Mundo Cão (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Este artigo foi proposto para eliminação por consenso. Você é encorajado a melhorá-lo(a), mas não remova este aviso, o que seria considerado vandalismo.

Dê a sua opinião e caso ela seja transformada numa votação após uma semana, vote (se tiver direito ao voto) na discussão.

Se aprovada, a eliminação ocorrerá a partir de 14 de março.

Mundo Cão
Informação geral
Origem Braga
País Portugal Portugal
Gênero(s) Rock alternativo
Período em atividade 2007 -
Integrantes Pedro Laginha, Miguel Pedro, Vasco Vaz
Ex-integrantes Gonçalo Budda

Mundo Cão é uma banda portuguesa de rock alternativo.

História[editar | editar código-fonte]

Pedro Laginha já fazia teatro amador e o avô ofereceu-lhe aulas de guitarra e ele apercebeu-se que também sabia cantar. Esteve em bandas punk, gótico e tocava covers e fazia os circuitos de bares. Tirando os The Spleen ficavam sempre na primeira maquete. Após aparecer, enquanto ator, no teledisco de "Cão da Morte" dos Mão Morta mostrou uma maquete a Miguel Pedro que se ofereceu para ser o produtor da banda que entretanto acabou. Miguel Pedro fez depois um convite para começarem uma banda e assim nasceram os Mundo Cão. [1]

A banda era composta por Pedro Laginha na voz, Miguel Pedro na bateria, Vasco Vaz na guitarra, Duarte Nuno na baixo e Gonçalo Budda na guitarra. Alguns dos músicos pertencem aos Mão Morta e a outras bandas conhecidas.

Com a preciosa ajuda de Adolfo Luxúria Canibal (autor do nome da banda e das letras), gravam em 2007 o primeiro disco pela editora Som Livre. Nesse ano fazem mais de 30 concertos destacando-se os mais mediáticos como o Super Bock Super Rock, Paredes de Coura e Live Earth. O grupo vence o Globo de Ouro para melhor banda revelação. [2]

O segundo disco, "A Geração da Matilha", editado em 2009, vem consolidar a banda no panorama musical português.[3] O disco conta com letras de Adolfo e do escritor Valter Hugo Mãe.[4]

Uma versão do tema "Canção De Amigo" dos Um Zero Amarelo e uma nova versão de "Morfina" aparecem na compilação "3 Pistas Vol. 2" referente *a rubrica do programa "Portugália" de Henrique Amaro.[5]

Em 2012 participam no 4º volume da compilação "À Sombra de Braga", dedicadas como sempre às bandas de Braga,[6] com a faixa "Meu Deus!".

O álbum "O Jogo do Mundo" foi editado em 2013. O escritor José Luís Peixoto é uma novidade que se junta aos habituais letristas. [7]

No ano de 2015 suspendem a atividade por tempo indeterminado [8] mas em 2016 surgem renovados com Pedro Laginha (voz), Miguel Pedro (bateria), Vasco Vaz (guitarra), Frederico Cristiano (teclado) e Canoche (baixo)[9].

O álbum "Desligado", editado em 2018, inclui letras de Adolfo Luxúria Canibal, Valter Hugo Mãe e Carlos Conceição. [10] O disco teve apoio da SPA e a distribuição é da Sony Music. O disco conseguiu atingir os 30 primeiros lugares do top nacional. [11]

Em 2019 lançam o seu novo single "É Sempre Essa Treta do Amor Eterno que Me Lixa" com direito a teledisco. [12] Continuam com a digressão pelo pais. [13]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

  • Mundo Cão (Som Livre, 2007)
  • A Geração da Matilha (Cobra Discos, 2009)
  • O Jogo do Mundo (Cobra Discos, 2013)
  • Desligado (Sony Music, 2018)

Participações[editar | editar código-fonte]

  • 3 Pistas Vol. 2 (2009) - Morfina / Canção De Amigo
  • À Sombra De Braga 4 - Braga 2012 (2012) - Meu Deus!

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]