Muntiacus reevesi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaMuntiacus reevesi
Reeve's Muntjac. Muntiacus reevesi - Flickr - gailhampshire (2).jpg

Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Família: Cervidae
Género: Muntiacus
Espécie: Muntiacus reevesi
Ogilby, 1839
Sinónimos
Cervulus bridgemani;

Cervulus micrurus; Cervulus reevesi; Cervulus sclateri; Cervulus sinensis; Cervus lachrymans; Cervus reevesi; Muntiacus lachrymans.

O muntjac-de-reeve (Muntiacus reevesi) é um cervídeo nativo do sudeste da China (de Gansu a Yunnan) e de Taiwan.[1] Foi introduzido na Bélgica, na Holanda, no Reino Unido (nas Terras Médias e em Gales)[2][3], na Irlanda e no Japão. Seu nome provém de John Reeves, empegado da Companhia Britânica das Índias Ocidentais no século XIX.

Descrição física[editar | editar código-fonte]

O muntjac-de-reeve adulto mede cerca de meio metro de altura, até os ombros,[4] e 1,15 m de comprimento, com a cauda de 10 cm. A massa de espécimes maduros varia entre 10 e 18 kg. Possui pelos marrom-avermelhados, em gane parte do corpo; negros, nas patas e face; creme, na barriga; e brancos, também no abdome. Os machos possuem chifres curtos, que se originam de uma protuberância óssea relativamente grande, e "presas", típicas do gênero Muntiacus. As fêmeas também têm a protuberância no crânio, porém reduzida.

Espécime macho.
Fêmea no Museu de Praga.

Comportamento[editar | editar código-fonte]

O M. reevesi se alimenta de ervas, brotos suculentos, fungos, bagas, gramíneas, nozes e cascas de árvores. Quando oportuno, consomem também ovos e carcaças.[5] Habitam florestas e estepes. São mamíferos crepusculares e solitários. Durante o acasalamento ou ao serem ameaçados, emitem um som similar a um latido. Graças a esse comportamento, também são chamados de cervos-latidores, assim como outras espécies que também apresentam essa característica.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Fêmeas de muntjacs-de-reeve atingem a maturidade sexual no primeiro ano de vida.[6] O acasalamento ocorre ao longo do ano. Sua gestação leva de 209 a 220 dias. As fêmeas limitam o número de episódios de acasalamento, embora o tempo entre episódios sucessivos seja determinado pelos machos.

Importância econômica[editar | editar código-fonte]

Sua pele curtida é notável pela sua maciez, enquanto sua carne, com baixo teor de gordura, é apreciada na culinária.

Introduções[editar | editar código-fonte]

Os muntjacs-de-reeve foram introduzidos no século XIX, na Abadia de Woburn, na Inglaterra, pelo duque de Bedford da época. Como o número de espécimes que dela fugiu era reduzido, acredita-se que esses não são os antepassados da atual população encontrada no Reino Unido. No entanto, um número considerável de cervos dessa espécie escapou do Zoológico de Whipsnade. Há maior chance de que estes últimos sejam os verdadeiros ascendentes dos M. reevesi do UK.

Desde o Wildlife and Countryside Act 1981, é proibido libertá-los, fora de seu território nativo, sem autorização legal.

Nos anos 60, houve uma fuga de muntjacs-de-reeve de um zoológico na Penínsla de Bōsō, no Japão. Em 2017, sua população no país alcançou 60000 indivíduos. É considerada uma espécie invasora nociva.

Subespécie[editar | editar código-fonte]

  • Muntiacus reevesi jiangkouensis
  • Muntiacus reevesi reevesi
  • Muntiacus reevesi micrurus;
  • Muntiacus reevesi sinensis.

Referências

  1. Wilson, D.E.; Reeder, D.M., eds. (2005). «Muntjac-de-reeve» 
  2. «Espécies exóticas e introduzidas europeias». Consultado em 12 de janeiro de 2018 
  3. «Você viu esse cervo perigoso?». Consultado em 12 de janeiro de 2018 
  4. «Espécies não-nativas» 
  5. «Reeve's Muntjac» 
  6. «The British Deer Society»