی زنان افغانستان با زنان ایران درپی قتل مهسا امینی: ما هم‌سرنوشتیم» [Afghan women's solidarity with Iranian women after the murder of Mahsa Amini: We share the same fate]. ار.اف.ای - RFI (em persa). 20 de setembro de 2022. Consultado em 28 de setembro de 2022 
  9. a b «شعار «زن، زندگی، آزادی» از کجا آمد؟». آسو (em persa). Consultado em 29 de setembro de 2022 
  10. «Libération». journal.liberation.fr (em francês). Consultado em 29 de setembro de 2022 
  11. «مهسا امینی با شرکت گسترده مردم به خاک سپرده شد» [Mehsa Amini was buried with the large participation of people]. dw.com (em persa). 17 de setembro de 2022. Consultado em 28 de setembro de 2022 
  12. «خشم عمومی از جان‌باختن مهسا امینی؛ معترضان شعار "زن، زندگی، آزادی" سر دادند» [Public anger over Mehsa Amini's death; Protesters chanted "Woman, Life, Freedom".]. Radio Farda (em persa). 21 de setembro de 2022. Consultado em 28 de setembro de 2022 
  13. «مردم کردستان بار دیگر به خیابان‌ها آمدند؛ شلیک نیروهای امنیتی به معترضان» [The people of Kurdistan once again came to the streets; Security forces shot at protesters]. Iran International (em persa). 21 de setembro de 2022. Consultado em 28 de setembro de 2022 
  14. «تجمع دانشجویان دانشگاه تهران در اعتراض به قتل مهسا امینی با شعار "زن، زندگی آزادی"» [Tehran University students gathered to protest against murder of Mehsa Amini with the slogan "Woman, Life ,Freedom"]. Iran International (em persa). 21 de setembro de 2022. Consultado em 28 de setembro de 2022 
  15. تصاویر دریافتی از اعتراض مردم مریوان؛ دوشنبه ۲۸ شهریور شعار مردم: زن، زندگی، آزادی (em persa), VOA Persian, 20 de setembro de 2022, consultado em 28 de setembro de 2022 
  16. «از کردستان تا تهران اعتراض به مرگ فجیع مهسا و در دفاع از زن، زندگی و آزادی» [From Kurdistan to Tehran, protest against the horrible death of Mahsa and in defense of women, life and freedom]. RFI (em persa). 19 de setembro de 2022. Consultado em 28 de setembro de 2022 
  17. تجمع دانشگاه پزشکی شیراز؛ "زن، زندگی، آزادی؛ مرد، میهن، آبادی" (em persa), VOA Persian, 28 de setembro de 2022, consultado em 28 de setembro de 2022 
  18. «شهروندان ترکیه در اعتراض به مرگ مهسا امینی و در همبستگی با زنان ایران تظاهرات کردند» [Turkish citizens protested the death of Mehsa Amini and demonstrated in solidarity with Iranian women]. RFI (em persa). 21 de setembro de 2022. Consultado em 28 de setembro de 2022