Muralhas de Ponte de Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Muralhas de Ponte de Lima
Ponte de lima torre cadeia velha (1).JPG
Torre da Cadeia Velha, Ponte de Lima
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção ()
Estilo
Conservação
Homologação
(IGESPAR)
N/D
Aberto ao público
Muralhas de Ponte de Lima: Arco da Porta Nova.
Muralhas de Ponte de Lima: Torre de São Paulo.
Torre de São Paulo: vista a partir da Ponte Velha.

As muralhas de Ponte de Lima localizavam-se na freguesia de Ponte de Lima, vila e concelho de mesmo nome, distrito de Viana do Castelo, em Portugal.

Pouco resta das defesas desta que é considerada a vila mais antiga do país, às margens do rio Lima, e capital do Alto Minho até ao século XV.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Embora não haja informações seguras acerca da primitiva ocupação humana de seu sítio, ela se prende à travessia do rio Lima, onde primitivamente existiu uma ponte romana, substituída, na Idade Média por outra. Desse modo, além da via natural constituída pelo rio, que comunicava o litoral com o interior, estabelecia-se uma encruzilhada com a antiga estrada romana (via XIX do Itinerário de Antonino) que ia de Braga a Astorga, passando por Lugo e Tui, utilizada posteriormente, na Idade Média, por peregrinos rumo a Santiago de Compostela.

A cerca medieval[editar | editar código-fonte]

No contexto da Reconquista cristão da Península Ibérica, este dinâmico burgo medieval recebeu o seu foral da Condessa D. Teresa, institucionalizando a sua feira, a 4 de Março de 1125. Nesse documento afirma-se ter ela ter resolvido fundar uma vila no lugar denominado "Ponte", concedendo privilégios a todos os que aí se fixassem.

De fortificação tardia, as suas defesas foram iniciadas sob o reinado de D. Pedro (1357-1367), iniciando-se a brita da pedra para a cerca da vila a 8 de Março de 1359 e o muro a 3 ou 6 de Julho do mesmo ano, conforme inscrição epigráfica originalmente na Torre Velha. Os trabalhos estariam concluídos anteriormente a 11 de Maio de 1370, no reinado de D. Fernando (1367-1383), tendo desempenhado importante papel estratégico sob o reinado de D. João I (1385-1433).

À época dos Descobrimentos (com Viana do Castelo), e posteriormente, durante o chamado Colonialismo Português, acumulou lucros com a exploração do açúcar e do ouro do Brasil, o que se reflete até aos nossos dias na riqueza de seu património arquitetónico, civil e eclesiástico. Como exemplo, cita-se o pequeno castelo erguido erguido a partir de 1469 por D. Leonel de Lima, 1° visconde de Vila Nova de Cerveira (transformado em Paço no século XVIII) e, sob o reinado de D. Manuel I (1495-1521), pela Torre da Cadeia e pela Porta Nova.

Do século XVIII aos nossos dias[editar | editar código-fonte]

A prosperidade trouxe o crescimento da vila, absorvendo a cerca tardo-medieval. Em fins do século XVIII, a Câmara Municipal autorizou a demolição de partes da antiga cerca para reutilização da sua pedra (1787). Em meados do século XIX foi demolida uma das últimas torres, datando dessa data (1857), a única foto conservada da Torre Velha.

Chegaram aos nossos dias a Torre da Cadeia Velha[1] e a Torre de São Paulo, classificadas como Imóvel de Interesse Público por Decreto publicado em 20 de Março de 1945.

Características[editar | editar código-fonte]

A cerca tardo-medieval de Ponte de Lima apresentava planta oval irregular, relativamente extensa, desenvolvendo-se por mais de um quilômetro. Defendida por uma barbacã, era reforçada originalmente por nove torres e compreendia a ponte em estilo gótico, defendida por sua vez por duas torres: a Torre Velha, a Norte, e a Torre da Ponte, na extremidade oposta, inscrita na defesa da vila. Posteriormente, no século XV, edificou-se a Torre do Castelo, junto à cidadela, a Sul. Da primitiva ponte romana restam-nos cinco arcos em volta redonda no lado Sul, contrastando com os arcos ogivais correspondentes à reconstrução tardo-medieval.

O acesso à vila era feito através de seis portas, das quais subsiste a chamada "Porta Nova". Das primiticas torres subsistem duas:

A Torre da Cadeia, também denominada como Torre da Porta Nova é fruto das obras erguidas no reinado de D. Manuel I para instalação da cadeia da Correição da Comarca, tendo sido concluída em 1511. Constitui-se numa casa-forte acastelada, com planta no formato quadrangular, dividida internamente em três pavimentos e uma enxovia. A estrutura apresenta janelas gradeadas sobrepostas, é coroada por merlões piramidais, e ostenta no alçado Sul o escudo de armas do soberano e uma esfera armilar. Era acedida originalmente pelo adarve da muralha, tendo recentemente sido aberta a porta de arco quebrado em seu pavimento inferior, para o que foram realizadas obras de rebaixamento do mesmo.

A Torre de São Paulo, de planta quadrangular coroada por merlões, foi erigida no século XIV, integrando a cerca da Vila. O seu nome deve-se à existência de uma imagem desse santo numa edícula sobre a porta do postigo que lhe era adjacente. Fazendo parte do reforço estrutural da muralha, maciça e sem fenestração, sofreu intervenções no início do século XVI, perceptíveis na única porta de acesso ao nível do adarve do muro adjacente. Conserva nas paredes pelo lado interno, os apoios do madeiramento dos pisos. Externamente, na face voltada para o rio, encontra-se um painel de azulejos de autoria de Jorge Colaço, representando o episódio de D. Afonso Henriques na Cabração (Cabras São Senhor!). Como recordação das cheias do rio, no alçado pela rua do Postigo, quase ao nível da cota do pavimento pode ler-se uma inscrição gótica, que reza: "Aqui chegou o rio pelo risco".

Referências

  1. Torre da Cadeia Velha in Câmara Municipal de Ponte de Lima. Consultado em 7 set 2011.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Muralhas de Ponte de Lima